Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Caneca de Letras

Caneca de Letras

Um Novo Dia!

 

Sempre que te deixar cair...

Te pedirei perdão, meu coração.

Nessa ilusória estrada, caminho repleto de despojadas lembranças, várias foram as vezes que se coleccionaram as quedas, tristes e desgostosos reencontros com a amargurada realidade.

Nesse rumo, destinadamente complexo, vários foram os tropeços, esse gatinhar antes dos primeiros passos.

Mas sempre te agarrei com carinho, te protegi após cada surpreendente cadafalso.

E sempre insisti...

Sempre destemidamente te disse que valeria a pena errar, sorrindo sem receio de que possa novamente acontecer.

Pela mesma estrada, sempre pela mesma, sob o mesmo sol, o mesmo céu, nessa busca constante do que sempre habitou dentro de ti.

Parecia que nenhum outro lugar, nenhum outro dia, seria tão perfeito como aquele que acabava de nascer, repetidamente perfeito depois de mais uma noite de desilusão, repleta de feridas, impregnada de mágoas...

Mas sempre irrompia um novo dia.

Uma nova querença, esperança desse novo querer.

E repetia-se...

Renovava-se esse intenso amor, essa imensa vontade de amarrar a saudade infinitamente.

Infinitamente, como se o infinito fosse apenas uma pequena parte de ti.

Sempre que te deixar cair...

Sempre que isso acontecer...

Te pedirei perdão, meu coração.

Te pedirei repetidamente perdão, sem deixar esmorecer esse acreditar num novo amanhecer.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

 

 

 

7 comentários

Comentar post