Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Caneca de Letras

Caneca de Letras

05
Dez18

Um Amor De Verão...

Filipe Vaz Correia

 

Faça frio ou calor... Faça o tempo que fizer, demore o tempo que demorar, a teus braços regressarei, em teu braços voltarei a estar. Sem medos ou receios, as palavras saiam da boca, descontroladamente aquecidas pelos lábios apaixonados, de um louco e insano querer. Um querer maior do que esse pueril tempo que marcava o momento, os momentos, os intemporais momentos de um verão. Mas como julgar a imberbe juventude? Como interromper essa esperança, incapaz de saber, o que ainda desconhece? Naquele instante faz sentido sentir, aquele sentir maior que é amor, um amor que só aquele coração conhece, reconhece, se atreve a conhecer. Como é belo este imperfeito pedaço de uma perfeita imperfeição e que jamais voltará a ter tamanho valor? Como explicar que nada será tão poético como aquela despedida? Naquele verão se desnudam sentimentos, se amarram dores, se perdem ilusões que se misturam com as lágrimas que percorrem o rosto. Parece que esmaga e esventra, o perder das palavras, o ser efémero... Parece que esventra e esmaga não abraçar aqueles beijos e guarda-los eternamente, não poder escapar, por entre, as páginas de um livro e viver para sempre ali. Voltei várias vezes à mesma praia, aos mesmos locais, olhando para o mesmo horizonte... Busquei-te as mesmas vezes e as mesmas vezes te encontrei. Mas os teus olhos já não eram aqueles que guardei junto a mim, talvez os meus também não, para ti. Aquelas pessoas não eram as mesmas. Crescemos... Mudámos. Voltei verão após verão mas tudo mudou, se transformou, desaparecendo a inocência que alimentara tamanho amor. Sobrou a desilusão, a crescida mudança, carregada desesperança, marcada forma de ser adulto. Apaguei as linhas do caderno, arranquei as folhas acrescentadas e fechei-o... Ali o tempo não passaria, nem morreria o nosso inocente amor, pois naquele caderno, esse verão seria eterno. Assim como eterno deveria ser um amor de verão. 

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

foto do autor

Comentários recentes

  • Anónimo

    E ainda por cima morreu William Shakespeare, o pri...

  • Carlos Marques

    Exatamente. Já para não falar do denunciante perse...

  • Filipe Vaz Correia

    Meu querido Pedro...Não contente com a mistura do ...

  • pedro

    ainda estao vivos os filhos daqueles que pela cala...

  • Filipe Vaz Correia

    Meu querido Pedro...Portanto para si o que se pass...

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts destacados

Pesquisar

Calendário

Dezembro 2018

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031

Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D

Em destaque no SAPO Blogs
pub