Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Caneca de Letras

Caneca de Letras

Morrer Em Vitória

Filipe Vaz Correia, 19.12.20

 

 

 

Sinto-me desprotegido;

Em cada esquina, um inimigo,

Em cada pessoa, um perigo,

A cada dia, sem abrigo,

A cada noite, menos um amigo...

 

Sinto-me desamparado;

Em cada imagem, assustado,

A cada grito, desesperado,

A cada tiro, desanimado,

Na minha casa, enjaulado...

 

Sinto-me a esmorecer;

Sem saber para onde correr,

Todos os dias a reviver,

Esses pesadelos, que queria esquecer,

Mas que insistem em aparecer...

 

E por entre dedicatórias;

Anotadas nesta história,

Feita de mortes, sem glória,

Para sempre na memória,

Desta terra,

Vitória!

 

 

Eleições Legislativas: Uma “Salganhada” Eleitoral?

Filipe Vaz Correia, 07.10.19

 

Noite eleitoral carregada de surpresas, talvez não, num misto de derrotas vitoriosas e vitorias amargas.

O PS vence as eleições, ao contrário de há quatro anos, sem maioria absoluta, num cenário “pantanoso” mas que irá colocar à prova os dotes de negociante de António Costa.

O PS submerso nessa arrogância típica dos Socialistas, Mário Centeno foi a face dessa característica na campanha eleitoral, vê assim, com estes resultados, uma resposta dos Portugueses a tamanha altivez argumentativa.

O outro lado da “Geringonça” não vence mas também (não) perde, ou seja, o PCP perde expressão parlamentar, aliado à derrota autárquica, denotando um desgaste acentuado na sua base eleitoral, irá temer a reedição dessa “Geringonça”, sabendo também que a negação desse caminho poderá lhe custar um preço na História.

O Bloco que praticamente mantém o mesmo resultado que anteriormente havia tido, certamente, se vê desiludido tendo em conta as expectativas criadas por todas as sondagens ou essa boa imprensa que tanto”acarinha” os Bloquistas, deixando um enigma na líder Catarina Martins...

Assegurar a renovação da solução Governativa ou pelo contrário evitar a sua reedição?

O Bloco tudo fez para garantir que o PS não conseguiria a maioria absoluta, tentando assim aumentar o seu círculo de influência, porém, convém observar cada passo Bloquista, cada escolha de um partido com dores de crescimento.

E o PAN?

Um caso de ponderação...

O grande vencedor da noite.

Voltando à direita...

O PSD perdeu as eleições, não com o estrondo anunciado mas com uma contestação evidente dessa sua penitência amargurada após os anos da Tróika.

Rio parecia ter vencido esta eleição tal o excitamento com que apareceu diante dos jornalistas, certamente, influenciado pelas sondagens “predadoras” que há muito o tentavam devorar.

O PSD teve um resultado negativo mas muito superior àquele que muitos antecipavam...

Dará este resultado para evitar uma luta interna fratricida?

Duvido...

O CDS?

Bem, o CDS é a expressão maior de uma hecatombe, sendo o maior derrotado da noite, encurralado entre o surgimento de novas forças eleitorais à direita, Iniciativa Liberal ou o Chega, e as incongruentes posições da sua líder e frágil estrutura.

Cristas abandonou, num gesto com imensa dignidade, contrastando com a maioria do seu populista percurso político.

Os novos partidos que chegam à Assembleia da República, Chega, Iniciativa Liberal, Livre, trazem novas ideias ou falta delas, novos pontos de discussão, novas pontes ou batalhas...

Veremos quantos destes partidos permanecerão ao fim de uma legislatura.

Duas notas de pesar:

A morte política do sempre rebelde Santana Lopes e a despedida da queridíssima Heloísa Apolónia, colocada num distrito de impossível eleição pela estrutura Comunista numa purga carinhosa e sem direito a teatralismos.

Num tempo de discussões ecológicas o PCP assassina a líder histórica dos Verdes, o que não deixa de carregar de ironia o destino da Extrema-Esquerda Comunista, neste tempo de clima e Gretas. 

Vem aí mais uma legislatura...

Com Geringonça?

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

Rafael Nadal: O "Touro" Espanhol!

Filipe Vaz Correia, 11.06.19

 

 

 

Meus caros amigos, nunca fui uma pessoa capaz de imparcialidades desportivas, de me sentar a ver um jogo de Futebol Inglês sem torcer por uma equipe, de assistir a uma corrida de Fórmula Um sem ter um piloto preferido, de ver uma partida de ténis sem ter um jogador como meu...

A vida toda assim foi.

De pequenino torcia por Ivan Lendl contra Boris Becker ou Edberg, depois veio o tempo em que sofria por Agassi nessa disputa mítica com Peter Sampras, até à eternidade.

Depois o vazio...

Até que um miúdo chegava ao ATP, ali pelos idos de 2004, de vestes meio desgarradas, tentando competir com os melhores, com o novo Rei que se afigurava senhor do "futuro".

Todos eram adeptos de Roger Federer, o Suíço que deslumbrava o mundo do Ténis, pelo talento, elegância, capacidade de inovar...

Eu não.

Torcia por Rafa Nadal, por esse menino Espanhol que chegado à alta roda do Ténis prometia lutar por cada ponto como se fosse o último.

Por estes dias Nadal alcançou a vitória número 12 em Roland Garros.

Sim...

12!

Palavras escasseiam para caracterizar esta garra, este nível, esta demonstração de superação constante de alguém que sendo especial, único, lutou nos últimos anos com demasiadas lesões, contrariedades.

Nadal é isso mesmo...

Exemplo de atleta, de superação.

E eu aqui permaneço como adepto, orgulhoso daquele menino de outrora, curioso por esse próximo passo que nos surpreenda, nos arrebate até deixar sem palavras.

O Olimpo do Ténis Mundial encontrará um lugar especial para tamanho atleta, sem deixar esquecer a desmedida superação do Touro ♉ Espanhol.

Gracias Rafa.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

O Dia De Portugal Chegou Mais Cedo...

Filipe Vaz Correia, 10.06.19

 

 

 

O dia de Portugal chegou mais cedo...

A 9 de Junho a Selecção Portuguesa deu início às comemorações do 10 De Junho.

Portugal venceu a Liga das Nações, a primeira da História, cravando indelevelmente o nome desta nossa Nobre Nação nos anais do mundo do Futebol.

Todos ficarão para a História mas Rúben Dias, Bernardo Silva, Rui Patrício, Gonçalo Guedes e Cristiano Ronaldo irão para sempre cintilar mais do que quaisquer outros...

Ronaldo sempre ele, de braçadeira no braço marcando o compasso de tão bela sinfonia.

E Fernando Santos...

Criou uma equipa que não joga espectacularmente bem, não encanta pela beleza do seu jogo, do seu futebol mas vence, conquista, enche de orgulho a velha Nação Lusitana.

Obrigado Selecção...

Parabéns Portugal!

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

Foi Muito Mais Do Que Uma Taça De Portugal...

Filipe Vaz Correia, 26.05.19

 

Vencemos...

Um jogo emocionante, impregnado de esforço e dedicação Leonina, numa mistura de suor e lágrimas recompensadas com o sorriso maior da conquista.

O Sporting não venceu apenas a Taça de Portugal, na final de ontem, naquele relvado o SCP resgatou um pedaço da sua identidade, uma parte da sua alma, o direito a encerrar um momento que ainda pairava sobre o Leão.

Ali...

Por entre as luvas de Renan e os pés de Luiz Phylippe regressei à minha meninice, também eu reencontrei a alegria de poder gritar...

Sporting!

Obrigado a todos os jogadores pois sem a garra demonstrada, nada disto teria sido possível.

Por fim, salientar a presença de Adrien e Rui Patrício, principalmente a do Rui que será sempre um exemplo de atleta para mim.

Viva o Sporting

 

 

Filipe Vaz Correia