Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Caneca de Letras

Caneca de Letras

26
Nov19

As “Silenciosas” Cicatrizes Da Violência Doméstica...

Filipe Vaz Correia

 

A violência doméstica...

Após 20 anos da criação do Dia Internacional da Eliminação da Violência contra as Mulheres, tive acesso a números assustadores em relação a este tema, não só escrito em garrafais letras femininas, assim como, também em letras masculinas e infantis.

Durante este ano de 2019, já foram mortas 33 pessoas em Portugal, enquadradas neste crime de violência doméstica.

Um número aterrador, à volta de 3 pessoas por mês, na sua esmagadora maioria mulheres...

25 mulheres, 7 homens e 1 criança.

Sinceramente, observando esta triste realidade plasmada em relatos e desabafos, é impossível não pensar onde estamos a falhar enquanto sociedade e onde estarão a falhar aqueles que estando no poder devem legislar para banir este tipo de comportamentos do nosso quotidiano.

É de facto insustentável continuarmos a abrir um jornal ou ligar a televisão e assistir constantemente a um sem número de relatos, carregados de animalidade e brutalidade, onde o factor desespero deverá marcar a mente de cada um de nós.

Em muitos destes casos, os agressores estão sinalizados ou já deram sinais de potencial agressividade, no entanto, por um ou outro motivo, sejam ele de costumes ou de lei, acabam sempre por serem desvalorizados até ao dia do trágico crime.

Impera mudar as leis, mudar a visão que todos temos da sociedade em geral, penalizando de forma absolutamente impiedosa este tipo de crime, sem direito a penas suspensas ou qualquer outro tipo de desculpabilização social...

Nesta desculpabilização incluo, com lástima, as vítimas que muitas das vezes em nome do dito “amor”, por medo ou vergonha, optam por calar ou esconder, por silenciar ou atenuar o comportamento dos seus agressores, sejam eles homens ou mulheres.

Para que isso possa acontecer, é também necessário que estas vitimas possam sentir uma cobertura do Estado e da sociedade, capazes de garantir o respaldo suficiente para quem de forma corajosa se insurge contra a barbárie, física ou psicológica, perpetrada por seus algozes.

Ao ver nas ruas, mulheres e homens, recordando este dia, resolvi escrever sobre o tema, juntando assim a minha “pequena” voz, a todos aqueles que se sentem esventrados com cada morte, cada sofrimento, cada atroz violência plasmada nestes números.

É hora de se mudar mentalidades, de se gritar:

Violência... Não!

Em nome de mulheres, homens, enfim...

De todos nós.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

 

 

 

09
Mar19

Um Juíz Ou Um Boçal?

Filipe Vaz Correia

 

Na capa do Jornal Expresso, desta semana, uma frase marcante do já célebre Juiz Neto de Moura...

"Os casos que julguei, não são particularmente graves."

Et voilá!

Uma pérola de sapiência judicial, diria mesmo, de sabedoria ancestral na voz de um doto Magistrado.

Na verdade, não posso deixar de concordar com o Senhor Doutor Juiz, pois apesar de inicialmente ter ficado estupefacto, consigo compreender a plenitude e alcance de suas sábias palavras.

Em nenhum dos casos julgados pelo Juiz Neto de Moura, a vítima foi assassinada, morta, decapitada, logo a gravidade destes casos é absolutamente relativa.

As Senhoras poderão, em alguns destes casos, ter levado um par de bofetadas, uma ou outra cabeçada, um ou outro pontapé, o que analisando bem, em nada difere de um jogador de futebol ou de um pugilista profissional, encaixando assim no patamar de normalidade, aos olhos do "nobre" Juiz e provavelmente do seu "Deus".

Num desses casos, a Mulher terá levado com uma, "pequena", moca de pregos e noutro desses casos terá ficado com um tímpano perfurado...

Casos estes que têm levado, incompreensivelmente, ao histerismo da opinião pública.

Mas a dita Mulher não tem, ainda, um outro tímpano em bom estado?

Não consegue adquirir um daqueles aparelhos auditivos que estão sempre a anunciar nas televisões?

Não estão vivas? 

Se sim...

Para quê tamanho alarme?

De facto, no meio de todas as incredibilidades que vamos ouvindo e lendo, sobre este Magistrado, torna-se claro que não se tratará, apenas, de uma questão de lhe retirarem os casos de Violência Doméstica...

Na minha opinião, é caso para questionar se o dito Juiz estará na posse de todas as suas faculdades ou será apenas uma questão de Boçalidade bafienta, meio empedernida, por entre, o pó de uma qualquer caverna, de onde terá saído.

Haja paciência e já agora Justiça.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

05
Fev19

A Violência Doméstica E Os Seus Monstros... Até Quando?

Filipe Vaz Correia

 

Por vezes, principalmente neste mundo actual, parece que tudo foi visto e ouvido, que os terrores já foram todos contados na antena da CMTV ou denunciados na, alucinante, Internet.

Histórias escabrosas, causadoras de espanto e medo, num vendaval de pesadelos transformados em realidade.

Quantas e quantas vezes pensamos...

Já nada me espanta?

Mais um tiroteio nos Estados Unidos, um atentado em Cabul, um massacre na Síria ou uma violação em Bombaim.

Calma...

Eu sei que, actualmente, se chama Mumbai.

No entanto, nada nos prepara para este tipo de notícias que marcam os "directos" em Portugal...

Este duplo homicídio, seguido de suicídio.

Devo dizer que sempre que oiço falar de suicídio, algo me faz sofrer por aquelas pessoas, sentir esse respeito por alguém que, numa qualquer circunstância da vida, optou por partir.

Mas aqui, não quero...

Não consigo.

Questiono até por que razão, este Monstro, não optou por fazer tudo ao contrário...

Primeiro o suicídio, depois a vida tranquila daqueles que resolveu assassinar.

E esta filha que também foi Mãe, é Mãe...

Como sobreviver diante da tamanha crueldade do destino, entregue à incompetência daqueles que, ao longo do tempo, não atenderam às suas queixas e permitiram que um homem violento, tivesse tempo, espaço e vontade para perpetrar o seu hediondo crime.

Não tenho palavras...

No primeiro mês de 2019, quase Dez Mulheres foram assassinadas por violência doméstica.

E continua a vida a girar e nada a ser feito ou alterado.

Não tenho palavras, ou melhor, as que tenho não querem mais aqui voar.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

 

19
Jan19

Manuel Maria Carrilho: O Ministro Da "Cultura" Do Ódio

Filipe Vaz Correia

 

Não consegui passar indiferente a esta polémica envolvendo o programa de Ana Leal, na TVI...

Sinceramente, fiquei petrificado com as imagens de Manuel Maria Carrilho, com aquela espécie de violência desavergonhada que envergonha qualquer pessoa de bem.

Neste caso, uma perplexidade me atormenta...

Como alguém com esta personalidade, um tipo de "psicopata", pode ameaçar e atormentar impunemente, sem que um Juiz o impeça de "passear" livremente durante anos, numa gratuita forma de "violação" constante da sua ex-mulher e seus filhos.

O comportamento de Carrilho, naquelas imagens, é abjecto, manipulador, maquiavélico, demonstrador de uma pérfida forma de amar, entrelaçando nesse sentimento, o terrível e odioso ressentimento expresso em cada olhar, a cada palavra.

Um pequeno retrato de um inferno, repleto de mentiras e  agressões, desnudado aos olhos de todos nós, sem capas, sem filtros, sem mais nada.

Ao comentar esta reportagem, violento princípios meus, uma forma de estar e pensar, pois considero que ao divulgar aquelas imagens, a TVI contribuiu para a violentação daquelas crianças, expondo os mesmos ao terrível animal que é a opinião pública.

Se por um instante, conseguirmos nos colocar no lugar do Dinis ou da Carlota, talvez consigamos imaginar a dimensão da escadaria de sua escola ou a porta fechada da sala de aula, neste dia que chega após a divulgação desta reportagem.

Se conseguirmos, poderemos sentir um pedaço desse temor que os deve ter acometido.

Mas enfim...

É o mundo que nos sobra.

E de tudo isso, de todo este pesadelo, nada deverá ser maior do que a barbaridade feita por um "louco", que por acaso também é Pai...

Só mesmo por acaso.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Comentários recentes

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Calendário

Janeiro 2020

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031

Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D