Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Caneca de Letras

Caneca de Letras

21
Fev20

Viajantes De Viagens

Filipe Vaz Correia

Viajam, viajantes de viagens, colibris e andorinhas, ramelas no canto de um olho, zarolho, tristonho, melancólico, esse traço amargo de um alcoólico que se perdeu na beira do ninho, sem saber tropeçou, por entre ruídos sucumbiu, experiência desamarrada de um pequeno recorte num desenho alado, pedaço de enfado que encobre o sorrir.

Palavras entrelaçadas, meio vagas e espaçadas, num blog transcritas, um tanto eruditas, escapulindo de mansinho. Não vou, não quero ir, esse beijo que sobrou, num sonho sonhou, o que a lembrança traída jamais imaginou. Não quero escrever, de repente recordar, cada passo de largada, abraço fachada, na voz repetitiva de um Deus sofredor. Vai e vem, caminho inóspito, pedras e pedras rebolando pela ribanceira, sobranceira questão, altiva multidão que desaparece quando a solidão se instala.

Viajam, viajantes de viagens, por entre, as gentes que sussurram, por entre, as almas que sucumbem, por entre, o tempo ausente que se torna presente sempre que o sol se põe.

Viajam, viajantes de viagens...

 

 

Filipe Vaz Correia 

 

 

13
Fev19

Por Amor...

Filipe Vaz Correia

 

 

 

Por amor...

 

Palmilho todas as terras;

Voo por entre os céus,

Percorro rios e serras,

Sem medos ou véus...

 

Soletro bem baixinho;

Escrevinhando sem parar,

Segredando devagarinho,

Cada pedaço deste amar...

 

Cada parte de lágrima seca;

Tornada em flor,

Cada pétala imperfeita,

Desse entrelaçado amor...

 

Entrelaçando na esperança;

Esse querer, desatino,

Na secreta lembrança,

Nosso infinito destino...

 

Por amor...

Simplesmente Amor.

 

 

 

 

12
Fev18

Entre Memórias E Sonhos!

Filipe Vaz Correia

 

Navegando em alto mar sobre o cristalino azul, esse azul cristalino que intermitentemente seduz, deslumbrando sem parar, essa parte que insiste em buscar, por entre as águas, um desencontrado pedaço de mim mesmo...

Um pedaço de passado, escondido no fundo do mar, que abrasadoramente descansa sem se perder, e se vai perdendo misteriosamente na alma, que me pertence.

Buscando pessoas e rostos, esquecidos, adormecidos reencontros, meio despertos na infinita recordação que se entrelaça, com aquela imensidão resplandecente.

Nada poderia ter mais sentido, fazer mais sentido...

A espuma ao passar do barco, deste barco em que me encontro, trilhando ali um desejado percurso, naquele lugar que parece eternamente meu, naquele horizonte por descobrir...

Parece que tudo me pertence, sem nunca ali ter estado, misturado com aquele sorriso perdido que esforçadamente desejo encontrar, abraçando desmesuradamente a contradição em mim mesmo.

Tantas e tantas palavras amarradas ao ondular daquele barco, ao constante perder por entre mar e céu, numa infinitude que assusta...

Assusta assustadoramente a pequenez do bater do meu coração, destemperadamente só, num singelo vazio, assemelhada solidão da fugacidade intemporal.

Desejo mergulhar...

Tão profundamente quanto me permitir o sonho, sonhando intensamente, num silêncio ruidoso que desvanece devagarinho.

Tão profundamente...

Que a alma pudesse reencontrar aquele outro olhar, outra vez.

Outra e mais outra.

Mas se calhar, é equivoco, é um desesperante equivoco.

Se calhar esse mar é sangue, assim como de sangue serão as lágrimas que salgam cada parte, discretamente ousada do pensamento.

Como é sangue cada partida tua, vida após vida, até ao inusitado momento em que à distância, voltamos a vislumbrar o desenho de uma nova vida...

Mas e se for a última viagem?

O último reencontro desta intemporal viagem?

Só no fundo daquele mar repousarão as respostas, morrerá a saudade, se esconderá infinitamente tamanha resposta, tamanha tristeza, desenhada em telas eternas.

E assim, continua o barco a navegar, o mar a reluzir e o sonho a esvoaçar como se nada mais fosse importante, como se por uma vez, o passado e o presente fossem um só...

Um só!

 

 

Filipe Vaz Correia

19
Jan18

Divagações...

Filipe Vaz Correia

 

Existem desenhos na parede, pedaços de vida retratados em cada parte dessa alma, que ali ficará para trás, aprisionada a tantos e tantos momentos escondidos...

Encaixotados num destino que se esqueceu de ficar.

Partiu...

Despudoradamente partiu, assim como o tempo, que correu sem parar, por entre os ventos de um futuro que não se esqueceu de chegar.

Chegadas e partidas, regressos e despedidas, caminhadas e desencontros, em reencontrados encontros finitos...

Ou finitos desencontros reencontrados?

Tantas palavras, tamanhas palavras, neste corrupio denominado de vida, nesta roda gigante, onde as entradas e saídas, vão sendo marcadas por entre lágrimas...

Sempre lágrimas, contraditoriamente opostas.

O destino é esse desígnio misterioso, inacabado desenho do tempo, de escolhas, erradas ou certas, de palavras, ditas ou amordaçadas, de desejos, pedidos ou perdidos.

Tantas viagens por cumprir, tantas já cumpridas, num sonho impreciso, imenso, intenso...

No meio deste sonho, definição da alma, vai cantando a velha chama, vai ardendo o velho poema, sempre inteiro, como o primeiro amor.

 

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

13
Jan18

Pequena Criança...

Filipe Vaz Correia

 

Já não vai cantarolando aquela criança, sentada no beiral da porta, onde todos os dias parecia se deixar perder, por entre melodias intermitentes.

Vai ficando o silêncio, o vazio de vozes, de vida, de um descompassado existir.

Uma montanha de cores, de cheiros, marcando as viagens de tamanhos caminhos, disposto através do olhar daquele menino, pedaço de vida sem igual.

Ali sentado, onde outrora estava, repito estava, apenas se encontra a memória daqueles que por ali passavam, sempre apressados, desatentos...

Essa memória desatenta, mas que melodiosamente era despertada por pequenos acordes, do acordeão encardido, raspado, vivido.

Para onde terás ido?

Porque nunca ninguém parou, para te perguntar?

Nessa ausência, impregnada de nada, vazia, a ferros arrancada das profundezas desta oca Humanidade, vai desalmadamente carregando de arrependimento, os que deixaram de ouvir, o pequeno trautear daquela voz infantil, tristonhamente irrequieta.

O mundo avança, o tempo voa...

E mais vazia aquela rua, mais despida aquela porta.

Já não vai cantarolando aquela criança!

Aquela criança, que poucos poderiam descrever, desatentos ao seu olhar, à expressão do seu rosto, à imensa vontade de ser mais um, como nós.

Mas aquele cantarolar, aquela tristeza inerente à sua voz, tristeza perdida de um destino amargo, essa...

Essa grita ao mundo, as palavras que ainda ecoam através do vento, naquela ruela, naquela porta, naquele pedaço de mundo.

Para onde foste, pequena criança?

Para onde foste?

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

13
Jul17

A Ilha Deserta

Filipe Vaz Correia

 

Uma ilha deserta, sem ninguém...

Um pedaço de terra no meio do oceano, rodeado de mar, da imensidão do silêncio que percorre vezes sem conta, a solidão.

O azul daquele mar, beijando a areia que o recebe, o sol abrasador que o acompanha e o meu olhar expectante que insiste em aguardar um sinal...

Alguém!

Por vezes ao longe pareço vislumbrar um navio, uma imagem que provem da imaginação que ainda em mim resiste, do ardor intenso de poder acreditar.

Esta luta constante entre a realidade e o sonho, entre o desejo e a vontade, entre o ser e o existir...

Tantos enigmas, incompreensíveis melodias escondidas em cada recanto desta ilha sem nome, deste lugar encantado em que se guarda o desencantado, desencantamento meu.

Tantas palavras para escrever, nesta folha que ainda me pertence, tantos desabafos para eternizar nessa garrafa que lançarei ao mar...

Esperando que esse imenso azul, o leve para o mundo, que o liberte por entre as nuvens que não consigo aqui descrever e um dia possam através delas libertar-se em forma de chuva, esta parte mais esquecida da minha alma.

E assim nesta ilha deserta, neste recanto imaginado, fica guardado este pequeno pedaço de um naúfrago.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

03
Jul17

Nova Iorque...

Filipe Vaz Correia

 

Sempre detestei aviões, viajar por entre as nuvens nesse animal inventado pelo homem, no entanto, estranho será dizer que a viagem que voltaria a fazer, foi precisamente a mais longa que algum dia fiz...

Um contra-senso?

Talvez seja, no entanto, é a mais pura verdade.

Sempre achei que ao entrarmos num avião arriscamos a vida, um género de fobia muito minha, o que faz com que reze constantemente durante a viagem, acreditando até que de forma irritante para quem comigo viaja, mas é importante na minha mente garantir toda a ajuda possível para que nada corra mal.

Sinceramente jamais arriscaria que no meu epitáfio ficasse registado que ia num avião que tombara a caminho da Republica Dominicana, Recife, Cancun ou outro destino que tal, pois entendo que para arriscar a vida é necessário mais do que uns mergulhos numa qualquer praia...

Para praias não preciso sair de Portugal.

Atenção, sempre respeitando outras opiniões...

No entanto, arriscaria São Petersburgo, Paris, Roma, Cairo, Rio ou até Havana, rezando como nunca e esperando que o dito animal se portasse condignamente.

Mas aquela cidade que provoca estas minhas saudades, esta vontade imensa em regressar é a bela e sedutora Nova Iorque, da qual esperava eu muito menos do que realmente ela me deu...

Nova Iorque seduziu-me inexplicavelmente, pejada de luz e cheiros, de uma multiculturalidade impressionante, formigas por entre a multidão mas incrivelmente acolhedora, numa espécie de museu constante misturado com o ritmo acelerado de uma festa interminável.

Aquela magia envolvente que não esperava, esse amarrar de alma num banho intenso aos pés do Rio Hudson...

Aproveitaria também para dar uma escapadinha a Boston, sentir um pouco daquele espírito Irlandês que ainda subsiste em cada bar e por aquelas ruas.

E terminaria a minha viagem nos Hamptons, numa bela casa de praia, bebendo um bom vinho branco gelado enquanto aqui escrevia mais um post...

Que saudades de Nova Iorque e das malditas oito horas de viagem.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

09
Abr17

No Fundo Do Mar!

Filipe Vaz Correia

 

No fundo do mar, descubro um mundo impregnado de magia, de poesia perdida em cada coral, em cada barco naufragado, em cada planta aquática, em cada recanto escondido do nosso terrestre olhar...

Prendo-me sem senãos, sem receios de me perder por aqueles caminhos que parecem não ter fim, diante daquele horizonte azul, daquela imensidão sem fim, que nos parece abraçar, acolher e convidar a ali permanecer, para nunca mais partir.

Ali no fundo do oceano, o silencioso ruído, daquele ruidoso silêncio que nos inebria, como uma dança contemporânea, num qualquer palco, de uma qualquer cidade europeia...

As luzes que não existem, as cores que nos invadem, os animais que nos observam respondendo com os seus olhares ao nosso curioso olhar.

Como é belo, este novo mundo...

Como flutuo no fundo daquele oceano, sem verdadeiramente flutuar, como deslizo, sem que realmente deslize, como me sinto solitário, sem que na verdade, sozinho ali esteja...

O tempo ausenta-se, desaparece, deixa de ser prioridade, pois tudo corre como deve, como se supõe, por entre a leveza existente em cada momento de calmaria, que sorri debaixo daquele mar.

Fecho os olhos por um momento, esse instante, segundo, onde me sinto um peixe mais, ou melhor, um mamífero, como um golfinho, serpenteando devagar, bailando numa espécie de vontade que se apodera, sem nos largar, sem nos abandonar, de não mais regressar.

E nesse vai-e-vêm, sinto um toque no meu ombro, o sinal para subir para o barco que nos esperava, terminando aquele sonho, tão intenso e real, que me fez acreditar por um momento que seria possível ali pertencer...

Subi...

Continuei a subir, deixando para trás as minhas lágrimas salgadas, misturadas com aquele pedaço de mar, que por um momento também foi meu...

Também me pertenceu.

 

 

Filipe Vaz Correia

15
Mar17

A Minha Lisboa...

Filipe Vaz Correia

 

Sentado no Nicola, no Rossio, contemplo a nova vida cosmopolita da minha cidade...

Da minha, Lisboa.

Encontro como gerente, um amigo de muitos anos, que antes trabalhava na mítica Mexicana e me convida a sentar, onde aproveitei para beber um belo café, acompanhado por um retemperador whisky, cheio de pedras de gelo, como convém num dia de tanto calor.

Aqui acompanhado por estas fachadas, por estas pedras da calçada, impregnadas de história, de histórias, voo pelo tempo, imagino rostos, emoções em cada uma daquelas pessoas.

Oiço Alemão, Inglês, Espanhol ou Chinês, intervalado pelas fotografias amarradas a cada Japonês que desfila por aqui, em tantos e tantos tuc-tuc, como pequenas formigas, serpenteando por entre os carros que passam sem parar...

Jovens e velhos, amigos e famílias, casais e gente sozinha, vislumbram ali, com espanto a beleza eterna, intemporal, desta cidade, com a tamanha luz que a embeleza, vezes sem conta, como nenhuma outra, como em nenhum outro lugar.

Aqui já esteve sediada a sede da Inquisição, há muitos séculos atrás, aqui Reis e Rainhas vieram ao teatro, escritores e artistas se reuniram em tertúlias e conspirações, aqui se conta grande parte da nossa história, da nossa alma...

Daqui vejo uma parte, do Castelo de São Jorge, escondido, meio envergonhado, o elevador de Santa Justa, imponente, altivo, por aqui observo a agitação insistente que tomou conta desta nova cidade...

A velha Lisboa.

E assim, sentado no Nicola, envolvido por esta nova alma, por tanta e tantas pessoas, sou mais um a contemplar, os segredos guardados em cada pedra desta calçada, em cada fotografia pintada, nesta tela viva, em que se tornou a minha cidade...

A Lisboa, de todos nós!

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

 

23
Fev17

Viajando Pelas Estrelas!

Filipe Vaz Correia

 

A noite brilhante, com o seu céu estrelado, que iluminava o imenso lamaçal que tenho de subir...

Atolados os meus pés, numa fuga destemperada por entre este caminho que enfrento sem fugir.

Caminhando, viajante, pelos gostos envelhecidos da sabedoria estampada, nos rostos daqueles que observam o meu destino...

Não o quero saber, continuo a subir em busca da beleza escondida, em cada estrela presa ao imenso céu que contemplo nesta noite cintilante.

Sinto os cheiros daquelas casas vazias, de gente, de cor, com alma...

Contemplo no cimo daquele lugar, a imensidão que por debaixo de mim existe, ignorando os ruídos, os gemidos, as intensas contradições insistentes.

E nesse instante, em cada estrela um sorriso, em cada rosto uma esperança, em cada olhar encontrado, um pedaço de alegria, de vida.

Um pequeno campo de futebol, iluminado por esses candeeiros encardidos, empoeirados, onde rejubilam os meninos, enquanto chutam aquela pequena bola de trapos, como se tratasse da sua maior recompensa...

E se calhar, seria!

Olhei novamente para aquela imensidão, guardando simplesmente na memória, a pequenez dos nossos destinos...

E assim observo a constante rotação daquelas estrelas, que sobrevoam os sonhos daquelas vidas, com aquela lua como companheira, discreta, tímida, presente...

Mas naquele momento, perdido naquela imensidão, aquelas estrelas eram só minhas e do meu desejo de sonhar.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

  

 

Mais sobre mim

foto do autor

Posts mais comentados

Comentários recentes

  • Filipe Vaz Correia

    Meu querido JB...Uma desilusão.A direita a precisa...

  • Filipe Vaz Correia

    Minha querida BC...Um beijinho do tamanho do mundo

  • Filipe Vaz Correia

    Minha querida BC...Um beijinho

  • BC

    Que tenhamos sempre os nossos sonhos espero que e...

  • BC

    Como diria Sophia, "amigo é quase a melhor palavra...

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Calendário

Novembro 2020

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930

Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D