Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Caneca de Letras

Caneca de Letras

Eleições Legislativas: Uma Semana de Opinião

Filipe Vaz Correia, 25.01.22


Faltam poucos dias para as eleições e algumas sondagens dão o Chega como terceira força política...

Sinceramente fico abesbilico!

Mas enfim...

Quanto a mim, sem ter nenhum líder que me complete, tendo a votar no meu partido de sempre, o PSD.

Porém necessito de uma garantia:

Nenhuma coligação poderá ser feita com o Drº Venturete e a sua coelha Acácia...

Animais por animais prefiro os do PAN.

Até amanhã...


"Não posso deixar de notar que depois de escrever este post, assisti no jornal da noite da CNN a declarações de Manuela Ferreira Leite sobre a relação entre PSD e Chega que me deixam inquieto.

Irei repensar nestes dias o meu voto tentando perceber se terei de deixar cair o meu lado mais Estatista ou Comservador e olhar para a IL como o mal menor nestas eleições."

 

Filipe Vaz Correia

 

 

Saudades de um Amigo

Filipe Vaz Correia, 06.01.22

 

 

 

90D42FE1-7410-49A9-BA5D-08B4230830AD.jpeg

 

 

Aprendi ao longo da vida que esta é um sopro, uma leve brisa de vento que nos amarra e liberta, deixando somente um rasto do que de bom por nós passou.

Em 6 de Janeiro de 1978 nasceu uma das pessoas mais importantes da minha vida, alguém que marcaria todos os dias e vastas memórias desde que nos cruzámos.

O Luís Miguel foi o meu melhor amigo, da tenra infância até ao inicio da juventude, altura em que infelizmente nos deixou...

O Luís foi a pessoa mais corajosa que conheci em toda a minha vida, um amigo leal e fraterno, o mais leal de todos, percorrendo um caminho carregado de pedras nos últimos anos de sua vida, com uma bravura que ainda recordo com o mesmo espanto que naqueles momentos admirava.

O cancro nunca o derrotou, apenas morreu com ele, nunca o quebrou mesmo que o tivesse levado à exaustão, nunca o tornou menor mesmo que por instantes o ensombrasse.

O meu amigo Luís  viveu a vida plena com o curto tempo que teve, sorriu e chorou sempre lutando, levantando-se repetidamente para mais um dia com a enorme força que só os bravos podem demonstrar.

Desde os 10 anos que fomos como irmãos, desde esse momento até aos dias de hoje busco nele e no seu olhar a inspiração para tantas coisas que por vezes nem consigo descrever, mantendo na memória cada abraço, cada olhar, cada palavra.

Faria hoje 44 anos, partiu há 26 anos...

Meu querido Luís só podias ter nascido no dia de Reis, alguém especial que me deu a honra de poder contar como amigo, como irmão.

Até sempre, deste que te ama...

Pipo.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

Dor de Filho. 11 Anos de Saudade…

Filipe Vaz Correia, 22.12.21

 

 


Ontem foi um um dia triste, a minha Mãe morreu nesse dia há 11 anos...

Nunca mais fui o mesmo, nunca mais senti o mesmo.

Todos os medos que me perseguiam nesse medo de a perder cá permanecem só que transformados em solidão, por mais acompanhado que me encontre, por maior que seja o amor que me amarre.

As saudades que subsistem por aqui continuam, mais amenas mas insistentemente acesas, mais disfarçadas mas em ferida...

Nessa ferida que não sara, nessas lágrimas que não secam, nesse amor infinito.

Assim deixo aqui um poema que escrevi há tempos, num celebrar desse amor, desse colo teu que sempre foi minha casa, nesse regaço que sempre me pertenceu como amparo.

 

 

502026A7-0B21-4717-93F0-749A159FD03E.jpeg

 

 

 

Nunca fui tão feliz, como no colo de minha mãe;

O seu cheiro, o seu perfume,

O timbre da sua voz, enfim...

 

O calor do seu amor.

 

A mão que me embalava no berço;

O olhar que seguia os meus passos,

O desejo que acarinhava o meu destino,

O meu bem querer...

 

Ai as saudades que não findam;

Os tesouros que se escondem na terra,

Os sons que se calaram,

Ó Mãe!

 

Mãe;

Palavra tão bela que me ensinaste,

Que aprendi a rimar com amar,

Que aprendi a ter como minha...

 

Minha Mãe!

 

 

 

 

Poetizando…

Filipe Vaz Correia, 17.12.21

 

 

 

C7D01B69-FAA3-44BC-8DC7-AF679BAD8B6F.jpeg

 


E se Pessoa pudesse voltar;

e cantasse Vinicius para começar

e trocasse Vinicius o escrevinhar

pela cozinha molecular

tendo Drummond a o ajudar

simplesmente a confeccionar

uma feijoada como manjar

e ao fundo Camões a trautear

uma canção de encantar

em cada letra um salivar

incitando o paladar

numa estranha forma de amar

essa cultura a deliciar

cada ouvido que ali pudesse estar...

 

Como seria bom;

tê-los todos juntos

a poetizar.

 

 

Monte Alentejano “Homenagem Aos Meus”

Filipe Vaz Correia, 10.12.21

 

 

 

784636D4-DF0E-41F7-9F00-FC5D1E72DBCC.jpeg

fotografia aleatória 

 


Em cada recanto daquele monte alentejano;

vejo os rostos dos meus avós

em cada retrato naquelas paredes

oiço o som desnudado de sua voz

em cada quarto, sala

encontro esse tempo só

do que sobrou

se tornou pó

vida que não regressa...

 

Em cada sorriso, agora, calado;

encontro um pedaço de mim

por cada momento, agora, silenciado

uma memória sem fim

de um tempo imaginado

que sobrevive assim

na minha alma...

 

E ali guardados;

quadros vivos pendurados

contando pincelados

os momentos reencontrados

desse passado

de antepassados

meus...

 

Em cada recanto daquele monte alentejano;

somente naquele lugar

somente debaixo daquele luar

ouso me reencontrar...

 

Naquele monte alentejano.