Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Caneca de Letras

Caneca de Letras

25
Nov20

A Casa D’Aguarelas!

Filipe Vaz Correia

 

 

 

Estou sentado no mesmo cadeirão do meu pai...

Do meu avô...

Do meu bisavô.

Estou sentado na mesma sala de estar, com as mesmas janelas, com os mesmos quadros, com a mesma lareira acesa que há tantas gerações, acompanha os destinos da minha família...

Esta casa outrora cheia de vida, de luz, de histórias, onde revejo a correr os antepassados que não cheguei a conhecer, os filhos que tantas alegrias me trouxeram, as noites estreladas que iluminavam o jardim, as vozes que polvilhavam a minha vigorosa alma.

Aqui sentado revejo aquele menino de calções pelos joelhos, descobrindo em cada recanto daquela casa, o mundo imaginário que despertava a mente curiosa dessa minha infância...

Os beijos que troquei com aquela que seria a mulher da minha vida, nessa adolescência tão imberbe e ao mesmo tempo, tão repleta de memórias.

As primeiras certezas, nessa incerta vontade de crescer...

As primeiras tristezas, de um familiar a morrer e as inevitáveis facetas da vida humana.

Sentado neste cadeirão, recordo esses dias e noites, pincelando essa tela, misturando as aguarelas, nessa cor que acabaria por definir o rumo do meu destino...

Nesse quadro inacabado e em constante evolução, por essa estrada que se revelou, na mais bela viagem que algum dia vivi.

Agora aqui estou, sentado sozinho, no meio desta escuridão, apenas com a lareira acesa, as janelas fechadas, as cortinas descerradas e um copo de whisky gelado, aguardando o fim deste caminho...

Nesta casa vazia, despida dessa vida que um dia a preencheu, espero o reencontro com esse passado que apenas vive em mim e nestas paredes cansadas da minha velha casa.

E assim, sentado no cadeirão, que já pertenceu ao meu pai, ao meu avô, ao meu bisavô, aguardo a hora de serenamente partir...

Partindo por entre a última pincelada, colorindo esse quadro, por fim terminado...

Representando em cada traço nessa tela, em cada cor de aguarela, o meu colorido destino.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

16
Set20

LISBOA

Filipe Vaz Correia



 

BACE718E-9EDA-4762-B4F9-8BC16C3A051C.jpeg

 

 

Já dizia a famosa canção, nessas palavras ao vento, ventando o chão... contando a doce contradição, de um amargo tormento, atormentando a solidão... ai triste sonho, sonhado em vão, arrependido sofrimento, de uma desmesurada ilusão.

Vai caminhando com Antero e Pessoa, voando nas asas da vida, desejando a deslumbrante e ardente Lisboa, esquecendo as suas margens ferida.

Lisboa...

meu amor!

Tão bela, tão jovialmente "nossa".

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

19
Ago20

Perdidas Grutas...

Filipe Vaz Correia

 

Cansado estou de escrevinhar, desse ardor nos dedos que se contraem em cada pedaço de conto, de verdade.

Porque escrevo?

Porque soletro ao vento o que contado será nas desventuras de um sonho?

Olho para a distante tela, pincelada a várias mãos, de momentos passados que se entrelaçam nas perdidas canções...

Trauteio  baixinho com receio de acordar a parte de mim adormecida, a que se perdeu, esquecendo todas as notas da ansiada partitura.

Queira Deus e o mar, o vento e o sol, os anciões passados e os vindouros que se apressarão a desempoeirar tais palavras...

Para eles um imenso adeus, entrelaçado por este desamor que compõe as entremeadas linhas de um desgosto.

Um imenso obrigado por insistirem em sonhar, em querer e voar, como pássaros e leões, leões marinhos e borboletas...

Suspiro, uma e outra vez, tantas as vezes que insisto em recordar cada parte de uma tela por cumprir, incompleta na dimensão de tantas vidas.

Cansado estou de escrevinhar, de correr e saltar, por entre, linhas de papel, folhas salteadas de um destemperado sentir...

Temperadas com a desmedida querença de querer, querer ir até ao mais recôndito lugar nas nubladas e  perdidas grutas de um singelo abraço.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

14
Jul20

No Templo De Zeus...

Filipe Vaz Correia

 

 

 

6DC9F3AF-E72F-4A0B-98F4-ED38DBD4F6ED.jpeg

 

Escrever, escrever, escrever, regurgitar o que na alma vai, minha, tua, das tamanhas solidões que se desencontram nas ruas, despidas e cruas, para sempre caladas por entre as cerradas janelas da vida. Nada pode ser mais sentido do que esse vazio colectivo, o sentir superficial do demasiado, sem que nada seja completo, intensamente fechado num ciclo bastante, agonizante e turbulento. Um quadro esborratado de todas as cores, tamanhas, misturadas na complexidão do exaustivamente quantitativo, sem que dele transborde nada, sumo, sequência. A exactidão perfeita da imperfeição, fraca e incompleta, que se afigura de somenos. Esse foi sempre o medo maior... a ausente sensação de sentir. Desse mal não sofro, sendo que de tantos outros me confesso, na exacta precisão de minhas fraquezas, diminuídas formas de querença. Respiro intensamente, de forma primeira e inteira, como se fosse ela a derradeira, tudo de uma vez. Caminho seguro na beira do passeio, equilibrando os sentidos, na beira desse abismo que me consome. Caio ou não caio... não importa, pouco importa, desde que vivido por dentro, pulsando a alma nessa confusa mistura de tempos. Para tantos o caminho se faz caminhando, trilhando espaços e palcos, pincelados uma e outra vez, numa repetida "História" de encantar. Porque não? Ou... Porque sim? Sei lá. O quadro vazio, demasiadamente vazio oferece sempre a oportunidade de nova imagem, novo desenho, novo e intenso sonhar... num novo dia, num novo querer que por vezes magoa, até esventra se o ardor for tamanho, mas sempre permitirá sentir de forma única, como se aquele sentimento fosse intemporalmente verdadeiro... verdadeiramente intemporal. E isso é que torna  belo o Olimpo. Nem todos o saberão, nem mesmo aqueles que o julgam saber, por vezes, talvez acreditem se recordar, mas nas asas das nuvens, desse Olimpo de poucos, sobrará, longuiquamente, pedaços de sorrisos, desfeitos, daqueles que ousaram tentar. Despojos ardentes de dores e feridas, de tantos... nesse caminho imperfeito ousarei continuar a buscar essa perfeição perdida no templo de Zeus.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

04
Jul20

O Amor...

Filipe Vaz Correia

 

 

 

231835D1-8F36-4EF5-851B-69570D99008A.jpeg

 

O amor, esse pedaço de tudo que se transforma em respiração, em toque e sobressalto, em olhar perdido que se entrelaça no silêncio, em partilha intensa desmedidamente entregue.

O amor, palavra sacra e vã, tantas vezes atirada para o ar nesse querer que se torna mundano, nesse vazio impreciso tornado verdade, no entanto, no seu sacro esvoaçar se eterniza, em escassos momentos, raros amantes, por entre vidas...

Vidas distantes, tornadas uma só nessa entrelaçada explicação da alma, do terno e sensível coração.

O amor de Shakespeare, de todos os Shakespearianos, se esconde desencontrado nas estradas poeirentas e mundanas do destino, é escrevinhado a pena, desenhando letras que num ápice se fundem, num precioso e raro instante.

Nesse amor, o sacro, raro, floresce a inexplicável vontade de amar, esse entrelaçar de dedos que fortalece, esse quebrar de barreiras que solidifica, esse saber maior que nos une.

Amor, tamanho amor que bate e pulsa, que grita e se torna em melodia, que fundido num abraço nos torna um só.

Desse amor, o das imortais Odes, poucos serão os comuns mortais a o experimentar, salpicando as suas vidas nessa busca vã do nada que sobra.

Para as imortais almas que sobrevivem ao desgaste do tempo, que insistem nessa busca entre vidas, procurando incessantemente aquele eterno momento, onde pela primeira vez o sol insistiu em quebrar a barreira dos céus...

Para esses, os raros de Shakespeare, o tempo não passa, o toque não se perde, o cheiro não desaparece, o abraço é igual ao da tamanha descoberta.

Para esses, tudo é singelamente belo, nesse infinito olhar que tudo sabe, soletra, soletrando poeticamente a incerta certeza de um desmedido amor.

E viagem após viagem, no preciso sorriso desse desencontrado encontro, se repetirá, todas as vezes, a primeira.

A infindável primeira vez, naquele entrelaçado olhar que nos uniu...

Num inexplicável unir de almas.

 

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

 

21
Mai20

Nos Teus Braços, Meus Abraços...

Filipe Vaz Correia

 

 

 

Canal do YouTube: So Art Deco

 

Sinto o vazio desesperante, uma mistura fina e crocante no olhar, um sabor agridoce na boca, uma esperança trémula no banco de um jardim.

Nos teus braços, meus abraços, escreveu Tim Bernardes em Só Nós Dois, numa entrelaçada desesperança que se amarra ao mar, que se perde por entre nuvens, alcança a aurora que tarda em chegar.

Sonhar...

Há quanto tempo não sonho?

Há quanto tempo não me recordo desses sonhos que almejo sonhar, que devo sonhar, que pareço ter me esquecido de sonhar?

Mas não será assim cada pegada de passo que marca a vida, esse pedaço de nós que sobressai ao longe mas que insiste em se manter timidamente silenciado...

Na vitrola o som de uma música, uma desnudada música que descreve o impensável, a inimaginável busca por mim mesmo, pelas entrelinhas de uma história desalinhada, tecida em recortes de tristeza, em telas de alegria, rompantes de alucinação em contraditória explicação.

A voz repetida, nos versos soltos, as lágrimas envergonhadas, risos perdidos, memórias tão minhas...

Não sei soletrar, não reencontro nesse lugar os momentos meus, nossos, que escaparam sobrando à alma a certeza desse amor, desamor, que se conta ao vento com o receio desse soltar.

Olho para trás, nesse tempo que não regressa, para a frente, nesse futuro que não chega, neste presente ausente, prometidamente ansioso, sabendo que voltará a ser real, o que realmente importa.

Nos teus braços, meus abraços...

O que verdadeiramente importa.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

12
Mai20

Neste teu Dia... Meu Amor!

Filipe Vaz Correia

 

Parabéns a você...

Acho que é assim que começa a canção.

Mas não interessa, ou melhor, pouco interessará nesta viagem que nos marca, neste caminhar que nos entrelaça há vinte anos.

Por entre tropeços e quedas, sorrisos e feridas, me amparas a alma, seguras o olhar e segues caminho como se nada fosse, numa fragilidade aparente que disfarça a fortaleza constante com que amarras a vida.

Sei bem...

Eu melhor do que ninguém.

Só eu e mais ninguém.

Obrigado por tudo, como se esse tudo fosse capaz de descrever esse imenso por que já passámos, esse parar de carro à porta de minha casa no dia em que minha Mãe morreu, esse amparar de lágrimas que brindavam a órfã alma que ali desnudada se encontrava.

Sem palavras ou repleta delas, pouco importa, sobrará no desenho poético deste desgarrado texto esse amor maior, esse querer abraçar que se confunde com união mas que é mais do que isso...

É gratidão, é amizade, é amor.

E se não chegar...

Podes ficar com o meu coração, pois bate por ti há pouco mais de vinte anos.

De foguetão!

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

09
Jan20

O Entardecer Em Lisboa

Filipe Vaz Correia

 

O entardecer...

Sentado na esplanada de um café acompanho o entardecer em Lisboa, esse cair de tarde que nos suspende e deslumbra, por entre, a fascinante luz da capital Lusitana.

O rebuliço das gentes não permite a muitos de nós esse apreciar que se impunha, pois as pessoas correm entre transportes, se aglomeram entre o percorrer do ponteiro do relógio...

Trabalhos para entrar, filhos para ir buscar, rotinas a cumprir que não esperam nem calam.

Aqui me encontro sentado...

Nos rostos marcados se buscam as preocupações e as alegrias, mãos dadas e finais de cena, luzes e mais luzes dos carros, luzes que parecem reinar e surgir à medida que o entardecer dá lugar ao anoitecer, esse escurecer tão certo como o trilho de um destino.

Volta sempre a cair a noite, volta sempre a raiar o dia, assim sucessivamente nesse entrelaçado mosaico de existência.

As decorações de Natal ainda brilham, mesmo passado o dia de Reis, numa despedida anual...

Gente e mais gente, sorrisos imprecisos e gestos desmedidos, correrias intermináveis e pedaços de melancolia, tudo se encaixa nessa passadeira carregada de riscos e rabiscos que marcam o dia a dia.

Assim neste entardecer pinto esta folha em branco, essa tela de vida que passa em meus olhos, por entre os olhar das gentes, que se cruzam com o olhar deste que vos escreve.

Num blog, neste Sapo, que mais do que relatos nos permite pincelar o quotidiano de cada um.

O entardecer...

O entardecer em Lisboa.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

28
Dez19

Nem Sempre...

Filipe Vaz Correia

 

Nem sempre sei expressar o quanto te amo...

Nem sempre, por dor ou excesso de amor, consigo construir por palavras as imensas equações poéticas que se conjugam no teu olhar...

Nem sempre sei sorrir quando dói esse ardor, quando se despe sem pudor o ciúme, crescente temor de te perder...

Nem sempre...

Nem sempre, na palavra ausente está presente esse pedaço de querença que se apressa num abraço, pedaço de regaço que se expressa nesse suspender do tempo, quando te tenho...

Nem sempre, no toque de nossas mãos, no cerrar dos olhos, no entrelaçar dos dedos, conseguimos resumir o tudo desse todo, esse silencioso todo maior do que o conjunto de nadas que sobram para lá da janela do mundo...

Nem sempre, neste universo, em todos os universos paralelos, se pode garantir a felicidade, esse desespero transformado em instante, sufocante saudade do que foi vivido, do que ainda não foi vivido...

Contigo.

Nem sempre...

Mas a teu lado, esse sempre será eterno.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

20
Dez19

Escrever... Amor... Amar!

Filipe Vaz Correia


Escrever...

Escrever sem parar, nessa incansável busca pela escrita perfeita, não ortograficamente, mas sim desse querer maior de uma insanável insanidade que se perde, por entre, a desesperança pueril de um conto.

Não tenho palavras nem amorfas melodias, somente desespero e sentimentos, nesse entrelaçar de letras, misturadamente sentidas até ao infinito, infinitamente curiosas.

Queria tanto contar o peso de cada palavra, as sentidas e as fingidas, as correctas e as politicamente incorrectas, mas que nesse alucinado debitar de pensamentos se perdem no peso de cada uma, de todas elas.

Nem sabedoria nem desconhecimento, somente uma folha em branco, desnudada como uma bela mulher, ali deitada, aguardando o seu amante, nesse amor que se promete sem palavras, sem amarras, sem promessas ou amanhãs...

Naquele instante, precioso instante de um amor em ferida, se sobrepõem os beijos, a pele, o bater da alma...

Assim como as palavras, as belas e entrelaçadas palavras que compõem um orgasmático poema, rebelde, livre, disperso no pensamento ou na forma.

O que importam as regras se o que sobra é a força desse querer desgarrado que se recorda, desse cheiro que fica e se mantém pelo tempo, no tempo, para sempre no tempo...

O cheiro da cama, do corpo, o sabor de cada partícula de um amor que não respeita nada para além do olhar, nosso, intemporal.

Escrever...

Escrever sem parar, de forma crua, desnuda, singelamente pura...

Como sempre, para sempre...

Teu.



Filipe Vaz Correia



Mais sobre mim

foto do autor

Comentários recentes

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Calendário

Novembro 2020

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930

Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D