Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Caneca de Letras

Caneca de Letras

O Penta Do Benfica?

 

O pentacampeonato do Benfica parece cada vez mais possível, por entre deslizes do FC Porto e uma incapacidade gritante nas hostes Leoninas.

Numa época onde o Inferno desceu à Luz, não o Inferno para os seus adversários mas sim as polémicas que há muito envolvem toda a estrutura encarnada, é mesmo indescritível como o balneário Benfiquista parece conseguir ultrapassar cada obstáculo que se aparente intransponível.

Nesta luta que se reduz, na minha opinião, a duas equipas, Porto e Benfica, sobra a frustração Leonina, a minha inquietante frustração, por compreender que no Reino do Leão só existe espaço para a ilusória vontade de ser trauliteiro.

Ilusória porque é fundamentada em palavras ocas, em gritos estridentes que não correspondem aos factos e essencialmente assente em batalhas vazias que apenas alimentam aqueles que nos combatem.

Mas é este o mundo novo, o paradigma actual do adepto Leonino, contentado com um Pitbull sem dentes, carregado de baba e que enquanto gesticula, consegue entreter os idiotas de plantão, impregnados de empáfia, acreditando que assim poderão impor a sua verdade.

E enquanto se vocifera em Alvalade, vão lutando Porto e Benfica, vão decidindo, entre eles, quem vencerá este campeonato, deixando para a família leonina, o prémio para os que vão cantando e rindo, orgulhosamente felizes, por tempos tão ilusoriamente promissores.

Para qualquer adepto Benfiquista, o Penta deve parecer mais próximo, mais perto de alcançar...

E certamente ter Bruno de Carvalho do outro lado da Segunda Circular, servirá com certeza de estimulo e fé.

Pois sempre que este iniciou uma época, não existiu outro campeão.

Pode ser apenas coincidência...

Pois o Sporting está melhor do que nunca.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

O Futuro De Pedro Passos Coelho...

 

Todos os que lêem o Caneca de Letras, sabem o que penso sobre Pedro Passos Coelho, o seu período como Primeiro-ministro, com todo o seu histórico de decisões, fossem elas as mais acertadas ou não...

Nunca simpatizei com Passos Coelho, sempre me distanciei da sua linha política, ideológica, no entanto, levantada que está esta questão do seu futuro Universitário, não posso deixar de expressar a minha indignação, por tamanhas gritarias, desenfreadas vociferarias de quem tantas e tantas vezes se silenciou indecorosamente.

Se um Ex-Primeiro-Ministro não tem competências para leccionar um curso de ciência política, quem poderá ter?

Quais serão as competências que transformarão Passos Coelho num professor ideal para tamanha função?

Jamais imaginei defender Passos Coelho, o seu legado ou o seu percurso, porém, será impossível querer transformar o Ex-Líder do PSD num indigente moral...

Passos terá direito ao seu futuro, sendo que ninguém poderá coartar o seu direito a prosseguir.

Gostemos ou não, desse mesmo passado.

Podemos discordar do caminho que decidiu tomar, da linha que sempre tomou como sua ou até do futuro que imaginou para todos nós mas jamais poderemos cair na tentação, de o transformar no diabo que tanto profetizou.

Passos abandonou a vida política, essa existência parlamentar mas terá sempre o direito de continuar a existir como cidadão...

Como mais um de nós.

 

 

Filipe Vaz Correia

Simplesmente Marcelo...

 

Dois anos de Marcelo Rebelo de Sousa, como Presidente da República, num misto de sensações incansáveis que avassaladoramente mudaram o panorama político Português.

Marcelo é intenso e caloroso, Professoral e fraterno, acutilante e sincero, próximo e assertivo...

Tantas coisas que podem caracterizar o Presidente da República, sendo que de todas elas, o que mais fica retido na alma das pessoas, é a ligação criada entre as gentes e Marcelo.

Essa busca constante de um afecto, um abraço, uma presença que se tornou essencial em momentos difíceis, um olhar que tranquiliza.

Marcelo conseguiu construir essa ligação supra-partidária, muito além das tricas politico-parlamentares, dando uma lição de dedicação pública, a muitos daqueles que sendo políticos profissionais, se mantêm em cima do seu Ego, para justificar as suas acções.

Marcelo despiu desde o primeiro momento essa capa Messiânica, esse lado intocável que existia na anterior Presidência, encurtando distâncias e recuperando para o cargo que ocupa uma dignidade, há muito, perdida.

Sou um admirador confesso de Marcelo, Prof Marcelo Rebelo de Sousa, não só pela forma como executa a função mas também pelos princípios ideológicos que o regem, pelos quais se norteia...

Talvez os partidos e os políticos pudessem observar e aprender com ele, com a forma como pensa e actua, pois estaríamos, certamente, mais perto de credibilizar a política...

E credibilizando os políticos, aproxima-los das pessoas.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

Sporting: A Grande Decisão...

 

É dia de Assembleia Geral do Sporting Clube de Portugal...

Uma Assembleia Geral carregada de dramatismo, de desconfiança e de ardor.

Bruno de Carvalho trouxe o Clube para esta incerta agitação, depois de gritos e acenos, de demagogos pedidos de gratidão.

O Sporting encontrará neste dia um de dois cenários, nenhum deles de grande satisfação ou de plena satisfação...

Por um lado se Bruno de Carvalho conseguir os seus intentos, isso quererá dizer que os Associados do Sporting terão claudicado perante os desejos absolutistas do seu Presidente, dando-lhe um poder desmedido e que poderá tornar o Clube, num espaço ainda mais Venezuelano do que actualmente já é.

Se por outro lado, o cenário for o de Bruno de Carvalho não conseguir aprovar algum dos três pontos por ele exigidos, teremos então, caso se cumpra a palavra, a demissão de todos os que constituem a Direcção do Sporting, começando pelo seu Presidente...

Se Bruno se demitir, após a votação, espero que tenha o bom-senso de aguardar pelo final da época, para realizar as eleições, permitindo que a equipa que ainda luta pela Taça de Portugal, Liga Europa e Campeonato, sofra o menos possível com a inerente instabilidade.

No entanto, pesando os dois cenários, sei bem o que desejo...

Que se chumbem os pontos a votação, os dois primeiros, pois são esses que para mim importam, que são a génese democrática da Alma Leonina.

Apesar de tudo, de todo o drama, gratidão, chantagem e afins, que Bruno de Carvalho quis aportar a este momento, o que me parece relevante não esquecer, é que acima de qualquer liderança, está a História e o Futuro do Sporting Clube de Portugal.

E esse futuro não poderá estar amarrado ou dependente de um homem instável, persecutório e birrento.

Viva o Sporting.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

Um Passado De Passos E O Futuro De Um Rio...

 

O 37º Congresso do PPD/PSD marca a despedida de Pedro Passos Coelho e a tomada de posse de Rui Rio...

Há muito que não tinha tanto interesse num Congresso Social-Democrata, esse partido que sempre foi o meu, e do qual me fui afastando ao longo dos anos.

Neste momento tão importante, num certo resgatar da Social-Democracia, será necessário a Rui Rio saber liderar, destrinçar entre aqueles que estão disponíveis para o combate e aqueles que se acantonarão esperando as suas derrotas para aparecer.

Nesta difícil equação, importará não se perder por entre palavras amáveis, sorrisos disfarçados ou promessas vãs.

Pedro Passos Coelho,  por uma vez terei de o elogiar, com gosto o faço, soube sair, soube com dignidade percorrer este tempo, entre as eleições internas e o Congresso, sem mácula, com imensa honra.

Sempre divergi de Passos Coelho, não no aspecto humano, como pessoa, pois jamais combato aqueles de divirjo pelo lado pessoal, mas sempre através das ideias, com as ideias, pelas ideias.

Foi por elas que sempre critiquei e criticarei Pedro Passos Coelho, o rumo que escolheu seguir e essencialmente a descaracterização que a sua liderança trouxe ao partido.

O seu discurso de despedida, será também um momento de oportunidade, para reerguer e resgatar tantos e tantos que do partido se afastaram.

Depois da despedida de Passos, o discurso de Rui Rio...

Rio fez um grande discurso, o seu primeiro neste Congresso, carregado de ideias, das suas ideias, ideologicamente resgatando os valores Sociais-Democratas, fazendo lembrar um outro tempo, outros Congressos, sem medo de analisar o Partido e o País.

Rio falou das reformas do Sistema de Justiça, de pactos importantes de Regime, da Democracia e do descrédito que a ameaça, da demagogia e populismo crescente, enfim, da distância entre o Partido e as pessoas...

Falou da necessidade de reformar e reformular, de aproximar e manter, de acreditar e fazer.

Rio esteve muito melhor do que se esperava, do que eu que sempre o defendi, esperaria.

Rui Rio conseguiu empolgar a plateia, mesmo aqueles que ali se encontravam com um ar de frete, mais preocupados em disfarçar a azia da despedida de Passos, do que preocupados com o futuro...

O futuro do Partido e do País.

Citando Sá Carneiro:

" Primeiro o País, depois o partido e só depois as nossas circunstâncias."

Esperemos que neste futuro que se aproxima, todos no PSD se recordem destas palavras e as saibam entender.

Quanto a Rio...

Boa sorte!

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

Obrigado Metallica...

 

Só hoje vi a homenagem dos Metallica aos Xutos e Pontapés...

Ao Zé Pedro!

Tocaram "As saudades da minha casinha".

Um momento mágico, só ao alcance de uma grande banda como os Metallica, num misto de emoção e alegria, de contentamento e tristeza, de um sufocante êxtase.

Da minha parte, apenas um muito obrigado...

Muito obrigado!

Pois homenagear os Xutos, recordar Zé Pedro...

É recordar parte de mim e dessa imberbe juventude, que ainda me pertence.

 Que sempre me pertencerá.

 

Filipe Vaz Correia

 

 

As Diabruras Do Menino Bruno!

 

A Assembleia Geral do Sporting Clube de Portugal, foi interrompida, tendo por base o abandono do seu Concelho Directivo, por iniciativa do seu Presidente, deixando no ar a ameaça de demissão...

Tudo isto porque os Sócios, alguns, se manifestaram contra alguns pontos apresentados, tendo em vista a alteração dos Estatutos do Clube.

Esta atitude de Bruno de Carvalho, "pequeno líder", após um discurso inflamado, carregado de pérolas alucinadas, saídas de um tirânico guião, não surpreendem aqueles que ao longo do tempo, foram notando os crescentes tiques ditatoriais deste déspota desportivo.

Bruno é o reflexo dos tempos modernos, deste tipo de populismo que chega durante momentos conturbados, apontando a esperança como solução e a mesma como redenção para todos os obstáculos...

Essa esperança, com o tempo transforma-se em si mesmo, ou seja, na própria personagem que se alimenta desse  tipo de culto de personalidade, até ao ponto em que acredita mesmo ser apenas ele a solução.

Assim o seu ego mistura-se com o cargo, seja Presidente de um Clube ou de um País, alicerçado num regime cada vez mais silenciador, castrador e intolerante.

Se a alteração de Estatutos do Sporting Clube de Portugal fosse para a frente, provavelmente isso ditaria o fim da pluralidade no Clube, não que ela vá de boa saúde, no entanto, como ontem ficou demonstrado, ainda é possível contrariar o "pequeno líder".

Os Sócios surpreenderam o Presidente Bruno, disseram que não e logo este tratou de ameaçar com a demissão, criando assim o próprio Presidente, a instabilidade que tanto criticava.

Certamente que não se demitirá, pois não creio que encontre outro emprego tão bem remunerado, tendo em conta o seu Curriculum.

Esta ameaça deverá dar-lhe tempo para criar drama, pensando numa alternativa para contornar esta situação e controlar completamente o Clube.

Este caso fez-me lembrar, o referendo marcado por Hugo Chavez para se eternizar no poder...

Derrotado pelo povo, tratou de o vencer no Supremo Tribunal.

Bruno também tentará encontrar uma solução...

E infelizmente temo que a encontre.

No entanto, Bruno nem sequer é Hugo Chavez...

É apenas Maduro.

Para terminar, referir apenas que ter Jaime Marta Soares como Presidente da Assembleia Geral do Sporting Clube de Portugal, é uma ofensa para tantos e tantos distintos nomes que ocuparam aquele cargo...

Miguel Galvão Teles ou Rogério Alves são apenas dois entre tantos nomes.

Que desgraça, que tristeza.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

Os Segredos Da Justiça!

 

Abomino o segredo de justiça...

Simplesmente porque ninguém o cumpre.

Detesto o segredo nesta justiça...

Simplesmente porque ele não existe.

A polémica com o Ministro Mário Centeno, deixa evidente as fragilidades deste sistema, capaz de destruir antes de julgar, de desnudar o que por vezes, apenas, é suposição.

No caso de Mário Centeno, que se colocou a jeito ao pedir os ditos bilhetes, este arquivamento não é mais do que o esperado, depois de entendido o absurdo de que era acusado...

Completamente absurdo.

No entanto, a noticia colocada nos jornais, na imprensa, libertada em parangonas para o mundo, tomou proporções que não só poderiam lesar o bom nome da pessoa em causa, como também, dos cargos que ocupa em nome do País e em nome da Europa.

Arquivou-se o caso.

Mas quem escreveu a notícia que praticamente o colocava como arguido?

E quem passou ao "jornalista" essa informação?

Esta falta de respeito para com aqueles que são julgados, permite que a presunção de inocência seja violada de maneira aviltante, desvirtuando as bases necessárias para um sistema democrático sobreviver.

Neste processo que envolve o Juiz Rangel e Luís Filipe Vieira, mais uma vez assistimos a buscas filmadas em directo e partilhadas em vários canais de televisão...

A CMTV e a revista Sábado parecem ser os canais prioritários para quem cede as informações, esse pedaço de devassa que se tornou num direito de coscuvilhice que acompanha o sistema.

Não quero com isto defender estas duas personagens, que além de sinistras considero duvidosas, mas acima de tudo, relevar a importância de uma justiça sem Big Brother.

Um cidadão comum pode ter um veredicto pré-julgamento...

A justiça não.

Um cidadão comum pode querer saber o que se esconde, para além daquelas anunciadas buscas...

A justiça jamais as poderá partilhar.

O deverá permitir.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

Cristiano Ronaldo: O Regresso De Um Leão...

 

Foi com um imenso entusiasmo que li as palavras de Miguel Paixão, melhor amigo de Cristiano Ronaldo, sobre o regresso deste a Alvalade.

Ao seu Sporting!

Evidentemente que Ronaldo não o pensa fazer no imediato, nos próximos dois anos, mas saber que pensa isso, que o deseja, é a expressão de um imenso sonho que existe no Reino do Leão...

O regresso do Melhor do Mundo, do melhor Português de sempre, futebolisticamente falando, de um filho da alma Sportinguista.

Ronaldo já ganhou tudo, até dinheiro, e talvez procure encontrar num regresso aos seus, seu clube, seus adeptos, seu País, um reencontro com a sua dimensão humana...

Não creio que Ronaldo fique em Madrid, mas sei que será impossível regressar neste momento a Alvalade, pois tenho como certo, que um qualquer PSG da vida se irá intrometer para o resgatar.

No entanto, as suas palavras já de si acalentam a esperança, que é verde, aproximam o sonho da realidade...

E como Sportinguista peço:

Deixem-nos sonhar!

Até Já, Cristiano Ronaldo.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

Dois Anos De Marcelo!

 

Faz dois anos que Marcelo Rebelo de Sousa se tornou Presidente da Republica...

O nosso Presidente.

E que diferença para o seu antecessor, que diferença para a classe política na sua generalidade.

Marcelo é abraços, ternura maior para com aqueles que são os seus, beijos num afago intemporal que amorteceu, por vezes, a dor desmedida que nem o tempo poderá apagar, ou mesmo, palavras que tocam bem fundo cada tristeza marcada nos rostos.

Marcelo foi tanta e tanta coisa, mas sempre sincero, genuíno...

Estes dois anos, de tamanha intensidade, recuperam a nobreza nos gestos e na presença, a tranquilidade nas tocantes expressões da alma Lusitana, a esperança...

A infinita esperança naquele que nos representa.

Marcelo tem demonstrado que é essencial na política estar perto das pessoas, ouvi-las, saber as suas expectativas, para sem fugir, corresponder, responder, actuar.

Dois anos após a sua eleição, Marcelo cativou a esmagadora maioria dos Portugueses, que justamente retribuem com carinho o excelente trabalho que tem feito.

Quanto a mim...

Sou Marcelista.

 

 

Filipe Vaz Correia