Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Caneca de Letras

Caneca de Letras

O Dia De Portugal Chegou Mais Cedo...

Filipe Vaz Correia, 10.06.19

 

 

 

O dia de Portugal chegou mais cedo...

A 9 de Junho a Selecção Portuguesa deu início às comemorações do 10 De Junho.

Portugal venceu a Liga das Nações, a primeira da História, cravando indelevelmente o nome desta nossa Nobre Nação nos anais do mundo do Futebol.

Todos ficarão para a História mas Rúben Dias, Bernardo Silva, Rui Patrício, Gonçalo Guedes e Cristiano Ronaldo irão para sempre cintilar mais do que quaisquer outros...

Ronaldo sempre ele, de braçadeira no braço marcando o compasso de tão bela sinfonia.

E Fernando Santos...

Criou uma equipa que não joga espectacularmente bem, não encanta pela beleza do seu jogo, do seu futebol mas vence, conquista, enche de orgulho a velha Nação Lusitana.

Obrigado Selecção...

Parabéns Portugal!

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

Sumário: Meninos Ou Meninas?

Filipe Vaz Correia, 11.10.18

 

Uma escola do Porto resolveu questionar os seus alunos de 9 e 10 anos sobre a sua preferência sexual...

Se gostavam mais de meninos ou meninas?

Ou talvez dos dois...

Inacreditável!

Numa Era onde estamos sistematicamente expostos entre o radicalismo populista e o extremismo do politicamente correcto, sobram-nos casos e mais casos que deixam estupefacta a mais esperançada das almas, com a tamanha e infinita estupidez.

Questionar alunos sobre a sua sexualidade, já de si poderá ser uma medida discutível, mas nestas idades que servem aqui de amostra, torna-se ainda mais incompreensível e até diria inaceitável.

O que responderá uma criança, nesta idade, a um questionário destes?

Menino? Menina? Os dois?

A sério?

Se calhar poderiam por mais uns quadrados como hipóteses:

Playstation, Bola de Futebol, Ipad, Patinagem, Bonecas, Tennis, etc...

Até aposto que seria um destes o vencedor.

Sinceramente, parece que por vezes nessa busca de um imaculado ou estranho sentido de perfeição, as pessoas perdem o bom-senso, a capacidade para encontrar o equilíbrio.

A quem elaborou este inquérito, importa explicar que o mesmo não faz qualquer sentido, essencialmente pela tenra idade dos inquiridos.

No entanto, o Ministério da Educação não pode ficar silenciado, sem nada dizer, numa matéria que evidentemente lhe pertence.

Engraçado seria que alguma destas crianças tivesse o discernimento e a maturidade, coisa que ainda não é justo se lhes exigir, para escrever:

Metam-se na vossa vida!

Teria sido extraordinário.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

A Caminho Do Jamor

Filipe Vaz Correia, 19.04.18

 

Estamos no Jamor...

No Jamor!!!

O meu Sporting viveu ontem uma noite de euforia, amarrada àquela esperança sempre verde, Leonina, de que seria possível voltar a eliminatória em nossa casa e assim poder tentar alcançar mais uma Taça de Portugal.

Assim foi.

Durante os 90 minutos, muitas foram as vezes que exasperado fiquei, por a equipa estar demasiado defensiva, por as substituições tardarem, como sempre, por todos e mais alguns factores que circundam o jogo e muitas vezes o influenciam...

Irritei-me com Jorge Jesus, tinha prometido não o fazer, com a displicência com que Montero parece encarar a bola e os seus movimentos, com o apito do árbitro, demasiadas vezes complacente perante as demoras de Iker Casillas.

Irritei-me com tantos momentos durante este jogo, assim como gritei em outros tantos...

No golo de Coates, que jogo fez o Uruguaio, com cada penálti marcado ou com o empolgamento que tomava conta das bancadas de Alvalade.

No Jamor, o Sporting encontrará o refugio de uma época, não que a salve das criticas há muito apontadas, mas certamente aportará ao momento conturbado vivido nas hostes Leoninas, um pedaço de tranquilidade e expectativa que podem muito bem amenizar a crise neste Reino do Leão.

A Equipa demonstrou estar unida, aguerridamente ligada aos seus adeptos, ao verdadeiro sentido deste clube...

Vencer sem deixar ninguém para trás, esquecido no meio de culpas e traumas.

Vencemos todos, assim como, todos perdemos sem fugas.

A caminho do Jamor, já se sente o rugido do Leão, preparado para invadir aquelas bancadas e pincelar sem delongas cada pedaço de pedra com um cachecol Sportinguista.

Obrigado a todos por esta tão especial alegria, vivida entre amigos e estranhos, por entre abraços e palavras, de um contentamento sem igual.

Viva o Sporting.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

O Penta Do Benfica?

Filipe Vaz Correia, 03.04.18

 

O pentacampeonato do Benfica parece cada vez mais possível, por entre deslizes do FC Porto e uma incapacidade gritante nas hostes Leoninas.

Numa época onde o Inferno desceu à Luz, não o Inferno para os seus adversários mas sim as polémicas que há muito envolvem toda a estrutura encarnada, é mesmo indescritível como o balneário Benfiquista parece conseguir ultrapassar cada obstáculo que se aparente intransponível.

Nesta luta que se reduz, na minha opinião, a duas equipas, Porto e Benfica, sobra a frustração Leonina, a minha inquietante frustração, por compreender que no Reino do Leão só existe espaço para a ilusória vontade de ser trauliteiro.

Ilusória porque é fundamentada em palavras ocas, em gritos estridentes que não correspondem aos factos e essencialmente assente em batalhas vazias que apenas alimentam aqueles que nos combatem.

Mas é este o mundo novo, o paradigma actual do adepto Leonino, contentado com um Pitbull sem dentes, carregado de baba e que enquanto gesticula, consegue entreter os idiotas de plantão, impregnados de empáfia, acreditando que assim poderão impor a sua verdade.

E enquanto se vocifera em Alvalade, vão lutando Porto e Benfica, vão decidindo, entre eles, quem vencerá este campeonato, deixando para a família leonina, o prémio para os que vão cantando e rindo, orgulhosamente felizes, por tempos tão ilusoriamente promissores.

Para qualquer adepto Benfiquista, o Penta deve parecer mais próximo, mais perto de alcançar...

E certamente ter Bruno de Carvalho do outro lado da Segunda Circular, servirá com certeza de estimulo e fé.

Pois sempre que este iniciou uma época, não existiu outro campeão.

Pode ser apenas coincidência...

Pois o Sporting está melhor do que nunca.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

O Adeus Leonino Ao Campeonato...

Filipe Vaz Correia, 03.03.18

 

O Sporting disse ontem Adeus ao titulo, no entanto, há muito que se percebera que este Sporting, este modelo, estes jogadores estavam a claudicar, diante da dinâmica imposta pelo FCPorto no campeonato.

O Sporting jogou no Dragão cheio de limitações, sem Gelson, sem Piccini, sem Bas Dost, no entanto, isso não justifica tudo...

Não deve justificar todos os equívocos.

O esquema inicial da equipa, era no mínimo incompreensível, amarrando Bruno Fernandes à direita, como tantas vezes, insiste em fazer o treinador do Sporting, restringindo a criatividade deste jogador e com isso a da equipa...

Bruno no meio do terreno, deu à equipa outra profundidade no passe, rompendo a defesa do Porto, desequilibrando no remate e na capacidade de visão.

Não percebi a titularidade de Bryan Ruiz, como não entendi a ausência do menino Leão, desperdiçado no banco...

Temi mesmo que ao tirar Doumbia, escolhesse Montero, mantendo a equipa amarrada a jogadores, simplesmente, pouco decisivos.

Rafael trouxe dinâmica, mexeu com o jogo, permitindo assim, mesmo perdendo o jogo que o seu treinador colhesse os louros desta aposta, num auto-elogio insuportável.

Para trás fica uma desesperança por mais um Campeonato perdido, com o "melhor" Presidente de todos os tempos, o "melhor" Treinador de todos os tempos e o "melhor" plantel de todos os tempos...

Tantos melhores para mais uma frustrante época.

Certamente que a culpa não morrerá solteira...

E teremos imensos culpados:

Dias da Cunha, José Roquette, Bettencourt, Soares Franco, Godinho Lopes, Rogério Alves entre tantos Sportingados.

Quase cinco anos da Presidência de Bruno de Carvalho, milhões e milhões de investimento na Era Jesus, e continuaremos lutando por entre as frustrações apaixonadas de tantos Leões...

Acreditando que estamos no rumo certo.

Uma simples questão:

Será que estamos?

Será?

 

 

Filipe Vaz Correia