Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Caneca de Letras

Caneca de Letras

O Covid Em Lisboa: Alerta Vermelho...

Filipe Vaz Correia, 26.05.21

 

 

 

9F3EAF5B-2E4D-450C-9260-3BAEE7FCF112.jpeg

 

 

 

Sou só eu que estou a achar que Lisboa vai voltar para trás nas medidas de confinamento contra a pandemia?

Ao ver os restaurantes e esplanadas, as pessoas na rua sem máscara, os ajuntamentos, sinceramente acredito que será difícil Lisboa passar incólume aos números de infecções.

Isto seria previsível tendo em conta que falta discernimento às pessoas para compreenderem que não estamos ainda em tempo de grandes festas e "festarolas", num caminho que deve ser trilhado com cautela e precaução.

Depois podem vir dizer que é mau para o negócio, que restringe liberdades, no entanto, quando se perder o controle voltaremos a confinar, com mais ou menos rigor.

Lastimo mas não é nada que me surpreenda.

Preferia que lentamente pudéssemos ir seguindo a estrada, com maior vigilância para que uns quantos não pusessem em risco o bem comum de todos.

Mas falta cidadania às pessoas, coragem ao Governo e sentido de Estado a quem deveria dar o exemplo.

É só ouvir e ler os especialistas para se perceber que Lisboa não está no bom caminho...

Mas se calhar sou só eu que acho.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

Palavras Desconexas Por Entre Prosa E Poesia, Sem Nexo Ou Sentido, Na Busca De Um Pedaço De Vento.

Filipe Vaz Correia, 23.04.20

 

Tanto amor, desamor, tantas viagens, caladas, tantas vontades silenciosas, por entre ruídos, tamanhas provações, em sonhos humedecidos, sorrisos entravados, com medo de voar, pedaços de sentir, escondidos em burkas, palavras mansas, perdão soltas, estúpidas celebrações, de coisas que não fazem sentido, estranhos contextos, desconexos textos, sapos e letras, palavras e tretas, cansado que estou...

Nada me faz querer, perdido se encontra, a razão de amar, soletrada descontracção, mergulho no mar, na cama da perdição, entrelaçado olhar, observando na escuridão, o braseiro aceso, tão quente de paixão, vai e volta, vai e volta, vai e volta...

Os cheiros que sobram ao longe, tão longe que parece perto, tão míope o olhar, queira DEUS, num adeus pedido, programado e fodido, choram as lágrimas no horizonte, escalopes de bisonte, ao longe...

Um dia...

Um dia volta a esperança, esse desejo que balança, desejo de ser Pai, de ser Mãe, de ser teu e meu ao mesmo tempo, de ser gigante e pequeno, ao sereno, de ser desmedido e comprido, tão vesgo e ferido que possa passar desapercebido, como a folha que cai de uma árvore nos primeiros pingos do outono.

Um dia serei Neptuno e Sereia, serei mão cheia de nada, diamantes e rubis, serei o respirar e vislumbre de querença, serei o bater desse coração que ama sem parar...

Em cada instante, por cada asfixiante segundo que se perde por entre a eternidade de nossas vidas.

Será demais dizer?

Amo-te!

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

Quem Estará A Seu Lado?

Filipe Vaz Correia, 18.10.19

 

Nos olhos de qualquer pessoa se reflecte o sentir maior da alma, essa forma de sentir que se confunde com o bater do coração, desmedida e impregnada sensação de queimada que arde sem parar.

Tantas vezes na caminhada solitária de um destino, pessoas se cruzam, esquinas desencontradas, imaginando esse entrelaçar que tarda, que esmaga, que desaparece devagarinho...

Neste instante em que lê estas palavras, imaginemos se por algum segundo já nos cruzámos numa rua, num café, numa outra vida?

Aquele olhar...

Aquela recordação...

Somos tão intensamente inteiros, neste corrupio quotidiano, que tantas vezes damos tão pouca atenção aos pormenores que se transformam, quase sempre, em pormaiores, existencialmente escondidos em perguntas, questões que passam despercebidas pelo turbilhão de caminhos por percorrer.

E se nos cruzámos, nem que seja por um segundo, não contará esse instante para podermos ter partilhado um momento essencial na vida de alguém?

Nesse mesmo instante, do outro lado da rua ou numa outra mesa do café, não poderá existir alguém a saber do nascimento do seu primeiro filho, da morte de alguém que amou ou a desvanecer no fim de um caminho carregado de recordações?

Mas o nosso passo impõe o acelerar da caminhada, desse passar sem aperceber, desse caminhar sem notar quem a nosso lado está...

E o que importa isso?

Talvez nada...

Talvez tudo.

Enquanto escrevo, enquanto lê, quem estará a seu lado, ao meu lado...

Ao nosso lado?

Olhem, sem medo de perder um momento e amarrem esse instante, desmedido instante, pois ele será irrepetivel, desencontradamente único.

E assim continua a vida de cada um de nós, por entre, encontros que se escapam ao sabor do vento.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

O Tempo Onde Era Criança!

Filipe Vaz Correia, 25.07.19

 

Como posso dizer?

Escrevinhar sem soluçar, ou mesmo que soluçando, olhando de frente para o futuro sem me recordar daquela criança que brincava em seu quarto, esperançosamente esperando por esse amanhã.

Todos já fomos essa criança...

Não fomos?

Aquele mundo de exclamações e interrogações, de medos e certezas, de anseios e desejos.

Tanto tempo passou...

Tão pouco tempo decorreu.

A noção de tempo é um dos mistérios da existência Humana, desse decorrer de segundos e instantes que chegando se perdem, abraçando se extinguem, amarrando nos libertam.

Tanta gente que se perdeu pelo caminho, olhares que se apagaram, vidas que abandonaram o palco e vivem agora aprisionadas na minha memória.

Tenho tanto carinho por aquela criança, pelos seus sonhos cumpridos ou por cumprir, pela sua vontade de querer, simplesmente, existir.

Tenho saudades...

Saudades que vivem em mim, sem fim, por fim.

Em cada momento, por entre, caminhos e destinos, busco sempre, quase sempre, aquele sentir puro que habitava naqueles largos caracóis, naquelas expressões sorridentes, naquele tempo que parecia não passar.

Infelizmente passou...

Felizmente passou.

Tantas contradições, próprias de interrogações que chegam e que se entrelaçam com a vida de adulto.

Escrevendo este texto liberto um pouco desse tempo perdido nos escritos antigos, nas memórias presentes, recordando nesta Caneca um pouco mais de mim...

Um pouco mais dos meus.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

Transportes Públicos: Sem Bancos É Mais Barato!

Filipe Vaz Correia, 04.06.19

 

 

 

Ouvi dizer que a Soflusa se irá juntar à CP nesta medida de retirar algumas cadeiras das suas embarcações, visando o aumento da capacidade máxima de pessoas a transportar.

Que alegria!

Estou em dúvida sobre qual das imagens será a mais apropriada...

A daqueles comboios na Índia, absolutamente lotados, com pessoas penduradas do lado de fora das carruagens ou aqueles carrinhas de transporte de animais.

Fizeram a medida dos Passes Sociais, aprovaram a mesma com intuitos eleitoralistas, só se esquecendo desse pequeno pormenor que é o Transporte e a sua qualidade.

Claro que aumentou o número de passageiros...

Claro que os transportes são escassos e antigos, muitos deles impreparados para tamanho fluxo de pessoas.

Solução?

Retira-se um ou outro "banquinho" e cabe mais gente.

Excelente ideia!

Que tristeza...

 

 

Filipe Vaz Correia