Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Caneca de Letras

Caneca de Letras

01
Jul20

“Desconfinamento Selvagem”

Filipe Vaz Correia

 

 

 

8209F391-B32C-42E3-ACAF-12E0D40D0508.jpeg

 

Vivemos tempos difíceis, não só Portugal mas o mundo, por entre esta pandemia que insiste em nos amarrar a uma crise sem precedentes.

Durante estes meses, não me inibi de elogiar a postura do Governo Português, as suas primeiras medidas neste combater ao Covid-19, desde o Confinamento, a consciencialização da população, determinação inicial de apoio à economia.

Tantos foram esses momentos neste ciclo pandémico que trouxe incerteza e desconhecimento, diante da doença, receio e fantasmas de uma recessão descontrolada.

No entanto, no fim de Maio, o Governo Português optou pelo desconfinamento da população, parcial diziam uns, com cuidados reforçados diziam outros, num gesto carregado de confiança, naquele que havia sido designado o milagre Português.

Correu mal...

Correu mal, simplesmente, porque em nenhum caso fomos um milagre, mas sim o resultado de um confinamento, em alguns casos voluntário, que nos permitia ter a doença controlada mas não extinta.

Ao não controlar a construção civil, não acautelar as condições nos transportes públicos, principalmente os que entravam na cidade de Lisboa vindos das periferias, o Governo foi deixando correr uma situação que ameaçava ser de difícil resolução.

Aliando a estes factos as selvagens atitudes de algumas camadas da Sociedade, demonstradas numa jovial falta de responsabilidade, entrámos nesta nova fase de Pandemia como se esta jamais tivesse existido, caminhando "estupidamente" para uma situação de total irresponsabilidade.

De Governantes e governados.

E a economia?

Claro que isso é algo que me preocupa de sobremaneira, sendo esse o atenuante para aqueles que têm de decidir e arriscar neste inédito palco.

Em um ponto acompanho o Governo Português diante de alguns hipócritas, que estando em igual ou pior situação, nos apontam o dedo no panorama internacional.

Países que não testam, não podem ter novos casos, a não ser que quem se sinta mal se dirigia a um hospital, países que não registam mortos durante duas semanas, Viva a Espanha, não podem ter vítimas de Covid durante esse período.

Isto é factual e na minha opinião factor de credibilidade para o nosso Governo e nossas instituições.

Enfim...

Este desconfinamento trouxe trapalhada e tropeços, sendo que ainda vamos a tempo de arrepiar caminho.

Reforçar as redes de transportes, aumentar as penas e multas para quem transgride as regras sociais, fiscalizar empresas garantindo o cumprimento das regras sanitárias no trabalho, construir equipas que possam percorrer o País numa campanha de consciencialização das gentes.

Talvez com todos os elementos coordenados seja possível recuperar o que se perdeu nos últimos tempos.

Para o bem deste nosso Portugal.

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

 

 

09
Jun20

A “Seara” De Arroios...

Filipe Vaz Correia

 

 

 

EBBD7BDD-23CB-4BCC-8D6E-8C13FAF15D6B.jpeg

 

 

A Seara de Arroios deve ser vista como um acto de solidariedade, sem dúvida, uma solução encontrada por alguns activistas para responder ao desespero de pessoas que durante a Pandemia perderam o seu tecto.

Percebo o lado Humano do acto, deste gesto que toca e se traduz no olhar das pessoas...

Durante a tarde a PSP teve de ser chamada a intervir para retirar dali aquelas pessoas, situação que criou revolta, contestação, desagrado.

Independentemente da angústia daqueles que viam naquele local o seu mais certo aconchego, não restou outra hipótese à Polícia nem aos proprietários do Prédio ocupado.

Este pormenor não pode ser visto como algo de somenos, este espaço é privado, com proprietários que sem aviso viram a sua propriedade ocupada indevidamente...

Mas o prédio estava devoluto?

E então...

É uma propriedade privada!

Para além deste pormenor, que não pode ser ignorado, ainda sobressai o facto do dito prédio estar em clara degradação, com problemas estruturais, existindo risco para a integridade de todos aqueles que, indevidamente, o ocupavam.

Por muito que custe condenar um gesto de solidariedade, não podemos compactuar com actos ilegais, atitudes à margem da lei que em nome do bem comum atropelam os direitos fundamentais da nossa Sociedade.

O fim não justifica os meios!

A intervenção realizada por uma empresa de segurança privada, durante a madrugada, é o único ponto onde divirjo dos proprietários...  

Esse acto poderia ter provocado confrontos e problemas acrescidos a uma situação já de si complicada, por entre, o desespero e revolta daquelas pessoas que ali se encontravam.

Recorrer à Policia, mesmo que tardiamente, foi a melhor opção.

Quanto ao projecto Seara e o seu trajecto neste apoio aos mais necessitados, aconselho a que busquem soluções junto da Câmara Municipal de Lisboa, do Governo, da Santa Casa da Misericórdia  ou de alguns Mecenas que os possam ajudar a encontrar um local onde possam construir esse sonho solidário que tanto ambicionam.

Um desejo sincero de boa sorte para a Seara de Arroios...

Sem ocupações e dentro da legalidade.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

 

 

17
Abr20

O Medo Que Alimenta Os Ignorantes (Ou Vice Versa)

Filipe Vaz Correia

 

Neste dia descobri que num qualquer prédio em Espanha, uma médica viu o seu carro vandalizado pelos seus vizinhos, pelo singelo facto de ir a casa após as suas horas de trabalho, na linha da frente desta batalha...

"Rata Contagiosa"

Foram estas as palavras que foram escritas no carro da médica, na garagem do seu prédio, por um ou mais medíocres que apoderados pelo medo e pela sua ignorância, extravasaram assim o reflexo da sua pequenez.

Não é o primeiro caso e não será, infelizmente, o último.

Desde a jovem que trabalha nos supermercados até aos médicos que lutam por todos nós, este egoísmo em forma de barbaridade, transparece um pedaço dos Homens que habitam entre nós, Sociedade, e que em momentos como este revelam a essência de suas almas.

Parece que estes casos têm aumentado por terras Espanholas, não sendo atitudes exclusivas de "neutros hermanos", mas que definem, sem hesitação, a grande epidemia que se esconde em tempos como este...

A ignorância e mesquinhez de alguns.

Que atitude esperar de gente como estes vizinhos, se por alguma razão se instalar a ideia que os velhos serão, ainda mais, potenciais factores de risco?

Para eles mesmos e para os outros?

Neste prédio, na impunidade de uma qualquer reunião de condomínio, certamente se aprovaria que fossem prontamente despejados e se por acaso levantassem objecções, medidas mais severas se poderiam implementar.

O mundo avança, felizmente, com muitos casos que contrariam estes episódios, esta miséria cobarde que amiúde nos invade através destes relatos carregados de tristeza e surrealismo.

Num dia em que desapareceram Rubem Fonseca e Luís Sepúlveda, quando a beleza da escrita e da cortante imaginação fica mais pobre, convém acentuar o perigo da ignorância, da boçalidade encapotada, nos gestos de poucos mas disfarçadamente submersa na tímida vontade de muitos.

Convém não esquecer...

 

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

 

14
Abr20

Avé Maria

Filipe Vaz Correia

 

Amarga amargura que te moldas em mágoas,

palavras separadas em tempos de tristeza,

sábias e cicatrizadas feridas que não calam,

marcam compassadamente os mortos,

os rostos apagados, esquecidos, remarcados,

por entre lágrimas secas de outrora,

no alto mar tempestuoso de uma vida,

tantas vidas redesenhadas.

 

No meio da dor,

essa espécie de orfandade de sentimentos,

sobrevive a angustiada expressão incógnita,

esse ardor desesperado numa mistura,

mescla ardente do vazio que sobra,

transborda em prantos,

por todos os recantos da Humanidade.

 

Já não sei escrever, expressar por palavras a confusa obliquidade,

esse adeus profundo a uma realidade,

que desvaneceu.

 

Oiço ao longe o ressoar daquela voz,

solitariamente só na Catedral Duomo,

na Praça de São Pedro,

nas ruas deste mundo despido,

desnudado, ferido.

 

Avé Maria...

 

Avé Maria...

 

 

 

 

10
Abr20

E Os “Miseráveis”?

Filipe Vaz Correia

 

E vale a pena perguntar:

E os miseráveis?

Irrita-me, sempre me irritou, esse monopólio da solidariedade social da Esquerda ou Extrema Esquerda no discurso politiqueiro.

Durante estes tempos que vivemos, muitas vezes me questiono como estarão a viver os mais miseráveis de nós?

Aqueles que sem rede se encontram destapados, entregues à crueldade do dia a dia, desamparados neste turbilhão que nos envolve e machuca.

E esses?

Como estarão a "viver" estes tempos?

Estamos tão preocupados com a economia, não me excluo deste grupo, com a arquitectura da retoma que todos desejamos, que por vezes nos esquecemos daqueles que nada têm para retomar, reerguer, recuperar.

Esses que dormem nas ruas, se esqueceram dos sonhos, não se recordam dos afectos, não tiveram direito a abraços ou regaços e que agora estarão mais "despidos" do que nunca.

Que frieza de consciências, que desabafo calado e surdo que insiste em se manter, neste conforto tranquilo daqueles que se dão ao luxo de ter preocupações...

Triviais preocupações sobre a Humanidade, muitas vezes sem a consciência da ausência dessa mesma Humanidade.

Olho para alguns destes miseráveis que se abeiram na fila do Supermercado, na fila para a Padaria, e que amiúde finjo não ver, evito contactar, desejo esquecer...

Vou voltar para as minhas macro preocupações, aquelas que me mantêm entretido sobre o futuro da nossa economia, sobre o destino da nossa Sociedade em geral.

É mais confortável, menos áspero...

Para quem?

Para mim.

Somente para mim.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

08
Abr20

Morte “Morrida”

Filipe Vaz Correia

 

Ousam voar das entranhas da indecisão;

Mortos e mortos para a ribalta dos jornais,

Vociferando a impotência,

Nossa, enquanto, animais...

 

Somos pó e vento;

Pedaços de nada em forma de gente,

Num sopro o tormento,

Num instante que se sente...

 

Caminhamos parados,

Trancados em casa,

Perplexos, embasbacados,

Como um pássaro sem asa...

 

Volta, volta vida;

Do lugar para onde partiste,

Sara, sara ferida,

Cala a dor que ainda subsiste...

 

E do fim de tamanho terror;

Que consigamos alguma coisa aprender,

Que este medo não fique torpor,

E a morte não seja somente morrer.

 

 

 

 

 

31
Mar20

Dúvidas Em Tempos De Pandemia...

Filipe Vaz Correia

 

Umas vezes sobram palavras, outras vezes escasseiam silêncios, umas vezes distribuem-se abraços, outras vezes desaparecem os afectos, umas vezes nos inundam de sorrisos, outras vezes nos circundam as lágrimas, umas vezes...

De tantas e tantas vezes o mundo palmilha dias e noites, sempre em andamento, caindo bombas e sobrando gritos em soturnas temporadas de medo.

Noites escuras que encobrem os dias, os fazem cinzentos, tristonhos, mas sempre do outro lado do horizonte se prometem as alvoradas que ameaçam findar com as trevas.

O mundo avança...

Mesmo que silenciosamente, distante, sufocando com a intransigente  ausência das gentes.

Como fazer diferente?

Nada mais faz sentido, nesse sentir que se instala, por entre, estádios vazios, igrejas cerradas, estradas despidas e ruas silenciadas...

Já não sorriem os meninos de manhã, a caminho da escola, já não buzinam os atarefados senhores que correm para o trabalho, nem aceleram os autocarros e comboios apinhados de gente.

Já nada parece igual...

Nada parece ser igual.

Neste entrelaçado caminho que nos une, pretos e brancos, ricos e pobres, muçulmanos e cristãos, de todas as crenças, géneros ou pátrias...

Nada nos separa diante deste medo maior, deste flagelo imenso, desta Pandemia que chega e nos reduz à nossa singela insignificância.

Somo pequenos diante da Mãe Natureza e dos seus caprichos...

Tão pequenos que num instante somente a quarentena nos poderá valer da ameaçadora devastação.

Que iremos vencer ninguém dúvida...

Mas se iremos aprender com tudo isto?

Disso já sobram dúvidas.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

14
Mar20

Coronavirus: Andrà Tutto Bene!

Filipe Vaz Correia

 

Todos em casa!!!!!

Sem excepção...

Pelo menos todos os que não poderão ajudar nesta luta contra a pandemia.

Não vale a pena açambarcar, ir para os supermercados e comprar desmedidamente como se não fosse existir mais comida, contribuindo para um pânico que em nada contribui para os tempos que vivemos.

Vamos viver em comunidade e com responsabilidade, com receio mas sem o desespero que nestes momentos ameaçam a sanidade e acendem egoísmos bacocos.

Tempos diferentes se aproximam, fazendo recordar àquelas páginas do livro de História e que pareciam inverossímeis e distantes...

Peste negra, pneumonia espanhola, o início da SIDA...

Como é possível?

Ouvir as histórias do que se passa em Itália, com tendas montadas nas ruas, centros de crise, doentes amontoados em casa à espera de morrer, sem que o sistema de saúde italiano tenha resposta para todos, mais do que indescritível é absolutamente inacreditável.

Enfim...

Vivemos novos tempos, com a mudança de paradigma no mundo, pois nada deverá ficar igual.

Que este Coronavirus passe, vá embora e possamos todos por aqui continuar escrevinhado sobre problemas do dia a dia, problemas esses banais, quando confrontados com esta pandemia.

Andrà Tutto Bene!

Tudo ficará bem!

Se Deus quiser...

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

 

 

 

 

19
Set19

Pandemia Mundial Ou O Pesadelo De Um Hipocondríaco?

Filipe Vaz Correia

 

Estava a preparar-me para escrever sobre o “meu” Sporting, por entre, as vicissitudes de um caminho  tenebroso, questionando as “luminárias” que resolveram não inscrever o jovem P. Mendes na Primeira Liga.

Estava concentrado em cada linha quando sou confrontado com uma notícia que ganhava vida em jornais e televisões...

A Organização Mundial de Saúde alerta para a chegada, cada vez mais provável, de uma Pandemia Mundial que poderá matar entre 50 a 80 Milhões de pessoas, nas primeiras 36 horas.

Meu Deus! Gritei silenciosamente.

Mas como podem dar uma noticia destas?

Sem nenhum aviso, nenhuma recomendação...

Não sabem que sou hipocondríaco?

Alegam a densidade populacional, o facto de as pessoas viajarem, nos dias que correm, com imensa frequência e sem as barreiras de antigamente...

Blá, blá, blá!

O que isso me interessa?

O que quero saber é como evitar essa tal de Pandemia, concretamente com medidas preventivas para a mesma...

Posso sair de casa?

Contactar com estranhos?

Isto passa através das redes sociais?

Ai o meu querido blog...

Sinceramente, no meio de tamanhos contratempos que se afiguram no panorama Mundial, seja através das alterações climáticas ou do populismo crescente, das tensões belicistas em vários pontos do globo ou das crises económicas, já só faltaria uma Pandemia para acrescentar dificuldades a estes Seres Humanos, encurralados neste Planeta Azul.

E estava eu preocupado com o Sporting...

É melhor começar a falar bem do Presidente do Sporting, pois o caro Frederico esteve no Afeganistão, como tantas vezes apregoa, e ainda por cima é medico.

No caso de uma Pandemia Mundial é sempre bom contar com alguém com este conhecimento do nosso lado.

Enfim...

Só quero ver quem terá cabeça para ir votar nas Legislativas com esta Pandemia à solta, sem se saber por onde andará. 

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Comentários recentes

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Calendário

Setembro 2020

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930

Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D