Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Caneca de Letras

Caneca de Letras

No Tempo Dos Populismos... Importa Dizer Não!

Filipe Vaz Correia, 12.04.19

 

O perigo do Populismo...

Essa palavra muito em voga, vezes sem conta, negada por tantos que a prosseguem, a executam sem decoro.

Exemplos não faltam, desde o nosso "Jovem" André Ventura, intra muros, até ao já "ilustre" Maduro, fora de portas.

Não posso deixar de referir o "Pequeno" Bruno de Carvalho, alguém que chegou a Presidente com o mesmo ar truculento que mantém, entrelaçado num passado de falências e aldrabices, vociferando mentiras e calúnias transformadas em "verdades" no seio da alma Leonina.

Recordo-me bem, de quem como eu, não se levantava para aplaudir o "Pequeno Líder", aquando das suas subidas ao relvado...

Dos olhares, das palavras, do ar de reprovação a estes "Croquetes" do antigamente.

O Populismo inebria as massas, transmuta a realidade, traz perigo às Sociedades.

Que o diga o "meu" Sporting.

No entanto, a situação é mais grave do que apenas um ou outro exemplo, um ou outro personagem desesperado de protagonismo, sedento de conseguir os seus intentos.

Gente capaz de tudo, por entre, uma coluna invertebrada, capaz de se adaptar sem valores, àquilo que julgam ser o mais adequado para convencer o "Povo".

Neste cenário, as redes sociais desempenham um papel cimeiro, como veículo de disseminação das ideias, ou falta delas, dos slogans, dos ódios libertados como forma de amarrar o descontentamento popular.

Assim, uma mentira ganha vida, surge capaz de enlamear qualquer um, independentemente da veracidade da sua origem, do seu fim.

Televisões, Jornais ou Pasquins se elevam, pouco preocupados com verdades ou seriedade jornalística, apenas com a sua "verdade"...

As tiragens, audiências ou lucros suficientes para alimentar a sua sobrevivência, numa Era onde cada vez mais perdem importância e relevo.

Assim, importa escrever, falar, gritar, numa constante querença maior, capaz de se antagonizar com esse Populismo velado que parece ameaçar Sociedades e seus Cidadãos.

Nesta Caneca...

As letras estarão sempre dispostas, a se juntar, para gritar Não ao bacoco Populismo, destes "novos" tempos.

Não!

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

Venezuela: Os "Sapos" Da Geringonça...

Filipe Vaz Correia, 10.01.19

 

Portugal não estará representado na Tomada de Posse de Nicolas Maduro, como Presidente da Venezuela.

Bastaria o argumento, do dito"senhor" ser um déspota de estirpe comprovada, líder de uma ditadura Bolivariana...

Mas acrescenta-se, ainda, o facto de as eleições de Maio de 2018, não terem sido reconhecidas pela Comunidade Internacional, sobrando indícios fraudulentos que denunciam os desmandos ocorridos, naquele País da América do Sul.

Não poderia estar mais de acordo, com esta medida do Governo Português, alinhado com a União Europeia e divulgado pelo Ministro dos Negócios Estrangeiros.

No entanto, uma questão me faz salivar de curiosidade...

Como explicou o Governo, esta decisão, aos seus parceiros de Geringonça?

É que BE e PCP são leais "amigos" do tal Maduro, aquele que executa opositores, persegue empresários Portugueses, e acima de tudo, tortura a sua população com intermináveis discursos, ao estilo Fidelista, na televisão Estatal.

Digamos que é mais um "Sapo" a engolir pela queridíssima Catarina e pelo, não menos, estimável Jerónimo.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

 

 

Maduro E Ceausescu: A Repetição Da História?

Filipe Vaz Correia, 02.08.17

 

Continuo a escrever sobre a Venezuela, sobre o drama indescritível vivido por aquelas gentes, que se encontram ali aprisionadas, num misto de desespero aglutinador e de estupidez humana.

Olhando para esta realidade não é possível retirar deste contexto, o papel decisivo de um homem menor, o Presidente Nicolas Maduro.

Sempre que vejo noticias desse longínquo País, por tradição repleto de descendentes Lusitanos, não consigo deixar de me lembrar de Nicolae Ceausescu...

As semelhanças entre ambos são imensas, intelectualmente e até ideologicamente, sendo que acredito que o desfecho desta história poderá ser, também ele, igual.

A América Latina e o Mundo têm um vasto historial de ditadores, de regimes totalitários, durante longos anos, no anterior século e no atual, no entanto,  ditadores como Maduro e Ceauscescu, são unidos e legitimados pela sua própria ignorância, assim como, pela esperança daqueles que fazendo parte dos excluídos, em algum momento, acreditaram que essa ausência de cultura poderia significar simplicidade.

A Roménia Comunista era um País entregue a um homem, num regime desconexo e dependente desta família dominante, que moldou a vida e os comportamentos de tantas e tantas gerações.

Com os militares do seu lado, o Regime de Ceausescu ditou durante décadas as linhas com que se escreveria a História daquele povo, subjugados às experiências inacreditáveis de Nicolae e Helena, sua mulher...

Helena Ceausescu, praticamente analfabeta, teve em suas mãos durante anos a parte educacional e cientifica daquele País, sendo galardoada com louvores universitários e galões literários, em virtude de teses escritas por outros mas assinadas por si.

É aqui que me recordo de Nicolas Maduro, com o seu papel de Comandante, de líder supremo, meio entrelaçado com aquela genuína boçalidade com que expressa a loucura, que mora no seu miserabilista cérebro...

Mora sozinho no meio daquele palanque de onde discursa, naqueles monólogos ziguezagueantes, num desespero desconcertado que levará a Venezuela para um abismo, cada vez mais real.

Ceausescu tombou num dia de festa, num regresso a casa depois de uma visita de estado, na varanda de um dos seus palácios, diante de uma multidão...

As gentes vaiaram-no pela primeira vez, provocando espanto, estampado naquele seu olhar vazio, avançaram ao seu encontro e os militares que sempre o haviam apoiado, afastaram-se, abandonaram o pequeno ditador à sua sorte.

Ainda tentou fugir mas foi capturado ao lado da sua mulher, numa estrada perdida no meio de uma zona rural, onde pouco tempo depois foram executados, por entre gritos dilacerantes de Helena Ceausescu, não acreditando que aqueles homens seriam capazes de assassinar a sua "Mãe".

Era assim que se via...

Era desta maneira que a sua tortuosa mente acreditava ser vista, por todos os Romenos.

Nicolas Maduro, posso estar enganado, encontrará no meio de um discurso, no auge de um delírio, o julgamento popular que ele julgará impossível.

E assim, no meio destas semelhanças, por entre a loucura iletrada ou através da alucinação ignorante encontrada nestes dois homens, que talvez se possa vislumbrar a repetição de uma história...

E o fim do martírio de um povo.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

As Ruas De Caracas!

Filipe Vaz Correia, 01.08.17

 

 

 

As ruas de Caracas;

Estão repletas de sangue,

Repletas de desilusão,

Impregnadas de lágrimas,

De um futuro sem razão...

 

As ruelas da Venezuela;

Estão silenciadas, caladas,

Cheias de almas renegadas,

De vontades desabitadas,

De promessas adiadas...

 

Os destinos deste povo;

Foram perdidos, desperdiçados,

Em cada esquina despedaçados,

A cada voz amordaçados,

Traídos...

 

A cada morte;

De tantos jovens,

Se encerra,

A esperança de sonhar,

Com o eterno direito,

De viver,

Livremente.

 

 

aMADUROismo

Filipe Vaz Correia, 31.07.17

 

As eleições para a Assembleia Constituinte, na Venezuela, estão a revelar-se um fracasso para Nicolas Maduro e para a demonstração de força, imaginada pelo pequeno ditador Venezuelano.

A poucas horas do fecho das urnas, apenas 7% da população eleitoral havia votado e por isso mesmo se compreende que o regime bolorento de Caracas, tenha decidido prorrogar o prazo para que o povo pudesse votar...

7%?

Na verdade, já se sabia que o regime de Maduro, meio perdido, fruto da ignorância reinante daqueles que comandam hoje os destinos da Nação, se mantém no poder apenas fruto da brutalidade das forças que lhes são leais, dos algozes pagos pela corrupção que esventra esse futuro que tarda em chegar.

Porém estes números a se confirmarem, demonstram a fraca legitimidade que ainda suporta estes antigos Chavistas.

Um ditador é um ditador, um déspota será sempre um déspota, no entanto, sempre que a boçalidade se mostra reinante, que a estupidez caracteriza as mentes governantes, se torna um pouco mais triste a confinada penumbra de uma ditadura...

Maduro é isto mesmo, assim como a sua entourage, pequenos, limitados, estúpidos, desprovidos de conhecimento intelectual e é esse amadorismo, essa desesperança insistente, que certamente marcará o seu fim.

O povo já não o teme, não receiam tombar um a um, Pais, Filhos, Homens, Mulheres...

Ninguém já teme morrer, para tentar resgatar o seu direito de viver.

E enquanto se aguardam os resultados fraudulentos, que certamente o regime anunciará para a Assembleia Constituinte, poderemos contar com mais mortes, mais brutalidade...

Mas também, com maior coragem, maior bravura daqueles que diante de armas, tocam violinos, diante de tiros, cantam os seus sonhos, diante de tamanha estupidez, se negam a ceder.

No meio de tamanho aMADUROismo, sobra a nobreza deste corajoso povo...

Venezuelano.

 

 

Filipe Vaz Correia