Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Caneca de Letras

Caneca de Letras

“Sempre Tive Medo”

Filipe Vaz Correia, 15.10.20

 

 

 

Sempre tive medo de te perder;

Sempre tive medo de crescer

Sempre tive medo, esse ter...

 

De não saber caminhar;

De enfrentar esse sol a nascer

Esse rumo a escolher...

 

De me perder na encruzilhada;

Não conseguir encontrar essa estrada

Tive medo, do nada...

 

Sempre tive medo;

De enfrentar o mundo sem ti

De caminhar sozinho...

 

Porque o mundo é meu;

Mas o meu mundo...

 

És tu.

 

 

Pedaço De Mim

Filipe Vaz Correia, 02.10.19

 

Vivi um dos dias mais difíceis da minha vida...

A vida que tem destes dilemas, curtos poemas que nos constroem, nos auxiliam neste ensinamento maior que nos amarra e define.

Nada é mais aterrador do que a espera numa sala de um hospital, aguardando que estranhos me venham dizer como estás...

Pondo nas suas mãos a tua vida, essa alma tua que me pertence, pertencerá, somente nós.

Como gostaria que este dia não acarretasse esta dura sensação de medo que me envolve, entrelaça, nessa partida, por entre, o descerrar da cortina, o fechar da porta de um elevador...

Desse afastar, sem que possa te proteger.

Meu amor, aqui estarei...

Aqui estou...

Aqui voltarei a estar.

Nesse entre-tempo, medida temporal que angústia os que verdadeiramente amam, esperarei pelo singular instante em que os teus olhos se abram e nos possamos reencontrar, nesse singelo encontro de almas...

Porque só assim fará sentido.

 

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

Para Sempre Amor!

Filipe Vaz Correia, 09.09.19

 

Não tenho medo de nada;

De nada tenho medo,

E de tudo...

 

De tudo tenho receio;

Sempre que te vejo a dormir,

Que te pressinto a sorrir,

Ou ao longe te vislumbro...

 

A chegar.

 

Tenho medo de te perder;

De o vento te levar,

Tenho medo de te ver sofrer,

De algo te arrancar...

 

Não tenho medo de nada;

De nada tenho medo...

 

Desde que estejas a meu lado;

De mãos dadas,

Nessa eternidade que construímos dia a dia...

 

Para sempre...

 

Para sempre amor!

 

 

Tenho Medo Do Escuro...

Filipe Vaz Correia, 12.08.19

 

Tenho medo do escuro, dessa escuridão que se intromete pelos sonhos e nos cerca, nos aprisiona, asfixiante, desmedidamente extasiante.

Não saberia desenhar, por traços ou rabiscos, as estranhas interrogações que permanecem escondidas na brisa da manhã, de cada manhã, nesse despertar que se repete, longe de ti.

Mas o que importa o sentir, se nesse despedir, desnudar ou despir, do tamanho destino, se empurram os dias, se entrelaçam as noites e continuam por conhecer os recantos da alma...

Dessa alma, que meio inebriada, se antecipa ao amanhecer, partindo incógnita, discreta, envergonhada.

Sem viver?

Sem ousar esse reencontrado encontro, para sempre perdido, por entre a desilusão maior de um arrependimento?

Tenho medo do escuro, meio sussurro, vento que chega e ousa partir, assobiando ao longe as amarguras presas a gente distante, em recantos perdidos deste mundo.

Esses gritos que voam pelos oceanos, resgatados pelo vento que cobre as terras da minha aldeia, da minha terra, dos meus destinos...

Esse vento que chega à noitinha, pela calada, sem se fazer notar, invadindo de ansiedade a minha triste saudade, esse desnorte que se confunde com o desesperante bater do olhar, o desprendido olhar que se encerra nesse mundo interior desprotegido.

Tenho medo do escuro e desse amanhecer que não chega...

Tenho medo do escuro.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

Medo...

Filipe Vaz Correia, 22.02.17

 

Esse medo que tinha de te perder;

Chegou...

Essa ausência a temer,

Ficou...

O receio a crescer,

Recordou...

Aquele pesadelo que sem saber,

Me levou,

Até à minha feliz infância...

 

Como me libertar desta dor;

Que ilude a minha expressão...

Asfixiado por tamanho temor,

Que regressa ao meu coração...

Recordando o horror,

Naquele serão...

Que não cala o amor,

Calada imaginação...

 

Sobra este medo;

As sombras desse dia...

Sobra o segredo;

Por entre a solidão que arrepia...

A intensa tristeza,

Que habita em mim...

 

Porque ainda te vejo;

Presa naquele olhar,

Que tanto me queria falar...

 E que tanto,

Eu queria abraçar!