Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Caneca de Letras

Caneca de Letras

25
Ago19

O Mar E Eu...

Filipe Vaz Correia

 

Volto sempre ao mar como se dele nunca tivesse partido, exausto de percorrer os dias, incontáveis dias, que nos separam, todos os anos.

Sempre que regresso, submerso nessa água salgada, me envolvo numa espécie de regressão pelos secretos trilhos de minha alma, pelos silêncios que se misturam naquele momento, os barulhos que reaparecem em mim num abraço que se amarra.

Parece que dali nasci, que aí nasci, àquele lugar pertenço.

Nada é mais exacto ou perfeito do que um singelo mergulho, um inquieto perder e reencontrar, escapar e regressar, infinitamente sedutor...

Não existem vozes silenciosas ou mistérios perturbadores, medos ou receios que se transformem em gigantes Adamastores, somente lágrimas num mar salgado, coleccionando cada sentir, desmedido querer, sem explicação.

Nesse mar, aonde regresso, pareço sentir que fui feliz, saber que fui feliz, buscando nesse encontro cada palavra, cada som ecoando nesse infinito lugar, num entrelaçado beijo terno e solitário.

As memórias que chegam e partem, se aproximam e escapam, parecem brindar aos amores doloridos, aos sonhos perdidos, aos beijos esquecidos, numa mistura salgada de um impreciso destino.

Como é bom regressar aqui...

Misturo-me nesse Oceano repleto de vida, de vidas, vezes sem conta, repleto de olhares que se cruzam sem avisar, almas que se perpetuam sem quebrar, agridoces pedaços de um filme, nesses vários filmes que se repetem.

Aqui estou eu, no meio dessa imensidão de mar, onde anteriormente estive, onde outros estiveram, onde tantos ainda estarão...

Repetindo a magia, perpetuando esse mar que nos completa.

Nessa encruzilhada, banhando a alma, as várias almas, podemos esquecer ou recordar, querer ou resgatar os enigmáticos segredos do Universo.

Ali tudo faz sentido...

Mesmo ignorando onde começa ou termina essa busca pelo desconhecido destino, esse ansiado caminho de todos nós.

Ali me encontro em cada parte dessa tela por pintar pois de azul se preenche cada partícula desse céu e desse mar num encontro ao fim da tarde.

 

Filipe Vaz Correia

 

05
Jul19

O Mar Da Minha Infância!

Filipe Vaz Correia

 

Tenho saudades do mar, da água cristalina que nos cobre e revigora, nos inebria e faz renascer, nos seduz e desnuda.

Existe em mim um fascínio pelo mar, uma espécie de reencontro insistente nesse abraçar silencioso por entre o rebuliço da maresia.

Ao olhar para o horizonte, nessa mistura salgada de intensidade, se descobre desmedidamente esse viajar de memórias, sinceras lembranças...

Ali me perco, me encontro, insisto ficar, como se naquele lugar o mundo pudesse recuperar a sua ilusão.

Tenho saudades do mar, desse mar da minha infância.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

18
Dez18

Noite Estrelada...

Filipe Vaz Correia

 

 

 

Em alto mar espreitei o céu;

Desesperadamente estrelado,

Num brilho desmedido,

Que acendia em mim,

Um desejo sem fim,

De reencontrar...

 

O que não sei.

 

Nesse misterioso sentir;

Amarrei na alma,

Cada pedaço de estrela envergonhada,

Que brindava a minha curiosidade,

Numa mistura encantada,

De amor e saudade...

 

E em alto mar;

Sonhei...

 

Do alto desse mar;

Chorei...

 

No sobressalto daquele mar;

Acreditei,

Que poderia voar...

 

E voando;

Sobrevooei a tamanha eternidade,

Para te encontrar.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

20
Nov18

Recantos...

Filipe Vaz Correia

 

Sentado à Beira-mar, com essa imensidão diante de mim, escondendo os meus pés na areia molhada...

O escurecer vespertino que convida a nostalgia, numa dança imperfeita, que se entrelaça com a perfeita perfeição de um leve imaginar.

O mar vai e vem, regressa e se afasta, se aproxima e se distancia, abraçando intermitentemente a minha alma.

Na areia escrevo desconexamente palavras ao acaso, num sentido partilhar de algo que nem eu sei...

Fecho os olhos e deixo avivar os sons que parecem se libertar em mim, através da gigantesca força daquele mar azul.

Sou tão pequeno...

Tão insignificante parece ser um destino, por entre, o turbilhão  de vidas que se escapam na bruma das ondas, por entre esse encontro de passados e futuros...

Por entre este presente que é agora...

Só agora.

E já passou...

Se escapou, eternamente, sem regressar.

Mas naquele ondular primaveril se acalma a alma, se enternece o olhar, amacia o coração, cansado de amarguras, desventuras, agruras que se pintam nos céus.

Seria tão mais fácil, se por um instante, o tempo parasse e num momento, em cada regresso das ondas, pudéssemos escolher para a eternidade, aquele segundo, onde por ventura, fomos verdadeiramente felizes.

Talvez por isso, aqui volte sempre...

Sempre.

Esperando escolher esse momento, essa misteriosa vontade de não ter mais saudade...

Ou tendo, sacia-la de uma vez, amarra-la definitivamente e não mais chorar, misturando as minhas lágrimas nesse mar salgado que insiste em chegar.

Todas as lágrimas do mundo nessa imensidão de água a meus pés.

A meus pés...

Parte de mim.

Levantei-me...

Caminhei de volta para a realidade, para o mundo onde não cabem os sonhos, os pequenos contos de criança.

Caminhei, sabendo que ali voltaria, como sempre, carregado de uma desesperançada esperança, de me entrelaçar com essa eternidade perdida...

Perdidamente repleta de reencontrados reencontros, de anseios e planos, amores e danos, memoráveis sonhos ou recordações.

E a cada passo...

Me afasto desse regaço ou abraço, somente entregue à doce imaginação de cada espaço, em cada letra, por cada palavra, de cada linha.

No mar ou pelos recantos do coração.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

10
Jul18

O Mar...

Filipe Vaz Correia

 

Aquele mar...

Bravio mar que sob a dança do sol reluz e da lua se torna num cristal, espelhada forma de beleza.

Esse mar imenso a meus pés, olhando para mim em tom de desafio, desafiadoramente arrebatador, num convite sincero que preenchendo essa alma minha, intimida sem parar, o terno coração que me pertence.

Parece que conhece os meus segredos, medos e enredos que me amarram, mesmo que apenas por um segundo, me aprisionem.

Nesse vai e vem constante sob o azul cristalino, carregado de sal, se escondem vidas e sonhos, passado e presente, interrogações insistentes escondidas nesse futuro por revelar.

Sentado no terraço, observo o mar...

Questiono-me sobre tanto e tão pouco, sobre tudo e nada, sobre o que sinto e o que já não sei sentir.

Sentado naquele lugar, vejo ao longe esse eterno beijo, perdido horizonte onde céu e mar parecem se encontrar.

Agarro no meu copo de sangria, nessa fina mistura de frutas, dando tempo ao tempo, para que possa a minha alma se recompor daquilo que destemperadamente a atormenta.

Fresca e adocicada, a sangria, assim como a delicada juventude que passada na realidade, sobrevive na imaginação, nesse recôndito lugar, onde ainda por uns momentos nos é permitido reescrever a história, mesmo que dela não sejamos donos.

Fecho os olhos e oiço o mar...

Mil e uma vezes ouviria, mil e uma vezes me perderia, mil e uma vezes regressaria àquele instante para dele me recordar.

Parece que o sinto, entrelaçado com aquele cheiro carregado de maresia, amarrando em mim a esperança retemperadora de um mergulho.

Nada nos sufoca, por entre, as ondas do mar, naqueles breves momentos em que nos tornamos peixes...

Reabro os meus olhos, deixando uma lágrima minha escorrer pelo rosto, deslizando silenciosa com o receio de contar, o que fere sem marcar, o que esventra sem ferir, o que corrói sem se notar.

Oiço o mar...

E volto a ouvir, recarregando a vontade de renascer e reescrever os capítulos por viver que soletradamente se encontram, nessa folha em branco da minha alma.

Sem medos, sem receios e sem olhar para trás...

Apenas carregado desse sal, solitária maresia de um destino em busca da tão desejada felicidade.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

26
Ago17

Mar

Filipe Vaz Correia

 

Os rituais repetem-se como um jogo de imagens que frequentemente reaparecem, num misto de recordações que ao sol me parecem preencher.

Os mesmos cheiros, as mesmas vozes, o mesmo rebuliço de verão.

Sinto-me outra vez criança, se é que algum dia o deixei de ser...

O sabor do verão sempre teve em mim essa espécie de nostalgia de algo que por vezes me inquieta, noutras vezes me serena e outras ainda me agita como se estivesse permanentemente a navegar.

O mar exerce em mim essa expressão maior da alma, uma agitação intrínseca que não consigo descrever.

Faz parte de mim, pertence-me, assim como, a ele pertenço.

Esta atracção que me acompanha desde a meninice, reporta-me ao olhar ternurento de minha mãe, aos ensinamentos de meu pai e a essa saudade infindável de tempos que fugiram.

No meio do mar, entrelaçado com a água salgada desse mar imenso que me aguarda, voo na imensa viagem da minha vida.

E com ela, de todos aqueles que guardo na alma.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

16
Jul17

Mar Salgado...

Filipe Vaz Correia

 

 

 

No fundo do mar;

Encontrei uma estrela,

Aprisionada ao navegar,

Daquelas ondas...

 

Naquele mar;

Cristalino,

Cheio de histórias a flutuar,

Memórias e destinos,

Que se escondem ao luar...

 

E misturado com aquele mar salgado;

Num abraço entrelaçado,

Sinto o ardor desencantado,

De um distante passado,

Eternamente guardado...

 

Em mim!

 

 

 

 

 

 

09
Jul17

Foz...

Filipe Vaz Correia

 

O mar da Foz do Arelho, resgata à minha mente recordações, memórias que guardo na alma, com o carinho imenso com que sempre aqui sou recebido...

O som deste mar, bravamente acolhedor faz-me sonhar, sentado no terraço de casa dos meu Tios, como se estivesse no camarote de um navio, navegando mar adentro rumo a um destino intemporal.

As Berlengas ao longe, nítidas, imponentes, como se estivessem a flutuar por esse mar imenso, que nos invade com a sua força indescritível...

O sol reflete-se no azul do mar, o vento corre entrelaçado com a espuma das ondas que rebentam bravamente, ao encontro daqueles que à beira mar passeiam, respirando sem parar, este pedaço salgado de vida.

As gaivotas sobrevoam tranquilamente os céus, descobrindo também elas os recantos escondidos de mais um verão.

O fim de semana está acabar e aproxima-se o regresso ao rebuliço de Lisboa, com os seus encantos, com o quotidiano citadino, com a agitação tão própria da capital.

No entanto, mais uma vez, fica em mim, no meu coração e na minha alma,  a estima e a amizade, as gargalhadas e as histórias, os momentos eternos que para sempre estarão guardados.

Porque são esses os momentos que verdadeiramente importam...

Obrigado, Tios.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

17
Jun17

Verões Da Minha Infância!

Filipe Vaz Correia

 

 

 

Um mergulho tão fundo;

No despertar do verão,

Um prazer vagabundo,

Vagueando pela ilusão,

Reencontro profundo,

Com a distante recordação,

Da minha infância...

 

Este ar quente;

Este sol abrasador,

Reflexo de um tempo já ausente,

Passado acolhedor,

Por entre as memórias da minha mente...

 

E em cada pedaço deste mar;

Onde me pareço perder,

Perdendo-me nesse reencontrar,

Intenso reviver,

Desses verões que já não voltam...

 

A esse tempo,

Onde fui criança.

 

 

09
Abr17

No Fundo Do Mar!

Filipe Vaz Correia

 

No fundo do mar, descubro um mundo impregnado de magia, de poesia perdida em cada coral, em cada barco naufragado, em cada planta aquática, em cada recanto escondido do nosso terrestre olhar...

Prendo-me sem senãos, sem receios de me perder por aqueles caminhos que parecem não ter fim, diante daquele horizonte azul, daquela imensidão sem fim, que nos parece abraçar, acolher e convidar a ali permanecer, para nunca mais partir.

Ali no fundo do oceano, o silencioso ruído, daquele ruidoso silêncio que nos inebria, como uma dança contemporânea, num qualquer palco, de uma qualquer cidade europeia...

As luzes que não existem, as cores que nos invadem, os animais que nos observam respondendo com os seus olhares ao nosso curioso olhar.

Como é belo, este novo mundo...

Como flutuo no fundo daquele oceano, sem verdadeiramente flutuar, como deslizo, sem que realmente deslize, como me sinto solitário, sem que na verdade, sozinho ali esteja...

O tempo ausenta-se, desaparece, deixa de ser prioridade, pois tudo corre como deve, como se supõe, por entre a leveza existente em cada momento de calmaria, que sorri debaixo daquele mar.

Fecho os olhos por um momento, esse instante, segundo, onde me sinto um peixe mais, ou melhor, um mamífero, como um golfinho, serpenteando devagar, bailando numa espécie de vontade que se apodera, sem nos largar, sem nos abandonar, de não mais regressar.

E nesse vai-e-vêm, sinto um toque no meu ombro, o sinal para subir para o barco que nos esperava, terminando aquele sonho, tão intenso e real, que me fez acreditar por um momento que seria possível ali pertencer...

Subi...

Continuei a subir, deixando para trás as minhas lágrimas salgadas, misturadas com aquele pedaço de mar, que por um momento também foi meu...

Também me pertenceu.

 

 

Filipe Vaz Correia

Mais sobre mim

foto do autor

Posts mais comentados

Comentários recentes

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Calendário

Dezembro 2019

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D