Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Caneca de Letras

Caneca de Letras

03
Fev18

Cobardes Desabafos...

Filipe Vaz Correia

 

Ainda me recordo, como se fosse possível esquecer...

Ali por entre os portões daquele hospital, olhando para aquelas janelas, frias janelas que escondiam a tua presença, essa mágoa imensa de uma constante ferida, de dor, ardor angustiante da minha cobarde forma de ser.

Ali estive...

Aguardando a coragem que nesse dia não tive, por entre as lágrimas que disfarçadamente tentava controlar.

Nessa mistura de medo, receio, constatação de um fim que a todo o custo tentava renegar, encontrava no singelo continuar de dias e noites, dessa tua vida descompassada.

Parecia que o medo maior era meu, mas morrias tu...

Parecia que esse ardor desbravava a minha alma, mas era a tua que corajosamente se levantava a cada obstáculo, em cada pedra no caminho...

Ainda me recordo do teu olhar, da expressão desse olhar que de certa forma também me pertencia.

Ainda hoje recordo essa minha cobardia, numa expressão maior desse amor, amizade, que não conseguia expressar em palavras...

Só a tua coragem, apenas isso.

E eu aqui recordando, por palavras a ausente expressão desse momento em que quebrei, reservei em mim todas as frustrações desse destino desencontrado.

Ali estava eu, nos portões daquele hospital, olhando para as janelas daqueles prédios cinzentos, frios, despidos de esperança, carregados de desesperança, essa mesma, que veio resgatar de nós...

Essa amizade, que agora se tornou silenciosa.

O que aprendi com tamanha tristeza, arrependimento sem culpa, é que por vezes, nesse misto de dor, se esconde a expressão de um amor, escondido na imensa vontade de tentar renegar esse fim que não se pode evitar...

Mas que cobardemente se tenta...

Se tenta eternizar para que jamais aconteça.

 

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

21
Out17

Vinte e Um Anos...

Filipe Vaz Correia

 

 

 

Passaram vinte e um anos;

Que lentamente esvoaçaram,

Por entre as memórias que sobraram,

As mágoas que ficaram,

Em mim...

 

Passaram vinte e um anos,

Como se passasse a intensa dor,

Amarrando o sentimento,

Ao entorpecente ardor,

Com que o tempo,

Tudo leva...

 

Passaram vinte e um anos,

E neste dia,

Vão regressando,

Um a um...

 

Numa intensa melancolia,

Pedaço de uma saudade,

Abraço de nostalgia,

Num adeus de verdade...

 

Passaram vinte e um anos,

E podem outros vinte um passar,

Que terei para sempre em mim,

Esse teu esperançado olhar,

Esse imenso acreditar,

Num futuro que não te chegou...

 

Vinte e um anos;

Meu eterno amigo.

 

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Posts mais comentados

Comentários recentes

  • Sofiazita

    Eu sou benfiquista mas não ligo nada de nada ao fu...

  • Sofiazita

    Ui ui ui ui,fiquei super espantada com esta notíci...

  • Teresa

    Guiarão? Como se não se tivesse já passado o abism...

  • Filipe Vaz Correia

    Meu caro Anónimo...Portanto diZ que se descermos p...

  • Anónimo

    Eleições?!? Mas o Varandas não foi eleito democrat...

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Calendário

Janeiro 2020

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031

Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D