Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Caneca de Letras

Caneca de Letras

25
Mar19

Gente Que Não Sabe Estar Ou O "Pitosga" Da Multiópticas ?

Filipe Vaz Correia

 

Esta noite estive a assistir a mais um "Gente Que Não Sabe Estar" com o Ricardo Araújo Pereira, na TVI.

Não vou aqui discutir a qualidade do programa, no entanto, existem coisas que me tiram do sério, me irritam imensamente e me levam ao limite da exasperação.

Talvez o que mais me cause este tipo de reacções, sejam a mentira e a bacoca aldrabice...

E foi assim que me senti, ontem à noite, sujeito a uma tenebrosa mentira.

Na parte final do programa Ricardo Araújo Pereira chamou ao palco, para contracenar consigo, o José Diogo Quintela numa rábula género Tinder, neste caso um Ratinder, sediado no Largo do Rato.

Até aqui tudo bem...

Piadas repletas de sentido, gargalhadas entrelaçadas, risos e sorrisos ecoando desenfreadamente, inundando a plateia e os telespectadores, porém, tudo mudou num singelo e constrangedor momento que não posso deixar passar, em nome da decência e da verdade.

Então não é que o caríssimo José Diogo Quintela não conseguiu ler as mensagens que passavam no ecrã do televisor, descrevendo as "badalhocas" conversas entre os vários dirigentes Socialistas...

Não conseguiu ler!!!

Compreendem?

Perguntam-me os meus caros amigos...

Ele sabe ler?

Pois parece que sim.

Então o problema só pode ser dos óculos...

Os óculos da Multiópticas?

Os Óculos da Multiópticas!

Os vastíssimos anúncios de televisão, a chamar velhotes e pequenotes, os descontos gigantescos, os incentivos e conselhos do "jovem"José Diogo Quintela acautelando os nossos "olhinhos"...

E agora descobrimos, num Domingo à noite, que tudo não passa de um embuste.

Assim se compreende melhor esses descontos gigantescos, pois se até o embaixador da marca continua pitosga, é porque aquelas lentes devem ser mesmo muito "baratinhas".

Isto francamente, já não se pode confiar em ninguém...

Nem no senhor da Multiópticas.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

 

14
Abr18

Meu Caro José Diogo Quintela...

Filipe Vaz Correia

 

Meu caro José Diogo Quintela é com tristeza que lhe escrevo, não por si, mas essencialmente pelas enormidades explanadas em seu texto e que o tornaram na chocante realidade de uma singela estupidez...

O seu texto denominado Oncolamúrias é um pedaço de insensibilidade, misturada com a arrogante presunção de julgar algo, absolutamente inimaginável.

O topete demonstrado por si, julgando a indignação desses Pais que vendo os seus filhos de tenra idade, prostrados em corredores de um Hospital, lutando pela vida em condições inaceitáveis, enquanto ingerem doses de quimioterapia, numa última esperança de se amarrarem a esse destino que lhes sobrou, soluça esta minha escrita incapaz de verbalizar a tamanha incredibilidade que me assola.

Reportar as mortes de Crianças nos bombardeamentos químicos na Síria, como ponto de comparação com este caso, não respeita nem a memória desses mártires, nem tem em consideração a dor e o sofrimento destas Crianças e Pais que agonizam nos corredores do dito hospital.

Será que poderemos falar de Lares que maltratam e deixam velhos subnutridos, quando em África, tantos e tantos, morrem sem comida?

Será que poderemos falar em violação, quando em vários Países, esse casos são flagrantemente sentidos, numa escala maior do que neste nosso País?

Será?

A crónica de José Diogo Quintela é, na minha opinião, absolutamente fedorenta, mesmo nauseabunda, desrespeitadora da mais básica expressão da solidariedade Humana.

Já aqui escrevi, vezes sem conta, o que me vai na alma quando o assunto é o drama Sírio, o massacre constante a que estão sujeitos Velhos e Novos, Pais e Filhos, enfim gente...

Já aqui gritei, através da tinta soletrada pelas  minhas palavras, o horror que se vive na Síria, no entanto, não posso aceitar que esse argumento seja utilizado para menosprezar a dor imensa a que devem estar sujeitos, aqueles meninos e meninas, combatentes nessa batalha pelas suas vidas, contra o cancro.

Não existe comparação...

Nem tem de haver.

Por isso e como gosto pouco de almas fedorentas, mentes tacanhamente dispostas a tudo por um punhado de polémica, distancio-me desse texto, desejando apenas que o seu autor nunca tenha de estar num corredor de Hospital, com um filho seu, guardando em si o desespero de tamanha luta.

Quanto a mim, sobra-me indignação para poder escrever sobre os dois temas, com a mesma revolta e sem senãos...

Sem hesitações em criticar o inaceitável.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Comentários recentes

  • Filipe Vaz Correia

    Meu querido JB...Uma desilusão.A direita a precisa...

  • Filipe Vaz Correia

    Minha querida BC...Um beijinho do tamanho do mundo

  • Filipe Vaz Correia

    Minha querida BC...Um beijinho

  • BC

    Que tenhamos sempre os nossos sonhos espero que e...

  • BC

    Como diria Sophia, "amigo é quase a melhor palavra...

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Calendário

Novembro 2020

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930

Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D