Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Caneca de Letras

Caneca de Letras

16
Jun20

Fará Sentido Sentir?

Filipe Vaz Correia




CB08CEFB-83C4-42C8-97E7-5DB2854BDB9B.jpeg


Nas entrelinhas das estrelas

voam soltas

pequenas partes da memória

vagabundeando sem cerca

aperto ou ferida

os laços de uma história

soterrada na vontade

de cada um...


na desapegada saudade

sobrevivem recordações

de tempos idos

palavras desaparecidas

amores perdidos

almas esquecidas...


e voltando atrás

escreveria novamente a mesma carta

partindo rumo ao destino

sabendo que ao chegar

vazio estaria o lugar

do prometido mar que jamais chegou...


mas o que fazer

se o coração não aprende

a soletrar cada letra dessa sorte

desespero ou morte

no ferido desapego

da infinita liberdade

de amar.


02
Abr19

Inquietante Inquietude...

Filipe Vaz Correia

 

 

 

Se entrelaçam virtudes;

Por entre questionamentos,

Pequenas atitudes,

Imensos inquietamentos...

 

Se buscam respostas;

Na infinitude do imaginário,

Palavras opostas,

De destinos solitários...

 

Como na roda de um casino;

Entre vida e morte,

Num desamparado desatino,

Golpe de sorte...

 

E salpicando o caminho;

Com pedaços de açúcar e sal,

Vai voando bem baixinho,

A doce contradição de uma esperança...

 

De uma inquietante;

Esperança Humana.

 

 

 

 

 

17
Mai17

O Tempo...

Filipe Vaz Correia

 

 

 

O tempo passa por nós;

Esvoaçante sensação,

Segredando sem voz,

Lembranças ao coração...

 

O tempo vai devagarinho;

Levando as noites e os dias,

Vai roubando de mansinho,

As agruras, as alegrias...

 

O tempo sorrateiro;

Eternizando o presente,

Até ao momento derradeiro,

Em que se torna ausente...

 

E vai o tempo fugindo;

Vai escapando sem dizer;

Vai chorando e sorrindo,

Silenciando o querer...

 

Vai o tempo,

Caminhando pelo infinito,

Infinitamente.

 

 

03
Dez16

Salto para o infinito!

Filipe Vaz Correia

 

Saltei de uma ponte;

A mais alta que encontrei,

E nesse tempo em que caía,

Nesse tempo pensei...

 

Em tudo o que ficou para trás;

Que deixei nessa história,

Que vivi, que jaz,

Perdido na minha memória...

 

Fugi de tanto e de tão pouco;

Não consegui mais resistir,

Às agruras de um louco,

Que resolveu de si, fugir...

 

Fuga para lá do entendimento;

De um tempo que não compreendo,

De um desmesurado sofrimento,

Que não pedi a ninguém...

 

Quem julgará o meu destino?

Esse que me deram ao nascer,

O mesmo que rejeitei,

No dia em que decidi morrer...

 

Tão gigante esta decisão;

Tão enorme o meu salto,

Neste grito sem perdão,

Que findou este acto...

 

Fui-me embora, simplesmente;

Disse que não, cobarde,

Mas no fundo do meu coração,

Ficou para sempre uma saudade...

 

Saudade, de mim mesmo.

 

Mais sobre mim

foto do autor

Posts mais comentados

Comentários recentes

  • BC

    ….

  • Filipe Vaz Correia

    Minha querida BC...Como gosto de sentir o carinho ...

  • Filipe Vaz Correia

    Minha querida BC...Obrigado.Um beijinho imenso

  • BC

    ohhhh… "Porque o mundo é meu; Mas o meu mundo… És ...

  • BC

    Tenho olhado para elas todos os dias de manhã… que...

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Calendário

Outubro 2020

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D