Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Caneca de Letras

Caneca de Letras

17
Out19

Barcelona: A Faixa De Gaza Catalã?

Filipe Vaz Correia

 

Liguei a televisão e julguei estar a ver Jerusalém ou a Faixa de Gaza...

Jovens encapuçados atirando pedras, polícias investindo sobre a multidão, carros e ruas a arder num misto de inferno e turbilhão.

Afinal estava enganado...

Eram as ruas de Barcelona.

Quando aqui escrevi, no nascimento desta batalha com a declaração de Independência da Catalunha, deixei notar a ideia de uma calamidade política e administrativa em crescendo, uma gestão apocalíptica deste caso, por parte da Generalitat, assim como, da estrutura central Espanhola.

Na altura, Mariano Rajoy e Felipe VI...

Agora, Pedro Sanchez e o Rei Felipe VI.

Não posso esquecer a declaração de Felipe VI, logo após o nascimento desta polémica, uma declaração de força, imprópria de um Rei que deveria manter abertas as Pontes necessárias para unir o seu Reino.

Felipe VI optou por fazer voz grossa, aliás contrastando com a sua fraca figura “institucional”, queimando etapas e opções que lhe seriam úteis nesta encruzilhada.

Espanha vê a sua unidade colocada em causa, o enfraquecimento de uma das regiões mais prósperas da Nação, definhando, por entre, uma divisão cada vez mais evidente nesta sociedade Catalã.

Volto a olhar para estas imagens...

Para este cenário de Médio-Oriente que se impõe em pleno palco Europeu, numa visão intrinsecamente aterrorizadora de escolhas políticas erradas.

Uns dirão que somente este caminho sobrava, a condenação destes políticos por sedição, outros condenarão este acto “estúpido” que acentua a clivagem entre as partes...

Onde deverão estar todos de acordo, é na ausência de alguém que possa assumir a moderação em todo este processo.

Até porque o jovem Rei, há muito, que abdicou deste papel.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

24
Jun19

A Louca Realidade De Um Interminável Brexit...

Filipe Vaz Correia

 

Parece que Boris Johnson será a resposta do Partido Conservador à trapalhada que se vive na política Britânica.

Boris vs Corbyn numas futuras eleições?

Que escolha mais difícil, entre um louco despenteado, platinado L'Oréal, e o careca operário, a solução apresentada pelo Partido Trabalhista, ou seja, dois cromos de fraca qualidade num dilema desesperante.

Talvez uma fuga em massa de Ingleses rumo à pequena Escócia na esperança que este País faça um referendo, mais um, e desta vez se liberte das amarras de um interminável Brexit.

Quem sabe se a Rainha Isabel II não se junta a essa romaria de Emigrantes, ficando apenas como soberana Escocesa e restante Commonwealth, deixando para trás o circo montado por políticos medíocres, incapazes de gerir a louca realidade que iresponsavelmente criaram.

Nesse louco mundo "Brexiano", ficam as expectativas daqueles que vivendo neste turbilhão de incerteza e insegurança se entrelaçam na incógnita visão de um futuro, sem respostas ou soluções.

Assim se caminha, sem saber como Boris poderá dar esperança, ao mesmo tempo que sobra a incerta certeza de que Corbyn também não a trará.

Todos rumo à Escócia, enquanto as fronteiras são inexistentes.

Talvez a cosmopolita Londres se junte numa Independência, tentando o Brexit do próprio Brexit.

O que seria?

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

21
Dez17

Catalunha: Depois das Eleições, O Caos!

Filipe Vaz Correia

 

81% dos Catalães saíram à rua e foram votar, número recorde na História Democrática da Catalunha, num grito ensurdecedor, de orgulho Independentista, que traz novamente para o jogo político a vontade desmedida de um povo...

Líderes presos, outros fugidos, palavras proibidas, frases censuradas, trouxeram drama a estas eleições, aportaram tragédia a este dia, esperado, ansiosamente aguardando, como se de uma definição se tratasse.

Estes resultados, parecem dar a vitória ao Ciudadanos de Inês Arrimadas, 37 dos 135 lugares, no entanto, se somarmos todas as forças parlamentares, percebemos que 75 lugares desse mesmo parlamento, pertencerão aos partidos, que concorrendo sozinhos defendem o mesmo ideal:

A Independência!

Este resultado de maioria absoluta para os Independentistas, leva para um outro patamar, este problema Catalão...

Sempre considerei que a forma como Madrid e o seu aparelho político e judicial, tratava esta questão Catalã, não só legitimava a causa dos Independentistas, como também, diminuía a legitimidade daqueles que defendendo a unidade Espanhola, estariam sempre aprisionados, ao fantasma Franquista.

Estes resultados não só confirmam estes meus receios, como reforçam o impasse que marcará o futuro, não só da Catalunha, como de uma Espanha cada vez mais fragilizada, a partir deste assomo de orgulho Catalão.

Mais de 50% dos Catalães, disseram presente, gritaram não queremos mais Espanha, apesar das empresas que saíram da região, das que ameaçam sair, dos avisos lançados pela União Europeia ou outras organizações, num desafio corajoso, desbravado, sem temor.

Resta agora saber o que irá fazer o Governo central?

Quem irão prender?

Que palavras estarão agora banidas?

Como demonstrarão o seu poder?

Felipe, Rajoy, Sanchez ou Rivera, poderão continuar a esbracejar, a ameaçar, no entanto, o que daqui poderemos retirar...

É que aqueles que desejam a Independência Catalã, não se vergarão, perante ameaças centralistas, ou prisões aleatórias.

Talvez o que daqui resulte, seja o Caos...

Um Caos numa Catalunha, que parece mais próxima do abismo, do que de se vergar, aos intentos de uma união Espanhola.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

30
Out17

Onde Está Puigdemont?

Filipe Vaz Correia

 

Onde estará Puigdemont?

Um herói, ou um suposto herói, tem de o ser até ao fim, mostrando coragem e desprendimento em nome de uma causa, de uma convicção...

Podemos concordar ou discordar da atitude tomada pelo Presidente da Generalitat Catalã, no entanto, nada faria pior à luta dos milhões de Independentistas, do que a fuga dos seus mais altos representantes, com medo de uma prisão ou de um julgamento, mesmo temendo que esse julgamento seja injusto, desigual, a liderança pressupõe o sacrifício em nome de um interesse maior.

Por essa razão, ainda me custa a crer que Puigdemont possa estar neste momento em Bruxelas, buscando discretamente asilo político e deixando para trás o caos semeado pelas suas políticas, ao longo de semanas.

Se assim for, se tudo for verdade, então a causa Independentista Catalã morreu...

Foi assassinada pela cobardia do seu líder.

A pergunta permanece:

Onde está Puidgemont?

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

27
Out17

Catalunha: O Primeiro Dia do Resto Da Tua Vida...

Filipe Vaz Correia

 

Nada será igual...

Essa é a única certeza.

O Parlamento da Catalunha, acaba de declarar a Independência, num grito de orgulho Catalão, de emoção e coragem, num passo rumo ao desconhecido, a um mundo novo.

Madrid reagirá, certamente que o fará, no entanto, será impossível regressar ao dia 30 de Setembro, o dia que antecedeu o referendo da discórdia...

Daqui para a frente, aconteça o que acontecer, nasceu uma nova Catalunha, e morreu a velha Espanha.

O choque será tremendo, as soluções pouco consensuais, e mesmo que Madrid tome medidas mais drásticas para anular esta Declaração, temo que os passos dados nestas semanas, os que ficaram por dar ao longo de tanto tempo, criaram um fosso irremediável, entre o poder central e a vontade de um Povo, desejoso de celebrar esta nova Catalunha.

Este será o primeiro dia, do resto da vida Catalã.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

20
Out17

Catalunha: Referendo ou Eleição?

Filipe Vaz Correia

 

O Governo Espanhol e o PSOE acordaram esta manhã, segundo avança a TVE, a marcação de eleições Regionais na Catalunha, para Janeiro de 2018.
Num momento em que a ameaça de suspensão da Autonomia Catalã , continua a perseguir a Generalitat, este passo pode, verdadeiramente, contribuir para a clarificação de todo um processo complicado e mal conduzido.

Talvez este devesse ter sido o primeiro passo a ser dado pelo Governo de Madrid, no entanto, agora saberemos de forma legal e constitucional, quem quer a independência e quem a não quer...

Porque nestas eleições, apenas duas escolhas poderão ser feitas, duas leituras, para aqueles que em Janeiro, queiram exercer o seu direito de voto:

Quem votar em Puigdemont e nos partidos aliados, votará pela Independência, pela criação de um Estado Soberano Catalão, que se separe definitivamente do centralismo Madrileno.

Quem votar nos partidos com assento Parlamentar como PP, PSOE ou Ciudadanos, estará a votar pela continuidade de uma ligação Autonómica, entrelaçada com a Nação Espanhola e com a Constituição em vigor.

Não existem outras hipóteses.

Por essa razão, é com expectativa que aguardo esta eleição, este desfecho para uma das mais graves crises identitárias, na Europa deste século.

Que venha então esse referendo, em forma de eleição.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

11
Out17

Bipolaridade Catalã...

Filipe Vaz Correia

 

Todos aguardavam as palavras de Carles Puigdemont no Parlamento da Catalunha, temendo-se uma Declaração Unilateral de Independência que acabasse por agudizar os ânimos, estreitando ainda mais o sinuoso caminho, que parece ensombrar os destinos da velha Espanha.

A surpresa ficou reservada para o tom moderado e esclarecido com que o Presidente da Generalitat, resolveu estender a mão ao Governo Central, procurando um suposto entendimento, ou pelo menos, simulando-o...

Para esta atitude muito terão contribuído as reacções internacionais, a fuga de empresas e capitais, deixando no ar um ameaçador isolamento.

Puigdemont falou no Parlamento da Catalunha para o mundo, para aqueles Catalães que se opõem a este grito libertário mas também, não menos importante, para os Espanhóis espalhados pelas mais variadas regiões Autonómicas...

Tentou passar uma ideia de ponderação, de abertura e equilíbrio, reforçando a fé numa Nação Catalã, ao mesmo tempo, que tentava através desta surpreendente moderação, conquistar a opinião pública e credibilizar a sua causa.

O que fará Rajoy?

Que resposta chegará de Madrid?

Este é um tempo vital para a unidade de Espanha, e será essencial para essa mesma unidade, a forma como Mariano Rajoy e o Governo Espanhol, resolverem actuar a partir daqui...

Na minha modesta opinião, é importante aproveitar esta bipolaridade da Generalitat Catalã, para empreender uma espécie de diálogo que aproxime, ou seja, deixe a percepção em todos de que ainda será possível encurtar diferenças, fazendo renascer um processo Autonómico na Catalunha, há muito adiado.

Se Rajoy não o conseguir fazer, voltando a desperdiçar uma oportunidade para desarmar este discurso bipolar das Autoridades Catalãs, então, talvez seja mesmo difícil voltar atrás...

Por agora, surpreendentemente, parece que ainda será possível.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

09
Out17

Catalunha: Os Ruidosos Silêncios...

Filipe Vaz Correia

 

A Catalunha voltou a sair à rua, desta vez os opositores do processo de Independência, aqueles que sendo Catalães, dizem não às pretensões defendidas pela Generalitat.

A divisão vivida na Catalunha, sente-se em cada frase, nas mais variadas tomadas de decisão do cidadão comum, da gente normal de bandeira em punho, Espanhola de um lado, Catalã do outro...

Por entre aquele mar de gente, desabafos e medo, revolta e desencontros, com a História, com o passado e com o ausente futuro, que a tantos inquieta.

Muitos pedem diálogo, outros nem tanto, no entanto, todos os que desfilaram ontem nas ruas de Barcelona, desejavam uma Espanha una, indivisível, integrada.

A revolta nas palavras contra os Mossos de Esquadra, explanam em todo o seu esplendor, o quão difícil se tornou esta coabitação, entre os dois lados de um mesmo problema...

Para uns heróis, para outros traidores, esta Polícia Catalã marca indelevelmente o rosto desta crise...

Parece evidente que a Catalunha perderá imenso se insistir nesta vontade secular, perdendo poder económico, espaço político, qualidade de vida, tal o grau de isolamento a que poderá ficar confinada.

Assim no meio deste gigantesco problema, desta batalha incompreensível, apenas uma coisa poderá salvar Espanha e a sua orgulhosa alma Catalã:

O diálogo.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

02
Out17

Més Que Un Jogador!

Filipe Vaz Correia

 

Gerard Piqué assumiu ontem, mais uma vez, a sua face Catalã, a alma que o preenche, numa declaração emocionante, carregada de nobreza e dignidade...

Podia facilmente optar por um discurso de ódio, composto de revolta e amargura, no entanto, Piqué optou por falar pausadamente, por entre as lágrimas que não conseguia conter, descrevendo a dor que invadia o Povo Catalão, na simples vontade de serem livres.

Naquelas palavras, mais do que a legalidade ou ilegalidade de um Referendo, soltaram-se nos olhos do jogador Catalão, a tristeza inerente a uma violência estupidificante e que apenas diminui a grandeza do Estado Espanhol...

É aqui que Mariano Rajoy se equivocou, perdeu a noção do poder da imagem no mediático mundo em que vivemos.

Piqué representou naquele momento o grito libertador de Milhões de Catalães que nas ruas esperavam para poder votar, dando força à voz daqueles que insistem na Independência...

Admiro a atitude de Piqué, a dimensão Humana com que abordou a questão e a coragem explanada nas suas palavras, aprisionando ao seu olhar a vontade de todo um Povo.

Provavelmente pagará esta ousadia na Selecção Espanhola, nas retaliações que sofrerá nos mais variados campos de futebol Espanhóis, mas certamente isso será um preço menor, para tão imensa atitude.

Assim, num dia violento e histórico, pelo menos no coração dos Catalães, uma verdade, será para sempre eternizada:

Piqué, será Més Que Un Jogador!

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

21
Set17

O Referendo Da Discórdia!

Filipe Vaz Correia

 

A Catalunha está a ferro e fogo, num braço de ferro entre a Generalitat e o Governo central de Madrid, por entre um Referendo que ameaça desconstruir a unidade Espanhola.

Entendo a questão que inquieta Mariano Rajoy e todos aqueles que acreditam numa Espanha Una e Indivisível, no entanto, o caminho escolhido para impedir a realização do tão desejado Referendo, pelos Independentistas, parece-me um erro colossal.

A lei está do lado de Rajoy, a constituição protege aqueles que alegam a ilegalidade deste acto, porém com estas detenções, aquilo que o Governo de Madrid conseguirá, será transformar em mártires, os desafiadores da República...

Ao ordenar à Guardia Civil que prendesse vários daqueles que organizam este Referendo ilegal, Rajoy acabou por indignar muitos dos que silenciosamente observavam esta fricção divisionista, unindo a generalidade dos Catalães, numa revolta incontrolável.

Esta espécie de demonstração de força Madrilena, pouco avisada na minha opinião, cria na sociedade Catalã a sensação de intolerância e opressão, ganhando expressão o grito de revolta que se tornará no maior apoio aos intentos da Generalitat e aos seus apoiantes independentistas.

Receio que esta batalha em torno da Independência da Catalunha, caminhe para um extremar de posições para a qual não se encontre uma solução conciliadora, capaz de serenar os ânimos anti-autonómicos em Espanha.

Se o Referendo avançar, irá o Governo de Espanha prender todos aqueles que se apresentarem para votar?

Dúvidas e questões que certamente adensarão este Referendo, que tanta discórdia tem provocado.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Comentários recentes

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Calendário

Dezembro 2019

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D