Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Caneca de Letras

Caneca de Letras

Newcastle United: E Se Falássemos De Jamal Khashoggi?

Filipe Vaz Correia, 11.10.21

 

 

 

45A39200-D1D8-49EF-ACB8-47F4EB348387.jpeg

 

 

O mundo do futebol despertou com uma notícia absolutamente extraordinária:

O Newcastle foi comprado por Mohammed Bin Salman, Príncipe Herdeiro da Arábia Saudita, tornando-se assim o clube com melhor condição financeira do mundo.

Os adeptos saíram à rua, a FA autorizou o negócio com o contentamento de ver chegar tanto dinheiro à Premier League e o resto...

Bem o resto pouco interessa.

Só para que se conste o resto é que a Arábia Saudita é uma das ditaduras mais violentas e intransigentes do mundo...

O resto é que Mohammed Bin Salman é o homem acusado de ter mandado matar na Turquia um jornalista dissidente e opositor há muitos anos radicado nos Estados Unidos.

Jamal Khashoggi foi morto e desmembrado por um esquadrão saudita a mando do Principie Herdeiro desse reino segundo demonstram documentos da Inteligência Americana e que não foram desmentidos.

Mas isso é só o resto...

O resto da nossa vergonha!

Para alguns o que importa é que a bola continue a rolar, a cerveja a jorrar e o povo a cantar...

Triste mundo.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

 

 

 

Sporting: As Dores De Crescimento

Filipe Vaz Correia, 16.09.21

 

D96B4B39-C586-460A-960D-AA5B4D050A98.jpeg

 

 

O meu Sporting regressou aos jogos da Liga dos Campeões, num jogo absolutamente terrífico com o Ajax...

Perdemos, em Alvalade, com o Ajax por 1-5.

Uma vergonha imensa que se traduz nas entrelinhas de uma história que todos deveríamos  preservar...

Esta equipa, sem Coates e Pote, é composta por gente sem experiência em competições europeias, muito menos na Liga dos Campeões, sujeita a um momento que deveria ser doseado em pedaços de crescimento.

Este Ajax, alguns destes jogadores, esteve há um par de anos nas meias finais da Liga dos Campeões...

Dá para perceber a diferença?

Este Ajax não muda o projecto independentemente de um ano menos conseguido, nem tem na sua estrutura Boçais eleitos em anos atípicos do ponto de vista eleitoral.

Dá para perceber a diferença?

Esta derrota doeu a qualquer Sportinguista, doeu-me, estiralhou a parte Sportinguista de minha alma...

O que devemos aprender com esta derrota  é a caminhada inerente a tamanha tristeza, esse crescimento que fará parte da nossa história, do nosso projecto, sem pôr em causa a estrutura e aqueles que diariamente lutam por ela.

O Sporting está no bom caminho, como nunca esteve, e não será derrota alguma na Liga dos Campeões, eliminação alguma da Champions League, ou outro qualquer desaire que irá pôr em causa todo um extraordinário feito por esta equipe técnica e sua direcção.

Viva o Sporting

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Sporting: “A Terra Prometida”

Filipe Vaz Correia, 19.05.21

 

 

 

8970D000-B2BA-4E28-9AD2-CB2E963B9757.jpeg

 

 

O último jogo de uma temporada, o adeus a uma época  épica, um rugido no reino do leão.

Que aprendamos com esta época, com este caminho palmilhado por um Sporting repleto de feridas, saído de um reinado de boçalidade, às mãos de um populista rumo traçado por um tal de Bruno.

Este é o novo caminho, o certo, aquele que nos guiará sempre para mais perto da vitória, não quer dizer que vençamos sempre mas sim que estaremos lá, mais perto, mais próximo desse futuro risonho que tanto desejamos.

Rúben Amorim é o líder de um destino, o nosso, o mais genial dos geniais, aquele que nos representa como ninguém e esse pequeno pedaço de privilégio se deve a quem o escolheu...

O Presidente Frederico Varandas e Hugo Viana.

O Sporting, qual Ruanda, habituado a batalhas internas, a divisões históricas, deverá aprender com a sua história, sabendo diferenciar aqueles que desejam o melhor para o clube daqueles que desejam reinar nas fracturas desse mesmo clube.

É tempo de agradecer este rumo, de dar vivas àqueles que o construíram e sem receios abraçar o risonho destino que nos é prometido.

O meu Sporting caminha seguro como nunca, promete sonhar como sempre e conquistar em nome de todos nós como jamais almejámos.

Saibamos afastar os arruaceiros do costume, os fantasmas do passado e acreditar neste traço que compõe o compasso que nos levou aos títulos deste presente.

Obrigado Presidente, obrigado Hugo, obrigado Mister.

Viva o Sporting Clube de Portugal

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

O “Meu” Sporting É Campeão!

Filipe Vaz Correia, 14.05.21

 

 

 

A96CB041-D977-486A-B239-CE08A219B25C.jpeg

 

 

O meu Sporting é campeão nacional de futebol...

Não tenho palavras, aliás elas demoraram dois dias a se fazer sentir neste papel, vulgo Caneca, que aqui se apresenta diante de vós.

O que senti nesse desejar que amarrava a vontade não tem explicação, esse querer maior do que a esperança, esse sentir verde e branco que se transforma em certeza.

O apito final, as lágrimas, o abraço, o simples grito leonino que se solta na ventania de memórias que me assolaram.

Campeões, noite a dentro, entrelaçados com o País, o mundo, as gentes na rua, o Covid à espreita, mas o cenário pincelado numa gigantesca tela de amor.

Como te amo Sporting meu...

Como este amor se desenha em cada traço, na imagem de minha mãe, de tios, de amigos, dos que por cá permanecem e daqueles que partiram, das tristezas e dos sorrisos, dos vindouros momentos que ansiamos sonhar.

Voltei a ser criança, nas mãos de minha Mãe, feliz em cada segundo das listas verdes e brancas, naquelas lágrimas partilhadas nos braços dos meus...

Ganhámos!!!!!!

E tudo parece possível...

Cristiano a regressar, Amorim a continuar, o campeonato para reconquistar e a Champions para lutar.

Deixem-nos sonhar.

Viva o Sporting.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

“Adeus SuperLiga”

Filipe Vaz Correia, 21.04.21

 

 

 

67A0FC62-EFAC-460A-AD4A-4D2B4321F0B5.jpeg

 

 

A SuperLiga Europeia de clubes morreu...

Morreu mesmo antes de nascer.

De facto, depois da pressão feita por clubes, FIFA, UEFA, Federações, Adeptos do futebol, resta a todos reflectir como alguns presidentes ou donos de clubes acreditaram que poderiam subverter os ideais do futebol à luz de um conjunto de interesses que acabariam por matar a essência do jogo.

Com a saída de todos os clubes Ingleses de cena a ideia de Florentino e Agnelli está morta, no entanto, restará ainda ajustar contas com estes dois senhores, pois terão sido eles os instigadores de tão estupidificante ideia.

Agnelli cairá inevitavelmente depois da reunião da Liga de Clubes Italiana, pois o clima é-lhe tão hostil que será insuportável...

Quanto a Florentino também julgo que terá dificuldades em sobreviver a esta derrota, a esta incapacidade de compreender que o futebol é muito mais do que a soma dos cifrões, ou seja, é ainda o poder sonhar com o golo, com o sucesso do David frente ao Golias.

Na passada do sonho, é no acreditar que o Leicester pode ser campeão, que o Ajax pode vencer a Liga dos Campeões, mesmo que de quando em vez, que reside a verdadeira magia deste jogo.

Felizmente, por esta vez, venceu o Futebol.

 

 

Filipe Vaz Correia