Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Caneca de Letras

Caneca de Letras

Frederico Varandas: Sem “Papas” na Língua

Filipe Vaz Correia, 31.05.22

 



Francisco Varandas discursou num núcleo do SCP, fazendo um dos mais incisivos e determinantes discursos que alguma vez vi a um dirigente desportivo.

Coragem, verdade e dignidade...

Varandas vai mais além do que alguns alguma vez foram, tocando no Papado do futebol Português, há muito nas mãos de Jorge Nuno Pinto da Costa.

Cresci vendo o futebol dos anos 80 e a uma construção narrativa das qualidades mágicas de Pinto da Costa e do seu Porto...

Aprendi a invejar esse Presidente e a reconhecer que algo de verdadeiramente extraordinário deveria ter, olhando para uma certa reverência que se prestava à sua passagem, por entre, jornalistas, árbitros ou até outros dirigentes.

Os anos passaram e a máscaras foram caindo, se revelando o que era o FC do Porto, a sua entourage, os seus esquemas e a máquina mafiosa que circundava as suas vitórias.

Varandas tem coragem de denunciar aquilo que muitos, mesmo no meio político e judicial, jamais tiveram coragem para dizer, escrever ou até pensar...

Pinto da Costa é um bandido, um corruptor activo, como Sócrates, Vara e outros, ficando plasmado em cada palavra daquelas escutas a engrenagem da corrupção.

As palavras de Frederico Varandas deveriam nos levar a pensar o quão longe foi a podridão deste nosso futebol, entrelaçando nos últimos episódios que levaram ao assassinato de um jovem às mãos de elementos rivais dos Super Dragões.

Um horror...

Varandas esteve muito bem, disse tudo bem e gritou bem alto o que não pode mais ser escondido:

Pinto da Costa é um bandido e para bem de todos, não confundamos Jorge Nuno Pinto da Costa e os seus "compinchas" mafiosos com o FC do Porto, uma Instituição que deveria ser preservada bem acima deste tipo de falcatruas.

Não me iludo, sei bem que no futebol o que interessam são as vitórias e que por isso muitos vendem os valores que exigem a outros em prol da bola entrar ou não entrar, com este ou aquele.

Não sou assim, espero não o ser nunca e por isso combati durante 5 anos o regime opressor, boçal e autoritário que se viveu em Alvalade com Bruno de Carvalho, um projecto de Pinto da Costa, com um décimo do talento, do carisma, da cultura, da inteligência, da classe e da ironia...

Por que isto para se ser bandido, dos "bons", é preciso "qualité", ou seja, não está ao alcance de um qualquer.

Agradeço em nome do meu Sporting e até como cidadão esta postura do meu Presidente, tomando a dianteira para um caminho de decência que tardava a chegar ao Futebol Português.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

Sporting: Somos Da Raça Que Nunca Se Vergará…

Filipe Vaz Correia, 16.02.22



89CECC91-3AA5-4BBA-934B-EAF58C0D6740.jpeg

 

 

 

O meu Sporting perdeu com o Manchester City, em Alvalade, por 0-5.

O início prometedor, o olhar expresso no rosto de quem via o jogo a meu lado, a esperança a se desvanecer segundos após o começo da partida.

A inexperiência, a cultura de Champions, a sorte...

Tanta coisa.

O Sporting perdeu mas o Sporting ganhou...

Ganhou pelos adeptos que como nunca amarraram a equipe à sua voz, ao seu amor, ao seu esperançado querer, num desígnio extraordinário que recupera este Sporting para um destino singular.

O olhar dos jogadores, de Amorim e até de Guardiola mostravam que aquele momento era singular, um estádio inteiro apoiando uma equipe que havia perdido, não apenas perdido sendo goleada, mostrando a gratidão por aquilo que estava por trás de uma triste derrota...

Ou seja, a memória da nossa recente História.

Arrisco-me dizer que recuperámos a equipe num abraço maior do que um estádio, tão grande como o rugido do Leão.

Para mim, importa expressar a Rúben Amorim e seus jogadores o meu carinho e amor, o mesmo de sempre, e acima de tudo gritar bem alto que apesar de tudo:

 

"Somos da raça que nunca se vergará."

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

Newcastle United: E Se Falássemos De Jamal Khashoggi?

Filipe Vaz Correia, 11.10.21

 

 

 

45A39200-D1D8-49EF-ACB8-47F4EB348387.jpeg

 

 

O mundo do futebol despertou com uma notícia absolutamente extraordinária:

O Newcastle foi comprado por Mohammed Bin Salman, Príncipe Herdeiro da Arábia Saudita, tornando-se assim o clube com melhor condição financeira do mundo.

Os adeptos saíram à rua, a FA autorizou o negócio com o contentamento de ver chegar tanto dinheiro à Premier League e o resto...

Bem o resto pouco interessa.

Só para que se conste o resto é que a Arábia Saudita é uma das ditaduras mais violentas e intransigentes do mundo...

O resto é que Mohammed Bin Salman é o homem acusado de ter mandado matar na Turquia um jornalista dissidente e opositor há muitos anos radicado nos Estados Unidos.

Jamal Khashoggi foi morto e desmembrado por um esquadrão saudita a mando do Principie Herdeiro desse reino segundo demonstram documentos da Inteligência Americana e que não foram desmentidos.

Mas isso é só o resto...

O resto da nossa vergonha!

Para alguns o que importa é que a bola continue a rolar, a cerveja a jorrar e o povo a cantar...

Triste mundo.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

 

 

 

Sporting: As Dores De Crescimento

Filipe Vaz Correia, 16.09.21

 

D96B4B39-C586-460A-960D-AA5B4D050A98.jpeg

 

 

O meu Sporting regressou aos jogos da Liga dos Campeões, num jogo absolutamente terrífico com o Ajax...

Perdemos, em Alvalade, com o Ajax por 1-5.

Uma vergonha imensa que se traduz nas entrelinhas de uma história que todos deveríamos  preservar...

Esta equipa, sem Coates e Pote, é composta por gente sem experiência em competições europeias, muito menos na Liga dos Campeões, sujeita a um momento que deveria ser doseado em pedaços de crescimento.

Este Ajax, alguns destes jogadores, esteve há um par de anos nas meias finais da Liga dos Campeões...

Dá para perceber a diferença?

Este Ajax não muda o projecto independentemente de um ano menos conseguido, nem tem na sua estrutura Boçais eleitos em anos atípicos do ponto de vista eleitoral.

Dá para perceber a diferença?

Esta derrota doeu a qualquer Sportinguista, doeu-me, estiralhou a parte Sportinguista de minha alma...

O que devemos aprender com esta derrota  é a caminhada inerente a tamanha tristeza, esse crescimento que fará parte da nossa história, do nosso projecto, sem pôr em causa a estrutura e aqueles que diariamente lutam por ela.

O Sporting está no bom caminho, como nunca esteve, e não será derrota alguma na Liga dos Campeões, eliminação alguma da Champions League, ou outro qualquer desaire que irá pôr em causa todo um extraordinário feito por esta equipe técnica e sua direcção.

Viva o Sporting

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Sporting: “A Terra Prometida”

Filipe Vaz Correia, 19.05.21

 

 

 

8970D000-B2BA-4E28-9AD2-CB2E963B9757.jpeg

 

 

O último jogo de uma temporada, o adeus a uma época  épica, um rugido no reino do leão.

Que aprendamos com esta época, com este caminho palmilhado por um Sporting repleto de feridas, saído de um reinado de boçalidade, às mãos de um populista rumo traçado por um tal de Bruno.

Este é o novo caminho, o certo, aquele que nos guiará sempre para mais perto da vitória, não quer dizer que vençamos sempre mas sim que estaremos lá, mais perto, mais próximo desse futuro risonho que tanto desejamos.

Rúben Amorim é o líder de um destino, o nosso, o mais genial dos geniais, aquele que nos representa como ninguém e esse pequeno pedaço de privilégio se deve a quem o escolheu...

O Presidente Frederico Varandas e Hugo Viana.

O Sporting, qual Ruanda, habituado a batalhas internas, a divisões históricas, deverá aprender com a sua história, sabendo diferenciar aqueles que desejam o melhor para o clube daqueles que desejam reinar nas fracturas desse mesmo clube.

É tempo de agradecer este rumo, de dar vivas àqueles que o construíram e sem receios abraçar o risonho destino que nos é prometido.

O meu Sporting caminha seguro como nunca, promete sonhar como sempre e conquistar em nome de todos nós como jamais almejámos.

Saibamos afastar os arruaceiros do costume, os fantasmas do passado e acreditar neste traço que compõe o compasso que nos levou aos títulos deste presente.

Obrigado Presidente, obrigado Hugo, obrigado Mister.

Viva o Sporting Clube de Portugal

 

 

Filipe Vaz Correia