Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Caneca de Letras

Caneca de Letras

Um Inflamável "Kit" Socialista!

Filipe Vaz Correia, 27.07.19

 

Parece que a Protecção Civil andou a distribuir Kits de Incêndio às populações...

Um Kit com golas de poliéster.

Uma substância altamente inflamável e que ao invés de proteger, irá pôr em maior risco aqueles que usarem o dito Kit.

Ora bem, logo se levantaram alguns para criticar o Governo e o respectivo Ministro Cabrita.

Que injustiça!

Então é o Ministro Cabrita que confeccionou as ditas golas ou as andou a distribuir?

O senhor Ministro, muito provavelmente, sujeito a um stress indescritível nesta altura do ano, está assim envolvido numa polémica sem qualquer tipo de razoabilidade, enfrentando as críticas de quem nada percebe sobre o tema.

O Governo, que se aproxima de uma maioria absoluta, combate estas injustiças com a nobreza que se lhe reconhece, assacando culpas a outros, sejam Presidentes de Câmara ou empresas privadas, jornalistas ou afins...

E muito bem!

Era o que faltava se estas pessoas que nos representam, com tamanho sacrifício e incompetência, perdão competência, tivessem que assumir culpas ou responsabilidades.

Mais...

Sabemos lá se estas golas não terão sido fabricadas na China?

Se sim...

Já só faltava quererem criar uma polémica internacional.

Enfim...

Tenham pudor e respeito pelo Governo e pelo doto Ministro Cabrita, fazendo, se faz favor, silêncio sempre que estes fizerem asneira, por maior que seja, por mais imbecil que pareça.

Irresponsabilidades é que não!

Parafraseando o Excelentíssimo senhor Cabrita.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

Fogo Posto... Para Quando Penas A Sério?

Filipe Vaz Correia, 21.07.19

 

Os incêndios...

Sempre eles.

Neste dia de sol, onde parece finalmente o Verão querer reinar, chegam as notícias de um Incêndio na zona de Mação, um fogo descontrolado, um "Inferno" para todos aqueles que assistem, impotentes, àquele arder de uma vida, de sonhos e posses.

Um terrível e triste acontecimento que todos os anos parece se repetir.

Muitas serão as causas, as avaliações que podemos e devemos fazer, nesse buscar incessante por conclusões e soluções que tardam em se impor.

No entanto, algo maior me intriga, me inquieta...

A Polícia Judiciária divulgou que deteve um suspeito de ter ateado um dos focos de incêndio perto daquela localidade.

Até aqui muito bem...

O que indigna é imaginar as penas a que estas pessoas estão sujeitas, muitas vezes postos na rua com apresentações periódicas nas esquadras.

Não pode ser!

O código penal Português tem de prever penas exemplares para estes crimes, até outros mas centremos aqui a nossa discussão, pois só assim se erradicará, em parte, este problema.

O legislador tem de ter em atenção as vidas, propriedades e sonhos, arrancados por este tipo de crime, as desesperantes labaredas de um "inferno".

Mas ano após ano se repete a tragédia, os "tresloucados" incendiários no guião de mais um Verão.

Por favor...

Criminalizem o Fogo Posto, como se as vidas que estão sujeitas a tal crime, realmente, importassem.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

Notre-Dame: Oito Séculos De História A Arder...

Filipe Vaz Correia, 15.04.19




Está a arder a Catedral de Notre-Dame...

Nesse fogo que a consome, ardem séculos de História, de histórias, memórias, memória Nossa.

Quantas almas ali, outrora, se esconderam ou se perderam, quantos segredos ali se eternizaram, olhares se cruzaram, palavras silenciadas por entre o vento, no tempo...

Quanto tempo, contará o tempo, sobre o tempo deste singelo monumento que vai desabando diante de nós, ardendo entre chamas, nessas chamas que queimam a alma de todos os Franceses, de todos Europeus...

Enfim, de todos nós.

Estive ali, naquela Catedral de Notre-Dame, em 1995, pequeno, imberbe adolescente...

Fui rever fotografias, recuperar sensações, tentando resgatar emoções, que se vão esfumando naquelas paredes, por aquelas paredes, nesse trágico cenário que se mantém na minha Televisão.

Continua a arder...

Oito séculos de História a arder.



Filipe Vaz Correia





Tragédia Grega...

Filipe Vaz Correia, 25.07.18

 

Estes incêndios na Grécia trazem à memória a tragédia de Pedrogão Grande que em 2017 devastou toda a alma deste nosso povo.

Imagens turvas repletas de fumo, de dor, de ardor, de lágrimas salgadas misturadas com esse mar que banha aquelas ilhas Gregas.

Tristeza marcada em rostos de Pais que perderam Filhos, de Maridos que viram desaparecer suas Mulheres, gente que se perdeu de outros, com quem por um momento havia cruzado o seu olhar.

Descrições de desespero, sendo desespero uma palavra desesperadamente curta para precisar o que ninguém deverá conseguir imaginar.

Imagens de horror, silencioso vazio, após esse terror marcadamente laranja, sufocantemente abrasador numa destruição sem palavras.

Jovens e Velhos...

Olhares vazios, sem saberem contar o que não deveria ser contado, sem saberem explicar o que não tem explicação.

Nas ruas, nas estradas, nas suas casas, nas praias...

Em todos os lugares o fogo ceifou vidas, tiranamente passou roubando sorrisos e sonhos, amores e amizades, histórias eternamente perdidas que jamais se voltarão a ouvir...

Na Grécia ou em Pedrogão Grande, sobrou a noção do quão pequenos somos, em confronto com essa fúria da natureza que é capaz de num instante aprisionar tantos destinos num só pedaço de vento, de fogo, de morte.

No berço da história ocidental moderna ecoam os sinos do Olimpo, fazendo notar as lágrimas de todos esses impotentes Deuses que acompanham Zeus...

Num desesperante grito de tristeza.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

Terra Queimada

Filipe Vaz Correia, 18.10.17

 

 

 

Terra queimada;

Dor abrasadora,

Cheiros de nada,

Mágoa destruidora...

 

Terra queimada,

Ao som de um ardor,

Vidas ceifadas,

Desnudado pudor...

 

Terra queimada;

Vazio que sobrou,

Tragédia cantada,

Que na memória ficou...

 

E já não voltam os mortos;

Filhos ou Pais,

Amigos ou amores,

Eternamente perdidos,

Por entre chamas de horrores...

 

Nesta nossa terra queimada,

Descansará um pouco de todos nós,

Num silêncio Lusitano,

Num imenso grito sem voz.