Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Caneca de Letras

Caneca de Letras

Estados Unidos da América: Até Quando?

Filipe Vaz Correia, 26.05.22

 

 

 

 


Esta terça-feira ocorreu mais um atentado numa escola Americana, neste caso no Texas, levando a vida de mais de 20 pessoas, entre elas 19 crianças com idades entre os 9 e 10 anos.

Um horror sem fim...

O assassino tinha 18 anos e executou sem piedade este massacre.

A pergunta que a todos deve ser posta é:

Até quando?

Cerca de 50 Senadores Republicanos travam as alterações à lei das armas nos Estados Unidos, políticos amarrados a lobbys e interesses que transcendem a vontade do povo Americano.

Este tipo de gente que compõe o Partido Republicano da actualidade é um pequeno retrato da mediocridade em que se transformou o Partido de Colin Powell, George Bush ou Ronald Reagan...

São os mesmos que apoiaram indefectivelmente até ao fim Donald Trump e os seus correligionários, na sua maioria negacionistas, homofóbicos, racistas e misóginos.

Seria interessante ver os Senadores Republicanos terem em relação a este assunto o mesmo vigor que dedicam a censurar livros que falam na temática Gay, a combaterem a política de género ou a tentarem policiar os milhões de úteros de mulheres Americanas.

É este tipo de mundo que se instalou numa certa América, presa a dogmas, avessa à transformação, amarrada a preconceitos e a um tempo de Far-West.

Quanta mais carnificina será necessária para que se altere esta lei?

Quantas mais crianças terão de morrer para algo mudar?

Deixo a arrepiante opinião de Steve Kerr, antigo jogador dos Chicago Bulls e actual treinador dos Golden State Warriors.

Assistam pois mais do que qualquer palavra aqui escrita este testemunho expressa bem fundo o que na realidade todos deveriamos defender.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

Shame Of You… Mr. Biden!

Filipe Vaz Correia, 02.09.21

 

 

 

C270FCC0-C0D9-4500-AB8C-346FF612CB79.jpeg

 

A retirada Americana do Afeganistão é tão mais vergonhosa quanto mais se somam os discursos do seu presidente, o Srº Joe Biden.

Sinto uma profunda legitimidade para criticar o Sr. Biden, tendo em conta que fui e sou um acérrimo defensor da sua eleição, nessa disputa Trump vs Biden.

Aliás nem considero que existisse neste tema diferença entre ambos, visto que Trump iniciou este plano de retirada, libertou da prisão o actual líder Talibã, nunca escondendo a sua aversão a esta ocupação.

Mas o que aqui está em questão não é Trump mas sim Biden...

O que me entristece, enfurece, é a postura de Biden, quase alegando que nada mais havia a fazer naquele País a não ser retirar, fugir, deixar para trás os escombros que os Estados Unidos da América ajudaram a desmoronar.

E aqueles que durante estas duas décadas os apoiaram nesta luta contra os radicais islâmicos?

Aquela população que por momentos acreditou que os Estados Unidos e seus aliados iriam mesmo mudar a "sorte" daquele País.

Muitos por lá ficaram e outros que conseguiram escapar foram obrigados a ali deixar familiares que irão pagar com juros esses anos de colaboração.

Uma vergonha sem tamanho, uma profunda canalhice que ficará imortalizada na história Americana.

A opinião pública Americana muito concentrada na frente interna, certamente se esquecerá em breve deste triste espectáculo, no entanto, a dor e a barbárie que se perpetuarão por terras Afegãs, essas permanecerão por muito tempo para nos recordar a todos o papel de Biden e do seu governo.

Jamais o olharei da mesma forma, apesar de continuar a crer que foi a melhor escolha naquelas eleições...

Ou melhor, a única escolha possível.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

 

 

Nova Iorque...

Filipe Vaz Correia, 18.02.21

 

 

 

9C784E1C-240E-426A-B640-D2B6519B0021.jpeg

 

 

 

Sempre detestei aviões, viajar por entre as nuvens nesse animal inventado pelo homem, no entanto, estranho será dizer que a viagem que voltaria a fazer, foi precisamente a mais longa que algum dia fiz...

Um contra-senso?

Talvez seja, no entanto, é a mais pura verdade.

Sempre achei que ao entrarmos num avião arriscamos a vida, um género de fobia muito minha, o que faz com que reze constantemente durante a viagem, acreditando até que de forma irritante para quem comigo viaja, mas é importante na minha mente garantir toda a ajuda possível para que nada corra mal.

Sinceramente jamais arriscaria que no meu epitáfio ficasse registado que ia num avião que tombara a caminho da Republica Dominicana, Recife, Cancun ou outro destino que tal, pois entendo que para arriscar a vida é necessário mais do que uns mergulhos numa qualquer praia...

Para praias não preciso sair de Portugal.

Atenção, sempre respeitando outras opiniões...

No entanto, arriscaria São Petersburgo, Paris, Roma, Cairo, Rio ou até Havana, rezando como nunca e esperando que o dito animal se portasse condignamente.

Mas aquela cidade que provoca estas minhas saudades, esta vontade imensa em regressar é a bela e sedutora Nova Iorque, da qual esperava eu muito menos do que realmente ela me deu...

Nova Iorque seduziu-me inexplicavelmente, pejada de luz e cheiros, de uma multiculturalidade impressionante, formigas por entre a multidão mas incrivelmente acolhedora, numa espécie de museu constante misturado com o ritmo acelerado de uma festa interminável.

Aquela magia envolvente que não esperava, esse amarrar de alma num banho intenso aos pés do Rio Hudson...

Aproveitaria também para dar uma escapadinha a Boston, sentir um pouco daquele espírito Irlandês que ainda subsiste em cada bar e por aquelas ruas.

E terminaria a minha viagem nos Hamptons, numa bela casa de praia, bebendo um bom vinho branco gelado enquanto aqui escrevia mais um post...

Que saudades de Nova Iorque e das malditas oito horas de viagem.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

Ainda Não Vou Escrever Sobre as Eleições Americanas... “Simplesmente Porque Sou Supersticioso”

Filipe Vaz Correia, 05.11.20

 

2B398445-F917-4F10-9FE6-1248E8856F1A.jpeg

 

 

 

Adormeci e acordei...

Por entre as eleições Americanas, madrugada adentro, fui me deitar sem esperança na Raça Humana, submerso por esse temor da vitória de Donald Trump.

Tanto em jogo...

Como é possível?

Não fui capaz de escrever, não o quis fazer...

Durante o dia fui ganhando coragem, na mesma medida que Biden ia ganhando força nos Estados em contagem, na mesma medida que os votos por correspondência iam dando expressão à tendência que desde o início  acreditei.

Quinta-Feira, meia-noite...

Ainda não sabemos quem será o 46º Presidente dos Estados Unidos, no entanto, Joe Biden parece cada vez mais capaz de ser o Próximo habitante da Casa Branca.

Respiro de alivio, mesmo que olhando para cada parcela de futuro com preocupação, por sentir que se higienizou uma parte de História putrefacta recentemente presente nas entranhas da Sala Oval...

Será que posso estar descansado?

Ainda não se efectivou a vitória Democrata, Biden tem 264 Eleitores, faltando 6 para o número mágico que lhe garantirá a Casa Branca...

Nevada!

Meu belo Nevada...

Será?

E se Biden virar na Pensilvânia?

O que seria?

Não vou festejar, não quero antecipar os desejos mais intensos de minha alma...

Mas olho para esse futuro com o sorriso de Nova Iorque, o solarengo olhar de Boston, a força destemida de Los Angeles, a determinação de São Francisco, a querença maior de um "novo" Arizona, a vontade de mudança de Washington.

Não vou festejar...

Mas amanhã será um novo dia!

 

 

 

Filipe Vaz Correia