Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Caneca de Letras

Caneca de Letras

25
Out19

“Ode” Aos Inesquecíveis Amores... Que Ousaram Se Eternizar.

Filipe Vaz Correia

 

Tantas vezes sorri, perdidamente sorri, como se nada mais fosse importante, suficientemente importante para me esquecer desse pedaço de destino, onde timidamente me perdia em ti, por palavras, silenciosas palavras que decifravam cada entrelinha disfarçada nesse sentir que traduz o que escondido reluz, aquilo que importando se apaga, por entre, o espalhafato do quotidiano.

Foi assim...

Foram tantas vezes assim que se tornou pele e sangue, parte indisfarçável de um texto desconexamente sofrido.

Sofrimento, esse grito melodioso, que nos amarra, esmaga, que tantas vezes se agiganta como uma onda sem fim, cobrindo o horizonte e ligando o mar e o céu, num quadro poético, incapaz de ser descrito.

Tantas vezes a turbulência me tomou de assalto, me quebrou num pranto, nesse espanto que chegava e partia, desnudava e cobria, gritava mesmo que sem palavras...

Como explicar?

Como descrever o que, um dia, tão forte se fez sentir...

Esse bater do coração em tua presença, esse acelerar na tua ausência, descompasso de um compassado poema.

Pouco importará, nesse tempo futuro, se se perdeu cada toque e promessa, se desvaneceu cada eterno sentir que parecia inexpugnável...

Nada importará, nada mais do que cada memória amarrada a esse amor, tão imenso e intenso, capaz de resistir até mesmo ao seu fim.

Pois o fim, mesmo chegando, só é capaz de exterminar o que verdadeiramente se esquece...

E este amor será eternamente inesquecível.

Como sempre foi...

 

Filipe Vaz Correia

 

 

17
Out19

A Finita Infinitude De Um Amor...

Filipe Vaz Correia

 

Não sobrevive a canção;

Nem o nobre poeta,

Não escreve a imaginação,

Aquela letra certa,

Capaz de dar emoção,

Àquela parte deserta,

Que sobrou...

 

Mas porque insistes;

Em caminhar?

 

Porque resistes;

A esse renegar?

 

Porque persistes;

Nesse porfiar?

 

Talvez um dia ao clarear;

Sem mais nenhum pormenor,

Se descubra que partiu,

Esse pedaço de ardor,

Que outrora coloriu,

Um desmedido amor...

 

Tao desmedido como finito.

 

 

01
Out19

A “Intemporal” Viagem De Todos Nós...

Filipe Vaz Correia

 

Ainda sangra ou já estancou o pedaço de ferida que teimava em se fazer sentir?

Nesse caminhar constante, vulgo destino, tantas foram as vezes que desassombradamente a vida chega e nos derruba, nos amarra nessa tristeza que parece ficar para sempre.

O nascer do dia chega mas a noite escura parece reinar, tenebrosamente presente, ameaçando, nessa escuridão, os coloridos sonhos de outrora.

Já não existe brisa ou maresia, riso ou contentamento, esse leve sentimento desnudado e esquecido, entrelaçado sofrimento, amargurado e ferido.

O escorrer do sangue, como lágrima que não se esconde, intensifica a espécie de ardor que marca e esventra, num desmedido querer silencioso, grito calado que ensurdece o pobre coração...

Ainda sangra?

Ainda vociferas pedaço de ferida na alma?

Alma?

O olhar meio perdido que abraça a realidade vai ditando o caminho, trilhando o destino ensurdecedor, trauteando palavras e frases, descontraídas formas de choro que se confundem com a ausente poesia numa folha em branco...

A despida contradição num cumprimento que se perdeu.

Nem sei como soletrar esta contraditória melodia que num momento se degladia, num outro irradia, e em todos eles se desvanece numa alucinante montanha russa de lembranças, amarguradas desesperanças que outrora pulsavam, antigamente se soltavam, por entre, a saudosa esperança que tudo transformava.

O sol partiu, discretamente se despediu, devagarinho, de mansinho, num aceno que pareceu timidamente discreto, incertamente nostálgico.

Sem saber se num novo dia voltará a irromper por entre os céus...

Num repetido quadro intemporal.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

03
Ago19

A Esperança Na Ponta De Um Poema!

Filipe Vaz Correia

 

 

 

Nem sempre o sol desperta, nem sempre o dia se enraivece, nem sempre a luz reaparece, por entre a dor deserta, nessa busca inquieta pelo que dita a desesperante alma.

Por vezes grita baixinho essa contradição insanável, por vezes chora de mansinho por entre o coração inconsolável, por vezes num pranto, outras vezes num silêncio e tantas, tantas vezes, por entre a espuma de um sonho.

Sempre que recomeça o dia, sempre que se desperta a alma, procuro no olhar, vagabundo, de quem comigo se cruza, aquele brilho, intenso brilho, que há muito me escapou.

E talvez um dia, numa ousada poesia, num desgarrado poema, se quebre o dilema, desse misterioso viver.

Por entre solitárias letras, entrelaçadas palavras ou simplesmente nesse infinito silêncio, porém, sempre tão infinito como a esperança.

A desesperançada esperança!

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

18
Mai19

Juras de Amor

Filipe Vaz Correia

 

 

 

Na silenciosa penumbra de um sonho;

Voam palavras incendiadas,

Retratos enfadonhos,

De memórias pinceladas,

Por entre pedaços medonhos,

Dessa pueril imaginação...

 

Nas entrelinhas da querença;

Ficam livremente libertas,

As amarras desertas,

Da terna esperança...

 

Nas mágoas disfarçadas;

Eternamente recordadas,

Viverão esquecidas,

As minhas feridas,

Que não posso doar...

 

Pois cravadas na alma se encontram;

Cravadas como espinhos,

Pequenos caminhos,

Da solitária lágrima...

 

Essa que procuras como redenção;

De tudo o que guarda o coração,

Como prova de recordação,

Do que já não habita em ti...

 

Na silenciosa penumbra de um sonho;

Se findam promessas e desejos,

Palavras prometidas e juras de amor...

 

Na silenciosa penumbra de um sonho;

Ficarão guardadas as mais belas partes de mim.

 

 

 

 

 

 

30
Abr19

Venezuela: O Golpe Da Esperança!

Filipe Vaz Correia

 

Está em curso um golpe militar por terras Venezuelanas, um caminho de esperança para todo um Povo.

Juan Guaidó anunciou este golpe, no Twitter, enquanto incita as pessoas a saírem à rua, para participarem neste momento que poderá ditar um futuro, há tanto tempo, ansiado.

Cada minuto conta, cada segundo importa, para compreendermos se este golpe poderá ser coroado de sucesso...

Notícias relatam a libertação de Leopoldo Lopez, num claro sinal de mudança, esperando o mundo pelos ventos de novos dias.

Até onde poderão sonhar os Venezuelanos?

Os militares têm a palavra...

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

 

05
Abr19

Uma Singela História

Filipe Vaz Correia

 

Não grita a dor...

Nem dói o grito, nem consegue gritar o dorido sentir, mesmo que sentindo vocifere, vociferando baixinho, tão baixo como a sonolenta expectativa, expectativas frustradas, cantadas na canção, cantarolada emoção, que emociona o coração, por entre, batidas de amor, nesse amar obsessão, tornada razão, quase insultuosa forma de expressão, transformada em ilusão, sustentando ilusoriamente, a intrigante vontade de reescrever, o que se perdeu.

E assim, nas entrelinhas, por entre linhas, se rabiscam palavras, meio disfarçadas, disfarçando o que o destino, desatinadamente cumpriu.

Voltas e mais voltas, caminhos desconexos, soletrados ao vento, por momentos, sem esquecer...

Voltas e mais voltas, guardadas em mim, num secreto recanto de minha alma.

Num recanto, encantado, de uma história...

De uma singela história.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

03
Abr19

Peter Pan...

Filipe Vaz Correia

 

 

 

Peter Pan;

Onde estás?

 

Arrancado do coração;

Gritando a alma,

Numa espécie de oração,

Incógnita ilusão,

Num mundo de crescidos...

 

Peter pan;

Pudim flan,

Com pedaços de maçã,

Num inusitado poema,

Renascendo o eterno dilema,

Na memória infantil...

 

Já não podes ser criança;

Nesse renegar de esperança,

Esmagando a lembrança,

Ventania ou desesperança,

Que atormenta...

 

Já não podes ser criança;

Velho poeta...

 

Velho poeta;

Que te recusas a crescer...

 

Que poeticamente;

Te recusas a crescer.

 

Peter pan;

Onde estás?

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

15
Mar19

Matanças Em Directo Ou Os Cinco Minutos De Uma Infame Fama?

Filipe Vaz Correia

 

Dois dias...

Duas matanças.

Filmadas, divulgadas, publicitadas em meios de comunicação, esventrando um pedaço da condição Humana, que sendo nossa, parece se ausentar por momentos, deixando somente a tristeza soluçar dentro de nós, esse medo maior, de um dia nos depararmos com tamanha monstruosidade.

Imagens reais, como se estivéssemos num jogo de computador, intenso horror, por entre, gemidos e disparos, gritos e sangue, ódio...

Esse arrepiante ódio, sem qualquer explicação.

Tentei evitar ver aquelas imagens, mas não consegui...

Também eu cedi, abri os olhos e deixei-me levar por aqueles instantes de desespero, tragédia, carnificina.

Nada trará aquelas vidas perdidas, aqueles sonhos que ficaram por realizar, aquelas vidas por cumprir, os sorrisos perdidos dos que morreram ou dos que ficando, com eles emocionalmente partiram.

Pais, amigos, familiares...

Nada mais tenho a escrever, somente explanar nesta Caneca de Letras, o silêncio...

O silencioso silêncio da ausente esperança que me invade, me invadiu, me amarra sem fim.

Numa escola, numa mesquita ou em qualquer outro lugar...

Mais do que o som dos disparos, tentemos ouvir o silêncio que se segue, a esperança que dali se escapa, o amargo fim da essência Humana.

Pois é somente isso que dali resulta...

O desesperante falhanço da condição Humana.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

09
Jan19

Uma Menina Chamada "Esperança"

Filipe Vaz Correia

 

Era uma vez uma menina, de seu nome Esperança...

Carregada de brilho, enchia as salas mais vazias, reflectia com o seu olhar a alegria escondida em sua alma, numa mistura de querer e sentir, presa ao sentimento desmedido de um tempo.

Mas o tempo foi passando e com ele levando parte desse colorido do coração, amargurando cada pedaço de um quadro que se tornou cinzento, escurecido, com as agruras do que não chegou...

Do que chegando não bastou, nesse destino meio perdido, por vezes ferido e que não pára de arder.

A menina, pequenina, cresceu e saiu voando pelas planícies da serra, porém foi se esquecendo de sorrir, de como outrora sorria no meio da chuva, de como dançava no calor do verão...

De como se sentia no sopé da tristeza que, hoje, a invade.

Perdeu-se, esqueceu-se...

Desencontrou-se desses sonhos, não sabendo mais acreditar nesse voar que se escapou.

E nessa tela carregada de negros que percorre o seu olhar, continua a bater o mesmo coração, a mesma encantadora criança, esperando um dia reencontrar essa esperança que insiste em não regressar.

No bater da alma, se esconde a mesma menina, a mesma Esperança...

Que um dia ousou sorrir, sem temer, sem olhar para trás.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Comentários recentes

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Calendário

Dezembro 2019

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D