Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Caneca de Letras

Caneca de Letras

25
Abr20

Quem Quer Deixar Um Comentário?

Filipe Vaz Correia

359A38D0-AB16-4ED9-9485-07E2D79E175D.jpeg

 

Não tenho nada para escrever...

A folha em branco, aliada à quarentena, calou o escrevinhador sentir deste "Canequiano".

Prosa, Poesia...

Nada.

Uma frase, uma palavra, nada se liberta deste sentir meu, neste entrelaçado caminho que percorro vezes sem conta por estas linhas, nesta Caneca, através de tantas e tantas letras.

Como pode viver uma Caneca vazia de letras?

Amarrada à momentânea falta de inspiração do seu autor...

Quem gosta desta Caneca, mesmo que de mansinho, escreva um comentário neste texto, como se de um quadro de lousa se tratasse, com giz...

Para a semana tentarei escrever um texto, uma poesia, que entrelaçará o conjunto dos comentários  expressos neste dia.

E se não existirem comentários?

Sobrará sempre a folha em branco, essa ausência de inspiração, que deu vida a esta triste ideia.

Em prosa ou em poesia, não hesitem...

É só escrever.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

 

22
Abr20

O Tempo Não Pára... Ou As Doces Lágrimas De Um Poeta?

Filipe Vaz Correia

 

O tempo não pára...

Já aqui escrevi, tantas vezes, sobre essa inevitabilidade que é o percorrer do tempo, esse caminhar sem parar, abraço que aperta mais do que ama.

O TEMPO NÃO PÁRA!

A letra e música de Cazuza, poeta maior que aqui vos deixo em voz no Canecão 1988, pouco mais de um ano antes de morrer, é o despertar de um País, o alfinetar da consciência de sua geração, esse desesperado adeus a um ausente presente que jamais chegaria.

Naquele palco carregado de dor, ardor e compaixão, se entrelaçariam as letras de um povo, se reuniriam os poetas de um destino, se libertariam, em parte, os geniais instantes de um momento finito...

Tão finito quanto definitivamente dramático.

Nas linhas imperfeitas da poesia de Cazuza descobri o amor, aprendi a desencontrar a critica feroz da ternura disfarçada dos pequenos medíocres, desassombrei-me com os hipócritas no meio da multidão.

O poeta cru, destemperado, emocional e transparente...

Assim se traduzia cada verso da poesia de Cazuza, cada traço final da sua agonizante vida.

Morreu o poeta, entregue às cicatrizes da sua maldição, ao mesmo tempo que se tornou eterno, eternamente guardado nas histórias de um povo, na alma de todos, no "pequeno" sentir deste que vos escreve.

O que diria Cazuza da Pandemia?

De Bolsonaro?

Se calhar para a desprendida poesia de um inquieto poeta, a verdadeira pandemia se realiza a cada palavra de Bolsonaro, em cada aparição de uma visão boçal...

Se calhar?

Obrigado Cazuza.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

 

18
Abr20

Tenho Saudades... De Não Ter Saudades!

Filipe Vaz Correia

 

Tenho saudades...

Saudades dos meus, daqueles que me fazem falta, nesse grito maior que um telefonema não pode bastar.

Palavras que ganham desmedidamente valor, tentando descrever esse calor que falta, esse abraço que não chega, esse sorriso que se perde, por entre, as imagens do Watshaap ou do House Party.

Sei bem os tempos que vivemos e as medidas que temos de cumprir, no entanto, não será demais libertar essa "raiva" escondida em mim...

E aqueles que se encontram trancados sozinhos, sem ninguém com quem partilhar pelo menos o desabafo, o resmungar, o inevitável desespero que chega?

Distantes dos que mais queremos, de alguns dos que mais queremos, parece que este sentimento, a saudade, cresce, aumenta, desassossega o sentir maior.

Por vezes, no quotidiano, não damos valor aos pequenos momentos que se tornam hábito, aquele encontro diário com pessoas que se tornam "normalidade", até os vizinhos do prédio, da rua, encontros fortuitos se assemelham agora a "família", rostos do dia a dia que se tornaram pertença, aquele assemelhar de realidade perdida, perdida vontade de resgatar algo que sabemos perdido.

Um rosto sem máscara, um olhar desbravado de preocupações, por entre, vozes e silêncios.

Tenho saudades dos meus...

De mim.

Fecho os olhos buscando esse sentido meio entrelaçado à nostalgia que me assalta, nestas linhas ressaltada sem receios ou vergonhas, pois em cada gota de chuva que vai caindo do lado de fora da janela, busca a alma minha esse lavar de esperança, no nascer de novo, no querer desnorteado, na trémula escrita que se pretende firme e crente.

Tenho saudades...

Saudades de não ter saudades.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

31
Mar20

Dúvidas Em Tempos De Pandemia...

Filipe Vaz Correia

 

Umas vezes sobram palavras, outras vezes escasseiam silêncios, umas vezes distribuem-se abraços, outras vezes desaparecem os afectos, umas vezes nos inundam de sorrisos, outras vezes nos circundam as lágrimas, umas vezes...

De tantas e tantas vezes o mundo palmilha dias e noites, sempre em andamento, caindo bombas e sobrando gritos em soturnas temporadas de medo.

Noites escuras que encobrem os dias, os fazem cinzentos, tristonhos, mas sempre do outro lado do horizonte se prometem as alvoradas que ameaçam findar com as trevas.

O mundo avança...

Mesmo que silenciosamente, distante, sufocando com a intransigente  ausência das gentes.

Como fazer diferente?

Nada mais faz sentido, nesse sentir que se instala, por entre, estádios vazios, igrejas cerradas, estradas despidas e ruas silenciadas...

Já não sorriem os meninos de manhã, a caminho da escola, já não buzinam os atarefados senhores que correm para o trabalho, nem aceleram os autocarros e comboios apinhados de gente.

Já nada parece igual...

Nada parece ser igual.

Neste entrelaçado caminho que nos une, pretos e brancos, ricos e pobres, muçulmanos e cristãos, de todas as crenças, géneros ou pátrias...

Nada nos separa diante deste medo maior, deste flagelo imenso, desta Pandemia que chega e nos reduz à nossa singela insignificância.

Somo pequenos diante da Mãe Natureza e dos seus caprichos...

Tão pequenos que num instante somente a quarentena nos poderá valer da ameaçadora devastação.

Que iremos vencer ninguém dúvida...

Mas se iremos aprender com tudo isto?

Disso já sobram dúvidas.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

22
Fev20

Vasco Pulido Valente: Um "Opinador" No Céu...

Filipe Vaz Correia

 

Vasco Pulido Valente...

Morreu o escritor, filósofo, crítico, o inestimável cronista Vasco Pulido Valente.

Odiado por muitos e estimado por uns tantos, Vasco Pulido Valente faz parte da minha vida desde que me recordo, seja na acção política com Sá Carneiro na AD, ou com Mário Soares nas Presidenciais de 1986.

Corrosivo, intempestivo, temperamental, frontal e destemido, o eterno Vasco Pulido Valente povoou a mente deste "jovem" que aqui vos escreve, fosse no Independente, no Expresso ou no Público.

De recordar, ainda, as suas aparições na TVI, mesmo que fossem na companhia da "revolucionária" Guedes, passando a estender a sua influência a um público mais vasto.

Sempre o respeitei, mesmo quando com ele divergia, e foram algumas as divergências, no entanto, de Vasco Pulido Valente ninguém poderá escrever a acusação de que sofrem parte dos colunistas ou actores políticos dos dias de hoje...

A ausência de substância.

Vasco Pulido Valente era substantivo e repleto, rico na forma e completo no conteúdo, tão maior como aqueles que ocuparam o seu tempo.

Fará falta...

Já fazia nestes últimos tempos de ausência, nessa partida anunciada mas que se escondia na sobrevivência de um destino...

Obrigado Vasco Pulido Valente, sou daquela geração, onde o meu caro amigo serviu de referência...

E que privilégio foi esse, de ter percorrido cada vírgula de suas crónicas, cada peso de suas palavras, cada memória sua que subsistirá.

 

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

11
Dez19

O Mundo Sapo... “Através Do Olhar De Uma Caneca De Letras”

Filipe Vaz Correia

 

Recebi o relatório anual, enviado pela equipa do Sapo Blogs, com os dados do Caneca de Letras.

Visitas e visualizações, reacções e comentários, amigos e anónimos, que aparecendo por aqui encheram de alegria este canto Sapiano repleto de Letras.

Foi mais um ano de prosas e poesias, de sentimentos e emoções, de noticias e opiniões, nessa mistura de ideias e sentidos que me atrevo a partilhar.

Textos de partidas e chegadas, de abraços e despedidas, de saudades...

Intemporais saudades que insistem em se fazer ouvir.

Neste entrelaçado rendilhado de esperanças e desesperanças, marcadamente Canequianas, não sobram palavras para agradecer àqueles que dispensando o seu tempo partilharam neste espaço a sua opinião, escrevendo textos e palavras, amarrando o seu querer à imensidão de expressões que acabaram por caracterizar esta Caneca de Letras.

Dos nomes destacados neste relatório, dos que mais comentaram por aqui, sobressaem...

MJPSarinMariaLuisa de SousaRobinson KanesAnaO Último Fecha a PortaCalimeroBia.

A todos um obrigado imenso, do tamanho do mundo, nesse sentir que me pertencendo, pertence também àqueles que generosamente, dia após dia, aceitam partilhar experiências e pontos de vista.

Não posso deixar de juntar aqui, a estes nomes, o Jaime Bessa, o Lourenço Botelho de Sousa, o Triptofano, a Teresa, o Miguel Pastor, a Sal e Pimenta, o Leão da Estrela, entre tantos outros...

Obrigado.

Por fim, agradecer à equipa do Sapo Blogs por, mais uma vez, neste ano terem carinhosamente acompanhado esta Canequinha carregada de Sapos, destemidamente à procura de uma singela leitura, por entre uma amena troca de ideias.

A todos, uma vez mais...

Obrigado.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

 

18
Set19

A Menina, O Cão, A Cegueira...

Filipe Vaz Correia

 

O mundo visto a cores ou as cores que se transformam em preto, branco, nada...

Estava a tomar o pequeno almoço, tardio, quando chegou um grupo de três meninas e um cão.

Olhei enquanto escrevia uma ou outra palavra, num texto que acabaria por apagar...

E ali, num segundo, o meu maior medo, não sei se maior mas um dos mais antigos, se dispunha diante do meu olhar, num quadro transparente de um vazio assustador.

A cegueira!

Uma daquelas meninas, jovem senhora para ser exacto, era invisual, completamente amarrada a esse mundo que parecia não lhe toldar o caminho, impossibilitar o destino, prender o passar do tempo que lhe pertence.

Não consegui deixar de estar atento aos pormenores, numa espécie de atracção pelo absoluto medo que desde criança sempre me perseguiu.

O cão, um labrador preto, ali estava, deitado a seus pés, impecavelmente comportado, parecendo saber, antecipadamente, cada movimento...

O pé que balançava, a mão que amiúde o acarinhava ou até o preciso instante em que lhe dariam o tiro de partida.

Olhei para ela com esse misto de admiração e receio, admirando cada pedaço de normalidade traduzida em seu rosto, plasmada em cada palavra por si trauteada e ao mesmo tempo esse receio pelo medo que sempre senti...

Existe uma coragem naqueles gestos, uma ternura na extensão de um olhar amarrado àquele animal que se transforma no porto seguro do destino de alguém.

Não pude deixar de olhar, de sentir, de escrever...

Escrever sem parar, retratando aquele ardor triste, aquele corajoso cenário de uma beleza sem fim.

Neste entrelaçar que une aquelas duas vidas, Cão e Menina, resiste a mais bela conjugação de cores, desenhadas na imaginativa imaginação de um conto...

De uma vida.

Levantaram-se e partiram, de “mãos” dadas, enquanto o meu olhar os acompanhava nesse rumo infinito pelo Campo Pequeno, num quadro tão intenso como a imensidão desse mundo que só a eles pertencerá.

Tantas cores e sonhos que desconhecemos conhecer...

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

13
Ago19

As Revolucionárias Letras Da Minha Imaginação

Filipe Vaz Correia

 

Se as letras pudessem se misturar, sem regras, que palavras nasceriam?

Que pedaços de sentir se formariam?

Quantos significados brotariam desse papel para fazer nascer um outro olhar, um outro buscar na imensidão de um texto?

Palavras que inundariam a imaginação, nesse espaço estelar que cobriria toda a galáxia de uma qualquer Caneca de Letras, repleta de sonhos e atrevimentos.

Vírgulas e pontos destituídos de controlar essas letras, palavras que se despiam de medos e anseios, livremente voando pela folha em branco, como se fossem, somente, as donas de cada nota ou apontamento, de cada poema ou prosa, de cada declaração de amor.

As letras...

Sempre elas aparecendo na minha mente, pejando a minha imaginação dessa lata construção de palavras que repetidamente me invadem, sem calar, invadindo cada pedaço desta ousada forma de querer, esta sedutora querença que me amarra.

Letras e mais Letras despejadas nesta Caneca, numa partilha desgarrada, compulsiva, desse mundo que em mim habita.

Letras e mais letras...

Nesse mundo de imaginação que desde sempre me deslumbrou.

Letras...

Somente Letras...

Sempre, desnudadamente, letras.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

15
Jun19

Confissões

Filipe Vaz Correia

 

 

 

Quando se enterra algo que nos é querido, tão querido que nos custa respirar, sobra sempre um pedaço de amargura amarrada à incerta certeza do inevitável adeus.

Essa presença presente do que jamais voltará a ser vivido ou que outrora se desejava realidade, vai se diluíndo no tempo, diluíndo cada parte escrevinhada nas páginas, outrora, em branco...

Talvez esse doer arda mais por isso mesmo, por essa certeza que sendo agora finita, não deixou de ser o que mais importava.

Nessa dicotomia vive a dor, a ardente sensação de tristeza, repetidamente aterradora e cerceadora.

Tanto tempo passado, marcas indeléveis de um querer tão intenso e desmedido, um sentir maior que esmagava o pensamento, abraçava o olhar, guardava por si mesmo todos os instantes numa singela aguarela à beira-mar.

Ainda pulsa esse querer, talvez amor, mas já não flui da mesma maneira, da mesma ingénua forma.

O coração aprendeu a se defender, apercebendo-se da solitária penumbra de tamanhos afectos, recusando a alfinetada permanente, nesse ausente mundo que tardou em chegar.

Por entre palavras e silêncios, sonhos apagados, gestos que se estimaram, se perderam os retratos da memória, os escrevinhados dessa história, as verdades tão sinceras como intensas.

É nesse fim que fica o medo, medo desse vazio que sobra após esse nada que ameaça sobressair no lugar de um desmesurado amor, no entanto, não se encontra rancor, mágoa ou ressentimento...

Talvez indiferença, esforçada indiferença que alcança cada momento, cada passo dado de forma insegura.

A vida continua, o mundo caminha e nós ficaremos por aqui...

Para lá deste epílogo, sobram lágrimas, a triste constatação de tamanho texto, de letras e frases soletradamente inquietas, na certeza de que amanhã o sol brilhará, o mar voltará a partir e chegar, numa dança permanente, sorridentemente provocadora.

E o escrevinhador voltará a escrever, a sorrir, a escrevinhar outra vez o pulsar do seu coração.

E esse coração voltará a ousar sentir e voar...

Sem medo de voltar a cair.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

 

 

05
Jun19

Bom Dia Amor!

Filipe Vaz Correia

 

 

 

Na minha alma vazia;

Nesse recanto de um dia,

Se ouve o som da maresia,

Como versos de poesia,

Hesitando por entre a vociferia,

Agitada calmaria...

 

Nessa desnudada parte de mim;

Confundidas lágrimas sem fim,

Se impõe esse reflexo empedernido,

Ardor desmedido,

Que grita intensamente,

Arde ardentemente...

 

E por entre as letras de uma canção;

Cravada na desgostosa memória,

Se apaga o coração,

Apagando a velha história...

 

E fugazmente ao luar;

Encerrando a insistente voz,

Ninguém irá recordar,

Essa parte de nós,

Que um dia ousou amar...

 

Ousou amar.

 

 

 

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Comentários recentes

  • Maria

    Imagino o sorriso doce da sua mãe orgulhosa do " s...

  • MJP

    Compreendo tão bem este seu sentir, Filipe...(a Mi...

  • A 3ª face

    Tão lindo e sentido! Ela estará muito feliz, com u...

  • Filipe Vaz Correia

    Meu caro O Último Fecha a Porta...Também me recuso...

  • O ultimo fecha a porta

    A minha opinião sobre isto é só sobre a atitude Bd...

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Calendário

Junho 2020

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930

Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D