Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Caneca de Letras

Caneca de Letras

Canal Da Mancha: Os Dois Lados Da Desilusão...

Filipe Vaz Correia, 11.12.18

 

A política é feita de expectativas e percepção, de convicções e caminhos, de esperança e decisões...

Ontem em Londres e Paris, dois "Líderes" agonizaram, duas figuras políticas se perderam, por entre, as teias da incoerência.

Theresa May, obrigada a adiar a votação ao acordo que trouxe de Bruxelas, admitindo assim, o fracasso do seu plano político.

A Senhora May, cada vez mais encurralada, empurra para a frente o seu destino, tentando ganhar tempo, buscando um "milagroso" momento, que na minha opinião, já não chegará.

Talvez um novo referendo, seguido de eleições legislativas, seja a única solução para um Reino Unido, traído por ideólogos populistas que deixaram, como seu legado, o Caos.

Do outro lado do Canal da Mancha, encontramos Emmanuel Macron, alguém que, num determinado momento, trouxe esperança e encantamento, sabendo potenciar com os seus discursos, a vontade de uma mudança capaz revitalizar a Sociedade Francesa, sem radicalismos.

A sua vitória trouxe acalmia e tranquilidade, afastando o cenário Le Pen do Eliseu, no entanto, como na altura escrevi, esta seria a última oportunidade dos Democratas Franceses e Europeus, afastarem Marine Le Pen do poder, se falhassem ou defraudassem as pessoas, nada mais restaria...

E de facto, Macron está a desiludir.

Está, em certa medida, a trilhar o mesmo rumo de Hollande, carregando consigo a mesma imagem de incapacidade e de plasticidade.

O seu discurso ao País, foi no mínimo desastroso, incompreensível, desgarrado e cobarde.

Depois deste discurso de Macron, será difícil não escrever, que o poder parece estar na "rua".

Promessas de aumento salarial, ao estilo "Venezuela", deixando no ar uma sensação atabalhoada e assustadora, numa das maiores economias Europeias, Mundiais.

E poderá ser esse sentimento de "anarquia" política e ideológica, a reforçar aqueles que fazem do autoritarismo demagogo a sua arma.

Cedendo, cedendo, cedendo....

Parece ser esta a palavra de ordem tanto no Reino Unido, como em França, num desesperado e derradeiro acto.

Enfim, um mesmo sentimento dos dois lados do Canal da Mancha...

Uma infinita e profunda desilusão.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

Fait Attention, Macron!

Filipe Vaz Correia, 09.08.17

 

As eleições Francesas, presidenciais e legislativas, deixaram no ar uma sensação de euforia, de esperança, nesse tornado político que se abateu sobre França, de seu nome Emmanuel Macron.

Essa esperança foi desde a primeira hora, uma derradeira oportunidade dada pelos Franceses a um político que ameaçava reajustar o panorama democrático Francês...

Ajustar pelo lado Humano da coisa, dando esperança ao invés de agressividade, dando luz ao invés da penumbra ameaçadora, fazendo acreditar ao invés de odiar.

Esse lado de Macron uniu os cidadãos, deu-lhes aquela vontade de votar em alguém novo, que trazia consigo essa inevitável expectativa por um futuro melhor.

No entanto passados estes meses, as sondagens atribuem a Emmanuel Macron taxas de popularidade abaixo daquelas que tinha François Hollande...

Incroyable!

É aqui que se deve concentrar o Presidente Francês, neste sinal que ameaça reduzir o projecto que tanta esperança alimentou por toda a Europa, numa triste recordação de um estrondoso fracasso.

Esse receio que chega, com Macron perdido em debates estéreis e de pouca importância, como por exemplo o lugar que deve ocupar a sua mulher no Eliseu, ao invés de olhar genuinamente, como aliás prometeu, para aquilo que tanto perturba a vida de cada um dos seus cidadãos.

Macron deve intervir na Europa, deve preocupar-se em reestruturar o sistema fiscal e económico Francês, deve revolucionar o papel da industria Francesa, deve de forma inadiavel olhar para os níveis de desemprego que esventram o âmago da sociedade Gaulesa...

Deve enfim, procurar respostas para as tamanhas dúvidas e inseguranças que atormentam os jovens do seu País.

Só assim, cumprindo o que prometeu, sem deslizes ou hipocrisias, é que Emmanuel Macron não decepcionará aqueles que lhe entregaram tamanho poder, no Eliseu e no parlamento, para que daqui a quatro anos não estejamos todos a dizer, que Le Pen venceu mesmo.

Por essa razão, escrevo:

Fait Attention, Monsieur Emmanuel Macron!

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

 

A Revolução MACRONiana!

Filipe Vaz Correia, 10.06.17

 

As eleições legislativas Francesas estão aí...

Amanhã poderemos ver a implosão do chamado centrão político Francês, com o esvaziamento do partido Socialista e do partido Republicano e em contrapartida o surgimento de um novo movimento que consagrará Emmanuel Macron, como o novo Napoleão.

A revolução Macroniana, que se prepara para acontecer, algumas sondagens dão ao partido do Presidente Francês 400 lugares no parlamento quando a maioria absoluta ronda os 289, confirma o clima de expectativa e crença que se vive na democracia Gaulesa, tentando reencontrar um rumo de esperança que possa modificar o País e também a sua importância no projecto Europeu.

Emmanuel Macron, tem assumido um papel importante nestes primeiros tempos como Presidente, conservando a imagem de renovador com que ganhou as eleições presidenciais e aumentando as expectativas que sobre ele recaem num virar de página, ansiado por todos aqueles que nele votaram...

Macron representa para muitos Franceses, a última oportunidade dada à democracia, à esperança de um futuro sem os ódios inerentes aos discursos populistas ou extremistas e por isso será demasiadamente importante que não falhe...

Que não as defraude.

Com um Reino Unido fragilizado, os Estados Unidos entretidos com o parque infantil em que se transformou a Casa Branca e o seu little President, urge que a União Europeia possa aglutinar as esperanças, mudar o rumo e assumir definitivamente um papel de progresso e desenvolvimento para os seus cidadãos e para os Países que a compõem.

Domingo teremos a resposta, sobre quão ampla será a oportunidade, para que esta Macroniana revolução possa mudar o rosto Francês e com isso mudar também o projecto Europeu.

 

Bonne Chance, Monsieur Macron!

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

En Marche, França!

Filipe Vaz Correia, 08.05.17

 

Os Franceses deram uma resposta cabal nestas eleições, sobre qual o caminho que desejam percorrer, escolhendo a esperança, o respeito pelos outros e a fraternidade, em detrimento do ódio, do populismo e da intolerância...

A vitória de Macron traz consigo um certo alivio para a Europa, para o projecto Europeu, no entanto, não podemos desprezar a elevadíssima votação no extremismo demagogo, promovido pela senhora Le Pen.

Marine Le Pen em apenas quinze anos, praticamente duplicou a votação que o seu pai em 2002 tivera diante de Jacques Chirac, o que não pode deixar de preocupar qualquer pessoa, que se debruce sobre estes dados...

A oportunidade que é conferida à França e por conseguinte à Europa, com este movimento de gente que suporta Emmanuel Macron, não poderá ser desaproveitada pois com essa desilusão virá certamente, mais um impulso, para todos esses extremismos que se impõem em todo o lado.

A sua juventude, a maneira como Macron consegue chegar às pessoas, como empolga sem iludir, torna-se tocante para todos aqueles que acreditam que conseguirá mudar a Europa, transformar a França e destruir a crescente influência da Frente Nacional...

Muito caminho pela frente deste novo Presidente Francês, o mais novo líder desde Napoleão, que terá de traçar estratégias e alianças o mais rapidamente possível, pois necessita de que os mesmos que aqui o colocaram, o apoiem nas Legislativas de Junho, para que possa levar adiante as suas promessas.

Assim desfrutando desta vitória, importa não esquecer que não existe espaço para falhas e que o discurso agregador só poderá resultar, se as pessoas o sentirem, na dura realidade das suas vidas.

En Marche, Monsieur Macron...

Ensemble, França!

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

Mélenchon e Le Pen: Gémeos Falsos...

Filipe Vaz Correia, 30.04.17

 

Uma semana passada e aí estamos diante de mais uma etapa nesta dura campanha eleitoral para a Presidência da República Francesa, entre Marine Le Pen e Emmanuel Macron.

Uma semana marcada pelos apoios de Hamon e Fillon, Socialista e Conservador, ao candidato de centro Emmanuel Macron, mas também marcada pelo silêncio de Jean-Luc Mélenchon.

Muitos comentadores demonstraram-se espantados, pois esperavam uma posição diferente da parte de Mélenchon, nesta segunda volta das eleições esperando mesmo que este pudesse apoiar Macron, numa frente Republicana contra a candidata da Frente Nacional...

Não me espanto!

Se estivermos atentos ao discurso de ambos, às propostas para o futuro da França, a sua relação com a Europa, com o Euro, facilmente constatamos que muito mais os une do que os divide...

Não diminuo aqui a importância de Jean-Luc Mélenchon não ser um xenófobo como Marine Le Pen e o facto deste pormenor, ser na realidade, um pormaior nessa diferença que os marca e distingue, no entanto, não o suficiente para que Mélenchon e os seus apoiantes, os insubmissos como simpaticamente lhes chama a candidata da extrema direita, tenham decidido optar por um dos lados desta batalha.

Na verdade, por omissão, acabam por o fazer.

Só essa hesitação por si só, deixa a nu as muitas contradições entre estes extremos, que por muito que o neguem, se tocam, convergem em muitos pensamentos, buscam o mesmo eleitorado descontente e desesperado por soluções que o sistema lhes parece negar.

Assim que passou à segunda volta das eleições, Marine Le Pen deixou claro no seu discurso populista, a marca tradicional destes movimentos:

" Sou a candidata do povo, que irá derrotar as elites!"

Estas palavras poderiam ter sido ditas por Mélenchon, por Chavez, por Maduro, por Fidel...

Ou até mesmo por Lenine, no meio, da revolução Russa de 1917.

Mas foi Marine Le Pen que o disse, que constantemente o apregoa, junto dos mesmos insubmissos, que parece acreditar, a poderão levar até ao Eliseu...

Se isso acontecer bem poderá agradecer a Jean-Luc Mélenchon e à esquerda radical francesa, que com o seu silêncio acabarão coniventes com essa tragédia para a Europa.

E é por isso que a extrema esquerda e a extrema direita, na minha opinião, aparentemente tão distantes, se aproximam nesta luta de classes, na constante busca pela fractura entre as sociedades capitalistas e os cidadãos, na procura permanente pela divisão...

Sobram aqueles que pertencendo aos mais variados quadrantes políticos, da esquerda à direita, se unirão para negar desde a primeira hora aquilo que certamente ninguém deseja:

O radicalismo dos extremos.

 

 

Filipe Vaz Correia