Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Caneca de Letras

Caneca de Letras

Kobe Bryant: A “Morte” De Uma Lenda!

Filipe Vaz Correia, 27.01.20

 

Morreu Kobe Bryant...

Morreu uma lenda.

Acompanho a NBA desde pequeno, noutros tempos mais do que agora, recordando em cada cesto, a cada afundanço as estrelas de antigamente.

Ninguém para mim se compara a Michael Jordan, àquela equipe dos Chicago Bulls, nem mesmo aqueles nomes que cintilavam, por entre, os gritos de Carlos Barroca...

Magic Johnson, Kareem Abdul-Jabbar, Larry Bird, Isiah Thomas ou Charles Barkley, nomes que rivalizavam, disputavam época e importância com o número 23 de Chicago, fosse no campo ou na História da modalidade.

Nenhum igual a Jordan...

Nenhum igual à lenda maior.

Depois da retirada de Michael Jordan deixei de acompanhar a NBA, assiduamente acompanhar, no entanto, anos mais tarde, uma equipe dos LA Lakers, dirigida pelo mesmo treinador que liderara os Bulls de Jordan, começava a dominar a competição, carregada de jovens, talentos, qualidade...

Nessa equipe uma personagem despontava, um génio se destacava:

Kobe Bryant.

Décadas se passaram, 20 anos de competição, títulos e mais títulos, pontos e mais pontos, sempre na mesma cidade, nos seus Lakers.

Palavras para quê?

Morreu neste dia uma lenda incomparável, com a sua pequena filha, dentro de um helicóptero, nos céus da Califórnia.

Tirando Jordan, nunca vi nenhum outro basquetebolista voar como Kobe Bryant, por entre os seus adversários, rumo aos cestos, esvoaçando entre os tectos de um qualquer pavilhão.

Assim, desaparece a magia de uma História, de um atleta que perdurará no tempo, na memória de todos os que o viram jogar, daqueles que mesmo não o vendo saberão as suas jogadas, os seus feitos, através da voz de tantos que o admiram e admiraram.

Alguém, um dia, disse que morremos duas vezes...

Uma no dia de nossa morte física e outra no dia que alguém pronuncia o nosso nome pela última vez.

Kobe Bryant jamais morrerá, pois pertencerá àquela galeria de figuras imortais que terão para sempre o seu nome pronunciado.

Até sempre, Kobe Bryant...

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

 

Rafael Nadal: O "Touro" Espanhol!

Filipe Vaz Correia, 11.06.19

 

 

 

Meus caros amigos, nunca fui uma pessoa capaz de imparcialidades desportivas, de me sentar a ver um jogo de Futebol Inglês sem torcer por uma equipe, de assistir a uma corrida de Fórmula Um sem ter um piloto preferido, de ver uma partida de ténis sem ter um jogador como meu...

A vida toda assim foi.

De pequenino torcia por Ivan Lendl contra Boris Becker ou Edberg, depois veio o tempo em que sofria por Agassi nessa disputa mítica com Peter Sampras, até à eternidade.

Depois o vazio...

Até que um miúdo chegava ao ATP, ali pelos idos de 2004, de vestes meio desgarradas, tentando competir com os melhores, com o novo Rei que se afigurava senhor do "futuro".

Todos eram adeptos de Roger Federer, o Suíço que deslumbrava o mundo do Ténis, pelo talento, elegância, capacidade de inovar...

Eu não.

Torcia por Rafa Nadal, por esse menino Espanhol que chegado à alta roda do Ténis prometia lutar por cada ponto como se fosse o último.

Por estes dias Nadal alcançou a vitória número 12 em Roland Garros.

Sim...

12!

Palavras escasseiam para caracterizar esta garra, este nível, esta demonstração de superação constante de alguém que sendo especial, único, lutou nos últimos anos com demasiadas lesões, contrariedades.

Nadal é isso mesmo...

Exemplo de atleta, de superação.

E eu aqui permaneço como adepto, orgulhoso daquele menino de outrora, curioso por esse próximo passo que nos surpreenda, nos arrebate até deixar sem palavras.

O Olimpo do Ténis Mundial encontrará um lugar especial para tamanho atleta, sem deixar esquecer a desmedida superação do Touro ♉ Espanhol.

Gracias Rafa.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

120 Milhões Por João Félix?

Filipe Vaz Correia, 30.05.19

 

O defeso ainda agora começou e já se assiste a notícias em catadupa, loucos relatos em relação a alguns jogadores.

Um deles é João Félix, jovem jogador do Benfica que inunda as manchetes dos jornais com especulação variada e na maior parte dos casos, sem nexo.

Mas alguém poderá acreditar que algum clube pagará 120 Milhões por um jogador de 19 anos sem qualquer tipo de "gabarito" na alta roda do Futebol Mundial?

A sério?

Das duas uma...

Ou estas notícias serão completamente falaciosas ou o Clube que cometer tamanha loucura estará, certamente, carregado de incompetentes.

Na altura em que se fala na contratação de Éden Hazard pelo Real Madrid, por 100 Milhões, acreditar que alguém poderá despender 120 Milhões por João Félix não deverá passar de um assomo clubista com o intuito de valorizar o "produto".

Direi mais...

Este tipo de notícias prejudicarão em primeira instância o próprio João Félix, carregando este jovem jogador de uma pressão absolutamente desnecessária.

Não está em causa o valor do jogador que, importa salientar, acredito ter um futuro risonho.

Vejo em João Félix características únicas, muito similares ao "pequeno" João Vieira Pinto, não apenas na capacidade técnica mas também na capacidade de fazer golo, muito importante para a posição que ocupa.

Esperemos pelo desfecho de mais um defeso, acreditando seriamente que acima de 50 Milhões, tudo o que puder ser escrito, não passará de publicidade gratuita de carácter duvidoso.

E para isso basta ir a um quiosque e comprar A Bola ou o Record.

Enfim...

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

Também Tu, Froome?

Filipe Vaz Correia, 14.12.17

 

A notícia de que Christopher Froome acusou positivo num controlo Anti-Doping durante a volta a Espanha, vem descredibilizar uma vez mais o Ciclismo ou a inverdade permanente que parece trespassar este desporto.

Froome junta-se a Armstrong, Schleck, Contador, entre tantos outros, que num determinado momento, foram apanhados nestes controlos...

O que parece evidente, na minha opinião, é que não importa saber se um determinado Ciclista se dopou ou não, mas sim se foi ou não apanhado.

Este tipo de descrédito, esventra em certa medida, a pureza desta modalidade, o crédito conquistado durante décadas por tantos e tantos Ciclistas que se tornaram heróis após cada edição de um Tour.

 A Pergunta que agora subsiste é:

Será que também Merckx ou Lemmond, Indurain ou Hinault, corriam dopados?

Será que também eles enganaram aqueles que na berma da estrada aguardavam embevecidos pela sua passagem?

O drama do Ciclismo de hoje, enlameia o passado da modalidade, escurece tantas e tantas edições passadas e acima de tudo, cria um gigantesco ponto de interrogação para esse futuro de uma modalidade que cada vez mais parece mentirosa...

Na essência, na verdadeira forma de se competir.

E assim, com esta noticia, mais um mito, se tornou num homem comum...

É caso para questionar:

Também tu, Froome?

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

Rafael Nadal: Um Verdadeiro Campeão!

Filipe Vaz Correia, 12.09.17

 

Rafael Nadal voltou a vencer um Grand Slam, desta vez o U.S. Open, num regresso miraculoso a um lugar que certamente, será eternamente seu...

Ser número um, vai muito para lá desse temporário titulo, desse cognome que se extinguirá, excepto quando quem o ocupa tenha atingido um patamar lendário, como é o caso de Nadal ou mesmo Federer, expoentes máximos desta modalidade.

Nadal esteve afastado da ribalta, incapacitado por um sem número de lesões, no entanto, neste inacreditável regresso, recupera com uma imensidão de esforço, de talento, um pedaço do romantismo inerente a tamanho atleta.

Esta vitoria, juntamente com a décima de Rolland Garros, representou uma página imortal no livro dos lendários momentos do circuito ATP...

Sempre admirei Nadal, sempre torci por ele mas jamais imaginaria que aquele menino de cabelos compridos e vestimenta pouco usual, poderia um dia marcar de forma indelével, este desporto.

Nadal marcou, transformou-o, modificou-o de maneira impressionante, com a sua perseverança, a forma incansável como bate cada bola, sendo a última ou a primeira.

Festeje-se, congratule-se a lenda mas nunca se esqueça o percurso e essencialmente o esforço de um verdadeiro campeão.

Pois é isso que Nadal é...

Um verdadeiro campeão.

 

 

Filipe Vaz Correia