Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Caneca de Letras

Caneca de Letras

17
Mai21

Estrada De Deus

Filipe Vaz Correia

 

 

 

DEF9806B-AFA1-4638-92FD-418CE8843C9B.jpeg

 

 

A velha estrada;

Sempre a velha estrada,

Carregando pedaços de nada,

Traços e pinceladas,

De memórias passadas,

Imagens empoeiradas,

Que insistem em regressar...

 

A velha estrada;

Desfiladeiro de Deus,

Ousando a caminhada,

De um breve aDeus,

Indecifrável destino,

De "Zeus"...

 

A velha estrada;

Onde se escondem,

Amores e desamores,

Palavras e letras,

Rimas soltas e versos imprecisos,

Num rebuliço tão terno,

Como a brisa de um sorriso,

Que se estende de mão em mão,

Por entre o infinito...

 

A velha estrada;

A melodiosa vida,

Estrada inacabada,

De velhas feridas,

Cantadas em poemas,

Soletrados dilemas,

Que se perderão...

 

Em cada alma,

Em cada passagem,

Por essa estrada...

 

Estrada de Deus.

 

 

 

 

 

15
Mai21

O Caminho Das Pedras

Filipe Vaz Correia

 

 

 

DC44A41E-D519-4073-AAC9-A82424ED978A.jpeg

 

 

Sei lá para onde caminho, nesse campo estreitinho, reduzida forma de reluzir a desesperança que se abeira do ninho, da estrada, despida empoleirada na beira do Ganges. Pouco ou nada sobra desse recital de piano, teclas e mais teclas em contraponto com o vento que se assoma, soma e subtrai no vaguear de almas prestes a chegar. Queira Deus que a orquestra tenha a vitalidade de um sopro, que o destino se desencontre com as nuvens, que as lágrimas se apressem a secar e o amor... ai o amor que reluz e contorce, que se disfarça e abraça, amassa e amarra, confunde e separa. Tantas palavras numa mistura de certezas, questões impertinentes que ameaçam a pertinência, num segundo continência, noutro incontinência como um compulsivo chorrilho de ideias, incontinentes ideias que arrogam o tupete de existir. Já não tocam os poetas, já não choram as marionetas, já não se prantam as inquietas querenças da antiguidade. Para onde foram os heróis? Onde se escondem os inexpugnáveis? Para onde foram as prometidas Odes à tamanha vontade de sonhar? Nada faz sentido, tudo é sentido, nada é imutável, tudo se dilui, assim caminha o tempo na infindável e indiscutível crueldade do seu compasso, deslizando silenciosamente como nada fosse, por entre... nós, pequenos pedaços de coisa alguma. Pouco importa a sorridente esperança, somente importa a louca vontade de amar. Pois o amor é a única coisa que nos liga ao divino.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

 

 

 

12
Mar21

Se Um Dia Te Esqueceres...

Filipe Vaz Correia

 

 

 

3C3745E0-4144-433D-979A-52036C5C0E8A.jpeg

 

 

Não escondo as palavras, dentro de mim...

Elas ecoam sonoramente, cintilando na minha alma como recordação constante desse bater que um dia se tornou descoberta.

Foi assim como um dia de sol irrompendo a noite, o anoitecer deslumbrante de um fascinante verão.

Sem ruídos, silenciosamente, como quer esse sentimento imenso, essa forma de querer sem dizer, dizendo sem poder, calando o que não se sabe gritar.

Escrevinho tremulamente, temendo que possa sair de cada uma destas linhas, cada letra, cada palavra...

Mas não se perde o que se sente, não se desvanece o que faz parte do ser, não se extingue a chama intemporal do que verdadeiramente importa.

São esses pedaços de nada que valem tudo, essas pequenas coisas que se tornam relevantes, esses gestos que apenas "nós" entendemos...

No fundo do coração, perdido por entre medos, receios que amarram, passa o tempo devagar, lentamente desesperando o intenso sentir...

Sentindo o sentir sentido que atravessa alma.

Tudo isto para dizer que te amo, que amarei eternamente sem esquecer cada momento guardado em mim...

E se um dia te esqueceres ou nos desencontrar a eternidade, deixarei voar esta folha, solta através do vento, fugindo por entre o tempo, para que possa perdurar em cada estrela presa ao céu, estas palavras minhas...

Meu amor!

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

24
Fev21

Amar... Dói Imensamente

Filipe Vaz Correia

 

 

 

76D46040-443B-49A4-8725-52DAC1789416.jpeg

 

 

Boa noite...

Palavras ao vento nesse tormento que me persegue, que amiúde busca essa inquietude própria dos mortais, mortais almas que na inquietude se reencontram.

Se nas entrelinhas da História podemos amarrar partes da essência perdida, será nos teus olhos, desencontrados olhos que se reescreve a verdadeira certeza, de uma absoluta incerteza, de um amor.

É crua a natureza Humana, cruel o desapegado amor que infinitamente brilhará, na despedida certeira, na partida imposta.

Todos nós estamos entregues a esse mistério que nos permite colorir o dia, essa repetida existência que nos cobre, que nos alimenta, que nos ensombra.

Seremos nós a repetição de tamanhos destinos?

Viajaremos nós por entre as nuvens e o sol numa incompleta dança de almas e expectativas?

Quantos reencontros...

Voltas e desencontros marcarão os nossos destinos?

Serei eu uma repetição de mim mesmo?

Seremos nós uma pequena partícula de algo maior?

E as nossas almas...

Viajarão sem regresso a esse intemporal regressar para os braços daqueles que por entre séculos nos pertenceram?

Fará sentido?

Angústias terrenas em dilemas existenciais, pedaços de contradições numa tela maior, de um quadro abrangente que nos completa...

Regresso sempre a Cazuza, sempre ele, um dos que me pertenceram através de suas palavras, dos seus poemas, de sua voz, meio loucura meio ternura.

Se o tempo não pára, a vida louca, louca, percorrendo os blues da piedade, nesse Brasil, mundo, que se torna parte do "seu" show...

"Cazuza dixit"

Se tudo isto fizer sentido e nos reencontrarmos sem senão, se sim ou não, porventura faltará razão à dita razão que nos espartilha e amarra, por entre, dogmas e escrituras.

Receios e anseios, em partituras de uma canção, livre e liberta, desamarrada expressão uma oitava acima.

Anseio os reencontros perdidos, receio os perdidos reencontros, numa tela de Leonardo, num rascunho de Camões, na voz de Vinícius...

Tudo e nada, numa aguarela gigante à beira de um rio.

Por que morrer não dói, como escreveu Cazuza...

Mas amar, por entre séculos, dói imensamente.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

 

 

23
Fev21

Um Amor De Ontem...

Filipe Vaz Correia

 

 

 

0F8FE945-CB10-417F-AF59-62278523B3F2.jpeg

 

 

 

Éramos tão jovens;

tão infinitamente jovens,

que não nos apercebemos do passar do tempo,

desse bater descompassado,

que a poeira não traz de volta.

 

Tão jovens na memória do olhar;

nesse espartilhar de emoções,

nesse querer amar,

carregado de contradições.

 

E por entre segredos guardados;

desejos imaginados,

viverão esse sonhos de outrora,

"nessas saudades de agora,"

que partiram...

 

foram embora.

 

 

 

 

03
Set20

Esperançados Poetas

Filipe Vaz Correia

 

 

 

Está tudo bem,

ou não está?

 

Renova-se o luar 

ou se esconde o brilhar?

esse encantamento que secretamente acendemos...

 

Na vitrola toca a melodia

meio cartola em sinfonia

pedaços de bem querer

no raiar desse pertencer

que desejosamente se soletra...

 

Contradição desenhada em papel

com traços finos e solitários

recortes de mel

em quadros de antiquários...

 

Peça a peça;

nesse vidro virado para rua,

se reencontra a lua

e nela nossos rostos reflectidos,

nossa pele nua

em sonhos humedecidos...

 

lírio, violeta,

café e licor

esperançado poeta

na maresia de um amor.

 

 

 

22
Ago20

O Tempo E As Nossas Certezas...

Filipe Vaz Correia

 

 

 

Porque sim...

Porque não...

Porque a única razão para tamanho e misterioso sentimento é a busca incessante de aprendizagem.

Um alargar de pensamento na liberdade intensa, um amarrar de conhecimento no olhar dos outros, um abraço perfeito em cada pôr do sol.

Nesse desenho de traço carregado se escondem as leves pinturas que pincelam a tela e reescrevem as histórias de cada um de nós...

Os erros, os acertos, os arrependimentos, pequenos esquecimentos que não se repetem.

Linhas e palavras, escravas palavras de aparentes cumprimentos, estranhos momentos, desmedidamente temperados.

Porque sim...

Porque não...

Decisões que se tomam, rumos que se escolhem, trilhos que se apresentam, caminhos que nos fazem definir uma vida.

Assim...

Pessoas entram e saem, amores se despedaçam, amizades se entrelaçam ou inversamente se reescrevem.

Nas contínuas equações vai sobrando esse talvez, o tal talvez que pouco aparece num mundo carregado de certezas, num constante viajar sem tempo ou espaço para o pequeno duvidar.

Talvez...

Talvez valha a pena na incerta certeza desse tresloucado querer, respirar fundo, sorrir imensamente e num gigantesco passo acreditar que não somos nós que temos tempo...

É o tempo que, no seu infinito reinado, nos tem.

Por que sim...

Porque não...

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

 

 

16
Jul20

Ardente Reflexão...

Filipe Vaz Correia

 

 

 

C4848C65-9417-457E-9227-96A46A3D212B.png

 

 

Quatro paredes, sem janelas, numa profunda escuridão, imenso orgulho perdido, num entrelaçado e intenso mal querer que me consome.

Abro os olhos e à volta percebo...

Que por entre vidas me distrai, dançando entre estrelas, perdendo o foco, a essência do sentir, esse florescente céu que indicava a contraditória felicidade que não chegou.

Será a dor a conselheira maior de tamanha aventura ou singelamente esta dor apenas serve para criar o verso e delinear a poesia?

Entre partidas e chegadas, se desnuda o poema, entre humilhações e lágrimas se desenham as palavras, as odes perdidas no coração...

Pois o que importa amar, se a safira ardente no céu é apagada, vez após vez, pela mesma mão que anseias entrelaçar?

Vezes sem conta...

E esse ardente caminho, solitário, se afigura constante, instante, ardente.

Degraus e mais degraus, numa escadaria interminável, carregando o pesado coração desse desamor que magoa, tantas vezes magoa, até ao indisfarçável fim que se apresenta no horizonte.

Mas sobra a poesia...

A ardente poesia que se abeira e ressalta, numa melodia da Disney, num poema de Vinicius, num quadro de Picasso.

A ardente poesia que alimenta o desgosto, imposto, tão presente que ameaça o ausente querer de não regressar.

Que valha a pena...

Sem voltar para trás, sem olhar para trás, num infinito céu estrelado.

Pois amar, sem sentir, é demasiadamente pequeno...

Para mim.

 

 

Filipe Vaz correia

 

 

 

 

 

09
Jul20

Amor Da Minha Vida

Filipe Vaz Correia

 

 

 

D9F87758-08CB-48A2-BD03-3A05A0D5FC23.jpeg

 

 

 

Amor da minha vida

que me fazes perder o sentir

esse respirar que se suspende

que só a alma compreende.

 

Desejo o teu cheiro

em cada momento inteiro

sabor primeiro

nunca derradeiro 

e assim infinitamente.

 

Por ti vivo

e morro

suspiro e deliro

me perco e reencontro

tudo de uma só vez.

 

E de todas as vezes

sem receio

te abraço

eternamente.

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Comentários recentes

  • Anónimo

    E ainda por cima morreu William Shakespeare, o pri...

  • Carlos Marques

    Exatamente. Já para não falar do denunciante perse...

  • Filipe Vaz Correia

    Meu querido Pedro...Não contente com a mistura do ...

  • pedro

    ainda estao vivos os filhos daqueles que pela cala...

  • Filipe Vaz Correia

    Meu querido Pedro...Portanto para si o que se pass...

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts destacados

Pesquisar

Calendário

Junho 2021

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930

Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D

Em destaque no SAPO Blogs
pub