Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Caneca de Letras

Caneca de Letras

26
Nov19

As “Silenciosas” Cicatrizes Da Violência Doméstica...

Filipe Vaz Correia

 

A violência doméstica...

Após 20 anos da criação do Dia Internacional da Eliminação da Violência contra as Mulheres, tive acesso a números assustadores em relação a este tema, não só escrito em garrafais letras femininas, assim como, também em letras masculinas e infantis.

Durante este ano de 2019, já foram mortas 33 pessoas em Portugal, enquadradas neste crime de violência doméstica.

Um número aterrador, à volta de 3 pessoas por mês, na sua esmagadora maioria mulheres...

25 mulheres, 7 homens e 1 criança.

Sinceramente, observando esta triste realidade plasmada em relatos e desabafos, é impossível não pensar onde estamos a falhar enquanto sociedade e onde estarão a falhar aqueles que estando no poder devem legislar para banir este tipo de comportamentos do nosso quotidiano.

É de facto insustentável continuarmos a abrir um jornal ou ligar a televisão e assistir constantemente a um sem número de relatos, carregados de animalidade e brutalidade, onde o factor desespero deverá marcar a mente de cada um de nós.

Em muitos destes casos, os agressores estão sinalizados ou já deram sinais de potencial agressividade, no entanto, por um ou outro motivo, sejam ele de costumes ou de lei, acabam sempre por serem desvalorizados até ao dia do trágico crime.

Impera mudar as leis, mudar a visão que todos temos da sociedade em geral, penalizando de forma absolutamente impiedosa este tipo de crime, sem direito a penas suspensas ou qualquer outro tipo de desculpabilização social...

Nesta desculpabilização incluo, com lástima, as vítimas que muitas das vezes em nome do dito “amor”, por medo ou vergonha, optam por calar ou esconder, por silenciar ou atenuar o comportamento dos seus agressores, sejam eles homens ou mulheres.

Para que isso possa acontecer, é também necessário que estas vitimas possam sentir uma cobertura do Estado e da sociedade, capazes de garantir o respaldo suficiente para quem de forma corajosa se insurge contra a barbárie, física ou psicológica, perpetrada por seus algozes.

Ao ver nas ruas, mulheres e homens, recordando este dia, resolvi escrever sobre o tema, juntando assim a minha “pequena” voz, a todos aqueles que se sentem esventrados com cada morte, cada sofrimento, cada atroz violência plasmada nestes números.

É hora de se mudar mentalidades, de se gritar:

Violência... Não!

Em nome de mulheres, homens, enfim...

De todos nós.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

 

 

 

21
Jun19

Maternidades Em Part-Time...

Filipe Vaz Correia

 

Parece que irão fechar de forma rotativa, repito rotativa, as Maternidades da Grande Lisboa durante o Verão.

Onde é que está o problema?

Claro que muitos aproveitam para atacar esta medida, sem atentar à boa prática orçamental da mesma.

Em primeiro lugar a maior parte das pessoas não vai para a maternidade no verão, altura de imenso calor, sendo a  praia um lugar mais aprazível.

Em segundo lugar é absolutamente normal que o Governo aproveite este tempo de férias para organizar os custos do Estado, assim como, fazem a maior parte das famílias.

Por exemplo, em minha casa desactivo a Sport Tv, aproveitando o fim do campeonato nacional, poupando dois meses de mensalidade.

Existem jogos durante este tempo?

Sim...

Mas pouco interessantes e em pequena quantidade.

Direi até mais...

Mas quem é que resolve fazer filhos em Outubro, Novembro ou Dezembro, meses agitados profissionalmente, com fecho de contas, vendas de Natal e agitação turística.

Quem?

Por todas estas razões parece-me que existe falta de compreensão com esta medida, numa rotatividade que se aprecia e saúda.

Não existem muitos Obstetras ou Enfermeiros no SNS, dificultando a gestão hospitalar para atender tantos utentes e mesmo assim as pessoas da região de Lisboa parecem insistir em procriar...

Mas não lhes bastava o Outono, o Inverno ou a Primavera, ainda querem ter filhos no Verão.

Tenham vergonha e vão para a praia, sem gritos ou reclamações que o nosso País, não é o Pingo Doce em dia de promoções.

Tenham bebés mas com respeito ao calendário adequado para o efeito.

Combinado?

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

15
Mar19

Matanças Em Directo Ou Os Cinco Minutos De Uma Infame Fama?

Filipe Vaz Correia

 

Dois dias...

Duas matanças.

Filmadas, divulgadas, publicitadas em meios de comunicação, esventrando um pedaço da condição Humana, que sendo nossa, parece se ausentar por momentos, deixando somente a tristeza soluçar dentro de nós, esse medo maior, de um dia nos depararmos com tamanha monstruosidade.

Imagens reais, como se estivéssemos num jogo de computador, intenso horror, por entre, gemidos e disparos, gritos e sangue, ódio...

Esse arrepiante ódio, sem qualquer explicação.

Tentei evitar ver aquelas imagens, mas não consegui...

Também eu cedi, abri os olhos e deixei-me levar por aqueles instantes de desespero, tragédia, carnificina.

Nada trará aquelas vidas perdidas, aqueles sonhos que ficaram por realizar, aquelas vidas por cumprir, os sorrisos perdidos dos que morreram ou dos que ficando, com eles emocionalmente partiram.

Pais, amigos, familiares...

Nada mais tenho a escrever, somente explanar nesta Caneca de Letras, o silêncio...

O silencioso silêncio da ausente esperança que me invade, me invadiu, me amarra sem fim.

Numa escola, numa mesquita ou em qualquer outro lugar...

Mais do que o som dos disparos, tentemos ouvir o silêncio que se segue, a esperança que dali se escapa, o amargo fim da essência Humana.

Pois é somente isso que dali resulta...

O desesperante falhanço da condição Humana.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

11
Mar19

Michael Jackson: Monstro Ou Génio?

Filipe Vaz Correia

 

A HBO lançou um documentário sobre Michael Jackson e os seus alegados crimes de pedofilia...

Admito que ainda não vi o dito documentário, no entanto, não posso ignorar toda a agitação que o mesmo gerou, com reacções imediatas e estrondosas.

Rádios, personalidades, imprensa escrita, opinião pública e até os Simpsons não escaparam às ondas de choque...

Michael Jackson, há muito, que se viu acusado deste tipo de crimes ou boatos que tantas vezes assombraram o génio, na sua personna publica, porém ao invés de outros momentos, este documentário tem a credibilidade da HBO e não a de um pasquim como o News Of The World ou de outro tablóide qualquer.

Sou um admirador confesso do Artista, da sua obra, pois faço parte da geração que cresceu com a genialidade de Billie Jean, Thriller, Bad, We Are The World, Black or White, entre tantos outros êxitos que se entrelaçaram, por entre, os destinos de todos nós.

Mesmo sendo o depoimento, dos mesmos jovens que o acusaram, anteriormente em tribunal, local onde foi absolvido, o que parece sobressair deste documentário é a força da acusação, a credibilidade e crueza dos crimes imputados.

E é aqui que se contorce o jovem que fui, e se indigna o homem que sou...

É aqui que me amarra a indignação, olhando para um "monstro", ao mesmo tempo, que se recusa a aceitar o menino que tantas vezes cantou as suas músicas, ouvindo o meu Walkman, imitando passos e gestos.

De uma coisa tenho a certeza, não se pode apagar a obra genial produzida por Michael Jackson, obra essa que marca e marcará gerações e artistas, no entanto, caso sejam verdade as acusações sustentadas neste documentário, será difícil imunizar a genial obra e separar a mesma dos monstruosos pecados do seu autor.

A questão permanece...

Génio ou Monstro?

Se calhar, infelizmente, um pouco dos dois.

 

 

Filipe  Vaz Correia

 

 

25
Fev19

Os Pecados Da Igreja Católica...

Filipe Vaz Correia

 

A Igreja Católica realizou uma cimeira sobre Abusos Sexuais, dentro da Instituição.

Um tema tabu durante muitos anos, escondido, abafado, manipulado pelas mais altas instâncias do Vaticano.

Sempre fui Católico, sem dúvidas na imberbe infância e adolescência, carregado delas na vida adulta, sem deixar de buscar na essência da alma, essa esperança do querer que ainda pulsa, bate, se amarra ao devoto sentido de acreditar.

Sou Católico...

Carregado de perguntas, dúvidas, interrogações, mas crente, querendo querer, no que para lá do entendimento se encontra.

Nada resgata a ligação da Igreja com o seu "rebanho", como esta atitude próxima, Humana, umbilical, que tem caracterizado o Papado de Francisco...

Um tempo, onde se desmistifica a imagem impoluta da "Santa" Igreja, onde se encontra lugar para a verdade, mesmo que essa verdade desnude os segredos escondidos, por entre, os pecados de tantos que em nome de Deus, actuavam criminosamente.

Esta nova atitude da Igreja, plasmada nesta Cimeira sobre Abusos Sexuais, resgata de uma poeirenta forma de estar, o propósito da fé, desse querer maior, que dá sentido a uma Religião.

O tempo de Francisco, marca uma nova esperança, um novo sentir de novas Gerações, sem medo de gritar ao vento, com o vento, as fraquezas e fragilidades que pincelaram, através de vários momentos, a História da Igreja Católica,

E só assim...

Expurgando sem esconderijos, todos os pecados da "Santa" Igreja, se poderá, novamente, construir uma relação de confiança, entre aqueles que acreditam e aqueles que deveriam ser os guardiões da sagrada fé.

Expiando os pecados da Igreja Católica, o Papa Francisco poderá ter dado um passo decisivo, para a salvação dessa Instituição que tantos Milhões representa.

Num novo tempo...

Repleto de uma esperançosa vontade.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

 

17
Jan19

No Caneca Com... Jaime Bessa!

Filipe Vaz Correia

 

Antes de mais, um sucinto preâmbulo:

Começo por cumprimentar o já vasto auditório da Caneca de Letras, devo dizer que o autor deste Blog, é mais do que um irmão para mim e todo o sucesso e adesão que a sua escrita tem suscitado são motivo de grande orgulho e zero surpresa.

Admiro-me que corra o risco de colocar todo esse trajecto de sucesso em causa, ao convidar-me para escrever, vou dar o meu melhor, aqui vai.

Decidi escrever sobre o Fortnite, um vídeo-jogo que está a tomar o mundo de assalto; que todas as crianças conhecem ou ouviram falar e para a maioria das que jogam (pelo menos até atingirem a puberdade) é certamente o tema mais importante e interessante das suas vidas. Por isso, e por ser um tema que certamente a maioria já ouviu falar mas que nem sabe bem do que se trata, resolvi escrever sobre isso.

O Fortnite battle royale foi lançado a 26 de Setembro de 2017, em Dezembro desse mesmo ano já tinha 30 Milhões de jogadores registados, acabou o mês de Janeiro de 2018 com 45M, em Junho 125M e em Novembro de 2018 já ultrapassavam os 200 Milhões de jogadores e este número continua a aumentar. ( cit. in. https://www.statista.com/statistics/746230/fortnite-players/).

O jogo por si só, apesar de ser grátis já facturou 2 Mil Milhões de dólares para a Epic Games, a empresa que o criou, já gerou celebridades, notícias, torneios de milhões de dólares, convidados de talk shows... Enfim um sucesso esmagador a todos os níveis.

Porque é que o jogo tem tanto sucesso?

1. Acessibilidade. É um jogo que pode ser jogado, num computador, num telemóvel, tablet, playstation, nintendo, xbox, switch, etc... Enfim qualquer dispositivo com um monitor e ligação à internet pode correr este jogo.

2. O preço; custa zero. O jogo é absolutamente grátis, sem truques nem ofertas de 30 dias que depois começam a ser cobradas sem o utilizador se dar conta. Pode de facto gastar-se dinheiro no jogo mas é completamente opcional e não é condição para jogar.

3. O conceito, 100 jogadores num autocarro que sobrevoa uma ilha gigantesca, cada jogador decide quando quer saltar do autocarro e iniciar a sua longa queda livre até ao solo firme da ilha. Cá em baixo, no terreno de guerra, começa uma busca frenética por armas e recursos, tudo o que possa dar uma vantagem em relação aos outros jogadores. A ilha está cercada por uma mortífera tempestade que lentamente drena o hp ( hit points, vulgo tira a vida ) aos jogadores que são apanhados nela, a tempestade vai aumentando e à medida que o tempo vai passando e como tal a área útil de jogo diminui, por isso os confrontos serão inevitáveis. Isto é o Battle Royalle.

Battle Royale é um conceito popularizado em 2000 por um filme homónimo Japonês. Basicamente significa uma luta até à morte onde só um sobrevive.

Não parece emocionante?

4. A jogabilidade. Depois de carregar no botão para iniciar o jogo, somos levados para um lobby, um sítio onde os jogadores se encontram e aguardam até estarem 100 elementos. Depois temos um breve ecrã de "loading" et voilá, começa a aventura. Os comandos são simples e intuitivos. Os gráficos coloridos e até infantis. A grande novidade do Fortnite é que os jogadores conseguem construir estruturas em tempo real, o que lhes dá uma liberdade muito grande e quanto a mim este é o segredo que seduz a nova geração. A liberdade que a construção de estruturas dá aos jogadores, em que parece que o único limite é a imaginação, por isto todos os dias alguém faz algo que nunca foi feito antes e 200 Milhões de jogadores querem saber o que é. Por isso existem tantos vídeos no Youtube e semelhantes.

5. A vida. O Fortnite BR é um jogo cheio de vida, tem luzes, cores e danças já famosas que são reproduzidas já em todos os casamentos, (se foi a algum casamento em 2018 já viu ou até dançou esta música). Os criadores do jogo estão sempre a lançar actualizações (média de duas por semana) em que mudam aspectos secundários do jogo (acrescentam veículos como carros, motas e aviões, mudam armas, alteram localizações, etc...) o jogo está sempre de cara nova, e tem sempre qualquer coisa nova. Os youtubers e streamers estão constantemente a fazer vídeos deste jogo, t-shirts e todo o tipo de merchandising, o Fortnite é mais do que um jogo é pop culture.

Devo deixar os meus filhos jogar Fortnite?

Claro que sim! Mas se está a aprender como educar os seus filhos em Blogs (por muito bons que sejam) deve entregá-los para adopção.

O jogo é violento demais para crianças pequenas?

Não de maneira nenhuma. Parecem desenhos animados infantis. Argumento até que são muito estimulantes e se a criança estiver acompanhada e o tempo de jogo for moderado, o Fortnite é um excelente fornecedor de estímulos e competências sociais pois também pode ser jogado em equipas de 2 e 4 pessoas.

Vou parecer mais "fixe" aos olhos dos mais pequenos se souber coisas deste jogo?

Sem dúvida nenhuma.

Experimente dizer ao seu filho/sobrinho/etc.:

 

"Gostas mais de cair em tilted towers ou lonely lodge? "

( Se ele responder a primeira é um jogador agressivo e confiante se responder a segunda é mais cauteloso e prudente.)

O que é que preferes, 3 minis ou um gordo?

(tipo de shields no jogo, os pro players preferem 3 minis)

Já fizeste algum no scope?

(matar de sniper sem mira, só para os melhores)

O Ninja não é tão bom como o Tfue.

(dois dos streamers/youtube mais famosos do momento)

 

Há muito mais a dizer, mas ficarei por aqui. Quaisquer dúvidas que surjam, comentem à vontade, sou frequentador assíduo deste espaço e responderei a todos o melhor que puder.

Termino com um agradecimento muito grande, ao meu grande amigo pelo convite e com uma pequena curiosidade que sei que vai ser muito apreciada. Tim Sweeney, CEO da EPIC games, criadora do jogo, já comprou milhares de hectares na Floresta Amazónia com o único objectivo de a preservar e manter intacta.

Respect.

 

Jaime Bessa

Cinéfilo, Cambista, Psicólogo e Jogador de Fortnite.

 

 

 

18
Out18

Crianças, Avós E A Singela Imbecilidade...

Filipe Vaz Correia

 

A que ponto chegámos enquanto Sociedade?

No programa Prós e Contras da RTP, por entre, a discussão do movimento MeToo e das consequências do assédio sexual nos dias que correm, assistimos a uma afirmação de um Professor Universitário...

" Obrigar uma criança a dar beijinhos aos Avós é uma forma de educar para a violência."

Desculpe?

Pensei estupidamente.

Será possível?

O dito Professor, Daniel Cardoso, conhecido por defender o poliamor, uma forma tão nobre de amar como outra qualquer, defende ainda que usar o poder dos Pais para obrigar uma criança a dar um beijinho aos seus Avós, serve para incentivar uma falta de controlo do seu corpo perante o poder de alguém que lhe é superior.

Ou seja, fomenta a repressão do direito de dizer não.

Não podia discordar mais...

Obrigar as "criancinhas" a dar um beijinho aos seus Avós, queiram ou não, é um gesto de educação básica, uma elementar forma de educar e bem.

Respeitando ou não a sua vontade mas essencialmente impondo regras e princípios que os nortearão para o resto das suas vidas.

Este tipo de ideólogos e valores têm criado uma mistura explosiva que poderá contribuir, na minha opinião, para a criação de uma Sociedade mais individualista, selvagem e egoísta.

Uma forma desresponsabilizada de educar.

Qualquer dia, um Pai ou uma Mãe, terá de pedir permissão ao seu filho, para corrigir alguma das suas vontades, transformando as criancinhas em tutores do seu destino, desde o dia em que nascem.

É uma roda livre no pensamento educativo, diluindo-se o poder "Paternal"  versus a vontade da criança.

Imagino, somente por um momento, dizer ao meu Pai que não queria dar um beijinho à minha "querida" Avó, imaginando, arrepiado, a forma educativa como demonstraria onde iria encaixar a minha mal-criada atitude.

Lá está...

Isso nunca me passaria pela cabeça.

No entanto, na opinião deste "professor", devo ter sido educado para a violência...

A boçal violência de ter que ouvir tamanha barbaridade.

Haja paciência.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

11
Out18

Sumário: Meninos Ou Meninas?

Filipe Vaz Correia

 

Uma escola do Porto resolveu questionar os seus alunos de 9 e 10 anos sobre a sua preferência sexual...

Se gostavam mais de meninos ou meninas?

Ou talvez dos dois...

Inacreditável!

Numa Era onde estamos sistematicamente expostos entre o radicalismo populista e o extremismo do politicamente correcto, sobram-nos casos e mais casos que deixam estupefacta a mais esperançada das almas, com a tamanha e infinita estupidez.

Questionar alunos sobre a sua sexualidade, já de si poderá ser uma medida discutível, mas nestas idades que servem aqui de amostra, torna-se ainda mais incompreensível e até diria inaceitável.

O que responderá uma criança, nesta idade, a um questionário destes?

Menino? Menina? Os dois?

A sério?

Se calhar poderiam por mais uns quadrados como hipóteses:

Playstation, Bola de Futebol, Ipad, Patinagem, Bonecas, Tennis, etc...

Até aposto que seria um destes o vencedor.

Sinceramente, parece que por vezes nessa busca de um imaculado ou estranho sentido de perfeição, as pessoas perdem o bom-senso, a capacidade para encontrar o equilíbrio.

A quem elaborou este inquérito, importa explicar que o mesmo não faz qualquer sentido, essencialmente pela tenra idade dos inquiridos.

No entanto, o Ministério da Educação não pode ficar silenciado, sem nada dizer, numa matéria que evidentemente lhe pertence.

Engraçado seria que alguma destas crianças tivesse o discernimento e a maturidade, coisa que ainda não é justo se lhes exigir, para escrever:

Metam-se na vossa vida!

Teria sido extraordinário.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

20
Jun18

Donald Trump: Os "Direitos" Desumanos De Um Populista...

Filipe Vaz Correia

 

Direitos Humanos?

Não são Humanos, são imigrantes ilegais...

Deve ser esse o pensamento da actual Administração Trump, deste tipo de "raciocínio", peço perdão à palavra, que sustenta todo o ideal desta política Norte-Americana.

Não existem frases ou pensamentos que possam descrever o sentimento inerente às imagens passadas nos canais televisivos, com aquelas crianças retiradas de seus Pais, enjauladas, numa mistura entre um campo de concentração e um tortuoso jardim zoológico.

Nada me surpreende vindo de quem vem, das almas embrutecidas e incapazes que gerem os destinos dessa grande Nação que é os Estados Unidos da América...

Mas por mais que se possa esperar de tudo, desta tirana boçalidade em forma de Presidente, não dói menos cada grito de uma daquelas crianças, não arrepia menos o imaginar daqueles Pais, não revolta menos esta espécie de indigência moral que parece ter tomado conta de alguns lideres políticos.

Parece que os Estados Unidos ameaçam abandonar o Conselho dos Direitos Humanos das Nações Unidas...

Alguém deve alertar a Administração Trump que isso apenas se tratará de uma mera formalidade, pois em parte alguma do Globo, em mente alguma das almas que habitam este planeta, poderá surgir algum equivoco sobre isso...

Há muito que esta Administração abandonou os Direitos Humanos ou qualquer coisa que se pudesse assemelhar a tais princípios.

Trump, certamente, justificará estas medidas com a culpa de outros, com a criminalidade, com factores que não podem ser controlados, num desvario de mentiras próprias de um psicopata, populista e demagogo.

Senti vergonha ao ver as imagens, ao escutar as vozes daqueles meninos, ao sentir a impotência que os deverá invadir, assim como, o desespero de seus Pais.

Um País tem de ter as suas fronteiras, não podendo como se deve compreender aceitar a entrada de todos aqueles que por uma ou outra razão para lá se queiram deslocar, no entanto, chegar a este ponto de desumanidade, de grotesca maldade, é um pouco como esventrar a essência Humana de todos nós.

Nada sobreviverá a este tipo de pensamento, de conflito permanente, despido de valores e nobreza...

Naquelas jaulas, aprisionada está toda a Humanidade, todos aqueles que se apelidam de gente de bem, num sofrimento gritante muito para lá de qualquer imaginação.

Que vergonha!!!

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

14
Abr18

Meu Caro José Diogo Quintela...

Filipe Vaz Correia

 

Meu caro José Diogo Quintela é com tristeza que lhe escrevo, não por si, mas essencialmente pelas enormidades explanadas em seu texto e que o tornaram na chocante realidade de uma singela estupidez...

O seu texto denominado Oncolamúrias é um pedaço de insensibilidade, misturada com a arrogante presunção de julgar algo, absolutamente inimaginável.

O topete demonstrado por si, julgando a indignação desses Pais que vendo os seus filhos de tenra idade, prostrados em corredores de um Hospital, lutando pela vida em condições inaceitáveis, enquanto ingerem doses de quimioterapia, numa última esperança de se amarrarem a esse destino que lhes sobrou, soluça esta minha escrita incapaz de verbalizar a tamanha incredibilidade que me assola.

Reportar as mortes de Crianças nos bombardeamentos químicos na Síria, como ponto de comparação com este caso, não respeita nem a memória desses mártires, nem tem em consideração a dor e o sofrimento destas Crianças e Pais que agonizam nos corredores do dito hospital.

Será que poderemos falar de Lares que maltratam e deixam velhos subnutridos, quando em África, tantos e tantos, morrem sem comida?

Será que poderemos falar em violação, quando em vários Países, esse casos são flagrantemente sentidos, numa escala maior do que neste nosso País?

Será?

A crónica de José Diogo Quintela é, na minha opinião, absolutamente fedorenta, mesmo nauseabunda, desrespeitadora da mais básica expressão da solidariedade Humana.

Já aqui escrevi, vezes sem conta, o que me vai na alma quando o assunto é o drama Sírio, o massacre constante a que estão sujeitos Velhos e Novos, Pais e Filhos, enfim gente...

Já aqui gritei, através da tinta soletrada pelas  minhas palavras, o horror que se vive na Síria, no entanto, não posso aceitar que esse argumento seja utilizado para menosprezar a dor imensa a que devem estar sujeitos, aqueles meninos e meninas, combatentes nessa batalha pelas suas vidas, contra o cancro.

Não existe comparação...

Nem tem de haver.

Por isso e como gosto pouco de almas fedorentas, mentes tacanhamente dispostas a tudo por um punhado de polémica, distancio-me desse texto, desejando apenas que o seu autor nunca tenha de estar num corredor de Hospital, com um filho seu, guardando em si o desespero de tamanha luta.

Quanto a mim, sobra-me indignação para poder escrever sobre os dois temas, com a mesma revolta e sem senãos...

Sem hesitações em criticar o inaceitável.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Comentários recentes

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Calendário

Dezembro 2019

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D