Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Caneca de Letras

Caneca de Letras

02
Set20

Afinal... Os Veterinários É Que Sabem!

Filipe Vaz Correia

 

 

 

A6F6BF6D-9919-43CF-8359-C5F200877F85.jpeg

 

Parece que o que está a dar são Veterinários...

Está percebido porque razão andamos todos perdidos, sem pé, nesta crise pandémica que nos tem aprisionado a este pesadelo.

Os Países, toda a comunidade, têm apostado as suas fichas em médicos, cientistas, investigadores em geral para combater o Covid-19...

Errado.

Veterinários...

A solução são os veterinários pois esses estarão mais habilitados a coordenar e compreender esta indecifrável doença.

Jair Bolsonaro e a sua equipa Ministerial descobriu a solução que nos guiará à mirifica cura e que nos salvará.

Obrigado "Brasil".

Agora é só esperar para perceber se ficam por aqui ou lentamente Bolsonaro não ordenará a substituição, em todas as especialidades, de médicos por veterinários.

Pensando bem...

Bolsonaro conhece bem aqueles que nele votaram...

A tristeza é para os outros.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

01
Jul20

“Desconfinamento Selvagem”

Filipe Vaz Correia

 

 

 

8209F391-B32C-42E3-ACAF-12E0D40D0508.jpeg

 

Vivemos tempos difíceis, não só Portugal mas o mundo, por entre esta pandemia que insiste em nos amarrar a uma crise sem precedentes.

Durante estes meses, não me inibi de elogiar a postura do Governo Português, as suas primeiras medidas neste combater ao Covid-19, desde o Confinamento, a consciencialização da população, determinação inicial de apoio à economia.

Tantos foram esses momentos neste ciclo pandémico que trouxe incerteza e desconhecimento, diante da doença, receio e fantasmas de uma recessão descontrolada.

No entanto, no fim de Maio, o Governo Português optou pelo desconfinamento da população, parcial diziam uns, com cuidados reforçados diziam outros, num gesto carregado de confiança, naquele que havia sido designado o milagre Português.

Correu mal...

Correu mal, simplesmente, porque em nenhum caso fomos um milagre, mas sim o resultado de um confinamento, em alguns casos voluntário, que nos permitia ter a doença controlada mas não extinta.

Ao não controlar a construção civil, não acautelar as condições nos transportes públicos, principalmente os que entravam na cidade de Lisboa vindos das periferias, o Governo foi deixando correr uma situação que ameaçava ser de difícil resolução.

Aliando a estes factos as selvagens atitudes de algumas camadas da Sociedade, demonstradas numa jovial falta de responsabilidade, entrámos nesta nova fase de Pandemia como se esta jamais tivesse existido, caminhando "estupidamente" para uma situação de total irresponsabilidade.

De Governantes e governados.

E a economia?

Claro que isso é algo que me preocupa de sobremaneira, sendo esse o atenuante para aqueles que têm de decidir e arriscar neste inédito palco.

Em um ponto acompanho o Governo Português diante de alguns hipócritas, que estando em igual ou pior situação, nos apontam o dedo no panorama internacional.

Países que não testam, não podem ter novos casos, a não ser que quem se sinta mal se dirigia a um hospital, países que não registam mortos durante duas semanas, Viva a Espanha, não podem ter vítimas de Covid durante esse período.

Isto é factual e na minha opinião factor de credibilidade para o nosso Governo e nossas instituições.

Enfim...

Este desconfinamento trouxe trapalhada e tropeços, sendo que ainda vamos a tempo de arrepiar caminho.

Reforçar as redes de transportes, aumentar as penas e multas para quem transgride as regras sociais, fiscalizar empresas garantindo o cumprimento das regras sanitárias no trabalho, construir equipas que possam percorrer o País numa campanha de consciencialização das gentes.

Talvez com todos os elementos coordenados seja possível recuperar o que se perdeu nos últimos tempos.

Para o bem deste nosso Portugal.

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

 

 

03
Jun20

Quo Vadis, Economia Portuguesa?

Filipe Vaz Correia

 

 

BD5411D2-0B49-47A3-8F14-6D70EFA3B160.jpeg

 

 

No sub-solo do Covid-19 se esconde um terramoto anunciado, uma espécie de devastação encoberta por medidas de teletrabalho e Lay-Off.

A Economia, sempre ela, acabará por surgir como tema central, lá mais para a frente, quando os sinais da Pandemia estiverem definitivamente controlados e observarmos o País com metade das empresas, micro e médias, que existiam antes deste tempo confinamento.

Restaurantes, Hotéis, empresas de retalho ou outro tipo de negócios estão a ser postos à prova numa dura competição que arrastará para a pobreza milhares de famílias.

Este plano da U.E., que se prepara para injectar Biliões de Euros na Economia Europeia, se este plano for aprovado pelo Parlamento Europeu, poderá ser a única esperança para evitar uma tragédia de proporções Bíblicas.

Por isso urge ter a noção da responsabilidade e do rigor que será necessário, não só na distribuição destes recursos, mas também na explicação do plano que o Governo irá desenhar para poder ajudar a reconstruir a nossa Economia.

O esforço que está a ser pedido a empresários e trabalhadores não irá terminar com o suposto regresso à normalidade, pois é de antemão sabido que as pessoas, logo o consumo interno, não irá responder, como antigamente acontecia aos estímulos consumistas que serviam de base, ano após ano, ao aumento do PIB nacional...

Mesmo no campo das exportações, onde entrava o sector do Turismo, deveremos demorar pelo menos um a dois anos a recuperar as taxas anteriores ao Covid.

Neste caso específico, o Turismo, talvez agora todos possam compreender a importância deste sector numa Economia com pouca produção Nacional e que assentou a sua transformação Económica, desde os anos 90, no sector dos serviços, abandonando sectores tradicionais e que agora poderiam ser de importância capital.

Não sei se será através da contratação de um Gestor fora do Governo, medida um pouco estranha, porém tudo estará dependente dos resultados das medidas e dos parâmetros Económicos que destas decisões derivem.

De uma coisa estou convicto, viveremos tempos de desafio e neles estará presente o perigo inerente à demagógica vontade de alguns...

Se falharmos no plano de recuperação para o País, se não lhe conferirmos seriedade e rigor, estaremos sempre mais perto do populismo inerente ao desespero das pessoas.

O bem estar e progresso dos cidadãos, enquanto sociedade,  é o que confere valor ao ideal Democrático, sendo que esse caminho só poderá ser realizado com crescimento Económico e perspectivas de futuro.

Por estas razões, importa olhar para este tempo compreendendo o anseio das pessoas, buscando sempre a credibilização das nossas Instituições.

Só assim poderemos pensar o País com optimismo.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

29
Abr20

Como Tenho Saudades De Um Abraço...

Filipe Vaz Correia

2BA0385B-202B-4AA2-A17A-9757AD5E8473.jpeg

 

Estou cansado desta quarentena...

Não estaremos todos nós?

Ontem voltei à rua, como faço sempre, para a minha caminhada, passeio higiénico dizem os entendidos, e fiquei estupefacto com o movimento que encontrei em plena Avenida da República.

Nesta viagem quotidiana que serve de escape mental para a minha alma, redesenhei o movimentar das gentes, o que tinham sido os últimos tempos e o que encontrei diante de mim...

Um sentimento de libertação parece estar a invadir as pessoas, por entre, os decretos de "milagre" e os desejos de soltura.

Isto é capaz de dar asneira.

Durante a noite, no jornal da TVI 24, um conjunto de empresários se dispôs a dar o seu ponto de vista sobre esse futuro que chega, que se vislumbra...

Restauração, motoristas, cabeleireiros...

Que tristes tempos estes.

Patrícia Piloto, dona dos Cabeleireiros Lúcia Piloto, alertava para as regras de segurança que iria impor, e bem, num misto de segurança e filme de ficção científica...

Os profissionais do seu salão estarão de máscara, viseira, luvas e desinfectante, tudo por cliente, numa segurança máxima de fazer inveja a qualquer prisão.

E deve ser assim?

Deve.

Mas não pude deixar de constatar a tristeza, entre esse manancial de regras e parafernália necessária para uma senhora ir pintar o cabelo ou um senhor ir cortar o cabelo...

Onde se esconderam os Humanos?

No seu medo, no nosso modo de sobrevivência, que nos assegura a forma de respirar, de manter a cabeça à tona de água, buscando a solução para manter os seus negócios e ao mesmo tempo garantir a chancela "livres de Covid" aos seus clientes.

Mas perdemos um pouco de nós?

Perdemos...

Indesmentívelmente este futuro pelo qual lutamos será desprovido de toque e sentir, mais vazio e oco do que aquele a que estávamos habituados.

No restaurante ou no cabeleireiro, sentiremos todos um pedaço daquilo que sentiu o ET quando a casa dos seus anfitriões foi invadida pelos astronautas da Cia ou Nasa...

Máscaras, fatos, luvas e mais acessórios necessários.

Triste...

Mas vital.

Quem se imagina neste quadro de ficção?

Quem será capaz de viver o momento sem verter uma lágrima em nome da nossa antiga realidade?

Como tenho saudades de um abraço...

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

21
Abr20

O Regresso Da Telescola...

Filipe Vaz Correia

 

Telescola...

Ontem, sentado no sofá da sala, assisti a uma aula de História, na RTP Memória, nesse viajar pelo tempo, por entre o tempo, através do tempo.

Parecia que de repente estava outra vez nos anos 80, anos da minha terna infância, viajando em toda a velocidade pelas trauteadas palavras da senhora Professora.

Incrível.

Gostei imenso, muito mais do que imaginaria se alguém me contasse que isto voltaria a acontecer, que esta realidade seria imposta e vivida por todos nós.

Aliás, se alguém me desse um roteiro com este guião, eu rapidamente o desqualificaria, rejeitaria, pelo singelo absurdo de descrever um cenário absolutamente inverosímil.

A realidade, de facto, é mais surpreendente do que qualquer ficção, vai muito para além do que a imaginação consegue absorver e alcançar.

Mas voltemos à Telescola:

Gostei imenso...

Sinceramente, gostei mais da aula de História do que a de Espanhol, foram as que vi, talvez pela intensidade da Professora de História, menos nervosa e mais enérgica, pelo menos aparentava esse menor nervosismo.

Aqui estou eu a divagar, escrevendo noite adentro, voando por entre temas, esvoaçando por entre as palavras que me escapam...

O tema da aula, julgo que 8ºano, era o Rei Sol, Luís XIV, o seu poder desmedido, a sua influência nas Artes e na Igreja, na Corte e no Povo.

Os meus parabéns para todos os professores que se entregam por estes dias, tentando chegar aos seus alunos, seja através das redes sociais ou pela Telescola.

Muito Obrigado.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

17
Abr20

O Medo Que Alimenta Os Ignorantes (Ou Vice Versa)

Filipe Vaz Correia

 

Neste dia descobri que num qualquer prédio em Espanha, uma médica viu o seu carro vandalizado pelos seus vizinhos, pelo singelo facto de ir a casa após as suas horas de trabalho, na linha da frente desta batalha...

"Rata Contagiosa"

Foram estas as palavras que foram escritas no carro da médica, na garagem do seu prédio, por um ou mais medíocres que apoderados pelo medo e pela sua ignorância, extravasaram assim o reflexo da sua pequenez.

Não é o primeiro caso e não será, infelizmente, o último.

Desde a jovem que trabalha nos supermercados até aos médicos que lutam por todos nós, este egoísmo em forma de barbaridade, transparece um pedaço dos Homens que habitam entre nós, Sociedade, e que em momentos como este revelam a essência de suas almas.

Parece que estes casos têm aumentado por terras Espanholas, não sendo atitudes exclusivas de "neutros hermanos", mas que definem, sem hesitação, a grande epidemia que se esconde em tempos como este...

A ignorância e mesquinhez de alguns.

Que atitude esperar de gente como estes vizinhos, se por alguma razão se instalar a ideia que os velhos serão, ainda mais, potenciais factores de risco?

Para eles mesmos e para os outros?

Neste prédio, na impunidade de uma qualquer reunião de condomínio, certamente se aprovaria que fossem prontamente despejados e se por acaso levantassem objecções, medidas mais severas se poderiam implementar.

O mundo avança, felizmente, com muitos casos que contrariam estes episódios, esta miséria cobarde que amiúde nos invade através destes relatos carregados de tristeza e surrealismo.

Num dia em que desapareceram Rubem Fonseca e Luís Sepúlveda, quando a beleza da escrita e da cortante imaginação fica mais pobre, convém acentuar o perigo da ignorância, da boçalidade encapotada, nos gestos de poucos mas disfarçadamente submersa na tímida vontade de muitos.

Convém não esquecer...

 

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

 

16
Abr20

As Trincheiras Do Covid-19... (Desabafos Poéticos)

Filipe Vaz Correia

 

Não te escondas de mim futuro, entrelaçado medo que percorre minhas veias, numa escuridão tão imensa como o bater da alma, desnudada, perdida...

No meio destes corredores o pânico, ao mesmo tempo que se sente o querer de todos, de todos aqueles que lutam, desesperadamente lutam, por resgatar dos mortos, vidas, rostos, gente.

Nos olhos a pressa, essa corrida contra o tempo, num tempo desconhecido em terra de ninguém, onde alguém solitariamente olha em volta, sem volta, à volta.

Sento-me num pedaço de colchão num recanto de nada, porque neste caso um nada pode ser tudo, esse todo de um tudo que se transforma em vazio, num frio que percorre a espinha, num arrepio imenso, tão intenso como gélido.

Não consigo pedir, orar...

Não consigo rezar por entre as lágrimas de sangue amarradas a este filme.

Nada é profundamente Humano quando nos confrontamos com a morte, nada é Humanamente maior do que esse moribundo momento, no calafrio dos números, numerosos amontoados de horror.

Corredores e mais corredores, máscaras e máscaras, rostos tapados, vozes ao longe...

No que nos transformámos?

O que nos sobrou nesse inferno que nos chegou, por entre, dias e meses inverosímeis?

Somos gente...

Somos alma...

Somos nada.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

15
Abr20

Mortos... Recuperados... Estupidez!

Filipe Vaz Correia

 

Os Mortos, os recuperados, a imbecilidade maior que nos chega por estes tempos.

Como explicar a Conferência de Imprensa do Presidente do Chile, onde explica que os mortos entram para as estatísticas dos recuperados pois estes já não contaminam ninguém.

Pois claro!

Não contaminam ninguém, não matam ninguém, não assaltam ninguém, não violentam ninguém...

Enfim, só contam para o lado bom das estatísticas.

Só um pormenor...

Estão mortos!

Isto teria tudo para ser risível, um pedaço de humor em qualquer horário nobre de uma televisão, um trecho engraçado num filme, uma passagem genial de uma peça de teatro...

Mas não...

É a dura e triste realidade.

Ao mesmo tempo que escrevo estas linhas, vejo a novidade de Trump...

O término da contribuição Americana para a Organização Mundial de Saúde, num gesto que busca justificar a sua própria incompetência, avalizar as "trapalhices" realizadas pela sua Administração.

Que momento tão interessante para suspender o envio de dinheiro para a OMS.

Estupidez...

Estupidez...

Estupidez!

Parece que é o que não falta.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

14
Abr20

Avé Maria

Filipe Vaz Correia

 

Amarga amargura que te moldas em mágoas,

palavras separadas em tempos de tristeza,

sábias e cicatrizadas feridas que não calam,

marcam compassadamente os mortos,

os rostos apagados, esquecidos, remarcados,

por entre lágrimas secas de outrora,

no alto mar tempestuoso de uma vida,

tantas vidas redesenhadas.

 

No meio da dor,

essa espécie de orfandade de sentimentos,

sobrevive a angustiada expressão incógnita,

esse ardor desesperado numa mistura,

mescla ardente do vazio que sobra,

transborda em prantos,

por todos os recantos da Humanidade.

 

Já não sei escrever, expressar por palavras a confusa obliquidade,

esse adeus profundo a uma realidade,

que desvaneceu.

 

Oiço ao longe o ressoar daquela voz,

solitariamente só na Catedral Duomo,

na Praça de São Pedro,

nas ruas deste mundo despido,

desnudado, ferido.

 

Avé Maria...

 

Avé Maria...

 

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Comentários recentes

  • BC

    ….

  • Filipe Vaz Correia

    Minha querida BC...Como gosto de sentir o carinho ...

  • Filipe Vaz Correia

    Minha querida BC...Obrigado.Um beijinho imenso

  • BC

    ohhhh… "Porque o mundo é meu; Mas o meu mundo… És ...

  • BC

    Tenho olhado para elas todos os dias de manhã… que...

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Calendário

Outubro 2020

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D