Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Caneca de Letras

Caneca de Letras

28
Out19

As “Claques” Que O Deixaram De Ser...

Filipe Vaz Correia

 

Nasci em 1977, um ano depois da fundação da Juventude Leonina, o que faz com que não conheça outro rosto do “velho” Leão, a não ser aquele marcadamente representado por aqueles jovens que acompanhavam a equipa para todo o lado.

Não me recordo do “meu” Sporting sem a Juve Leo, nem um jogo sem o calor dos seus gritos, o ecoar das suas canções, melodias essas que saltavam do campo, pulavam o estádio, ultrapassavam qualquer limite, para tomarem conta do pensamento no dia a dia, no mais profundo sonho de um eterno Leão.

Desde a minha tenra idade habituei-me a olhar para a Juventude Leonina com tremendo carinho e admiração...

Mas tudo mudou!

E não sejamos hipócritas, não mudou há um ano, nem dois, nem com um ou dois Presidentes...

A Juve Leo mudou há muito tempo atrás.

A claque, outrora a alma que puxava pela equipa, transformou-se num grupo de arruaceiros, jovens de péssimo aspecto envolvidos em tráfico de droga, roubos ou outra espécie de crime e que muitas vezes serviam de brigada armada do clube, ao serviço de interesses, capazes de atormentar, ameaçar e chantagear todos aqueles que não cumprissem com as suas vontades e desejos.

Fizeram reféns Presidentes e direcções, treinadores e jogadores, até adeptos receosos de confrontar este tipo de “Gang”.

Esta é a mais pura das verdades.

Ainda me recordo quando no final de uma partida, João Moutinho e Miguel Veloso se aproximaram da bancada sul para entregar as suas camisolas, provocando uma reacção indescritível por parte daqueles bouçais que se intitulavam de “claque”...

Cuspiram-lhes em cima, atiraram as camisolas para o fosso, enquanto, gritavam os mais aberrantes impropérios.

Naquele momento, dois pensamentos invadiram a minha alma:

O primeiro foi que no lugar daqueles rapazes, sendo Sportinguista desde o dia em que nasci, teria me ido embora do clube na hora...

Sem olhar para trás.

E o segundo pensamento foi o de perceber o quanto o Miguel Veloso “amava” o seu Sporting.

Veloso desceu as escadas do relvado e ao invés de ir para o balneário, dirigiu-se ao fosso, mesmo por de baixo daqueles animais que se entretinham a cuspir para cima de si, num gesto que me emocionou e constrangeu...

Tudo isso “somente” para resgatar a sua camisola.

Não deixou ali caída, abandonada, a camisola do SCP que tinha entregue àqueles animais.

Meus caros amigos, guardo da Juve Leo e do seu papel no apoio ao Sporting Clube de Portugal, a melhor das memórias, alguns dos melhores momentos de minha vida, em que sorri, chorei ou sonhei com as suas musicas, através dos seus gritos, amarrado às suas vozes que se tornavam nas vozes de todos nós, no entanto, a Juve que aqui descrevi já não existe, há muito, sucumbida às mãos de meliantes e criminosos, parasitas e drogados.

Não me representam...

Não representam o meu Sporting Clube de Portugal, nem os valores que o fundaram.

Assim acompanho, com o maior dos gostos, o Presidente Frederico Varandas neste gesto de coragem e bravura, de decência e sabedoria, mesmo que os ventos o derrubem ou que esta medida possa não ser a que lhe fosse mais aconselhada.

Por uma vez teríamos de concordar...

Caro Frederico, fico feliz que tenha sido desta.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

01
Ago19

Alcochete: Os Dias E Noites De Um Julgamento Anunciado...

Filipe Vaz Correia

 

O juiz de instrução do caso de Alcochete resolveu enviar para julgamento os 44 arguidos presentes no processo.

Nada que espante ou indigne esta Caneca de Letras com alma Leonina.

Sei que muitas vozes se levantarão indignadas com a classificação de “terrorismo” ou com as medidas de coação presentes em todo o processo, até este momento...

No entanto, sendo sincero, julgo que a gravidade dos acontecimentos, assim como o tipo de ambiente que circundava aquela organização criminosa, vulgo claques, acrescida do perfil paranóico  do suposto mandante, justificou todas as cautelas interligadas a este caso.

O Sporting, há muito, enredado nesta teia de selvajaria e interesses, vê assim mais uma etapa deste seu calvário prosseguir, mais um passo neste caminho que expõe tudo o que subsistia no subsolo Brunista, aquela mescla “Gestapiana” que ameaçava e aterrorizava todos os não alinhados.

Basta, aliás, observar as intervenções dos advogados, quase todos num estilo arruaceiro/provocador, para compreendermos muito do perfil “totalitarista” que serviu de base ao anterior poder Leonino, assim como, a lógica de “milícia” presente naqueles que cumpriram as ordens no dia da invasão a Alcochete.

Não perderei muito tempo com a tipologia do crime, com a certeza das acusações, pois o julgamento servirá para isso e para quem tem a competência de julgar afirmar a sua sentença, porém, não poderei deixar de expressar, como cidadão, como Sportinguista...

A minha imensa esperança de que a Justiça seja intransigente com este crime e consequentes envolvidos, sejam eles mandantes ou executantes.

Sem dó, nem piedade!

Nem que seja para servir de exemplo a futuras tentações de iguais “selvagens” ou futuros tiranos.

Viva o Sporting.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

03
Nov18

Frederico Varandas: As Palavras De "Barbini"...

Filipe Vaz Correia

 

" O Homem me ouve a toda a hora, quer que esteja dentro do Sporting para comandar o Clube, quer que esteja sempre ao lado dele..."

" No dia que me descartar é o dia em quem ele cai..." 

São palavras do Pedro "Barbini" e que levaram à sua queda, formal... 

Mas depois do jogo com o Estoril, o peso que os assobios das claques parecem ter tido na decisão Presidencial, mesmo sem ter um plano de recurso estudado, não podemos esquecer estas palavras.

E quem caiu foi Peseiro.

Porém, depois desta derrota do Benfica, a decisão do Presidente do Sporting ganha mais interrogações...

Será que quem caiu, não foi o Presidente Varandas, à mercê dos aconselhamentos de um qualquer "Barbini"?

Veremos...

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

25
Jul18

As Dívidas Da Juve Leo...

Filipe Vaz Correia

 

A Juventude Leonina deve um milhão de euros ao Sporting Clube Portugal...

Isto existem injustiças intoleráveis.

Então este grupo de meninos travessos, sempre dispostos a acompanhar o seu líder, gritando e vociferando as palavras de ordem escritas no gabinete Presidencial, qual guarda pretoriana de um ditador Romano...

"Perdão a todos os ditadores desse império que tanto marcou a História Mundial."

Então mesmo depois de perseguições em nome da Nação Bruniana, dos uivos permanentes louvando o "pequeno líder", mesmo depois das esperas a Rui Patrício na garagem do Estádio de Alvalade, das tochas contra o guarda-redes Leonino, no jogo com o Benfica no "nosso" Estádio, da invasão a Alcochete para um "Tau tau" aos jogadores...

Mesmo assim ninguém lhes perdoou essa singela quantia?

Um milhão de euros não davam para pagar uma perna do Alan Ruiz e as suas inquestionáveis comissões...

Que tamanha ingratidão.

Eu caso fosse um devoto membro da claque, sempre disposto a zurrar a plenos pulmões esse encantador mundo Brunista, olharia para esta atitude com imensa tristeza...

Mas fica a certeza:

As claques, na sua maioria, são braços armados daqueles que monopolizam o poder nos Clubes, desvirtuando o ideal para o qual foram constituídas.

Olhemos para o exemplo Inglês e sigamos o rumo...

Acabemos com as claques.

Sem mais...

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Comentários recentes

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Calendário

Dezembro 2019

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D