Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Caneca de Letras

Caneca de Letras

02
Dez19

A Greta Está A Chegar...

Filipe Vaz Correia

 

A Greta está a chegar a Lisboa...

A activista Sueca fará escala na Capital Portuguesa, momento suficiente para um encontro, na Doca de Alcântara, com o Presidente da Câmara de Lisboa e com alguns Deputados da mui nobre Nação.

A caminho de Espanha para estar presente na Cimeira do Clima, patrocinada pela ONU, onde se irá discutir as alterações climáticas e o seu efeito neste Planeta Azul.

A jovem Sueca irá participar neste debate para o qual tem contribuído com o seu testemunho, testemunho esse que rapidamente se transformou na voz de milhares de jovens por esse mundo a fora.

Well Done!

O combate às alterações climáticas é um tema deveras importante, tema esse que não deveria dividir gerações, mais novos versus mais velhos ou servir de arremesso político, num jogo Direita versus Esquerda...

Antes pelo contrário, este é um tema que deveria unir todos, na busca por um consenso que modifique e altere a actual realidade.

É indesmentível que o Planeta passa por um processo de alterações climáticas e que urge tomar medidas, sem tempo para hesitações, que reduzam esses efeitos para os quais os cientistas de todo o mundo vão alertando.

Países como a China ou Índia, até agora dos maiores contribuidores para a actual devastação climática que vivemos, terão obrigatoriamente de mudar de posição, olhando para o acordo de Paris com o tamanho interesse da sua sobrevivência.

Basta ter atenção aos níveis de Poluição que condicionaram a população Chinesa durante o ano de 2018 ou já neste ano de 2019 com as duas maiores cidades da Índia, Nova Deli e Mumbai, paralisadas devido ao elevado número de partículas na atmosfera.

Atravessando o Atlântico, no veleiro da casa Real Monegasca, a jovem Sueca Greta Thunberg continua percorrendo o trilho que para si escolheu, contribuindo com o seu papel para esse despertar de consciências desmedidamente importante, caso a Humanidade tenha legitimas preocupações  com a sua sobrevivência.

Da minha parte, querida Greta, apenas um conselho:

Que o seu discurso de Madrid seja diferente daquele que fez na sede das Nações Unidas, em Nova Iorque...

É que nem sempre a agressividade se revela o melhor caminho, por vezes, em vez de agregar, assusta.

Mas o que importa?

A Greta deve estar a chegar...

 

 

 

 

08
Jul19

Querida Luísa

Filipe Vaz Correia

 

Minha querida Luísa, aqui estou de pé na entrada da Igreja onde está, neste dia de despedida que estranhamente chega.

De si guardarei cada gargalhada, sonoramente feliz, cada história dos muitos anos passados na China, representando este nosso Portugal, com a sapiência e graça que tanto a caracterizavam.

Aqui estou de pé...

Aqui estou sem entrar na Igreja e por isso peço-lhe desculpa, mas prefiro guardar de si outra memória, outra imagem, outro sonoro ruído que não o silencioso silêncio que sei ali morar.

Terei saudades de a encontrar na Padaria Portuguesa, de sorrir com cada marotice, aos 83 anos, soletrada por essa voz tão rouca como acolhedora.

Até sempre querida Luísa...

Foi um gosto ter tido a sorte e privilégio de consigo me ter cruzado.

Beijinhos

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

22
Mai19

Não Se Esqueçam Da Paciência Do Chinês

Filipe Vaz Correia

 

Esta batalha comercial entre os Estados Unidos e a China conheceu mais um capítulo, envolvendo a Huawei e a Google, em mais um episódio na escalada de sanções que acrescentam incerteza no quotidiano empresarial Mundial.

Todos parecem seguros em afirmar que a economia Chinesa se irá ressentir destas medidas, no entanto, tenho as mais sinceras dúvidas sobre essa incerta certeza.

É certo que no curto prazo, apontando a esta medida concreta que envolve a Huawei, este constrangimento poderá atingir o centro da indústria tecnológica Chinesa, porém acredito que a resposta será, a seu tempo, surpreendente.

A cultura Chinesa, Milenar, habituou-se a ultrapassar vários desafios, tempos Imperiais ou Revoluções sanguinárias, adaptando-se ao longo dos séculos a novos cenários ou contratempos.

Acredito que este será mais um...

Desenvolver com sucesso um sistema que possa rivalizar com o Android, será talvez o maior desafio dos tempos modernos, no campo económico ou industrial que a Sociedade Chinesa enfrentará, no entanto, servirá também para cerrar fileiras no campo sentimental, carregado de um orgulho Nacionalista que certamente diminuirá em muito a influência de várias marcas Americanas naquele território.

Uma batalha que arrastará a Europa e os seus mercados para tempos nublosos, obrigando a posicionamentos cautelosos e ponderados.

Na minha opinião é cedo para decretar vencedores ou cantar vitória como parecem fazer alguns analistas bacocos, deixando-se inebriar pelos tweets pejados de fanfarronice do sempre enérgico Donald Trump.

Importa recordar aquela expressão...

"Paciência de Chinês!"

O tempo e a História se encarregarão de nos recordar o desfecho de tão arriscada batalha.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

29
Abr19

Onde Está O Senhor Presidente?

Filipe Vaz Correia

 

Meu querido Professor Marcelo, poderia me explicar o que está, ainda, a fazer na China?

Sei bem que é uma viagem oficial, uma visita de Estado, no entanto, julgo que ninguém lhe deve ter dito, que o "meu" Sporting venceu a UEFA Champions League de Futsal...

Por isso, aqui deixo esta informação, esperando que regresse o mais depressa possível, para em seguida homenagear condignamente, no Palácio de Belém, esta grande Equipa Leonina.

Pelo menos um telefonema já poderia ter sido feito...

Vamos lá, Senhor Presidente.

 

Filipe Vaz Correia

 

 

29
Dez18

Uma Nova Corrida Ao Nuclear?

Filipe Vaz Correia

 

Vladimir Putin gritou para o mundo que a Rússia detinha uma nova arma nuclear...

Um míssil intercontinental, capaz de fintar qualquer sistema de defesa existente.

Este é um "presente" de ano novo, dado ao Povo Russo, segundo as palavras do Presidente Putin, amargurando aqueles que julgavam ultrapassada a Guerra Fria e com isso a corrida ao armamento nuclear.

No entanto, olhando para o mapa Geopolítico, será importante não esquecer um novo "player", neste horror bélico que ameaça o futuro da Humanidade...

A China e o seu imponente exército.

Desde a chegada de Donald Trump à Sala Oval, trazendo consigo trapalhadas e incompreensíveis decisões, como a saída do acordo de Paris, "alterações climáticas", assim como, a sua retórica em relação ao tema nuclear, seria expectável uma nova "vida", na busca por novos tipos de armamento.

Algo que parecia garantido, o desmantelamento dos arsenais nucleares, ao longo do tempo, foi sendo negligenciado, cedendo o mundo a essas retóricas populistas que começaram a vencer em vários cantos do mundo,  permitindo o renascimento de ideais extremamente perigosos.

Para onde caminhamos?

Uma questão inquietante que se afigura de difícil resposta, entrelaçada por entre desmandos belicistas, ameaças e populismos.

Começou uma nova corrida ao nuclear?

O mundo espera respostas...

Preocupantes respostas.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

26
Set18

Donald Trump: Se A Estupidez Pagasse Imposto?

Filipe Vaz Correia

 

Esta batalha comercial que Donald Trump iniciou contra a China tem tanto de estupidez, como de incredibilidade...

Até parece que quem está sentado na Sala Oval da Casa Branca desconhece os dados económicos do seu País e do Mundo.

Sinceramente...

Ouvir o editor chefe da Revista Forbes falar sobre esta batalha comercial, torna confrangedor todo o raciocínio ou falta dele que sustentará esta decisão de Donald Trump.

A Apple, Mcdonald's, Amazon, Goggle, entre muitas outras, têm neste País Asiático uma parte considerável das suas receitas, logo exportações Americanas, representando esta política Trump uma completa loucura.

Ainda por cima se tivermos em conta que a China é o principal detentor de Divida Americana, com um valor acima dos 500 Mil Milhões de Dólares...

Uma batalha impossível de vencer mas que na cabeça "alaranjada" do Senhor Trump fará sentido, arrastando os Estados Unidos e o Mundo numa vertigem comercial de proporções incalculáveis.

É caso para questionar:

Se a estupidez pagasse imposto, Senhor Trump?

Permitam-me apenas uma adenda a este texto:

As gargalhadas ouvidas ontem na ONU são a prova mais do que cabal, de que os Estados Unidos bateram no fundo, do ponto de vista da credibilidade Internacional.

Uma gargalhada que perdurará na História e que marcará para a memória como uma tremenda humilhação para a Nação Americana.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

23
Jul18

O Que Mais Irritará Otelo Saraiva De Carvalho?

Filipe Vaz Correia

 

Estava a caminho do Pingo Doce, no Campo Pequeno...

Depois de uma tarde espectacular a banhos, quando me deparo com uma glamorosa multidão, um sem número de "empregados de mesa", munidos de vinho fresco e croquetes, (perdoem-me alguns Sportinguistas), envolvidos numa gigantesca e frenética quantidade de pessoas.

Espantei-me, não deixando de apreciar o momento e até desejar que algum desses "criados" se cruzasse comigo, pois apesar do calção de banho e camisa desportiva, existia em mim a esperança de que os meus olhos pequenos, quase rasgados, pudessem convencer, com sorte, os generosos anfitriões de que também eu fazia parte daquela "festa".

No entanto, o que me chamou mais a atenção foi o facto de todos aqueles convidados serem Chineses, ou qualquer coisa assim do género, excluo serem Japoneses, pois reconheço um Japonês em qualquer parte do mundo...

Talvez a sua nobreza?

Género Samurai...

Ou reconhecer em cada um deles, um Mr. Miyagy?

Não sei!

Para mim eram todos Chineses num imponente evento, denominado:

"Prudential Gala Dinner".

Segui a minha vida...

E por entre, o vinho Planalto, o Porto Offley, os camarões cozidos ou o gelado de framboesas, uma expressão surgiu na minha mente:

O que mais irritará Otelo?

A Reinauguração do Campo Pequeno, citando as palavras de Alberto João Jardim:

" Otelo, querias meter toda a direita Portuguesa no Campo Pequeno, pois bem, hoje estamos cá todos."

Ou ter o Campo Pequeno invadido por milhares de Chineses, cidadãos de um País Comunista, (perdão emocionei-me...), vestidos como se estivessem numa entrega dos Óscares, aproveitando ao máximo aquilo que o Capitalismo selvagem lhes tem oferecido?

Adorava saber...

O que mais irritará Otelo Saraiva de Carvalho?

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

 

 

 

  

03
Jul17

Donald Trump: A Europa e o Mundo!

Filipe Vaz Correia

 

Nunca pensei escrever tal coisa mas parece-me factual que a eleição de Donald Trump significou para a Europa uma oportunidade, algo positivo, importante, determinante...

A Presidência Americana, envolvida numa espécie de jardim infantil desde que Trump foi eleito, tem perdido preponderância e influência no mundo devido às atitudes irrefletidas desta administração, desvirtuando assim, aquele sentimento de admiração com que muitos Países olhavam para a terra das oportunidades.

Este impasse Americano, assustou inicialmente muitos dos seus aliados, muitos dos que se habituaram a olhar para os Estados Unidos como o País líder das democracias, da suposta liberdade democrática, no entanto, este facto aliado ao tão temido Brexit, não provocou as radicalizações esperadas nas eleições subsequentes no continente Europeu...

Os extremos não venceram em Espanha ou França, não aglutinaram na Holanda ou até mesmo na diminuta vitória, de uma nova radical envergonhada, como a Senhora May.

A Europa e a União Europeia começaram a mudar, entendendo provavelmente que esta seria a única forma de poder travar os extremismos e os errantes sinais vindos do outro lado do Atlântico...

Até a China demonstrou com a sua posição de força, após o abandono Americano do acordo de Paris, entender o seu papel neste novo cenário e também ela aproveitar a falta de comparência que advém da inoperância de pensamento de um Presidente mais interessado em entreter do que em governar.

Assim neste inovador momento geopolítico, um lado positivo parece se impor por entre as piadas e gaffes de Donald Trump:

A esperança de uma Europa mais unida, mais interventiva, melhorando efectivamente aquilo que parece a América ter abandonado...

A realidade!

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

24
Jan17

Quo Vadis, Europa?

Filipe Vaz Correia

 

O mundo parece avançar a um ritmo vertiginoso para um abismo, inebriado por uma vozeria trauliteira, que a todo o custo, urge evitar.

A eleição de Donald Trump, as eleições Francesas que estou convicto se travarão entre Le Pen e Fillon, a posição Russa nas manobras que envolvem hoje em dia o panorama estratégico no Médio Oriente e claro está o império Chinês, cada vez mais preparado para impôr a sua vontade, caso a isso, seja obrigado...

E a Europa...

Quo vadis, Europa?

Como poderá responder um aglomerado de países, União Europeia, que caminha sem liderança, sem rumo há mais de década e meia?

O projecto Europeu não foi colocado em causa pelo Brexit, confirme-se ou não, foi precisamente a falta de rumo desse projecto que potencializou a vitória desse movimento.

Assim como nos Estados Unidos, a revolta de muitos cidadãos está a minar o processo democrático, fragilizado pelo abrandar de muitas economias e com isso o degradar da vida desses mesmos cidadãos.

Se por algum motivo a Europa não conseguir responder a estes inquietantes sinais e deixar degradar cada vez mais, a relação dos seus cidadãos com as instituições que os representam , então Donald Trump terá razão e o fim deste projecto Europeu será inevitável.

Marine Le Pen, Farage, Victor Orban e outros populistas que começam a crescer de maneira avassaladora, não o fazem indicando as soluções para os problemas que tanto afectam as respectivas populações, mas sim indicando os males que afectam realmente essas sociedades democráticas envolvidas em escândalos sem fim, desacreditadas entre os seus pares.

Por isso insta repensar este modelo, estas prioridades que sendo lógicas para o Status Quo de Bruxelas, são incompreensíveis para as respectivas populações e que fazem aumentar o descontentamento em pessoas que votarão no desespero ao invés do mesmo encurralado sistema.

Os conservadores cristãos terão neste processo um papel fundamental, na minha opinião, pois em parte, partirá desse espectro político a solução que possa fazer frente à demagogia populista que hoje crassa em grande medida pelas mais variadas democracias.

A Direita Cristã ou Conservadora tem de revitalizar os seus princípios fundadores, recuperando a ligação com as pessoas e demonstrando uma genuína preocupação em construir as pontes necessária entre aqueles que se consideram excluídos e as novas gerações sedentas por uma incontornável globalização. 

Isso só poderá ser alcançado com a melhoria da vida das pessoas, com o sentimento de bem-estar fundamental para que os avanços não esmaguem a esperança e os desejos inerentes à condição humana.

Assim espero que a Europa possa mudar o seu rumo e ver neste extremar de posições que nos chega do outro lado do Atlântico, uma oportunidade para ser ela a liderar os acontecimentos e não os acontecimentos a ditarem o seu destino.

Isso será determinante para o caminho Europeu, consciente das diferenças nacionais que sempre existirão, mas inclusivo, global, integrante, com valores Humanistas que certamente nos guiarão ao encontro de um futuro onde a Europa possa resgatar a importância que sempre teve.

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

13
Jan17

Donald Trump: O D. Quixote dos Tempos Modernos!

Filipe Vaz Correia

 

Hesitei escrever sobre Trump, pois ainda estou em choque depois de ver a conferência de imprensa organizada pelo Presidente eleito, durante a tarde de ontem...

Inacreditável.

Ainda para mais quando na noite anterior, tinha assistido ao último discurso do Presidente Barack Obama, em Chicago...

Que contraste!

Donald Trump manteve-se igual a si próprio, o que não é propriamente um elogio, antes sinónimo de boçalidade, deselegância, ignorância...

Trump começa a perder-se nestes pedaços de história, que certamente o irão perseguir depois das inúmeras batalhas que insiste em comprar, numa atitude absolutamente irracional contra tudo e contra todos.

A China parece mesmo uma escolha absurda, nos constantes avisos e ameaças lançados àquele país, que apenas é o maior credor de dívida Americana...

O muro e os mexicanos, as alterações climáticas, as inúmeras referências ao Japão, a subserviência, agora entendida, à Russia de Vladimir Putin, são muitos dos temas fracturantes que acabam por aportar desconfiança a esta estupidificante figura.

No entanto, aquilo que mais me intriga,  é a disputa que começa a empreender contra a imprensa e os serviços secretos Americanos, num delírio intenso em que parece acreditar, qual D. Quixote.

Também Nixon comprou estes inimigos e talvez o epílogo deste mandato, nos recorde o desse anterior Presidente.

Donald Trump, talvez não consiga compreender que ser Presidente do Estados Unidos, não lhe permitirá fazer todas as loucuras que lhe passem pela cabeça, não lhe permitirá cumprir todas as vendettas que possa desejar, não lhe permitirá perseguir todos aqueles que deseja sem que lhe respondam com igual agressividade...

Os seus fantasmas irão sair dos dossiês escondidos no Kremlin ou noutro lugar qualquer, as suas declarações fiscais acabarão por aparecer, as suas fraquezas e escândalos acabarão por ser divulgados, porque por mais que este homem se ache intocável, com o exercício do cargo descobrirá dramaticamente,  o contrário.

As políticas protecionistas, discriminatórias e tacanhas que propõe, provavelmente acabarão por destruir a economia Americana quando as retaliações Chinesas, Indianas, Japonesas ou até mesmo Europeias começarem a chegar...

O isolacionismo que Trump deseja, acabará por ser o seu fim, esperemos é que os EUA e o mundo ainda vão a tempo de remediar o impacto de tamanho desastre.

Assim, após aqui escrever esta minha opinião, vou aproveitar para ver um pouco a CNN, pois temo que depois de Trump tomar posse, possa ser mais difícil.

 

Filipe Vaz Correia

 

Mais sobre mim

foto do autor

Comentários recentes

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Calendário

Dezembro 2019

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D