Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Caneca de Letras

Caneca de Letras

A Greta Está A Chegar...

Filipe Vaz Correia, 02.12.19

 

A Greta está a chegar a Lisboa...

A activista Sueca fará escala na Capital Portuguesa, momento suficiente para um encontro, na Doca de Alcântara, com o Presidente da Câmara de Lisboa e com alguns Deputados da mui nobre Nação.

A caminho de Espanha para estar presente na Cimeira do Clima, patrocinada pela ONU, onde se irá discutir as alterações climáticas e o seu efeito neste Planeta Azul.

A jovem Sueca irá participar neste debate para o qual tem contribuído com o seu testemunho, testemunho esse que rapidamente se transformou na voz de milhares de jovens por esse mundo a fora.

Well Done!

O combate às alterações climáticas é um tema deveras importante, tema esse que não deveria dividir gerações, mais novos versus mais velhos ou servir de arremesso político, num jogo Direita versus Esquerda...

Antes pelo contrário, este é um tema que deveria unir todos, na busca por um consenso que modifique e altere a actual realidade.

É indesmentível que o Planeta passa por um processo de alterações climáticas e que urge tomar medidas, sem tempo para hesitações, que reduzam esses efeitos para os quais os cientistas de todo o mundo vão alertando.

Países como a China ou Índia, até agora dos maiores contribuidores para a actual devastação climática que vivemos, terão obrigatoriamente de mudar de posição, olhando para o acordo de Paris com o tamanho interesse da sua sobrevivência.

Basta ter atenção aos níveis de Poluição que condicionaram a população Chinesa durante o ano de 2018 ou já neste ano de 2019 com as duas maiores cidades da Índia, Nova Deli e Mumbai, paralisadas devido ao elevado número de partículas na atmosfera.

Atravessando o Atlântico, no veleiro da casa Real Monegasca, a jovem Sueca Greta Thunberg continua percorrendo o trilho que para si escolheu, contribuindo com o seu papel para esse despertar de consciências desmedidamente importante, caso a Humanidade tenha legitimas preocupações  com a sua sobrevivência.

Da minha parte, querida Greta, apenas um conselho:

Que o seu discurso de Madrid seja diferente daquele que fez na sede das Nações Unidas, em Nova Iorque...

É que nem sempre a agressividade se revela o melhor caminho, por vezes, em vez de agregar, assusta.

Mas o que importa?

A Greta deve estar a chegar...

 

 

 

 

Querida Luísa

Filipe Vaz Correia, 08.07.19

 

Minha querida Luísa, aqui estou de pé na entrada da Igreja onde está, neste dia de despedida que estranhamente chega.

De si guardarei cada gargalhada, sonoramente feliz, cada história dos muitos anos passados na China, representando este nosso Portugal, com a sapiência e graça que tanto a caracterizavam.

Aqui estou de pé...

Aqui estou sem entrar na Igreja e por isso peço-lhe desculpa, mas prefiro guardar de si outra memória, outra imagem, outro sonoro ruído que não o silencioso silêncio que sei ali morar.

Terei saudades de a encontrar na Padaria Portuguesa, de sorrir com cada marotice, aos 83 anos, soletrada por essa voz tão rouca como acolhedora.

Até sempre querida Luísa...

Foi um gosto ter tido a sorte e privilégio de consigo me ter cruzado.

Beijinhos

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

Não Se Esqueçam Da Paciência Do Chinês

Filipe Vaz Correia, 22.05.19

 

Esta batalha comercial entre os Estados Unidos e a China conheceu mais um capítulo, envolvendo a Huawei e a Google, em mais um episódio na escalada de sanções que acrescentam incerteza no quotidiano empresarial Mundial.

Todos parecem seguros em afirmar que a economia Chinesa se irá ressentir destas medidas, no entanto, tenho as mais sinceras dúvidas sobre essa incerta certeza.

É certo que no curto prazo, apontando a esta medida concreta que envolve a Huawei, este constrangimento poderá atingir o centro da indústria tecnológica Chinesa, porém acredito que a resposta será, a seu tempo, surpreendente.

A cultura Chinesa, Milenar, habituou-se a ultrapassar vários desafios, tempos Imperiais ou Revoluções sanguinárias, adaptando-se ao longo dos séculos a novos cenários ou contratempos.

Acredito que este será mais um...

Desenvolver com sucesso um sistema que possa rivalizar com o Android, será talvez o maior desafio dos tempos modernos, no campo económico ou industrial que a Sociedade Chinesa enfrentará, no entanto, servirá também para cerrar fileiras no campo sentimental, carregado de um orgulho Nacionalista que certamente diminuirá em muito a influência de várias marcas Americanas naquele território.

Uma batalha que arrastará a Europa e os seus mercados para tempos nublosos, obrigando a posicionamentos cautelosos e ponderados.

Na minha opinião é cedo para decretar vencedores ou cantar vitória como parecem fazer alguns analistas bacocos, deixando-se inebriar pelos tweets pejados de fanfarronice do sempre enérgico Donald Trump.

Importa recordar aquela expressão...

"Paciência de Chinês!"

O tempo e a História se encarregarão de nos recordar o desfecho de tão arriscada batalha.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

Onde Está O Senhor Presidente?

Filipe Vaz Correia, 29.04.19

 

Meu querido Professor Marcelo, poderia me explicar o que está, ainda, a fazer na China?

Sei bem que é uma viagem oficial, uma visita de Estado, no entanto, julgo que ninguém lhe deve ter dito, que o "meu" Sporting venceu a UEFA Champions League de Futsal...

Por isso, aqui deixo esta informação, esperando que regresse o mais depressa possível, para em seguida homenagear condignamente, no Palácio de Belém, esta grande Equipa Leonina.

Pelo menos um telefonema já poderia ter sido feito...

Vamos lá, Senhor Presidente.

 

Filipe Vaz Correia

 

 

Uma Nova Corrida Ao Nuclear?

Filipe Vaz Correia, 29.12.18

 

Vladimir Putin gritou para o mundo que a Rússia detinha uma nova arma nuclear...

Um míssil intercontinental, capaz de fintar qualquer sistema de defesa existente.

Este é um "presente" de ano novo, dado ao Povo Russo, segundo as palavras do Presidente Putin, amargurando aqueles que julgavam ultrapassada a Guerra Fria e com isso a corrida ao armamento nuclear.

No entanto, olhando para o mapa Geopolítico, será importante não esquecer um novo "player", neste horror bélico que ameaça o futuro da Humanidade...

A China e o seu imponente exército.

Desde a chegada de Donald Trump à Sala Oval, trazendo consigo trapalhadas e incompreensíveis decisões, como a saída do acordo de Paris, "alterações climáticas", assim como, a sua retórica em relação ao tema nuclear, seria expectável uma nova "vida", na busca por novos tipos de armamento.

Algo que parecia garantido, o desmantelamento dos arsenais nucleares, ao longo do tempo, foi sendo negligenciado, cedendo o mundo a essas retóricas populistas que começaram a vencer em vários cantos do mundo,  permitindo o renascimento de ideais extremamente perigosos.

Para onde caminhamos?

Uma questão inquietante que se afigura de difícil resposta, entrelaçada por entre desmandos belicistas, ameaças e populismos.

Começou uma nova corrida ao nuclear?

O mundo espera respostas...

Preocupantes respostas.

 

 

Filipe Vaz Correia