Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Caneca de Letras

Caneca de Letras

22
Set19

Steve Kroft: Uma Despedida Em “60 Minutos”!

Filipe Vaz Correia

 

O 60 Minutos é um dos programas de televisão que mais gosto, aliás é mesmo uma das minhas maiores referências, programa que me habituei a assistir desde tenra idade, lá pelos tempos da minha adolescência.

No meio das incontáveis reportagens emitidas, muitas foram os Jornalistas que me marcaram, que me alargaram os horizontes, desnudaram ignorantes preconceitos ou esventraram equívocos entrelaçados ao desconhecimento.

Fecho os olhos e volto aos tempos do 11 de Setembro, ao conflito Israel-Palestiniano, ao Hezbollah, à Primavera Árabe, ao Partido Baas e aos desmandos da família Hussein, à queda da URSS e aos loucos tempos de Ieltsin, a Mónica Lewinsky ou a tantos outros instantes onde me desencontrava, por entre, a encontrada razão de tamanhas interrogações...

Mike Wallace, Bob Simon, Ed Bradley, Morley Safer, Dan Rather ou Leslie Stahl fizeram parte do meu imaginário nessa adolescência carregada de curiosidade, numa busca por um saber que não estava escrito nos livros de História do colégio.

Momentos que me prendiam à velhinha televisão, boquiaberto pelas diferentes realidades, desconhecidas formas de vislumbrar o mundo e os seus distantes recantos.

Steve Kroft era um desses repórteres, geniais repórteres, que vezes sem conta cobriu o mundo e com o seu trabalho fez chegar, a tantos que como eu esperavam aqueles minutos, rostos e palavras interligados a perguntas intermináveis.

Abriram janelas para o mundo, dando essas respostas que de outra forma dificilmente se encontrariam.

Steve despediu-se do 60 Minutos, entrevistado por Leslie Stahl, numa emotiva passagem por anos e imagens intemporais.

Steve despede-se no auge da sua carreira, no limite superior de um estatuto raro, conseguido através de décadas de reportagens, voando pelos céus deste mundo em busca da história perfeita.

Foi Steve Kroft que esteve em Chernobyl após o desastre Nuclear que se abateu sobre aquela região Soviética, o mesmo Steve que acompanhou Obama nas suas campanhas Presidenciais desde o momento em que este era “quase” anónimo, até ao momento da sua esperada reeleição...

Foi ele que entrevistou o casal Clinton quando este se confrontou com o primeiro escândalo sexual de Bill, ainda este era Governador do Arkansas.

Fosse na Palestina com Arafat ou na Rússia com Vladimir Putin, nas ruas da Colômbia entre os cartéis de droga ou à porta do Congresso Americano desmascarando a corrupção que, tantas vezes, grassava por aquelas insondáveis paredes.

Steve Kroft andou por todo o lado, buscando simplesmente o que tantas vezes falta nos dias que correm...

Buscando o “Jornalismo”.

Nesta despedida, corajosa forma de partir, uma imagem me ficou na cabeça...

Aquando da sua entrevista a Bob Dole, candidato Republicano que combatia Bill Clinton, este ao falar de seu pai desabou, por entre, lágrimas num momento de fragilidade inesperadamente desarmante.

Steve Kroft optou por desligar as câmaras dando tempo a que Dole se recompusesse, sem alaridos ou purpurinas.

Nesta entrevista, Steve Kroft expressou o seu respeito por esse momento, justificando a sua atitude no facto de ele considerar que o Jornalismo não necessita de usar momentos de emoção gratuita.

” O Jornalismo não necessita de usar momentos de emoção gratuita.”

Apelidarei esta frase com as palavras:

Qualidade, respeito, dignidade.

Nesta explicação fica plasmada a diferença entre “Jornalismo” e “Jornaleiros”, entre os Grandes que ficam na História e aqueles que querendo a essa “grandeza” passarão amarrados aos momentos fugazes de uma passageira fama.

Da minha parte...

Obrigado Steve Kroft!

Até sempre...

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

23
Nov17

Assédio Ou A Brincar?

Filipe Vaz Correia

 

Despediram Charlie Rose?

A sério...

Sinceramente acho que se está a confundir tudo, num misto de histeria colectiva e de reacção impulsiva que se transforma na mais pura e animalesca justiça popular.

Misturar casos como os de Kevin Spacey ou Harvey Weinstein, por exemplo, com os de Joseph Blatter ou de Dustin Hoffman, são em primeira instância uma ofensa para aquelas pessoas que foram verdadeiramente vitimas de violações e abusos sexuais...

Neste terreno frágil e sensível, não se deve misturar um crime condenável e repugnante, como aconteceu nos dois primeiros casos, com uma atitude moralmente condenável, mas a anos luz de ser um acto criminoso.

Não se confundam as coisas.

Reparemos o que se passa com Charlie Rose, jornalista de quem gosto há muitos anos e que aqui aparece acusado de vários actos, todos eles absolutamente brejeiros, estúpidos, ridículos, se assim quiserem...

Mas muito longe de serem crime, sendo que o próprio admitiu alguns daqueles actos mas jamais confirmou a autenticidade de todos eles.

E o que se fez?

O que fez a CBS?

Despediu um dos mais conceituados jornalistas da sua geração...

Esta espécie de histerismo a que todos os dias assistimos, descredibiliza os verdadeiros casos, onde mulheres e homens se tornam vitimas de violência sexual, com a conivência de uma sociedade que se presta ao papel de condenar veementemente tudo o que lhe aparece pela frente, sem ouvir, sem confirmar, sem verdadeiramente saber.

Hoje em dia, neste mundo mediático, um "Famoso", (parece-me essencial nestes casos esta condição) que tente seduzir alguém tem de ter muito cuidado, pois a linha entre o galanteio brejeiro e a violação tornou-se absolutamente ténue.

Convém aqui referir que não estou a querer defender os galanteios brejeiros, ou comentários impróprios, ou mesmo, um insinuante piscar de olhos...

Não!

Mas por favor, não me venham com a conversa de que tudo isto é crime...

Não, não é!

Misturar tudo é tão injusto para as vitimas, todas elas, as que sofreram violência sexual às mãos deste tipo de animais, assim como, aqueles que não tendo feito nada disso, são hipocritamente comparados, a esses mesmos animais.

Bem...

Vamos ver quem é acusado amanhã...

 

 

Filipe Vaz Correia

 

Mais sobre mim

foto do autor

Comentários recentes

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Calendário

Dezembro 2019

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D