Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Caneca de Letras

Caneca de Letras

23
Out19

Velho Olhar...

Filipe Vaz Correia

 

Sabes bem que nas entrelinhas da história;

Mesmo calada, enfraquecida, solitária,

Se reaviva a memória,

Sempre que se desperta esse pedaço de querer,

Que um dia nos uniu...

 

Não sei se num olhar;

Num presente desesperar,

Num abraço a intensificar,

A eternidade ao luar...

 

Não sei se perdidamente;

Me perderei todas as vezes,

Tantas vezes intensamente,

Intensamente por ti...

 

Nos silêncios que tomaram conta deste nós;

Que calaram a melodia que outrora trauteava,

Mesmo aí...

 

Sobrará sempre um tempo;

Para confessar desesperadamente,

Que é amor,

O que vês neste meu, tão teu, velho olhar.

 

É amor.

 

 

 

22
Out19

Amor A Portugal

Filipe Vaz Correia

 

Amor a Portugal!

Esta foi a canção escolhida na inauguração do Estádio de Alvalade, na voz de Dulce Pontes, num momento emocionante que tocou todos os presentes, de forma inexplicável.

Este “Amor a Portugal”, esta forma inexplicável de sentir que nos preenche, invade e resgata a expressão maior do Ser Português, é o que define a nossa essência, essa alma Lusitana que percorre a literatura, a pintura, a História...

Essa forma de ser que é nossa.

Nestes dias em que vulcões políticos e sociais parecem ter despertado, um pouco por todo o mundo, olho para este nosso País com a certa certeza desse esmagador amor.

Chile ou Síria, Turquia ou Curdistão, Ucrânia ou Barcelona, Iraque ou Caxemira, Cidades e Países, esventrados por violência e reivindicações que esmagam e cerceiam as liberdades, fazendo refém a incerta vontade dos seus cidadãos.

Em Santiago do Chile tenho um querido amigo e sua família, jovem família, amarrado a uma realidade distante daquela a que estava habituado, a que sempre esteve habituado.

Na sua voz a tranquila intranquilidade, de quem julga saber que tudo ficará bem, no entanto, o receio daqueles que estando por cá, amigos e família, temendo diante das imagens que invadem os noticiários.

Estranha sensação, desventurada realidade.

Nestes momentos, olhando para este “nosso” Portugal, sobra certeza de que aqui...

Nesta terra abençoada, vivemos a estranha “felicidade” em tempos altamente conturbados.

Uma felicidade que, por vezes, ousamos esquecer.

Quanto ao mais importante...

Cuidado, meu querido Ricky!

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

 

 

 

 

22
Out19

Até já, Vida!

Filipe Vaz Correia

 

Ando pelas ruas, sem poiso, sem lugar aonde pertencer, numa frenética busca de algo que jamais ousei alcançar.

Perdi-me por entre rostos, cansados desgostos que oiço repetitivamente, numa desamparada correria entrelaçadamente alucinada.

Voltas e mais voltas nas pedras da calçada, dormindo aqui e acolá, fazendo de cada esquina, casa, em cada fria noite que me abraça, despedaçadamente solitária, desnudadamente sem retorno.

Já partiram todos os que importavam, mesmo persistindo nos erros que sobravam, assinaladamente desesperadores, sempre regressando ao mesmo tempo, momento onde se desamarraram as águas, se perderam as lágrimas, se soltaram as questões.

Estou cansado...

Tão cansado que já me esqueci desse cansaço, pequeno pedaço de mim, amargura sem fim, por entre, as soluçantes vozes de outrora.

Os que amei...

Os que esqueci...

Os que não importando se impuseram, como fantasmas regressando, vezes sem conta, para me atormentar.

Às vezes a penumbra, o trémulo vislumbrar do que ficou perdido no tempo, lá atrás, onde fui feliz...

Será que fui feliz?

Será possível?

Mais uma noite que chega, mais um dia que finda, nesta desventurada aventura denominada de destino...

Fecho os olhos, oiço o barulho dos carros, as vozes e passos daqueles que passam a meu lado no passeio, de tanto e tão pouco.

De tanto e tantos que partilham este mundo comigo e de tão pouco que me sobrou...

Para além desta tristonha solidão que me alimenta.

Alimentando cada pedaço de palavra que soletradamente salta de mim para o papel, do papel para as estrelas, das estrelas para um desencontrado reencontro com aqueles que um dia me pertenceram, que um dia partiram...

Até já.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

21
Out19

O Dia Em Que Conheci... Rui Jordão!

Filipe Vaz Correia

 

Morreu Rui Jordão...

Já tanta gente escreveu sobre Jordão, esse jogador elegante, atleta de excelência, artista inesquecível.

Ponderei escrever sobre ele, não por achar ser pouco importante, antes pelo contrário, por considerar que a sua dimensão talvez não coubesse numa Caneca de Letras.

Nasci em 1977, por isso não tenho a noção exacta de Jordão no Sporting, para ser honesto recordo-me melhor dele no Vitória de Setúbal, numa fase descendente da carreira, com Manuel Fernandes, Meszaros e Mladenov.

Tempos distantes, momentos longínquos, que sobram na memória dos destinos.

No entanto, não posso deixar de aqui testemunhar a minha única vivência partilhada com esse senhor, esse mestre, essa lenda Leonina.

Há uns anos, num camarote do Estádio de Alvalade, preparava-me para assistir a mais um jogo do meu Sporting, com o Jaime Bessa.

Ao me aperceber que no nosso camarote estavam o Manuel Fernandes e o Jordão, alertei o meu querido Jaime para essa afortunada coincidência...

Disse-lhe logo:

Temos de os ir cumprimentar!

Assim fizemos...

Pedindo desculpa pela maçada, meio envergonhados, lá avançámos, destemidamente determinados em direcção aos ídolos de outrora.

Cumprimentámos os dois, ambos foram de uma simpatia assinalável, guardando para a posteridade essa memória que aqui partilho.

Passado esse momento, sentados no camarote, umas filas à frente do Jordão e do Manuel Fernandes, o Jaime perguntou-me se tinha reparado num pequeno pormenor...

Não! Respondi.

Então o Bessa explicou-me...

O Jordão tinha uma luvas de pele calçadas, devido ao frio que se fazia sentir, porém no momento em que o fomos cumprimentar, ele lentamente retirou a luva da sua mão direita para nos apertar a mão.

Não tinha notado...

Não havia reparado nesse pormenor, pormaior.

Um pequeno gesto, num singelo momento que desnudava o requinte, a educação, a elegância e excelência de um Ser Humano de excepção.

Dentro e fora do campo...

Um Senhor.

Até sempre, Rui Jordão.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

20
Out19

Sporting: O Momento De Escolher Um Caminho Diferente...

Filipe Vaz Correia

 

O tempo passa, passando de maneira exasperante, de verde e branco, de angustia e espanto, temor e pranto, nessa senda Leonina.

Tenho como certo que esta “liderança” Sportinguista tem os seus dias contados, extinguidos perante o desesperante grito dos adeptos fartos da incompetência reinante, do amadorismo que se instalou no “nosso” clube.

No entanto, cada vez que vejo nos jornais que esta direcção, falta dela, se prepara para executar um plano desportivo no mercado de inverno, pensando já na compra de um defesa central, mais me sobra a certeza de que importa gritar bem alto...

Não!

Não é possível...

Estamos em Outubro, início de época e já com esta temporada hipotecada tal o futebol praticado, ou seja, a ausência desse futebol entrelaçado numa equipa em frangalhos, desmotivada e carregada de péssimos jogadores.

E serão estes incompetentes a continuar a esbanjar o nosso dinheiro em jogadores de qualidade duvidosa ou medíocre?

Permitiremos?

Não pode ser...

Façam uma petição, uma manifestação ou uma rebelião, qualquer coisa, porém torna-se imprescindível retirar de Alvalade esta trupe que ameaça destruir, ainda mais, o que sobrou de um passado recente, já de si desesperador.

Não temos tempo...

O Sporting não tem tempo.

E já se percebeu que estes “soldados” não sairão por sua espontânea decisão...

Chegou o tempo de os Sportinguistas tomarem o destino em mão e escreverem um novo capitulo, uma nova história sem medo de errar.

Depois de um tiranete paranóico, um banana emproado.

Que ousemos escolher...

Um caminho diferente.

 

 

Filipe Vaz Correia

18
Out19

Quem Estará A Seu Lado?

Filipe Vaz Correia

 

Nos olhos de qualquer pessoa se reflecte o sentir maior da alma, essa forma de sentir que se confunde com o bater do coração, desmedida e impregnada sensação de queimada que arde sem parar.

Tantas vezes na caminhada solitária de um destino, pessoas se cruzam, esquinas desencontradas, imaginando esse entrelaçar que tarda, que esmaga, que desaparece devagarinho...

Neste instante em que lê estas palavras, imaginemos se por algum segundo já nos cruzámos numa rua, num café, numa outra vida?

Aquele olhar...

Aquela recordação...

Somos tão intensamente inteiros, neste corrupio quotidiano, que tantas vezes damos tão pouca atenção aos pormenores que se transformam, quase sempre, em pormaiores, existencialmente escondidos em perguntas, questões que passam despercebidas pelo turbilhão de caminhos por percorrer.

E se nos cruzámos, nem que seja por um segundo, não contará esse instante para podermos ter partilhado um momento essencial na vida de alguém?

Nesse mesmo instante, do outro lado da rua ou numa outra mesa do café, não poderá existir alguém a saber do nascimento do seu primeiro filho, da morte de alguém que amou ou a desvanecer no fim de um caminho carregado de recordações?

Mas o nosso passo impõe o acelerar da caminhada, desse passar sem aperceber, desse caminhar sem notar quem a nosso lado está...

E o que importa isso?

Talvez nada...

Talvez tudo.

Enquanto escrevo, enquanto lê, quem estará a seu lado, ao meu lado...

Ao nosso lado?

Olhem, sem medo de perder um momento e amarrem esse instante, desmedido instante, pois ele será irrepetivel, desencontradamente único.

E assim continua a vida de cada um de nós, por entre, encontros que se escapam ao sabor do vento.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

17
Out19

Caro Frederico Varandas: Por favor, DEMITA-SE!

Filipe Vaz Correia

 

Meu caro Frederico Varandas, Presidente do Sporting Clube de Portugal, por favor...

Demita-se!

As eleições de há um ano, infelizmente, ditaram a sua vitória trazendo o clube até este momento, desesperante e titubeante destino de uma equipa em desnorte.

O meu caro Frederico, venceu as eleições garantindo tudo perceber, sendo, entre outras coisas, especialista em futebol.

Futebol esse que catalogou, imagine-se, de fácil...

Um projecto assente no seu conhecimento e nessa magnifica estrutura que iria construir, com gabinetes de performance, scouting de excelência, conhecimento e experiência entrelaçado no seu sapiente percurso.

Nada disso.

Contratações falhadas, Milhões deitados à rua...

Borja, Bolasie, Jesé, Illory, Neto, Vietto, Doumbia, Fernando, Rosier, Eduardo, nomes de “reforços” e dos quais não se aproveita um.

Daniel Bragança, Francisco Geraldes, Matheus Pereira, Bas Dost, Raphinha, Domingos Duarte, Mama Baldé, Nani, entre emprestados e vendidos que nos deixam a interrogar a inteligência de quem estruturou o plantel.

Cinco treinadores num ano, reflexo de uma gestão caótica e impreparada.

Comunicação deficiente, ou melhor dizendo desastrosa, própria de um grupo de “meninos” deslumbrados com o seu “novo” papel, incapazes de sustentar a dimensão de um Clube como este.

Tanta e tanta coisa para escrever, tanto e tanto por dizer, no entanto, esta tristeza que me amarra quase que silencia a pena, me seca a tinta neste ardor que me esmaga.

Estou tristíssimo.

Meu caro Frederico, você é absolutamente incompetente para Presidente do SCP, um erro absoluto que será eternamente recordado na História deste grande Clube.

Por favor, demita-se!

Desde o primeiro momento, desconfiei desse “seu” projecto, dessa ausente liderança que tanto insistia em se gabar, dessa teia de incompetência que o envolve e assim envolveu todo o Sporting.

Não existe mais espaço para si, para o seu projecto, para aqueles que o acompanham ou preconizaram esta “solução”...

Disse solução?

Não existe mais espaço...

A não ser para novas eleições, com novas ideias, em busca de uma verdadeira solução para o futuro do Sporting.

Meu caro Frederico, se de facto ama este Clube e de alguma maneira o quer unir, só existe uma solução para conseguir essa união...

Vá-se embora!

Demita-se!

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

17
Out19

A Finita Infinitude De Um Amor...

Filipe Vaz Correia

 

Não sobrevive a canção;

Nem o nobre poeta,

Não escreve a imaginação,

Aquela letra certa,

Capaz de dar emoção,

Àquela parte deserta,

Que sobrou...

 

Mas porque insistes;

Em caminhar?

 

Porque resistes;

A esse renegar?

 

Porque persistes;

Nesse porfiar?

 

Talvez um dia ao clarear;

Sem mais nenhum pormenor,

Se descubra que partiu,

Esse pedaço de ardor,

Que outrora coloriu,

Um desmedido amor...

 

Tao desmedido como finito.

 

 

17
Out19

Barcelona: A Faixa De Gaza Catalã?

Filipe Vaz Correia

 

Liguei a televisão e julguei estar a ver Jerusalém ou a Faixa de Gaza...

Jovens encapuçados atirando pedras, polícias investindo sobre a multidão, carros e ruas a arder num misto de inferno e turbilhão.

Afinal estava enganado...

Eram as ruas de Barcelona.

Quando aqui escrevi, no nascimento desta batalha com a declaração de Independência da Catalunha, deixei notar a ideia de uma calamidade política e administrativa em crescendo, uma gestão apocalíptica deste caso, por parte da Generalitat, assim como, da estrutura central Espanhola.

Na altura, Mariano Rajoy e Felipe VI...

Agora, Pedro Sanchez e o Rei Felipe VI.

Não posso esquecer a declaração de Felipe VI, logo após o nascimento desta polémica, uma declaração de força, imprópria de um Rei que deveria manter abertas as Pontes necessárias para unir o seu Reino.

Felipe VI optou por fazer voz grossa, aliás contrastando com a sua fraca figura “institucional”, queimando etapas e opções que lhe seriam úteis nesta encruzilhada.

Espanha vê a sua unidade colocada em causa, o enfraquecimento de uma das regiões mais prósperas da Nação, definhando, por entre, uma divisão cada vez mais evidente nesta sociedade Catalã.

Volto a olhar para estas imagens...

Para este cenário de Médio-Oriente que se impõe em pleno palco Europeu, numa visão intrinsecamente aterrorizadora de escolhas políticas erradas.

Uns dirão que somente este caminho sobrava, a condenação destes políticos por sedição, outros condenarão este acto “estúpido” que acentua a clivagem entre as partes...

Onde deverão estar todos de acordo, é na ausência de alguém que possa assumir a moderação em todo este processo.

Até porque o jovem Rei, há muito, que abdicou deste papel.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

16
Out19

Governo: As Escolhas De António Costa

Filipe Vaz Correia

 

António Costa apresentou os nomes do seu Governo ao Presidente da República e em seguida a todos os Portugueses.

Um Governo surpreendente, politicamente surpreendente, tendo em conta o privilegiar da componente de confiança política, em detrimento da “suposta” competência.

Costa é um homem que gosta de concentrar poder, de ter o comando dos detalhes e por isso privilegia, vezes sem conta, o aparelho em detrimento de independentes, no entanto, esperava que se pudessem encontrar, neste “novo” Governo, nomes que emprestassem uma diferente dimensão a este elenco Governativo.

Gostei essencialmente da manutenção de Mário Centeno, o nome que importa, de Augusto Santos Silva na pasta dos Negócios Estrangeiros e de Francisca Van Dunen na pasta da Justiça.

Tenho de confessar que sorri ao observar Brandão Rodrigues na pasta da Educação, não por admirar o seu trabalho, mas pelo “descabelar” da Fenprof ao se aperceber de tal facto.

Já se esperava a continuidade de Mariana Vieira da Silva, a sombra de Costa, assim como, de Pedro Siza Vieira que passa para número 2 do Governo, ganhado uma relevância inesperada.

De vários Ministérios saíram Secretários de Estado, promovidos a Ministros, num recrutamento interno que demonstra a miopia política deste novo Governo, fechando-se num circulo “virtuoso” de plena confiança.

Uma curiosidade...

Para quem dizia não se importar com o caso FamilyGate, não será de somenos reparar que todos os laços familiares desapareceram deste actual Governo.

José Vieira da Silva e Ana Paula Vitorino, respectivamente pai e mulher de Ministros, abandonaram o Concelho de Ministros, num abafar de um caso que parecia nada importar.

Por fim...

Pedro Nuno Santos, o delfim de Costa, o Jovem Turco radical que se mantém no Governo mas bem longe do protagonismo e importância de uma Mariana Vieira da Silva...

Inesperadamente revelador.

Duas ausências de peso...

Ana Catarina Mendes e Carlos César.

Aguardemos o processo legislativo e as batalhas que se aproximam, nacionais e internacionais, para compreender como se comportam os Ministros de António Costa.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Comentários recentes

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Calendário

Outubro 2019

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D