Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Caneca de Letras

Caneca de Letras

Como Dói Um Grande Amor?

 

Não tenho palavras para esta despedida...

Pois palavras não existem para descrever o que dita a ingénua alma que um dia acreditou na eternidade de tamanho sentimento.

Não existe céu capaz de cobrir a imensidão do que se esconde por entre o silêncio ruidoso, ruidosamente soletrando o que desabridamente se expressa no olhar.

Não cora o rosto que sabendo deste adeus, disfarça timidamente para que nada se torne eterno na mente entristecida, retrato de um desgosto indisfarçável.

Não grita a voz, embargada pelas memórias só nossas...

Tão nossas que se diluíram neste destempero tornado em realidade.

São assim as despedidas de amor ou talvez não...

Talvez poucas se possam mostrar tão doloridas, tão dolorosas como a centelha que incendeia a triste alma, tão cortantes como a dor de tamanha separação.

Não sei viver sem esse respirar teu que me completa, essa parte de mim que se perde em ti, mesmo que despedaçada, despedaçadamente procurando um teu sinal...

Mas não basta buscar esse amor, essa partícula imaculada de um cristalino sentimento, tão puro quanto raro, tão meu que ao mesmo tempo se confunde contigo.

Não basta querer voltar encontrar, quando se perderam por entre as palavras renegadas, por entre as vontades esquecidas, as tristes lágrimas que insisti em esconder...

Não basta querer acreditar que poderemos sobrevoar o tempo, uma e outra vez, voando sem asas, sem esperança ou fé.

Tantas palavras por escrever, por gritar, sussurrando ardentemente o descompasso em que se tornou o triste olhar meu.

Mas sabes bem...

Sabes bem que o compasso deste sentimento se renova sem explicação, se mantém sem mais nada, singelamente fiel a cada pedaço dessa História que nos pertence.

E por isso sem palavras, apenas gritando o silêncio...

Se despede o eterno amor, discretamente contando que numa bela noite de verão, partiu esse último recanto do meu coração.

Até sempre meu amor.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

Palavras Minhas...

 

 

 

Continuo a amar;

Cada parte de ti,

Mesmo que não pareça,

Mesmo que não o consiga dizer,

Não o queira expressar,

Calando desesperadamente,

A imensa vontade,

De te querer...

 

Continuo a amar;

Todos os traços do teu rosto,

Devagarinho a soletrar,

Cada pedaço de desgosto,

Com que insisto em pincelar,

Este amor meu...

 

E perdido por entre as rimas;

Desta poesia,

Por entre o desejo que permanece silenciado,

Vai voando timidamente,

Este amor que eternamente,

Te pertencerá.

 

 

 

 

 

 

 

A Caminho Do Jamor

 

Estamos no Jamor...

No Jamor!!!

O meu Sporting viveu ontem uma noite de euforia, amarrada àquela esperança sempre verde, Leonina, de que seria possível voltar a eliminatória em nossa casa e assim poder tentar alcançar mais uma Taça de Portugal.

Assim foi.

Durante os 90 minutos, muitas foram as vezes que exasperado fiquei, por a equipa estar demasiado defensiva, por as substituições tardarem, como sempre, por todos e mais alguns factores que circundam o jogo e muitas vezes o influenciam...

Irritei-me com Jorge Jesus, tinha prometido não o fazer, com a displicência com que Montero parece encarar a bola e os seus movimentos, com o apito do árbitro, demasiadas vezes complacente perante as demoras de Iker Casillas.

Irritei-me com tantos momentos durante este jogo, assim como gritei em outros tantos...

No golo de Coates, que jogo fez o Uruguaio, com cada penálti marcado ou com o empolgamento que tomava conta das bancadas de Alvalade.

No Jamor, o Sporting encontrará o refugio de uma época, não que a salve das criticas há muito apontadas, mas certamente aportará ao momento conturbado vivido nas hostes Leoninas, um pedaço de tranquilidade e expectativa que podem muito bem amenizar a crise neste Reino do Leão.

A Equipa demonstrou estar unida, aguerridamente ligada aos seus adeptos, ao verdadeiro sentido deste clube...

Vencer sem deixar ninguém para trás, esquecido no meio de culpas e traumas.

Vencemos todos, assim como, todos perdemos sem fugas.

A caminho do Jamor, já se sente o rugido do Leão, preparado para invadir aquelas bancadas e pincelar sem delongas cada pedaço de pedra com um cachecol Sportinguista.

Obrigado a todos por esta tão especial alegria, vivida entre amigos e estranhos, por entre abraços e palavras, de um contentamento sem igual.

Viva o Sporting.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

Só...

 

 

 

Vai tão só,

Tão só de solidão,

Sozinho na imensidão,

Pedaço de dó,

Que doendo sem razão,

Vai escondendo a explicação,

Para a inexplicável desilusão...

 

Vai tão só;

O que anteriormente era esperança,

O que no teu olhar sorria,

No meu se cumpria,

Tamanho destino...

 

Vai tão só;

Que se perdeu,

A intensa chama,

Apagada vontade,

De te voltar a amar...

 

Vai tão só;

Eternamente.

 

 

Meu Caro José Diogo Quintela...

 

Meu caro José Diogo Quintela é com tristeza que lhe escrevo, não por si, mas essencialmente pelas enormidades explanadas em seu texto e que o tornaram na chocante realidade de uma singela estupidez...

O seu texto denominado Oncolamúrias é um pedaço de insensibilidade, misturada com a arrogante presunção de julgar algo, absolutamente inimaginável.

O topete demonstrado por si, julgando a indignação desses Pais que vendo os seus filhos de tenra idade, prostrados em corredores de um Hospital, lutando pela vida em condições inaceitáveis, enquanto ingerem doses de quimioterapia, numa última esperança de se amarrarem a esse destino que lhes sobrou, soluça esta minha escrita incapaz de verbalizar a tamanha incredibilidade que me assola.

Reportar as mortes de Crianças nos bombardeamentos químicos na Síria, como ponto de comparação com este caso, não respeita nem a memória desses mártires, nem tem em consideração a dor e o sofrimento destas Crianças e Pais que agonizam nos corredores do dito hospital.

Será que poderemos falar de Lares que maltratam e deixam velhos subnutridos, quando em África, tantos e tantos, morrem sem comida?

Será que poderemos falar em violação, quando em vários Países, esse casos são flagrantemente sentidos, numa escala maior do que neste nosso País?

Será?

A crónica de José Diogo Quintela é, na minha opinião, absolutamente fedorenta, mesmo nauseabunda, desrespeitadora da mais básica expressão da solidariedade Humana.

Já aqui escrevi, vezes sem conta, o que me vai na alma quando o assunto é o drama Sírio, o massacre constante a que estão sujeitos Velhos e Novos, Pais e Filhos, enfim gente...

Já aqui gritei, através da tinta soletrada pelas  minhas palavras, o horror que se vive na Síria, no entanto, não posso aceitar que esse argumento seja utilizado para menosprezar a dor imensa a que devem estar sujeitos, aqueles meninos e meninas, combatentes nessa batalha pelas suas vidas, contra o cancro.

Não existe comparação...

Nem tem de haver.

Por isso e como gosto pouco de almas fedorentas, mentes tacanhamente dispostas a tudo por um punhado de polémica, distancio-me desse texto, desejando apenas que o seu autor nunca tenha de estar num corredor de Hospital, com um filho seu, guardando em si o desespero de tamanha luta.

Quanto a mim, sobra-me indignação para poder escrever sobre os dois temas, com a mesma revolta e sem senãos...

Sem hesitações em criticar o inaceitável.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

A Minha Montanha

 

 

 

Do alto da minha montanha;

Vislumbro ao longe,

Bem ao longe,

Quase se perdendo no olhar,

As asas que timidamente,

Insisto em não usar...

 

Do alto dessa montanha;

Hesito em partir,

Deixar para trás a presente tristeza,

Que persiste em ferir,

O que há muito desvaneceu...

 

Do alto daquela montanha;

Vejo passado e o presente,

Esse futuro que se pressente,

O querer agora ausente,

Só mágoa,

Tão minha...

 

Do alto desta montanha;

Me despeço de ti,

E abraço sem fim,

Essa parte de mim,

Que ainda é capaz de sonhar...

 

Sonhar!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Carta De Amor!

 

 

 

Não serei capaz de esquecer;

O que precisa ser esquecido,

Um desmedido querer,

Ardor sentido,

Intenso bater,

Sentir ferido,

Do meu coração...

 

Não consigo disfarçar;

Essa espécie de lágrima,

Ardente magoar,

Da alma despedaçada,

Que despedaçadamente,

Se entrelaça,

Em mim...

 

Não te irei mais dizer;

O que soletrado em segredo,

Se perdeu nesse sofrer,

Por entre o magoado tempo...

 

E assim discretamente;

Num adeus tão dolorido,

Findou esse amor,

Que prometeu ser vivido,

Sem fim.

 

 

O Meu Sobrinho João...

 

O meu sobrinho João fez hoje 10 anos...

10 anos que passaram num breve momento, que voaram por entre o seu olhar pertinente e curioso, meigo e ternurento.

Parece que foi ontem que lhe peguei ao colo pela primeira vez, em casa de seu Pai, carregado de medo de o poder magoar, de o assustar, mas não...

Desde o primeiro momento, este amor que não consigo explicar se manifestou, esteve presente.

Neste jantar, repleto de risos e alegria, partilhado com a sua Avó Ana, seu Pai Jaime, sua Irmã Matilde, sua Prima Mariana e estes seus Tios, foi um imenso gosto poder olhar para ele e ver o homem que se está a erguer...

A personalidade que na sua alma habita, num menino bem educado, inteligente e respeitador.

Que orgulho "meu" João.

Não posso deixar de recordar a partida do meu querido Tio Jaime, seu Avô, neste dia de anos em que pela primeira vez, não está entre nós ou certamente estando na alma de todos nós que dele não nos esquecemos.

Muitos parabéns Joãozinho, deste Tio que o ama incondicionalmente, orgulhoso por fazer parte desta sua vida que para mim é tão especial.

Um beijinho com amor.

Tio Pipo

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

Bruno: O Insano Mundo De Um Déspota...

 

Bruno de Carvalho despediu-se do Facebook, um gesto tardio que não consegue apagar as barbaridades cometidas nos últimos tempos e que culminaram com este suicido público Presidencial...

A noite de Domingo, em Alvalade, trouxe ao de cima o surreal de toda esta situação, tendo de um lado os Jogadores unidos, apoiados pela esmagadora maioria dos adeptos presentes e de outro lado um Presidente vaiado, vergado, acometido por uma estranha dor lombar que surgiu no momento exacto, propiciando a fuga perfeita da sublime humilhação.

Imagine-se Bruno no centro do relvado, ignorado por todos os jogadores, pelo "seu" treinador, e abraçado por um imenso coro de assobios...

Sinceramente, nada disto me surpreende em Bruno de Carvalho, este perfil lunaticamente enraivecido, entrelaçado com uma gigantesca falta de escrúpulos e valores que facilmente podemos detectar.

A expressão que mais vi por aquelas bancadas, por aqueles recantos, foi a estupefacção...

Mais até do que a revolta, do que o desagrado, a saída de cena de Bruno de Carvalho traz consigo uma espécie de lento acordar, por entre uma tenebrosa temporada num qualquer país do antigo Bloco Soviético.

Os olhares pareceram ganhar esperança, as vozes levantaram-se e os Leões presentes em Alvalade resolveram dizer basta.

E nesse tempo que se quer esperançoso, deixo aqui uma palavra sincera de admiração, pela atitude do treinador do Sporting, Jorge Jesus, que no final da partida com as suas palavras me emocionou, tocou imensamente todos aqueles adeptos Leoninos, que desencantadamente já pouco esperavam.

Jesus mostrou ser inteligente, líder, um verdadeiro condutor de homens, garantindo a coesão do grupo e conquistando definitivamente muitos dos que dele poderiam desconfiar.

Da minha parte, deixo de lado as reservas que há muito me incomodavam, a desconfiança que em mim crescia, para estar novamente do seu lado.

Um palavra para Jaime Marta Soares, personalidade por quem nutro um profundo desprezo intelectual, tendo aliás, mais do que uma vez, aqui escrito o que penso do seu percurso político e de grande parte das opiniões que profere...

No entanto, o Presidente da MAG, não fugiu às suas responsabilidades, não se acobardou diante dos desmandos descontrolados de Bruno de Carvalho e num momento que poderá ser historicamente importante para o Clube, enfrentou o Presidente pirómano, tentando devolver alguma dignidade ao Sporting e consequentemente a todos nós.

Nunca pensei escrever tal coisa...

Muito obrigado Jaime Marta Soares.

Muitos pedem que o Presidente se demita, coisa que certamente não o fará, por isso mais do que nunca será importante que Sócios e Adeptos, não se deixem ludibriar por dores lombares ou nascimentos, por despedidas de Facebooks ou licenças de paternidade, por inimigos internos ou externos...

A única coisa que importa é resgatar o Sporting de tão sinistra personagem.

Viva o Sporting

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

Carta Aberta Aos Jogadores Dos Sporting...

 

Sou do Sporting desde que me recordo, faz parte desta alma minha que me pertence, num misto de ternura e orgulho, de alegria e ardor...

Enfim um desmedido amor que me completa.

Hoje foi para mim, um dos dias mais tristes e ao mesmo tempo de maior orgulho.

A tristeza que se tornou habitual, não apaga o orgulho imenso que sinto por cada um daqueles atletas, que partilhando o Post do seu Capitão Rui Patrício, demonstraram à pequenez Presidencial, a dimensão maior da nobre dignidade...

Essa espécie de dignidade que se recusa a vergar diante da prepotência bacoca, da imbecilidade egocêntrica, do populismo ignorante, repleto de incongruências.

A resposta dos jogadores Leoninos, encheu-me de emoção, especialmente vendo os nomes de Rui Patrício, de William Carvalho, de Daniel Podence, de João Palhinha, de Gelson Martins ou de Rafael Leão...

A formação Leonina a demonstrar que não foi apenas com a bola nos pés que se fez a aprendizagem destes homens, um dia meninos, para sempre Leões.

Bruno resolveu suspender os atletas que tiveram o topete de não se encolher diante da sua habitual boçalidade, misturada com a cobardia permanente que lhe pertence, num Post que depois apagou mas que entretanto já tinha voado por entre os céus da Internet.

A estupidez ganhou uma proporção gigantesca, diminuindo ainda mais a credibilidade do actual Presidente Leonino, sendo que na minha opinião, essa credibilidade nunca existiu.

Esta carta que aqui escrevo, é apenas um sincero agradecimento a todos os atletas do Sporting que com a sua atitude permitiram a este Sportinguista de sempre, voltar a sorrir...

Voltar a sentir orgulho em todos vós, por erguerem a cabeça e não cederem à mediocridade vigente.

O Sporting é de facto este grupo de atletas que corre em campo por nós, este tipo de homens que se negam a compactuar com a cobardia vigente, que gritam sem vergonha:

Basta.

Basta desta Venezuela Brunista que há muito tomou conta do nosso Sporting...

A todos estes jogadores, muito obrigado.

 

 

Filipe Vaz Correia