Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Caneca de Letras

Caneca de Letras

18
Set19

A Menina, O Cão, A Cegueira...

Filipe Vaz Correia

 

O mundo visto a cores ou as cores que se transformam em preto, branco, nada...

Estava a tomar o pequeno almoço, tardio, quando chegou um grupo de três meninas e um cão.

Olhei enquanto escrevia uma ou outra palavra, num texto que acabaria por apagar...

E ali, num segundo, o meu maior medo, não sei se maior mas um dos mais antigos, se dispunha diante do meu olhar, num quadro transparente de um vazio assustador.

A cegueira!

Uma daquelas meninas, jovem senhora para ser exacto, era invisual, completamente amarrada a esse mundo que parecia não lhe toldar o caminho, impossibilitar o destino, prender o passar do tempo que lhe pertence.

Não consegui deixar de estar atento aos pormenores, numa espécie de atracção pelo absoluto medo que desde criança sempre me perseguiu.

O cão, um labrador preto, ali estava, deitado a seus pés, impecavelmente comportado, parecendo saber, antecipadamente, cada movimento...

O pé que balançava, a mão que amiúde o acarinhava ou até o preciso instante em que lhe dariam o tiro de partida.

Olhei para ela com esse misto de admiração e receio, admirando cada pedaço de normalidade traduzida em seu rosto, plasmada em cada palavra por si trauteada e ao mesmo tempo esse receio pelo medo que sempre senti...

Existe uma coragem naqueles gestos, uma ternura na extensão de um olhar amarrado àquele animal que se transforma no porto seguro do destino de alguém.

Não pude deixar de olhar, de sentir, de escrever...

Escrever sem parar, retratando aquele ardor triste, aquele corajoso cenário de uma beleza sem fim.

Neste entrelaçar que une aquelas duas vidas, Cão e Menina, resiste a mais bela conjugação de cores, desenhadas na imaginativa imaginação de um conto...

De uma vida.

Levantaram-se e partiram, de “mãos” dadas, enquanto o meu olhar os acompanhava nesse rumo infinito pelo Campo Pequeno, num quadro tão intenso como a imensidão desse mundo que só a eles pertencerá.

Tantas cores e sonhos que desconhecemos conhecer...

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

04
Jan19

Vanessa E Dava: As Meninas Da Vodafone do Campo Pequeno...

Filipe Vaz Correia

 

O meu telemóvel resolveu despedir-se do mundo, após três anos de uma perfeita relação, entre nós.

Silenciou-se, num suicido esperado, devido aos "ferimentos" marcados em si, não me deixando esquecer as quedas e sobressaltos pelos quais passou.

Foi com tristeza e irritação que me apercebi de tal "destino" mas parti, mesmo irritado, em busca de uma solução...

Vulgo, comprar outro.

Essa parte dolorosa, de uma despedida, ficaria ainda marcada por inesperados contratempos que me levaram ao sublime desespero.

Comprei o telemóvel na Rádio Popular, convencido por um "asno", peço desculpa a todos os asnos, no entanto, o que mais me irritou foi ter-me apercebido desse singelo facto...

Se um "asno" me convenceu a comprar aquele telemóvel, o que dirá isso de mim?

Bem...

Poupem-me à resposta.

Mas o mote para escrever este texto, mais do que referir a falta de acompanhamento do empregado da Rádio Popular, é a indescritível simpatia e disponibilidade das "meninas" da Vodafone do Campo Pequeno...

As belíssimas Vanessa Sarah e Dava Lima.

Em primeiro lugar a simpatia, depois a disponibilidade, aliada a uma boa disposição e por último uma espécie de encantamento que fideliza o cliente, neste caso não tinha comprado o equipamento na sua loja mas mesmo assim recebi ajuda como se o tivesse feito.

Sem hesitações, fizeram o trabalho que o "asno" não soube fazer, ou seja, fizeram aquilo que não tinham de fazer.

Saí da loja com o telemóvel configurado, preparado para a primeira chamada, prometendo-lhes que aqui escreveria sobre elas.

Subscreveram o "Caneca de Letras", por acaso a Dava ainda não, mas cá a espero...

Minhas queridas, por tudo isto, um obrigado do tamanho do mundo, sem saber como descrever o quão impressionado fiquei com a vossa simpatia e carinho.

Assim, deixo-vos um beijinho imenso, com a certeza de que sempre que for ao Campo Pequeno, as visitarei, grato por toda a vossa atenção.

As queridíssimas Vanessa e Dava, são o melhor cartão de visita de uma empresa e a Vodafone bem pode se orgulhar destas suas "meninas".

Beijinhos.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

28
Out18

Marco Paulo... No Pingo Doce!

Filipe Vaz Correia

 

Estive no Pingo Doce do Campo Pequeno, num dia que era, desconhecia eu, marcado por um reencontro...

O de Marco Paulo com as suas admiradoras.

E como elas estavam belas, sexagenárias de cachecol ao pescoço, nele inscrito MARCO PAULO, enquanto aguardavam ansiosas pelo começo desse sonho.

O Pingo Doce parecia pequeno para tantas "meninas", de cabelos brancos, sonhando com essa vida de há trinta anos atrás...

Seria isso?

Aquela empolgação...

Aquele fervor que parecia cintilar no olhar daquelas pessoas, seria em parte uma certa inquietação por um reencontro, com um passado que lhes deve ter deixado incalculáveis saudades...

Seria isso?

Talvez...

Até eu, a determinado momento, vendo a tamanha empolgação naqueles corredores e elevadores, recuei décadas, até aos dias da minha meninice, trauteando timidamente...

" Eu Tenho Dois Amores", a minha primeira canção, a par de "Calhambeque" e "Chico Fininho".

Os tempos mudam, os anos passam, no entanto, existem momentos que sobrevivem, recordações que se bastam, pessoas que nos marcam...

E Marco Paulo, marcou imensa gente.

Grande artista.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

23
Jul18

O Que Mais Irritará Otelo Saraiva De Carvalho?

Filipe Vaz Correia

 

Estava a caminho do Pingo Doce, no Campo Pequeno...

Depois de uma tarde espectacular a banhos, quando me deparo com uma glamorosa multidão, um sem número de "empregados de mesa", munidos de vinho fresco e croquetes, (perdoem-me alguns Sportinguistas), envolvidos numa gigantesca e frenética quantidade de pessoas.

Espantei-me, não deixando de apreciar o momento e até desejar que algum desses "criados" se cruzasse comigo, pois apesar do calção de banho e camisa desportiva, existia em mim a esperança de que os meus olhos pequenos, quase rasgados, pudessem convencer, com sorte, os generosos anfitriões de que também eu fazia parte daquela "festa".

No entanto, o que me chamou mais a atenção foi o facto de todos aqueles convidados serem Chineses, ou qualquer coisa assim do género, excluo serem Japoneses, pois reconheço um Japonês em qualquer parte do mundo...

Talvez a sua nobreza?

Género Samurai...

Ou reconhecer em cada um deles, um Mr. Miyagy?

Não sei!

Para mim eram todos Chineses num imponente evento, denominado:

"Prudential Gala Dinner".

Segui a minha vida...

E por entre, o vinho Planalto, o Porto Offley, os camarões cozidos ou o gelado de framboesas, uma expressão surgiu na minha mente:

O que mais irritará Otelo?

A Reinauguração do Campo Pequeno, citando as palavras de Alberto João Jardim:

" Otelo, querias meter toda a direita Portuguesa no Campo Pequeno, pois bem, hoje estamos cá todos."

Ou ter o Campo Pequeno invadido por milhares de Chineses, cidadãos de um País Comunista, (perdão emocionei-me...), vestidos como se estivessem numa entrega dos Óscares, aproveitando ao máximo aquilo que o Capitalismo selvagem lhes tem oferecido?

Adorava saber...

O que mais irritará Otelo Saraiva de Carvalho?

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

 

 

 

  

11
Nov17

Gal Costa...

Filipe Vaz Correia

 

Tenho a Gal Costa a cantar perto de mim, muito perto de mim...

Não consegui ir ao concerto desta cantora, que invade as minhas memorias, as memorias daqueles que um dia me pertenceram, as memorias daqueles que desconhecendo, um dia me pertencerão.

Gal é tudo isso e muito mais.

Gal é Brasil e Portugal, Lusofonia e tempestade, sonho e intemporalidade, harmonia e desafio...

É um pedaço de Caetano e Bethânia, é parte de Simone e Jobim, é Vinicius e Drummond.

Gal Costa é Cazuza se despedindo das areias de Copacabana, é favela no Leblon ou o  Maracanã no calçadão...

Gal Costa é aquela voz que abraça o Brasil e o liberta pelo mundo, é o vento que esvoaçando se recorda do Lusitano grito, de seus Avós.

Tem no sangue esse Brasil intemporal, esse eterno Portugal, esse mar, essa chuva, esse oceano sem fim.

Tenho a Gal Costa a cantar perto de mim, muito perto de mim...

E o meu coração, timidamente, não pára de suspirar.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Comentários recentes

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Calendário

Dezembro 2019

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D