Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Caneca de Letras

Caneca de Letras

Quem Conheceu A Tão Desejada "Felicidade"?

29.05.19, Filipe Vaz Correia
    Doses pequenas de querer numa busca presente pelo encontro com a desmedida vontade de ser feliz. Dias bons, dias maus, nesse caminhar que se cruza desatinadamente com esse destino que desconfiamos sem saber, queremos sem conhecer, acreditamos desconfiando. Tantas interrogações que se apresentam numa entrelaçada questão... Seremos nós felizes? Sabemos o que é a felicidade? Essa palavra que nos persegue desde o início de tudo, desde a alvorada dos tempos, continuando a (...)

Versos Desconexos...

28.05.19, Filipe Vaz Correia
      Os olhos tristonhos; Tão meus...   Outrora risonhos; Só meus...   Pesadelos medonhos; Num adeus...   A voz calada Que me pertence, A dor silenciada Que se sente, Vento, ventania, Insistentemente presente...   E por entre a desconexa vontade de escrever; Por entre versos e poesia, Caminhando de mãos dadas sem ceder, Celebrando a derradeira ousadia, Desse amar ao amanhecer...   Ao entardecer; Ao anoitecer, Eternamente até morrer.        

Selfie: O "Delírio" Popular?

15.03.19, Filipe Vaz Correia
  Vinha eu caminhando por Lisboa, desde o Campo Pequeno até ao Corte Inglês, quando me apercebo de algo que me encanita de sobremaneira. Desculpem lá mas eu até suporto os carros estacionados no passeio, as trotinetas e bicicletas que ameaçam me atropelar, vezes sem conta... Até os desconcertantes paralelepípedos, fora do lugar, convidando a um entorse, me parecem coisa pequena, quando comparados com essa irritante alucinação em que se transformaram as selfies. Em cada (...)

Já Foste Feliz?

12.12.17, Filipe Vaz Correia
  Tantas vezes me questiono... Onde será que fui feliz? Verdadeiramente feliz... Sentimento esse que mistura mistério, com a interrogação constante ou a busca insana pelo desejo impossível. Tantas palavras, segredos presos à alma, momentos e instantes que se somam, sem que o tempo pare, sem que nos seja permitido voltar atrás, e novamente pintar esse quadro que eternamente fará parte de nós... Será o nosso infinito destino. Essa palavra, felicidade, que estranhamente (...)

As Asas Da Minha Imaginação!

30.09.17, Filipe Vaz Correia
  Acontece-me imensas vezes, estar sentado na esplanada de um café e observar as pessoas a passar, aquelas que chegam, as que sentadas estão perto de mim, a meu lado... Imaginar o que se passará em cada uma das suas vidas, o que se esconderá para lá do intrigante olhar. Poderá um sorriso significar felicidade ou uma lágrima simbolizar tristeza? Um ar carrancudo significar amargura ou a leveza de uma gargalhada, a preenchida realização do Ser Humano? Vezes sem conta, (...)