Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Caneca de Letras

Caneca de Letras

22
Set20

Já “CHEGÁmos” aos Ovários?

Filipe Vaz Correia

 

 

 

338BFEE2-855B-4C8D-8123-9BA73543D95F.jpeg

 

 

 

Os Ovários das mulheres devassas e pecadoras estão por agora a salvo das intenções benfeitoras do Partido Chega, ou pelo menos, de parte dele...

Uma proposta na convenção do Chega apontava para que às mulheres que fizessem aborto no SNS, não sendo caso de malformações ou violação, lhes fosse retirado os Ovários para que não pudessem voltar a onerar o Estado com os seus pecadores impulsos.

"Os seus pecadores impulsos" são palavras minhas, se calhar abusivas, neste cenário tão inquietantemente acolhedor.

Ao ler esta notícia, pensei que seria impossível, podemos compreender melhor o que por trás deste "partido" se encontra, parte destas mentes e espíritos que o compõem...

O proponente desta barbaridade foi militante do PNR, estando agora no novo Partido De Extrema-Direita Português, o Chega.

Muito bem!

Para Neo Nazis ou Ultra Radicais este tipo de moralismo trauliteiro representa sempre uma forma punitiva de corrigir aqueles que eles julgam não ser adequados à sua Sociedade...

Uma assustadora sociedade.

Vá lá que apesar de proporem retirar os Ovários, estes ideólogos dos Costumes, não propuseram retirar o útero das mulheres, essas que se deleitavam entre abortos, fazendo assim uma limpeza geral.

Minhas Senhoras, olhem que podia ser pior, afinal ainda lhes deixam o Útero.

Claro que sei, antes que apareçam por aí os indignados radicais, que esta proposta foi rejeitada por 85% dos presentes...

O que deixa ali uma margem de 15% de pessoas que olharam para isto e pensaram:

"Olha que isto é capaz de ser uma boa ideia!"

Assustador!

Mas o que esperar de um ambiente onde se vive a pujante expressão de ideias absolutamente abjectas, onde tudo parece ser possível nesse cardápio que poderia fazer salivar o Drº Mengele...

Claro que se torna apetecível um ou outro brilhante projecto.

Excelentes ideias, por entre, confinamentos étnicos, castrações químicas, prisões perpétuas e até penas de morte...

Que belo cardápio nos oferece este pedaço de extremismo travestido de um partido popular de direita.

Na (Alemanha) República de Weimar começou por menos...

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

 

 

 

05
Fev17

Eutanásia!

Filipe Vaz Correia

 

Esta é uma discussão para a qual, admito, tenho complexos e receios, preconceitos e anseios, dificuldades em desligar os dogmas incutidos na infância, e que bem ou mal fazem de mim o homem que hoje sou.

Sou cristão, católico, e por isso esta discussão reveste-se de uma imensa complexidade, no entanto, reconheço que tem de ser feita e debatida numa sociedade plural como aquela que temos, nestes meados do séc. XXI.

Não me julgo dono da verdade, não conheço esse tremendo sofrimento que muitos assistiram, através da dor prolongada de entes queridos, ou mesmo, esse desesperante sentimento de não se ser senhor, da nossa própria morte.

Para mim, admito, é algo em que evito pensar, não consigo lidar bem com essa ideia de que chegará um dia, espero bem longe, definitiva e arrebatadora.

Por não lidar bem com essa palavra, revestida de tamanha brutalidade, é que respeito imenso o tema e o seu debate,  apesar de ser contra esse direito concreto, de pôr um termo à vida, direito esse que acredito pertencer apenas a Deus, concordo que seja importante definir de uma vez por todas, qual o caminho que o país deve seguir.

A única coisa que me parece indiscutível, para mim, é a forma como este debate deve ser feito, deve de ser decidido...

Pelas pessoas.

Se querem levar por diante esta discussão, esta decisão, então julgo que esta deve ter o mesmo tratamento, que teve a discussão sobre o Aborto...

Ou seja referendo.

O Parlamento e os partidos, não devem legislar sobre uma medida desta natureza, desta complexidade, sem dar a voz aos seus cidadãos, deixando que estes possam expressamente demonstrar através do voto, qual a vontade sobre tão importante assunto.

E assim, feita a discussão, decidido o lado em que cada um se colocará, o país ficará mais esclarecido e certamente a decisão será mais consciente.

E depois, seguirão as dúvidas e continuarão as incertezas, pois num tema tão delicado e fracturante será sempre a fé ou a falta dela a definirem muito do nosso pensamento.

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

01
Fev17

Aborto...

Filipe Vaz Correia

 

Tive o teu destino, em meu poder;

Decidi nada fazer,

Acabei por te perder,

Dei esse dinheiro, para te esquecer...

 

Fui eu que paguei;

Essa morte, a tua vida,

E achei que apaguei,

Sem apagar, tamanha ferida...

 

Era jovem, inconsciente;

Com a consciência de um cobarde,

E agora, bem presente,

Esta terrível verdade...

 

Tive medo, sem saber;

Ou talvez sabendo temer,

Que o destino não me iria perdoar,

Essa tristeza a recordar...

 

Penso sempre, neste vazio;

Que me persegue constantemente,

Esta dor, esse desafio,

De te saber ausente...

 

Como poderias ter sido;

A tua cara, minha expressão,

O orgulho hoje perdido,

Que invade o meu coração...

 

Se eu pudesse voltar atrás;

E apagar este arrependimento,

Preferia eu morrer,

Do que meu filho,

Não te ter!

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Posts mais comentados

Comentários recentes

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Calendário

Setembro 2020

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930

Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D