Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Caneca de Letras

Caneca de Letras

“Mães” Que Nunca O Deveriam Ser...

Filipe Vaz Correia, 07.11.19

 

Estava agora a ver as noticias e não pude deixar de agarrar no teclado e escrever, escrevendo compulsivamente a raiva que em mim habita, nesse grito a gritar a tristeza que me invade.

Como é possível?

Mãe?

Não ofendam todas as Mães deste mundo, aquelas que abraçam todos os dias os seus filhos e aquelas que já não abraçando, vivem na memória destes eternamente.

Existem mães que nunca deveriam ter sido Mães.

Esta é a frase que me ocorreu, a primeira ideia que se acendeu ao ouvir as palavras, ao ver as imagens, ao me aperceber de quão baixo pode descer o Ser Humano.

Uma “mãe” que abandonou um recém-nascido num caixote do lixo, sem qualquer agasalho, numa zona escondida, abandonando aquele pequeno Ser a um destinado fim...

À morte.

Felizmente, este menino, foi salvo por um Sem-Abrigo...

Mãe?

Poderão dizer que ninguém sabe a vida daquela pessoa, que desconhecemos as motivações e o desespero, que existirão mil e uma razões para tamanha barbaridade...

Não aceito!

Aqui nem contesto o abandono, pois se quer abandonar que o faça, dependendo dos casos, até posso aceitar ser um acto de amor, desesperadamente por amor.

No entanto, se quer largar o bebé, então que o deixe à porta de uma casa, toque e fuja, que deixe dentro de um autocarro, que deixe num hospital, perto de uma esquadra...

Num caixote do lixo, afastado de tudo, sem qualquer tipo de agasalho?

Isto não é abandono...

É Infanticídio!

Existem “mães” que nunca o deveriam ser.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

Abandono...

Filipe Vaz Correia, 26.04.17

 

Cantarolei devagarinho;

Esta canção ao ouvido,

Sem saber que pelo caminho,

Encontraria meio perdido,

O meu coração...

 

Trauteei em segredo;

Os destinos desencontrados,

Receosos e com medo,

Desses verbos amarrados,

À esperança...

 

Caminhei sem parar;

Fugindo, viajante,

Das lágrimas a lembrar,

Cada passo hesitante,

Que deixei de dar...

 

E aprisionado ao vento;

Deixei escapar o sofrimento,

Desistindo desse tormento,

Em que se tornou,

O teu amor.