Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Caneca de Letras

Caneca de Letras

Segredos De Amor!

 

Isto de amar tem o que se lhe diga...

Tem a dor, entorpecedora maneira de sofrer, o ardor inerente ao palpitar da alma, o formigueiro constante que adormece os sentidos, a ansiedade imensa de amarrar um beijo ao momento, o abraço envergonhado selando o bater do coração...

Esse coração que só assim se preenche, se completa, se torna feliz.

Por entre palavras, linhas descompassadas, se escrevem e descrevem sentimentos, o sentir entrelaçado em cada instante, soletradamente indescritível, mesmo que pareça discretamente escondido em cada frase, a cada olhar...

Só quem ama desta forma sabe o significado de tamanho querer, de desejos secretos, segredadamente imperceptíveis, guardados silenciosamente na memória do vento, esvoaçando por entre dias e noites eternamente.

Mas poderia ser diferente?

Poderia o olhar decifrar, sem receios, o que deseja a nobre alma?

Decifrando o cheiro, esse cheiro teu que acalenta, despe e consome...

Esse sabor preso em tua pele, impregnado em mim e que assim permanece, sempre e sempre, como se sempre fosse um momento cristalino, renovado a cada instante.

Tantas e tantas vontades, secretamente imortalizadas em lágrimas sinceras, somente descritas em poesia, num poema interdito a almas impuras...

E cautelosamente se pinta um quadro de amor, com palavras vãs, soltas em divãs de um qualquer sonho.

Sem medos, sem amarras, repletos de querença, numa esperança infinita de um desejo maior.

 

 

Filipe Vaz Correia