Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Caneca de Letras

Caneca de Letras

Ó Tempo...

 

Ó tempo...

É nas tuas marcas que me recordo como depressa passaste, de cada vez que ao espelho as revejo, teus sinais intransigentemente marcados em meu rosto.

Em cada ruga uma recordação, um amor revivido, um amigo perdido, um ente querido que partiu...

Por cada vinco em minha pele, um sorriso que se liberta de tantos e tantos momentos, uma lágrima disfarçada ao vento.

Ó tempo...

Pedaço de sentimento resplandecendo ao luar, numa procura incessante por instantes que não voltam, não regressam, esvoaçando intensamente nessa mágoa amargurada que vai correndo sem parar.

Ninguém disse ao tempo para esperar, para aguardar eternamente, imobilizado diante desse milagre denominado vida...

Essa magia espiritual que flameja como uma chama que infelizmente se extinguirá.

No rosto, nas mãos, a pele engelhada entrelaçando o corpo à alma, num percurso siamês sem retorno.

O olhar meio esbranquiçado, já perdido, desgastado, sem a cor de outrora, no entanto, preso à vida, à esperança de recuperar...

Recuperar o tempo, que o tempo levou.

Ó tempo...

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

2 comentários

Comentar post