Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Caneca de Letras

Caneca de Letras

02
Ago17

A Tinta...

Filipe Vaz Correia

 

 

 

Se a tinta da minha caneta;

Tivesse o poder de reencontrar,

Os versos outrora perdidos,

Que ousei imaginar,

Num destino desconhecido,

Que insisto em procurar...

 

Se a tinta desta minha caneta;

Fosse mágica e intemporal,

Se conseguisse por um instante,

Como um intenso vendaval,

Reescrever,

Esta rima final...

 

Mas a tinta da minha caneta;

Está aprisionada ao meu destino,

A esse secreto caminho,

De dor e desatino,

Poético.

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Comentários recentes

  • Anónimo

    E ainda por cima morreu William Shakespeare, o pri...

  • Carlos Marques

    Exatamente. Já para não falar do denunciante perse...

  • Filipe Vaz Correia

    Meu querido Pedro...Não contente com a mistura do ...

  • pedro

    ainda estao vivos os filhos daqueles que pela cala...

  • Filipe Vaz Correia

    Meu querido Pedro...Portanto para si o que se pass...

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts destacados

Pesquisar

Calendário

Agosto 2017

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031

Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D

Em destaque no SAPO Blogs
pub