Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Caneca de Letras

Caneca de Letras

Avé Maria

Filipe Vaz Correia, 14.04.20

 

Amarga amargura que te moldas em mágoas,

palavras separadas em tempos de tristeza,

sábias e cicatrizadas feridas que não calam,

marcam compassadamente os mortos,

os rostos apagados, esquecidos, remarcados,

por entre lágrimas secas de outrora,

no alto mar tempestuoso de uma vida,

tantas vidas redesenhadas.

 

No meio da dor,

essa espécie de orfandade de sentimentos,

sobrevive a angustiada expressão incógnita,

esse ardor desesperado numa mistura,

mescla ardente do vazio que sobra,

transborda em prantos,

por todos os recantos da Humanidade.

 

Já não sei escrever, expressar por palavras a confusa obliquidade,

esse adeus profundo a uma realidade,

que desvaneceu.

 

Oiço ao longe o ressoar daquela voz,

solitariamente só na Catedral Duomo,

na Praça de São Pedro,

nas ruas deste mundo despido,

desnudado, ferido.

 

Avé Maria...

 

Avé Maria...

 

 

 

 

E Os “Miseráveis”?

Filipe Vaz Correia, 10.04.20

 

E vale a pena perguntar:

E os miseráveis?

Irrita-me, sempre me irritou, esse monopólio da solidariedade social da Esquerda ou Extrema Esquerda no discurso politiqueiro.

Durante estes tempos que vivemos, muitas vezes me questiono como estarão a viver os mais miseráveis de nós?

Aqueles que sem rede se encontram destapados, entregues à crueldade do dia a dia, desamparados neste turbilhão que nos envolve e machuca.

E esses?

Como estarão a "viver" estes tempos?

Estamos tão preocupados com a economia, não me excluo deste grupo, com a arquitectura da retoma que todos desejamos, que por vezes nos esquecemos daqueles que nada têm para retomar, reerguer, recuperar.

Esses que dormem nas ruas, se esqueceram dos sonhos, não se recordam dos afectos, não tiveram direito a abraços ou regaços e que agora estarão mais "despidos" do que nunca.

Que frieza de consciências, que desabafo calado e surdo que insiste em se manter, neste conforto tranquilo daqueles que se dão ao luxo de ter preocupações...

Triviais preocupações sobre a Humanidade, muitas vezes sem a consciência da ausência dessa mesma Humanidade.

Olho para alguns destes miseráveis que se abeiram na fila do Supermercado, na fila para a Padaria, e que amiúde finjo não ver, evito contactar, desejo esquecer...

Vou voltar para as minhas macro preocupações, aquelas que me mantêm entretido sobre o futuro da nossa economia, sobre o destino da nossa Sociedade em geral.

É mais confortável, menos áspero...

Para quem?

Para mim.

Somente para mim.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

Morte “Morrida”

Filipe Vaz Correia, 08.04.20

 

Ousam voar das entranhas da indecisão;

Mortos e mortos para a ribalta dos jornais,

Vociferando a impotência,

Nossa, enquanto, animais...

 

Somos pó e vento;

Pedaços de nada em forma de gente,

Num sopro o tormento,

Num instante que se sente...

 

Caminhamos parados,

Trancados em casa,

Perplexos, embasbacados,

Como um pássaro sem asa...

 

Volta, volta vida;

Do lugar para onde partiste,

Sara, sara ferida,

Cala a dor que ainda subsiste...

 

E do fim de tamanho terror;

Que consigamos alguma coisa aprender,

Que este medo não fique torpor,

E a morte não seja somente morrer.

 

 

 

 

 

Dúvidas Em Tempos De Pandemia...

Filipe Vaz Correia, 31.03.20

 

Umas vezes sobram palavras, outras vezes escasseiam silêncios, umas vezes distribuem-se abraços, outras vezes desaparecem os afectos, umas vezes nos inundam de sorrisos, outras vezes nos circundam as lágrimas, umas vezes...

De tantas e tantas vezes o mundo palmilha dias e noites, sempre em andamento, caindo bombas e sobrando gritos em soturnas temporadas de medo.

Noites escuras que encobrem os dias, os fazem cinzentos, tristonhos, mas sempre do outro lado do horizonte se prometem as alvoradas que ameaçam findar com as trevas.

O mundo avança...

Mesmo que silenciosamente, distante, sufocando com a intransigente  ausência das gentes.

Como fazer diferente?

Nada mais faz sentido, nesse sentir que se instala, por entre, estádios vazios, igrejas cerradas, estradas despidas e ruas silenciadas...

Já não sorriem os meninos de manhã, a caminho da escola, já não buzinam os atarefados senhores que correm para o trabalho, nem aceleram os autocarros e comboios apinhados de gente.

Já nada parece igual...

Nada parece ser igual.

Neste entrelaçado caminho que nos une, pretos e brancos, ricos e pobres, muçulmanos e cristãos, de todas as crenças, géneros ou pátrias...

Nada nos separa diante deste medo maior, deste flagelo imenso, desta Pandemia que chega e nos reduz à nossa singela insignificância.

Somo pequenos diante da Mãe Natureza e dos seus caprichos...

Tão pequenos que num instante somente a quarentena nos poderá valer da ameaçadora devastação.

Que iremos vencer ninguém dúvida...

Mas se iremos aprender com tudo isto?

Disso já sobram dúvidas.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

Coronavirus: Andrà Tutto Bene!

Filipe Vaz Correia, 14.03.20

 

Todos em casa!!!!!

Sem excepção...

Pelo menos todos os que não poderão ajudar nesta luta contra a pandemia.

Não vale a pena açambarcar, ir para os supermercados e comprar desmedidamente como se não fosse existir mais comida, contribuindo para um pânico que em nada contribui para os tempos que vivemos.

Vamos viver em comunidade e com responsabilidade, com receio mas sem o desespero que nestes momentos ameaçam a sanidade e acendem egoísmos bacocos.

Tempos diferentes se aproximam, fazendo recordar àquelas páginas do livro de História e que pareciam inverossímeis e distantes...

Peste negra, pneumonia espanhola, o início da SIDA...

Como é possível?

Ouvir as histórias do que se passa em Itália, com tendas montadas nas ruas, centros de crise, doentes amontoados em casa à espera de morrer, sem que o sistema de saúde italiano tenha resposta para todos, mais do que indescritível é absolutamente inacreditável.

Enfim...

Vivemos novos tempos, com a mudança de paradigma no mundo, pois nada deverá ficar igual.

Que este Coronavirus passe, vá embora e possamos todos por aqui continuar escrevinhado sobre problemas do dia a dia, problemas esses banais, quando confrontados com esta pandemia.

Andrà Tutto Bene!

Tudo ficará bem!

Se Deus quiser...

 

 

Filipe Vaz Correia