Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Caneca de Letras

Caneca de Letras

Meu Caro José Diogo Quintela...

Filipe Vaz Correia, 14.04.18

 

Meu caro José Diogo Quintela é com tristeza que lhe escrevo, não por si, mas essencialmente pelas enormidades explanadas em seu texto e que o tornaram na chocante realidade de uma singela estupidez...

O seu texto denominado Oncolamúrias é um pedaço de insensibilidade, misturada com a arrogante presunção de julgar algo, absolutamente inimaginável.

O topete demonstrado por si, julgando a indignação desses Pais que vendo os seus filhos de tenra idade, prostrados em corredores de um Hospital, lutando pela vida em condições inaceitáveis, enquanto ingerem doses de quimioterapia, numa última esperança de se amarrarem a esse destino que lhes sobrou, soluça esta minha escrita incapaz de verbalizar a tamanha incredibilidade que me assola.

Reportar as mortes de Crianças nos bombardeamentos químicos na Síria, como ponto de comparação com este caso, não respeita nem a memória desses mártires, nem tem em consideração a dor e o sofrimento destas Crianças e Pais que agonizam nos corredores do dito hospital.

Será que poderemos falar de Lares que maltratam e deixam velhos subnutridos, quando em África, tantos e tantos, morrem sem comida?

Será que poderemos falar em violação, quando em vários Países, esse casos são flagrantemente sentidos, numa escala maior do que neste nosso País?

Será?

A crónica de José Diogo Quintela é, na minha opinião, absolutamente fedorenta, mesmo nauseabunda, desrespeitadora da mais básica expressão da solidariedade Humana.

Já aqui escrevi, vezes sem conta, o que me vai na alma quando o assunto é o drama Sírio, o massacre constante a que estão sujeitos Velhos e Novos, Pais e Filhos, enfim gente...

Já aqui gritei, através da tinta soletrada pelas  minhas palavras, o horror que se vive na Síria, no entanto, não posso aceitar que esse argumento seja utilizado para menosprezar a dor imensa a que devem estar sujeitos, aqueles meninos e meninas, combatentes nessa batalha pelas suas vidas, contra o cancro.

Não existe comparação...

Nem tem de haver.

Por isso e como gosto pouco de almas fedorentas, mentes tacanhamente dispostas a tudo por um punhado de polémica, distancio-me desse texto, desejando apenas que o seu autor nunca tenha de estar num corredor de Hospital, com um filho seu, guardando em si o desespero de tamanha luta.

Quanto a mim, sobra-me indignação para poder escrever sobre os dois temas, com a mesma revolta e sem senãos...

Sem hesitações em criticar o inaceitável.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

Sem Vida...

Filipe Vaz Correia, 04.03.18

 

 

 

Crianças esquartejadas;

Empilhadas,

Sem vida...

 

Olhares perdidos;

Parados,

Rostos feridos,

Desencontrados...

 

Sem vida...

 

Marcas de desgostos;

Horrores profundos,

Homens pequenos,

Pequenos segundos...

 

Sem vida...

 

Tantos mortos;

Sem idade para sentir,

Que a vida chegara,

Chegara a partir...

 

Sem vida...

 

Eternamente sem vida,

Por entre as lágrimas que não chegaram,

As dores que não calaram,

As mágoas que não contaram,

Os medos que se concretizaram...

 

Em vida...

 

 

60 Minutos Na Síria Ou A Vergonha Da Humanidade?

Filipe Vaz Correia, 04.03.18

 

Imagens assustadoras, arrebatadoras, devastadoras...

A SIC Noticias exibiu ontem, uma reportagem sobre mais um genocídio químico na Síria, no programa 60 Minutos.

Espero que a vejam...

Tenham medo, receio, pois o devem ter, num tremendo confronto com a dor e devastação inimaginável, por entre os olhos sufocados de várias crianças, vozes silenciadas sem expressão, espasmos contínuos esmagados pela mortandade de Gás Sarin.

Crianças e mais crianças, Pais e Mães, Novos e Velhos.

Nada escapou ao criminoso gesto de Bashar Al-Assad, a mais um criminoso acto de um regime genocida.

Vejam...

Por favor vejam!

As imagens não editadas, integralmente passadas pela CBS, num gesto corajoso, afrontador da consciência Humana, retira de tantas frases feitas a hipocrisia, dos medos civilizacionais a estupidificante razão de existirem.

Se ali estivéssemos, só poderíamos querer fugir, se víssemos os nossos filhos ali, apenas nos restava correr com eles nos braços, para evitar que o seu destino fosse igual ao daqueles meninos, estendidos naquelas terras...

Se ali estivéssemos, apenas nos restava esperar que aquelas bombas não chegassem, que aquele fim não fosse cumprindo.

Nos olhos daquela gente, morta, espumando de suas bocas, presas por um momento, singelo segundo, às vidas outrora seguras, se encontra a vergonha disfarçada de todos aqueles que permanecem cúmplices...

Calados.

Não quero fazer parte desse conjunto de pessoas e por isso grito...

Vejam!

Vejam como na Síria, nos dias que correm, se mata sem pudor, se esmaga a esperança de tantas crianças sem que nada mude...

Sem que o mundo se indigne.

E no meio de tantos silêncios, de tanta hipocrisia, continua a reinar a desesperante vontade de um déspota. 

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

 

Um Massacre Sem Fim!!!!!

Filipe Vaz Correia, 22.02.18

 

 

Estão a morrer pessoas, crianças, em Ghouta Oriental, assim como, já muitas haviam morrido em outras partes da Síria...

O mundo assiste perplexo, sussurrando palavras ocas, tímidas ameaças, consentindo uma vez mais as ofensivas de Bashar-Al-Assad.

Nunca acreditei na Primavera Árabe, nesse movimento, essa espécie de clamor que invadiu o mundo Ocidental, num apoio desmedido a rebeldes que se tornaram em muitos casos, mais tiranos, do que os supostos ditadores que tanto queriam depor.

Sempre temi essas Odes escritas de improviso, contando os feitos de heróis fundamentalistas...

Nunca confiei nos revolucionários que zurziam ao vento a libertação dos seus povos, em diferentes destinos, em cenários distintos.

Não funcionou na Líbia, não funcionou no Egipto, não funcionou na Síria, simplesmente não funcionará.

O Egipto, é um Estado profundamente laico, enraizadamente preparado para a separação de poderes, Religião e Estado...

Talvez isso os tenha salvo, justificando assim o facto de terem conseguido a tempo, perceber o gigantesco erro que acabavam de cometer, destituir Mubarak, para o substituir pela Irmandade Muçulmana, pois apesar de estes serem eleitos democraticamente, ameaçavam mudar radicalmente a face do seu País...

Daquele povo.

Os mesmo jovens Egipcios que os levaram ao poder, nas ruas, pelas ruas...

Perceberam o perigo deste tipo de caminho, do poder Teológico que ameaçava se instituir, através das suas leis discriminatórias e medievais.

Por todas estas razões sempre desconfiei do preço a pagar pelas populações, depois destas revoluções varrerem aquela parte do mundo...

Sempre pensei ser preferível ter cautela, mesmo sabendo que Mubarak, Kaddafi ou Assad, não eram propriamente uma solução.

No entanto, no caso Sírio, o mundo tem assistido, vezes sem conta, ao massacre constante das populações que se encontram em cidades tomadas pelos rebeldes, com gás ou fogo, por terra ou ar...

Assad com a conivência do Irão e da Rússia, tem vindo a trucidar aquelas populações, aqueles infelizes cidadãos do seu País ou do que dele resta, inocentes ou não, mulheres, homens, crianças.

As imagens que nestes dias nos têm chegado de Ghouta Ocidental, são para qualquer um de nós, um chocante relato do desespero civilizacional a que definitivamente chegámos, cumplicimente silenciados pela inaptidão daqueles que nos governam...

E pela intensa distância daquelas bombas, do barulho daqueles gritos, do vazio daquelas crianças despedaçadas.

Enquanto o mundo discute onde deverá ficar a capital de Israel ou o doping olímpico ou mesmo os muros sonhados por Donald Trump, mais um massacre sem fim acontece naquelas terras, há muito, carregada de feridos e mortos.

Assad ultrapassou todos os limites, como aliás já o havia feito, sendo assim completamente inaceitável que os Estados Unidos e a Europa, se calem uma vez mais...

A História não nos perdoará.

Quanto àquelas vidas, àquele povo...

A escolha que neste momento lhes resta é:

O Regime de Assad ou os Rebeldes terroristas?

Pobre povo.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

 

 

 

Vidas A Correr!

Filipe Vaz Correia, 08.11.17

 

 

 

As bombas ensurdeceram o meu sentir;

A dor emudeceu o meu carpir,

A mágoa escureceu esse intenso colorir,

Fugindo sem fugir...

 

O sangue pintou cada morte,

Cada desaparecer ensurdecedor,

Destino sem sorte,

Fétido fedor...

 

Cada olhar,

De uma vida vazia,

Intenso desesperar,

Dia após dia...

 

Ainda não fiz doze anos;

Nem sei se os farei,

Por entre feridas e danos,

Perdendo tantos que amei...

 

E continua a vida a correr;

A vida a correr,

E eu parado,

No meio deste meu eterno sofrimento.