Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Caneca de Letras

Caneca de Letras

11
Jul20

La Despedida...

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

A poesia, sempre ela, faz parte da minha alma, como um ADN que descodifica cada pequena parte de mim.

José Ángel Buesa é um dos poetas que mais gosto, um dos que sabe tocar a tristeza, mesmo que bela, que ampara a lágrima, mesmo que discreta, que segreda, por vezes, esse vazio que nos inquieta.

No meio da dor, que nos alimenta o Ser que somos, importa olhar para as palavras e descobrir as despedidas necessárias de um intenso caminho.

Despedidas passadas, dores presentes, desafios futuros...

Obrigado, José Ángel Buesa.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

09
Jul20

Amor Da Minha Vida

Filipe Vaz Correia

 

 

 

D9F87758-08CB-48A2-BD03-3A05A0D5FC23.jpeg

 

 

 

Amor da minha vida

que me fazes perder o sentir

esse respirar que se suspende

que só a alma compreende.

 

Desejo o teu cheiro

em cada momento inteiro

sabor primeiro

nunca derradeiro 

e assim infinitamente.

 

Por ti vivo

e morro

suspiro e deliro

me perco e reencontro

tudo de uma só vez.

 

E de todas as vezes

sem receio

te abraço

eternamente.

 

 

08
Jul20

Mil Vezes Amar

Filipe Vaz Correia

 

 

 

BB6DC40B-94E9-4A73-806B-6F80E70AF5EA.jpeg

 

 

Amar, amar, amar...

Morrer de amor, sofrer amor, querer de amor...

Não desliga por favor, nessa despedida cantada, despida nortada, que se abeira do fim...

Do fim que reinicia, da desesperada partida, maldita desdita que não cala...

O silêncio, sofrimento no tormento, desesperado sentimento, num ausente momento...

Tão presente quanto ausente, num olhar o esgar, desse sentir que se esconde...

Escondido e perdido, no mar despido, amargurado e sentido, orgulho ferido...

Pois faz parte desse amar, o saber perdoar, tão imenso se entrelaça o bater da alma...

Anjos e demónios, antónimos e sinónimos, estranhos e homónimos, numa caminhada mundana...

Pé sobre pé, de mãos dadas, no silêncio das paredes, com a lua como testemunha, do outro lado da janela...

E ali se segreda a vontade, a saudade, a intensa verdade...

De um amor.

O nosso amor

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

 

04
Jul20

O Amor...

Filipe Vaz Correia

 

 

 

231835D1-8F36-4EF5-851B-69570D99008A.jpeg

 

O amor, esse pedaço de tudo que se transforma em respiração, em toque e sobressalto, em olhar perdido que se entrelaça no silêncio, em partilha intensa desmedidamente entregue.

O amor, palavra sacra e vã, tantas vezes atirada para o ar nesse querer que se torna mundano, nesse vazio impreciso tornado verdade, no entanto, no seu sacro esvoaçar se eterniza, em escassos momentos, raros amantes, por entre vidas...

Vidas distantes, tornadas uma só nessa entrelaçada explicação da alma, do terno e sensível coração.

O amor de Shakespeare, de todos os Shakespearianos, se esconde desencontrado nas estradas poeirentas e mundanas do destino, é escrevinhado a pena, desenhando letras que num ápice se fundem, num precioso e raro instante.

Nesse amor, o sacro, raro, floresce a inexplicável vontade de amar, esse entrelaçar de dedos que fortalece, esse quebrar de barreiras que solidifica, esse saber maior que nos une.

Amor, tamanho amor que bate e pulsa, que grita e se torna em melodia, que fundido num abraço nos torna um só.

Desse amor, o das imortais Odes, poucos serão os comuns mortais a o experimentar, salpicando as suas vidas nessa busca vã do nada que sobra.

Para as imortais almas que sobrevivem ao desgaste do tempo, que insistem nessa busca entre vidas, procurando incessantemente aquele eterno momento, onde pela primeira vez o sol insistiu em quebrar a barreira dos céus...

Para esses, os raros de Shakespeare, o tempo não passa, o toque não se perde, o cheiro não desaparece, o abraço é igual ao da tamanha descoberta.

Para esses, tudo é singelamente belo, nesse infinito olhar que tudo sabe, soletra, soletrando poeticamente a incerta certeza de um desmedido amor.

E viagem após viagem, no preciso sorriso desse desencontrado encontro, se repetirá, todas as vezes, a primeira.

A infindável primeira vez, naquele entrelaçado olhar que nos uniu...

Num inexplicável unir de almas.

 

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

 

25
Jun20

Uma Estrada Chamada De Destino...

Filipe Vaz Correia

blog53-1.jpg

 

A melodia invade, os acordes ecoam, as palavras se cruzam, tanto e tamanho o confuso encruzilhar de querer que acaba por desvanecer...

Nos acordes de uma poesia, tristonha e desconexa, se encontram os enigmas sombrios de pequenas questões, desenhos uniformes carregados de estupidez.

No olhar perdido daqueles que se tornam parte de mim, vejo reflectido esse absurdo narrativo do que parece inverosímil...

As arestas por limar dos que se atrevem a viver.

Por entre as melodias, os arrebatados passos, os entrelaçados gestos de hesitação...

Buscarei sempre essa verdade que se tornará indispensável.

De mãos dadas, sem medos, viverei novamente os arrepios, calafrios, interrogações constantes somadas às incongruências do tempo.

Pode ser mais fácil gritar...

Mas o grito será sempre parte desse libertador acto de resistência.

E a pueril parte de mim se envergonha, se intimida, se perde nas entrelinhas de um traço que parece definitivo.

Contínuo a viver...

Vida após vida.

Um abraço

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

19
Jun20

Ziguezagueante...

Filipe Vaz Correia

 

 

 

6463CB33-6121-455C-BAF4-6D0D95BBA155.jpeg

 

De cada vez que olho para aquela criança perdida, com medo, seus medos, sinto que numa aguarela sentida se pincela a contradição Humana, esses receios que nos moldam, se agigantam e nos fazem caminhar por estradas diferentes.

Nesse rumo ziguezagueante, se somam as cicatrizes armazenadas na alma, aquelas secretas lágrimas que sobram, marcam, ficam...

Em silêncio, silenciosamente sussurradas nas noites frias em que a luz apagada anunciava monstros e urros, trevas e pânico.

O abrigo maior, esse abraço quieto e acolhedor, chegava, nem sempre antes do estremecer da alma, no entanto, retemperador e pacificador dessa inquietação maior.

Num olhar da janela da imberbe experiência, a correria que parecia calmaria, o serpentear de palavras e ideias confusas, complexas que amarravam a respiração, num entediante jogo de semáforos, onde se descrevia o correcto e o incorrecto.

Aprendizagens...

De cada vez que olho para aquela criança perdida, à espera do tempo, recordo o aprender constante, o moldar presente, num percorrer sem parar de uma construção imperiosa da personalidade.

Esconder medos, afastar fantasmas, tomar as rédeas de tanto sem que o tempo permitisse os tropeços num puzzle cristalino e irrequieto.

Será sempre assim?

Julgo que sim...

O medo de perder, desse perder que chega, daqueles que nos pertencem, dos que ainda não chegaram, dos que partindo se desapegaram de nós.

A criança perdida com medo de crescer, dessa pressa descrita num texto de um estimado amigo...

Olho para trás, em busca dessa criança, desse olhar pueril que outrora ambicionava querer, desejando não temer o que temendo, se guardava nas entranhas da esperança.

Olho tantas vezes para trás...

Os dias percorrem o seu destino, o nosso, nesse passo atrevido e vazio, nesse vazio a passo buscando o atrevimento solto de um tempo por resgatar.

São as palavras, nesse enredado pedaço de tela, que se atrevem a descodificar com tempero o piscar de olho, o suspiro profundo, o sorriso matreiro ou a despedida hesitante...

São elas, as palavras, que se atrevem a traduzir o que esconde o olhar, esse guardião da alma, esse bater literal do coração, esse regente secreto da memória.

De cada vez que olho para essa criança perdida, sinto as saudades de tudo, de tanto, daquilo que sonhei sonhar, das conversas e risadas pelas madrugadas, do nexo e reflexo por mais complexo que possa parecer.

Um dia...

Nas entrelinhas da memória, num encontro desconexo, talvez volte a encontrar essa criança, numa outra vida, pedaço solto de todos os pedaços de lembrança, num outro ambicionado destino.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

18
Jun20

Inconveniente Trovador...

Filipe Vaz Correia

 

 

 

61C5F44D-7D0F-4566-9ABE-FDFA325614C7.jpeg

 

Quisera a intemporal temporalidade que se contasse num conto amador, as palavras de tão inconveniente trovador, desmentido pela melodia que escondia quem sorria num castelo inventado, quase pincelado com as cores reais, fingindo a coroa doirada esperar o radioso querer transformado em espinhos, tão cravados na alma, desalmada querença que magoa e esventra tudo à sua volta.

sorriso que se perde vezes sem conta na esmerada realidade tão aconchegada ao olhar, esse que nada traduz, apenas solitária desesperança, saltitando na balança da traição esmagada que se encontra em cada soletrada incongruência de um dia.

vai caminhando ao luar, vendo o seu reflexo na calmaria das águas, na soberba da vontade, no expressado trilho dos dragões que esvoaçam a sua mente, sem parar, sempre e sempre sem parar. Volta melodia, ruído ensurdecedor de poemas condenados em quadros encantados de tempos passados em encontros desencontrados que prometeram pedaços de amarras nesse perdido destino transformado em viagem.

Cansaço desesperador que se abeira da alma e toma conta do sorriso matreiro da lágrima certeira e que se assoma de tua.

e num conto amador o inconveniente trovador recorda à saciedade a importância de não estender a mão para a ausente presença que de nada o resgata, somente ilude o olhar para esse sentir tão vago como fingidor.

e o poeta continua a escrevinhar libertando de sua alma em cada memória passada o sofredor pincelar que dá vida à emoção de outros com esse sofrimento tão particular, tão seu, tão solitariamente seu.

mais caminhos, cristalinos adivinhos nas entrelinhas da volúpia e soluçante maresia...

 

por outro tempo

noutros dias.

 

 

 

17
Jun20

Vai Voando...

Filipe Vaz Correia

 

 

 

0B0CD76B-36CF-4D07-A17C-EF5F47A29FE2.jpeg

 

Poema, poesia

contraditória superação

na inglória vontade 

deste entrelaçado coração

que sobe e desce

corre e sussurra

tropeça e cresce

sem saber

que atrás se esconde

outra vez

o mesmo abismo.

 

Um, dois, três

escrevinha o poeta

de pena ao vento

despejando a secreta

forma de tormento

que esmaga e penetra

o tortuoso sofrimento.

 

vai voando

por entre a imaginação

a doce melodia

buscando a entoação

no piano, velharia 

encostado ao canto da janela.

 

vai voando

sem parar

vai sonhando

a cantar

vai voando

mais perto do sol

dos Deuses

do nada que se transforma na imensidão de tudo.

 

vai voando

pequeno poeta

sem medo de voar

pois a queda será certa

tão certa como derradeiro esvoaçar.

 

vai voando.

 

 

 

 

06
Jun20

Tu E Eu

Filipe Vaz Correia

 

 

 

67B7786D-FE99-4D41-9231-3796887CA85E.jpeg

 

 

Tenho as mãos ardentes de um sentir

pedaços de um intenso hesitar

sonhos que insistem em fugir

e vozes que persisto em calar...

 

Viajo de olhar fixo lá fora

busco cada parte desse infinito querer

medos e memórias de outrora 

que outrora ansiava viver...

 

Já me perdi em teu cheiro

vezes sem conta

entrelaçado e derradeiro 

vezes sem conta

e de todas essas vezes

como da primeira vez...

 

Sei que o tempo passa

esmaga e avança

mas se o pudesse parar

por um segundo

discreto e profundo

seria em teus braços que me quereria encontrar...

 

Eu nos teus braços,

Tu nos meus abraços

e Nós entrelaçados...

 

Num amor que sobrevive pela eternidade.

 

 

 

02
Jun20

Uma Carta Numa Caneca... Para Ti, Minha Mãe!

Filipe Vaz Correia

 

 

 

4711084E-2F5E-42E4-AAD0-A902594AFAD4.jpeg

"Nenhuma outra imagem nos poderia representar tão bem"

 

Minha querida Mãe, mais um dia 2 de Junho longe de ti, não tão perto, nesta década que se completa onde a tua partida vai sussurrando essas saudades que se eternizam.

Palavras soltas que nos ligam, num amor sempre presente, nunca menor, intensamente marcado em nosso olhar.

Incondicional, incondicionalmente marcado nesse cordão umbilical nunca cortado, no toque das mãos, no colo presente, na voz que acalmava a minha desmedida rebeldia.

Nesse conforto aconchegante me senti em casa, nos teus braços, no regaço cantado por ti em meus imberbes dias, em todos os momentos, tão nossos...

As saudades que me invadem, todos os dias, não diminuem essa falta que sempre saltará de mim, em cada partilhar de recordação de minha alma.

Farias 85 anos...

Como estou mais velho querida Mãe, sendo que ao espelho, nesse espelho da memória, ainda se encontra o teu menino, esse que vias independentemente da idade.

Essa sensação de musicalidade na expressão, sempre buscando um caminho que me permitisse o sorriso, mesmo que nele contido pouco siso, mesmo que o mundo voasse em sentido contrário.

Foste tu que me ensinaste a amar, a sentir sem receio cada parte intensa de mim mesmo, sabendo que nesse pequeno eterno instante se poderia extinguir a imortalidade.

Um dia chegou...

A tua partida chegou e o céu se cobriu de cinzento, o mar revolto se acalmou, a brisa deu lugar a esse nada que se instalou.

Meu amor...

Parabéns.

Olharei para os teus retratos espalhados em minha casa e neles buscarei, como faço sempre, esse sorriso que tantas vezes me resgatou de tristezas, de contraditórias inquietações, desse caminhar da vida carregada de ilusões.

Obrigado por tudo...

Amor de minha vida.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Comentários recentes

  • Anónimo

    Foi bonita a festa, páFiquei contenteAinda guardo ...

  • frar

    OS AFRICANOS ESTÃO-SE A CAGAR PARA O EUROPEU-DO-SI...

  • Filipe Vaz Correia

    Meu caro Anónimo...Não será ao contrário?Um abraço

  • Anónimo

    LIVROS & JORNAIS - Vários estudos, entre eles u...

  • Anónimo

    A seguir vem a fogueira e depois a guilhotina...

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Calendário

Setembro 2020

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930

Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D