Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Caneca de Letras

Caneca de Letras

22
Jul19

Entrelaçar Da Alma

Filipe Vaz Correia

 

São palavras...

 

As palavras que representam cada instante;

Num segundo ausente,

Num outro permanente,

Numa roda gigante,

Terna e asfixiante,

Caminhando sem parar,

Por um destino distante,

Que me custa recordar.

 

São palavras;

As mesmas que parecem escapar,

Levemente resgatar,

Essa essência que nos molda.

 

Nesse entrelaçar de dedos;

Se perpetuará sem pudor,

Uma parte medo,

Outra parte amor,

Do que num segundo, foi segredo,

E noutro momento ardor.

 

Assim...

Silenciosamente preso a um entrelaçar de dedos;

Que se perdeu, por entre, a infinitude de um tempo...

 

Só nosso.

 

 

 

19
Jul19

Quando?

Filipe Vaz Correia

 

Quando o silêncio se impõe;

E parece silenciar a alma...

 

Quando o gritante vazio,

Se atreve a chegar...

 

Quando o destino se cala,

Se atreve a calar...

 

Quando não se mostra o sorriso,

Tristeza chegando de improviso...

 

Quando o sol se põe,

Dando lugar ao desconhecido...

 

Quando nada mais faz sentido,

Esse sentir perdido...

 

Quando?

 

Quando apenas sobra a contradição,

Nessa forma de aflição...

 

Quando o mundo se revolta,

E desnuda o medo maior...

 

Quando o temor acrescenta,

Sem receio de esventrar...

 

Quando é pequeno o querer,

Esse querer que é desassombrado...

 

Quando?

 

Quando o escrever soluça;

A alma se agiganta,

A certeza se inquieta,

A entrelaçada querença se torna incerta...

 

Quando tudo isto se desenha;

Numa prepotente e assimilada resenha,

Voltando as pegadas presentes no nascimento,

Esse reescrito tormento,

Que nos pertence.

 

Quando...

 

Quando?

 

 

 

22
Jun19

O Meu Piano

Filipe Vaz Correia

 

O som do piano vai continuando a percorrer os corredores da casa, como se ainda nele tocassem, como se ainda a luz invadisse aquelas paredes, como se ainda aqueles cortinados fossem descerrados, como se ainda vida por ali existisse.

Nada mais do que o silêncio sobrevive ao tempo, àquele tempo que decorreu entre os radiosos anos que se extinguiram.

O som do piano, agora corcomido e velho, parece ganhar a batalha da eternidade, da solitária eternidade por entre aquelas bafientas paredes, onde só o pó parece reinar.

Nem mãe nem pai, muito menos avós ou amigos, filhos ou netos, jantares ou almoços, risos ou lágrimas...

Escuridão, arrebatadora escuridão, que se impõe esvoaçando entre o relógio de pé, parado nas horas, no tempo, sem asa ou momento, altivamente acompanhado pelos frescos no tecto, meio pálidos escondendo as vivas cores que outrora marcavam cada recanto daquele lugar.

Vidas e sonhos ali perdidos, desencontrados, naqueles cantos agora tristonhos, pouco risonhos, meio medonhos, como se aquele quadro não tivesse ali espaço, desabitado regaço de um destino.

Portas trancadas, janelas cerradas, palavras fechadas a todo o custo, encerradas a sete chaves nesse secreto lugar da memória...

Tudo ali tem história, secretamente entrelaçada em outra vida, talvez perdida, numa espécie de despedida eterna, sem fim.

O som do piano vai continuando a ecoar...

Ecoando como se nada mais tivesse importância, como se ainda os bailes ali tivessem lugar, como se ainda eu ali permanecesse.

O barulho das máquinas a chegar, o ruído da manhã a ecoar, as vozes de homens acelerando o epílogo de tantas noites e dias, pequenas melodias que prometiam não findar.

O piano calou-se...

As máquinas começaram a trabalhar e a cada instante insistentemente a derrubar cada parede de minha casa...

Naqueles escombros, por entre aqueles retratos se desvanece a minha empoeirada alma.

Já não toca o piano...

O meu piano deixou de tocar.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

05
Jun19

Bom Dia Amor!

Filipe Vaz Correia

 

 

 

Na minha alma vazia;

Nesse recanto de um dia,

Se ouve o som da maresia,

Como versos de poesia,

Hesitando por entre a vociferia,

Agitada calmaria...

 

Nessa desnudada parte de mim;

Confundidas lágrimas sem fim,

Se impõe esse reflexo empedernido,

Ardor desmedido,

Que grita intensamente,

Arde ardentemente...

 

E por entre as letras de uma canção;

Cravada na desgostosa memória,

Se apaga o coração,

Apagando a velha história...

 

E fugazmente ao luar;

Encerrando a insistente voz,

Ninguém irá recordar,

Essa parte de nós,

Que um dia ousou amar...

 

Ousou amar.

 

 

 

 

 

 

16
Abr19

Eternidade de Papel

Filipe Vaz Correia

 

 

 

Vales e montes encantados, bosques escondidos e entrelaçados, campos floridos e desencontrados, florestas de pedra, gélida pedra por derreter.

Caminhos e estradas, construções renegadas, por entre, letras sofridas de querença, de uma esperançada querença que se atreve a gritar.

Sonhos que se repetem, vozes que se agigantam, gentes e rostos que se amarram no olhar de quem habita na alma...

Na soletrada alma de um texto, numa prosa construída nas entrelinhas da imaginação, na desgarrada acentuação, como um desenhar geométrico, compassadamente descompassado, perigosamente desenhado.

Ventos e montes encantados...

Tantas e tantos momentos para escrever, formas de escrever, pinceladamente encobertas pelo, silencioso, silêncio de uma eternidade de papel.

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

 

29
Mar19

Quantas Faces Tem A Alma?

Filipe Vaz Correia

 

Por vezes os dias são cinzentos, outras vezes clareiam um pedaço, numa paleta de cores, repletos sabores misturados sem fim.

São reflexo da alma, de um sentir desmedido, uma esperança inebriante, nem sempre constante, por vezes sufocante que faz parte de nós.

Por vezes os dias começam sombrios, tristonhos, medonhos, rasurando no papel, lembranças e querenças que ficaram guardadas nessa parte  escondida do destino...

Por vezes os dias começam brilhantes, sorridentes e quentes, amarrando sem medo todos os sonhos ao olhar, reflectindo no imenso mundo, esse desejo profundo de sonhar.

Mas na entrelaçada melodia, tocada intermitentemente, se mascaram as mágoas e as frustrações, carregados senãos, de tamanhas hesitações, de desmedidos arrependimentos.

Vida após vida, nessa descoberta insistente, continuam os dias a nascer, a caminhar e até morrer, nesse desaparecer repetido que regressa sem parar...

Infinitamente, sem parar.

Por vezes dia...

Por vezes noite...

Numa repetida e singela intemporalidade.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

 

23
Mar19

Saber Ou Desconhecer? Eis A Sábia Questão...

Filipe Vaz Correia

 

Sabia que não seria eterno, como nada é...

Sabia que desapareceria, enfim como tudo desvanece, por entre, as vozes tão singelas, os olhares tão imberbes, os toques tão breves, as palavras tão secretas.

Sabia que os dragões desapareceriam, os cavalos cederiam, as cores se desgastariam, os ogres tombariam, os castelos desmoronariam...

Sabia tudo isso.

E tudo isso sabia, no entanto, nada sabia do que julgava saber, mesmo enfrentando monstros e medos desde a mais tenra infância, voando por entre os mais temidos céus deste mundo encantado, desencantado, imaginado...

Imaginando o que se tornaria impossível de imaginar.

Sabia tanto e tão pouco, perdido em cada mão, a cada aceno do outro lado do oceano, sem conseguir subir a montanha, meio castanha, estranheza tamanha e desmedida.

Mesmo esvoaçando pelas páginas de papel, desse papel animado, carregado de almas e desenlaces, jamais imaginaria saber que poderia me perder, somente, num breve sentir.

Pois ninguém sente como pareço sentir nesse querer fugir que me abraça.

Ninguém pode saltar dezenas de páginas ao encontro daquele desencontro desconhecido, mesmo que num outro livro possa estar descrito, esse desejo interdito, meio escrevinhado, rabiscado, entrelaçado.

Mesmo assim desconhecia...

Mas o que importa?

Acordei!

E pareço ter esquecido o que anteriormente soube, revivendo sem saber tudo outra vez, de uma só vez.

Sabia que não seria eterno, como nada é...

Só não sabia que seria inesquecívelmente fugaz.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

26
Fev19

Imaginei Imaginar...

Filipe Vaz Correia

 

As luzes do palco ligadas...

A sala cheia, repleta de gente, olhares, sussurros quase murros desnudando a solitária alma de um artista.

E o sorriso, o meu, como escudo da terna e frágil criança, que se esconde temendo a tamanha voracidade, desse desconhecido desconhecer.

As luzes ligadas, a sala repleta de pessoas e eu...

Caminhando de um lado para o outro desse palco, contando os momentos, cada momento, em que o sofredor sentimento pudesse se libertar, numa mistura de batimentos que aceleram o coração.

Cada passo, entrelaçado, vai fazendo disparar o raciocínio, que sendo meu se agiganta, ultrapassa o sonho e se imortaliza num gigantesco abraço com a recordação...

Mesmo se perdendo, desvanecendo, desaparecendo, sem retorno.

Já não existem "papões" escondidos debaixo da cama, nem buracos negros no tecto, apenas desencantamento no olhar, num desencantar que melodiosamente permanece, se entranha, se amarra.

As luzes do palco...

Apagaram as luzes do palco...

Sobrando o silêncio, o vazio, aquele abraçar que só a imaginação te pode dar.

Ninguém como companhia, e o sorriso de partida, como capa despida, mostrando no escuro a leve ferida que perdura.

Sem luzes, sem gente, adormece a dormente esperança de um poema declamado, de um beijo salgado, de um futuro já passado, de tudo o que um dia imaginei...

Ou que imaginava, imaginar.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

21
Jan19

Assimetria Da Alma...

Filipe Vaz Correia

 

 

 

Uma história para contar;

Singelamente desvendada,

Num leve entrelaçar,

De cada linha encantada,

Numa poesia a decorar,

As vírgulas destinadas,

De um destino assimétrico...

 

Em cada verso;

Um pedaço de subtileza,

Como na voz de Caetano,

Uma imprecisa certeza,

Como na pena de Vinicius,

Essa ténue firmeza,

De um texto de Pessoa...

 

Como na soltura de um querer;

Se agiganta o Ser,

Nesse viver sem morrer,

Esse sofrer a reviver,

Da alma...

 

Assimétrica;

Como só uma poesia,

Pode descrever.

 

 

 

 

 

30
Dez18

O Sentido Da Vida...

Filipe Vaz Correia

 

Por vezes parece fácil viver, esquecendo todo o medo que sobrevoa a vida Humana, desde que nascemos, desde que começamos, levemente, a morrer.

Esse fim, marcado, submerso nessa correria do quotidiano que nos impele a adormecer essa desdita imperiosa.

Por vezes é despertada em nós, essa noção de fim, através de uma despedida, sempre que alguém parte, sempre que algo se parte dentro da nossa alma.

Por vezes num pesadelo ao adormecer, um arrepio ao acordar ou singelamente amarrado ao horizonte, numa memória perdida de algo que não conseguimos explicar...

Mas como explicar o que não tem explicação?

No meio de tamanhas reflexões, inquietações Humanas, sobram os dias e anos, os passageiros momentos que nos permitem suspirar, respirar, enquanto o corpo envelhece e a alma se engrandece, bebendo um pedaço dessa sabedoria que a Natureza nos oferece.

Por vezes parecemos imortais, pensamos nessa imortalidade que a juventude nos convence, mas por fim...

Seremos, somente,  uma ténue recordação do que um dia fomos, para permitir que novos sonhos de imortalidade se deparem com o eterno "sentido da vida".

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Comentários recentes

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts destacados

Pesquisar

Calendário

Maio 2021

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031

Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D

Em destaque no SAPO Blogs
pub