Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Caneca de Letras

Caneca de Letras

Dor de Filho. 11 Anos de Saudade…

22.12.21, Filipe Vaz Correia

 

 


Ontem foi um um dia triste, a minha Mãe morreu nesse dia há 11 anos...

Nunca mais fui o mesmo, nunca mais senti o mesmo.

Todos os medos que me perseguiam nesse medo de a perder cá permanecem só que transformados em solidão, por mais acompanhado que me encontre, por maior que seja o amor que me amarre.

As saudades que subsistem por aqui continuam, mais amenas mas insistentemente acesas, mais disfarçadas mas em ferida...

Nessa ferida que não sara, nessas lágrimas que não secam, nesse amor infinito.

Assim deixo aqui um poema que escrevi há tempos, num celebrar desse amor, desse colo teu que sempre foi minha casa, nesse regaço que sempre me pertenceu como amparo.

 

 

502026A7-0B21-4717-93F0-749A159FD03E.jpeg

 

 

 

Nunca fui tão feliz, como no colo de minha mãe;

O seu cheiro, o seu perfume,

O timbre da sua voz, enfim...

 

O calor do seu amor.

 

A mão que me embalava no berço;

O olhar que seguia os meus passos,

O desejo que acarinhava o meu destino,

O meu bem querer...

 

Ai as saudades que não findam;

Os tesouros que se escondem na terra,

Os sons que se calaram,

Ó Mãe!

 

Mãe;

Palavra tão bela que me ensinaste,

Que aprendi a rimar com amar,

Que aprendi a ter como minha...

 

Minha Mãe!

 

 

 

 

Poetizando…

17.12.21, Filipe Vaz Correia

 

 

 

C7D01B69-FAA3-44BC-8DC7-AF679BAD8B6F.jpeg

 


E se Pessoa pudesse voltar;

e cantasse Vinicius para começar

e trocasse Vinicius o escrevinhar

pela cozinha molecular

tendo Drummond a o ajudar

simplesmente a confeccionar

uma feijoada como manjar

e ao fundo Camões a trautear

uma canção de encantar

em cada letra um salivar

incitando o paladar

numa estranha forma de amar

essa cultura a deliciar

cada ouvido que ali pudesse estar...

 

Como seria bom;

tê-los todos juntos

a poetizar.

 

 

Monte Alentejano “Homenagem Aos Meus”

10.12.21, Filipe Vaz Correia

 

 

 

784636D4-DF0E-41F7-9F00-FC5D1E72DBCC.jpeg

fotografia aleatória 

 


Em cada recanto daquele monte alentejano;

vejo os rostos dos meus avós

em cada retrato naquelas paredes

oiço o som desnudado de sua voz

em cada quarto, sala

encontro esse tempo só

do que sobrou

se tornou pó

vida que não regressa...

 

Em cada sorriso, agora, calado;

encontro um pedaço de mim

por cada momento, agora, silenciado

uma memória sem fim

de um tempo imaginado

que sobrevive assim

na minha alma...

 

E ali guardados;

quadros vivos pendurados

contando pincelados

os momentos reencontrados

desse passado

de antepassados

meus...

 

Em cada recanto daquele monte alentejano;

somente naquele lugar

somente debaixo daquele luar

ouso me reencontrar...

 

Naquele monte alentejano.