Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Caneca de Letras

Caneca de Letras

26
Mai21

O Covid Em Lisboa: Alerta Vermelho...

Filipe Vaz Correia

 

 

 

9F3EAF5B-2E4D-450C-9260-3BAEE7FCF112.jpeg

 

 

 

Sou só eu que estou a achar que Lisboa vai voltar para trás nas medidas de confinamento contra a pandemia?

Ao ver os restaurantes e esplanadas, as pessoas na rua sem máscara, os ajuntamentos, sinceramente acredito que será difícil Lisboa passar incólume aos números de infecções.

Isto seria previsível tendo em conta que falta discernimento às pessoas para compreenderem que não estamos ainda em tempo de grandes festas e "festarolas", num caminho que deve ser trilhado com cautela e precaução.

Depois podem vir dizer que é mau para o negócio, que restringe liberdades, no entanto, quando se perder o controle voltaremos a confinar, com mais ou menos rigor.

Lastimo mas não é nada que me surpreenda.

Preferia que lentamente pudéssemos ir seguindo a estrada, com maior vigilância para que uns quantos não pusessem em risco o bem comum de todos.

Mas falta cidadania às pessoas, coragem ao Governo e sentido de Estado a quem deveria dar o exemplo.

É só ouvir e ler os especialistas para se perceber que Lisboa não está no bom caminho...

Mas se calhar sou só eu que acho.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

25
Mai21

O Regresso Do KGB... “Nos Ares De Minsk”

Filipe Vaz Correia

 

 

 

4848C700-6322-4052-B30D-C34EC3D4E0A5.jpeg

 

 

 

Um avião que seguia da Grécia para a Lituânia foi desviado por agentes do KGB da Bielorrússia para sequestrar Roman Protasevich e entrega-lo às autoridades em Minsk.

Parece algo impensável, inacreditável mas a impunidade que o regime ditatorial de Lukashenko julga ter, permitiu que este inimaginável atentado aos direitos Humanos fosse perpetrado sem receio de represálias.

O apoio da Rússia e de Vladimir Putin serve de âncora a este tupete Bielo-russo, a esta história de livros de espionagem.

Vários passageiros, também o dono da Ryannar, divulgaram que a bordo se encontravam agentes do KGB da Bielorrússia que tomaram as medidas necessárias para desviar o avião, com vários cidadãos Europeus a bordo, numa tentativa terrorista de prender este jovem activista que sempre foi opositor do actual regime.

Sinceramente era impossível imaginar uma situação destas no espaço Europeu com as repercussões que evidentemente irá ter...

Não se pode compactuar com este tipo de regimes, sendo necessário que a UE, os EUA e outros agentes mundiais tomem as medidas vitais para isolar Lukashenko e o seu regime de terror.

Não se pode hesitar...

Exigir a libertação do activista é o mínimo perante uma atitude destas, precisamos ir mais além para que não subsista qualquer dúvida que não aceitamos este tipo de movimentação desenhada por um déspota.

Se a UE, os EUA e o Reino Unido tiverem mão branda com este gesto, então cederemos sem tréguas diante dos valores democráticos que norteiam as sociedades ocidentais.

Lukashenko não é diferente de Kim, Fidel ou Mao, cada um no seu tempo mas todos eles com a férrea vontade de perpetuarem o terror dos seus regimes.

Só a palavra KGB, já arrepia a espinha...

#Todos por Roman Protasevich.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

20
Mai21

Pedro Álvares Cabral: 500 Anos De Mentira! “Por José Gomes Ferreira”

Filipe Vaz Correia

 

 

 

ADC61450-9F7A-434C-AC2E-EF3ACEB7C06A.jpeg

 

 

José Gomes Ferreira, jornalista especializado em economia da SIC, foi ao programa da manhã daquela estação para apresentar o seu livro de História...

História?

"Factos escondidos da História de Portugal"

Nesse pedaço de programa José Gomes Ferreira vem ensinar um pouco de História a todos nós, com algumas pérolas que jamais imaginei ouvir:

"Quando na nossa História nos dizem que Pedro Álvares Cabral descobriu o Brasil, é mentira. E desculpem os Historiadores que me estão a ouvir(aqueles idiotas que passaram anos a estudar... ah, História) porque isto não é uma provocação gratuita. É mentira, ele não descobriu."

Meu Deus! Pensei, imaginando que o "nosso" Zé Gomes teria descoberto uma carta de Pedro Álvares Cabral penitenciando-se pela mentira ou até uma reportagem da CMTV com o exclusivo das imagens da chegada de outro descobridor ao Brasil.

Mas não...

"É matematicamente, geograficamente, cartograficamente e em termos de ciência náuticas (o homem também percebe de ciência náutica) impossível alguém ter ido de Lisboa com uma armada daquelas e ter feito a rota perfeita para chegar à zona do Equador, cortejar a costa do Brasil e depois seguir para o Cabo da Boa esperança até à Índia."

Assim está explicado, não foram fontes, nem factos, foram as contas do Zé Gomes que resolveram este embuste de 5 séculos.

Se o José  Gomes Ferreira se dedica a estudar o período de Alexandre o Grande, também corremos o risco de vir a descobrir que afinal Alexandre pouco saiu da Macedónia.

"Pedro Álvares Cabral não descobriu o Brasil, é uma mentira da nossa História que teimamos em ensinar nas escolas e em querer que seja verdade."

 

E assim se descobriu esta mentira centenária num programa da manhã da SIC.

Gosto imenso desta gente que é especialista em tudo, tudo sabendo, seja Economia, Política, Saúde Publica, Futebol, e agora até...

História.

Os descobridores Portugueses é que não andam lá muito bem, depois dos impropérios a que foi sujeito Vasco da Gama pela deputada Joacine Moreira, agora foi a vez de Pedro Álvares Cabral pelo mui respeitado José  Gomes Ferreira.

Estou à espera que a este também mandem para a terra dele...

Esperem lá que a terra deste é em Tomar.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

19
Mai21

Sporting: “A Terra Prometida”

Filipe Vaz Correia

 

 

 

8970D000-B2BA-4E28-9AD2-CB2E963B9757.jpeg

 

 

O último jogo de uma temporada, o adeus a uma época  épica, um rugido no reino do leão.

Que aprendamos com esta época, com este caminho palmilhado por um Sporting repleto de feridas, saído de um reinado de boçalidade, às mãos de um populista rumo traçado por um tal de Bruno.

Este é o novo caminho, o certo, aquele que nos guiará sempre para mais perto da vitória, não quer dizer que vençamos sempre mas sim que estaremos lá, mais perto, mais próximo desse futuro risonho que tanto desejamos.

Rúben Amorim é o líder de um destino, o nosso, o mais genial dos geniais, aquele que nos representa como ninguém e esse pequeno pedaço de privilégio se deve a quem o escolheu...

O Presidente Frederico Varandas e Hugo Viana.

O Sporting, qual Ruanda, habituado a batalhas internas, a divisões históricas, deverá aprender com a sua história, sabendo diferenciar aqueles que desejam o melhor para o clube daqueles que desejam reinar nas fracturas desse mesmo clube.

É tempo de agradecer este rumo, de dar vivas àqueles que o construíram e sem receios abraçar o risonho destino que nos é prometido.

O meu Sporting caminha seguro como nunca, promete sonhar como sempre e conquistar em nome de todos nós como jamais almejámos.

Saibamos afastar os arruaceiros do costume, os fantasmas do passado e acreditar neste traço que compõe o compasso que nos levou aos títulos deste presente.

Obrigado Presidente, obrigado Hugo, obrigado Mister.

Viva o Sporting Clube de Portugal

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

18
Mai21

Tony Carreira: A Dor De Um Pai...

Filipe Vaz Correia

 

 

 

87A9F1F0-C2E7-4CA1-BF19-3CBE7C09CB86.jpeg

 

 

Existem dias que parecem pontiagudos, setas apontadas ao coração, facas de gume afiado, demasiadamente cortante para a pequena compreensão Humana.

Assisti à entrevista que Tony Carreira deu ao Manuel Luís Goucha, após o Jornal da Noite da TVI, um momento de absoluta tristeza, arrepiante em cada palavra, em cada pedaço da inimaginável dimensão daquela dor.

Não consegui não assistir, empurrado por uma sensação de comunhão, de partilha com aquele homem que se apresentava perante todos para levar a cabo algo maior...

A Associação que terá o nome da sua filha, ou seja, o que restou de significado para a sua vida.

Não consigo imaginar a dor deste homem, o alcance do vazio que dentro dele deve habitar, mas consigo sentir uma tremenda compaixão e empatia para com ele, para com as suas lágrimas, para com o seu esvaziado olhar.

Ao assistir à sua entrevista, magistralmente guiada por Manuel Luís Goucha, não pude deixar de me recordar de Lucinha Araújo, mãe de Cazuza, que encontrou na Fundação Viva Cazuza, de apoio a crianças Seropositivas, uma razão para viver...

"Encontro em cada uma daquelas crianças um pouco do meu filho, em cada olhar, em cada abraço"

Lucinha Araújo 

Diariamente, por todo o mundo, milhares de pessoas lidam com a perda, mas certamente nada se deverá comparar com a perda de um Pai ou uma Mãe, com a partida de um filho.

Um abraço Tony Carreira, desta Caneca sem letras, para expressar a dimensão da sua dor.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

 

 

17
Mai21

Estrada De Deus

Filipe Vaz Correia

 

 

 

DEF9806B-AFA1-4638-92FD-418CE8843C9B.jpeg

 

 

A velha estrada;

Sempre a velha estrada,

Carregando pedaços de nada,

Traços e pinceladas,

De memórias passadas,

Imagens empoeiradas,

Que insistem em regressar...

 

A velha estrada;

Desfiladeiro de Deus,

Ousando a caminhada,

De um breve aDeus,

Indecifrável destino,

De "Zeus"...

 

A velha estrada;

Onde se escondem,

Amores e desamores,

Palavras e letras,

Rimas soltas e versos imprecisos,

Num rebuliço tão terno,

Como a brisa de um sorriso,

Que se estende de mão em mão,

Por entre o infinito...

 

A velha estrada;

A melodiosa vida,

Estrada inacabada,

De velhas feridas,

Cantadas em poemas,

Soletrados dilemas,

Que se perderão...

 

Em cada alma,

Em cada passagem,

Por essa estrada...

 

Estrada de Deus.

 

 

 

 

 

15
Mai21

O Caminho Das Pedras

Filipe Vaz Correia

 

 

 

DC44A41E-D519-4073-AAC9-A82424ED978A.jpeg

 

 

Sei lá para onde caminho, nesse campo estreitinho, reduzida forma de reluzir a desesperança que se abeira do ninho, da estrada, despida empoleirada na beira do Ganges. Pouco ou nada sobra desse recital de piano, teclas e mais teclas em contraponto com o vento que se assoma, soma e subtrai no vaguear de almas prestes a chegar. Queira Deus que a orquestra tenha a vitalidade de um sopro, que o destino se desencontre com as nuvens, que as lágrimas se apressem a secar e o amor... ai o amor que reluz e contorce, que se disfarça e abraça, amassa e amarra, confunde e separa. Tantas palavras numa mistura de certezas, questões impertinentes que ameaçam a pertinência, num segundo continência, noutro incontinência como um compulsivo chorrilho de ideias, incontinentes ideias que arrogam o tupete de existir. Já não tocam os poetas, já não choram as marionetas, já não se prantam as inquietas querenças da antiguidade. Para onde foram os heróis? Onde se escondem os inexpugnáveis? Para onde foram as prometidas Odes à tamanha vontade de sonhar? Nada faz sentido, tudo é sentido, nada é imutável, tudo se dilui, assim caminha o tempo na infindável e indiscutível crueldade do seu compasso, deslizando silenciosamente como nada fosse, por entre... nós, pequenos pedaços de coisa alguma. Pouco importa a sorridente esperança, somente importa a louca vontade de amar. Pois o amor é a única coisa que nos liga ao divino.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

 

 

 

14
Mai21

O “Meu” Sporting É Campeão!

Filipe Vaz Correia

 

 

 

A96CB041-D977-486A-B239-CE08A219B25C.jpeg

 

 

O meu Sporting é campeão nacional de futebol...

Não tenho palavras, aliás elas demoraram dois dias a se fazer sentir neste papel, vulgo Caneca, que aqui se apresenta diante de vós.

O que senti nesse desejar que amarrava a vontade não tem explicação, esse querer maior do que a esperança, esse sentir verde e branco que se transforma em certeza.

O apito final, as lágrimas, o abraço, o simples grito leonino que se solta na ventania de memórias que me assolaram.

Campeões, noite a dentro, entrelaçados com o País, o mundo, as gentes na rua, o Covid à espreita, mas o cenário pincelado numa gigantesca tela de amor.

Como te amo Sporting meu...

Como este amor se desenha em cada traço, na imagem de minha mãe, de tios, de amigos, dos que por cá permanecem e daqueles que partiram, das tristezas e dos sorrisos, dos vindouros momentos que ansiamos sonhar.

Voltei a ser criança, nas mãos de minha Mãe, feliz em cada segundo das listas verdes e brancas, naquelas lágrimas partilhadas nos braços dos meus...

Ganhámos!!!!!!

E tudo parece possível...

Cristiano a regressar, Amorim a continuar, o campeonato para reconquistar e a Champions para lutar.

Deixem-nos sonhar.

Viva o Sporting.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

06
Mai21

A Última Carta De Um Velho...

Filipe Vaz Correia

 

 

 

F0D77643-2E94-4959-AEBD-6B81C14F449B.jpeg

 

 

A lareira acesa...

A noite que cairia e eu ali sentado, no mesmo sitio de sempre, por entre, o infinito vazio.

Esse vazio que respira e se faz sentir, nesta casa outrora repleta de gritos e movimentos, de calor humano e alegria.

Ainda aqui estou...

Só.

A velha manta ao meu colo, repleta de buracos de cinza ardida, destes cigarros que continuam a ser o laço que me une a esse passado.

O copo de Whisky a meu lado...

A luz do candeeiro, o rádio ligado enquanto as mãos me tremem, tremendo cada vez mais.

Como passou tão depressa...

Como passou?

Oiço as mesmas canções, melodias que significaram tanto, tamanho querer que desvaneceu.

Os meus olhos cansados já não conseguem discernir as letras do jornal sem a ajuda de uma lupa, para me manter informado das novas que o mundo tem para contar, esse mundo que tanto mudou, se transformou, radicalmente se transmutou.

Faltam-me as forças, aquelas que antigamente me sobravam, num entrelaçado enigma em que se pincelou a minha vida.

Foram ficando para trás todos os momentos, rostos e pensamentos, até sobrar este nada que tanto significa, tanto abrange, tanto me sufoca.

É a ele, este nada, que me agarro com todas as forças para viver, num desconexo, incompreensível e inexplicável querer.

O meu coração já não pulsa, somente soluça, aqui e acolá enganado por uma ou outra pastilha receitada pelo Senhor Doutor...

Doutor?

Agora são todos “Doutores”...

Desde a empregada doméstica até ao moço dos jornais.

Não percebo nada deste mundo...

Aqui estou rodeado de retratos e rostos, feridas abertas em meu peito, dores e aflições que chegam e partem silenciosamente.

Já vos perdi, sem nunca me ter apercebido de vos ter tido...

Era tudo tão corrido, mesmo os jantares, mesas repletas, nessa azáfama que desassombradamente me escapou.

A lareira acesa...

Tenho tanto frio, tanto sono, tanto medo.

Já não sei escrever nem decorar o saber, perdido que me encontro neste labirinto de emoções que me persegue.

Para onde foram os amigos?

Os filhos?

E tu meu amor...

Para onde foste?

Todos partiram para esse lugar incerto, tantas vezes explanado na fé, essa que me foi abandonando à medida que só me encontrava, nesse desabitado coração meu...

Estou solitariamente entregue a este refúgio, nesta sala, neste museu de relíquias minhas, empoeiradas e amordaçadamente sombrias.

Estou só...

À espera de partir, de finalmente sentir esse encontro prometido na infinita sabedoria de Deus.

Deus?

Só espero que também Tu, não me tenhas abandonado...

Deus Meu.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

05
Mai21

A Minha Jangada De Pedra...

Filipe Vaz Correia

 

 

 

428C70EE-86ED-44A6-BA37-5C1700DC74B8.jpeg

 

 

Mar acima, mar adentro, na minha jangada de pedra, no meio dessa imensidão de água, azul cristalino que me rodeia, num horizonte longínquo, sem fim.

Na minha jangada de pedra, navego por esse mundo a fora, numa viagem sem fim, por entre o que desconheço, sabendo somente que dentro de minha alma, pulsa a curiosa, curiosidade, de um solitário rapazinho.

Nessa solidão, onde me encontro, nascem e renascem fantasmas e animais, gigantes animais, que submersos aguardam por um instante para se revelarem, desnudarem a face e surgirem como um cabo das tormentas, numa sinuosa vertigem, inesperada.

Continuo a remar, sem olhar para trás, fixamente querendo flutuar sobre as águas, gélidas e ameaçadoras, buscando uma razão para interligar o sentir ao querer, o desejar ao temer, o recordar ao viver...

Sempre navegando, sempre continuando.

No meio desse interminável querer, enfrento medos e receios, perco pedaços de um passado desconhecido, meio perdido, por entre, as lágrimas de outrora...

Lágrimas que se foram embora, antes que delas me pudesse recordar, antes que essa parte de mim, escapasse da razão e partisse juntamente com a emocionada emoção de uma criança.

Eu sei lá, se continuarei a percorrer as águas da imaginação ou se nunca mais irei acordar de tamanho pesadelo, pesado desvelo que me amarra sem calar, que me afoga sem nadar, que se entrelaça numa singela jangada de pedra.

Num momento, tão pequeno, ali estou...

Num outro, tão velho, ali me encontro.

Passou, tudo passou, sem rasuras, sem retornos, sem regressões.

Numa jangada de pedra, comigo levo os livros de minha vida, capítulos sem fim do que vivi, por entre, romance e drama, comédia e ficção, desabafos soletrados que me pertencem.

São os livros de minha vida, contando a minha vida, flutuando nessa jangada de pedra...

Numa jangada de pedra.

Na minha jangada de pedra!

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

Pág. 1/2

Mais sobre mim

foto do autor

Comentários recentes

  • Anónimo

    E ainda por cima morreu William Shakespeare, o pri...

  • Carlos Marques

    Exatamente. Já para não falar do denunciante perse...

  • Filipe Vaz Correia

    Meu querido Pedro...Não contente com a mistura do ...

  • pedro

    ainda estao vivos os filhos daqueles que pela cala...

  • Filipe Vaz Correia

    Meu querido Pedro...Portanto para si o que se pass...

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts destacados

Pesquisar

Calendário

Maio 2021

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031

Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D

Em destaque no SAPO Blogs
pub