Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Caneca de Letras

Caneca de Letras

LISBOA

Filipe Vaz Correia, 16.09.20



 

BACE718E-9EDA-4762-B4F9-8BC16C3A051C.jpeg

 

 

Já dizia a famosa canção, nessas palavras ao vento, ventando o chão... contando a doce contradição, de um amargo tormento, atormentando a solidão... ai triste sonho, sonhado em vão, arrependido sofrimento, de uma desmesurada ilusão.

Vai caminhando com Antero e Pessoa, voando nas asas da vida, desejando a deslumbrante e ardente Lisboa, esquecendo as suas margens ferida.

Lisboa...

meu amor!

Tão bela, tão jovialmente "nossa".

 

 

Filipe Vaz Correia