Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Caneca de Letras

Caneca de Letras

30
Jun20

A Agonia Do SLB...

Filipe Vaz Correia

 

 

 

D383DD02-3677-44CF-B63C-4FC5CA0B3CCA.jpeg

 

Parece que o Benfica está à deriva...

Sem Bruno Lage, com a ameaça de Vieira, abandono da Presidência, deixando o País órfão de felicidade.

Não bastava a Pandemia, não chegava o boçalismo do Chega, para agora podermos ter uma crise no SLB.

Isto está de mal a pior.

Bruno Lage não pôs o lugar à disposição mas o Presidente do Benfica disse que sim, o Pochettino não aceitou ser treinador do Benfica mas a imprensa diz que sim e assim se caminha por entre a agonia da Selecção Nacional...

Perdão, SLB.

De derrota em derrota, de empate em empate se perpetua a agonia "lampiânica", para o brado plasmado em cada capa de jornal.

Será que André Ventura mediu bem o seu projecto pessoal?

Se Vieira não se candidatar, não poderá Ventura abandonar a política para salvar o seu Benfica?

E aí...

Já não importavam as etnias, voltaríamos a ouvir as saudades dos Eusébios e até o Quaresma, o cigano, poderia servir de trunfo eleitoral como reforço para a próxima época.

Isso é que valia a pena...

Seria, na verdade, uma cena digna de um filme épico nas asas de uma águia.

Enfim...

O nosso Portugal, por entre, a infinita pequenez.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

26
Jun20

Merci Monsieur...

Filipe Vaz Correia

 

 

 

FDA29B20-45C7-4D27-B9D0-E4E7AD29360B.jpeg

Jeremy Mathieu retirou-se do Futebol, nesta Quinta-Feira, depois de ter sofrido uma lesão ligamentar no joelho.

Nas suas palavras, carregadas de emoção, sobrou a destreza do carácter e a sensação de injustiça, essa mistura que transporta este momento para o quadro intemporal dos maiores.

Mathieu não poderá se despedir no relvado, com um estádio cheio, como o fabuloso jogador que foi.

Sochaux, Valência, Barcelona, Sporting, Selecção Francesa, serviram de palco ao talento de um dos mais extraordinários defesas que vi jogar, entrelaçando técnica e posicionamento, tranquilidade e velocidade, amarrados a uma irrepreensível postura enquanto profissional.

A classe...

Esse pormenor que se ergue em pormaior, que marca e muda, silencia e esmaga, envolvendo aqueles que guardarão na memória um golo de livre a 30 metros ou um pontapé de moinho dentro da grande área.

Momentos e mais momentos...

Em francês, castelhano, catalão ou português, o seu talento sempre significou admiração, qualidade, classe.

Sabíamos que o fim, como futebolista, estava próximo, as lesões, a idade, anunciavam ao vento o adeus de um dos grandes jogadores que actuou neste nosso futebol mas assim...

Nesta amargurada tristeza, sobra ainda mais a vontade de rever um passe seu, olhar para uma arrancada de área a área, um livre milimetricamente executado.

Saudades!

Vi alguns dos maiores defesas centrais de sempre, Baresi, Costacurta, Cannavaro, Ruggeri, Koeman, Stam, Köhler, Augenthaler, Mozer, Luisinho, Fernando Couto, Piqué, Pepe, Ferrara, entre tantos outros...

Nenhum como André Cruz, o mais extraordinário defesa central que vi jogar, sendo que o melhor elogio que poderei fazer a Jeremy Mathieu é que ele me fez recordar, várias vezes, os tempos do Mestre André.

E isto, para mim, não é dizer pouco.

Assim, neste fim que se espera seja o princípio do resto de sua vida, nada mais deverá ser permitido expressar que um imenso obrigado de todos os Sportinguistas, de todos os amantes de futebol, pelo extraordinário privilégio de ter tido nos relvados Portugueses tão precioso talento.

Merci Monsieur...

Jeremy Mathieu.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

25
Jun20

Uma Estrada Chamada De Destino...

Filipe Vaz Correia

blog53-1.jpg

 

A melodia invade, os acordes ecoam, as palavras se cruzam, tanto e tamanho o confuso encruzilhar de querer que acaba por desvanecer...

Nos acordes de uma poesia, tristonha e desconexa, se encontram os enigmas sombrios de pequenas questões, desenhos uniformes carregados de estupidez.

No olhar perdido daqueles que se tornam parte de mim, vejo reflectido esse absurdo narrativo do que parece inverosímil...

As arestas por limar dos que se atrevem a viver.

Por entre as melodias, os arrebatados passos, os entrelaçados gestos de hesitação...

Buscarei sempre essa verdade que se tornará indispensável.

De mãos dadas, sem medos, viverei novamente os arrepios, calafrios, interrogações constantes somadas às incongruências do tempo.

Pode ser mais fácil gritar...

Mas o grito será sempre parte desse libertador acto de resistência.

E a pueril parte de mim se envergonha, se intimida, se perde nas entrelinhas de um traço que parece definitivo.

Contínuo a viver...

Vida após vida.

Um abraço

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

24
Jun20

Um Tempo Para Populismos?

Filipe Vaz Correia

 

 

DD02E2CD-0428-4415-9B51-CA4E85AC718C.png

 

De soslaio, no canto do olho, moram os radicais, aqueles que num pedaço de palavra encontram a desculpa perfeita para incendiar tudo à sua volta.

Aqueles que nas fracturas desenham o caos, encapotados pela carícia das suas prosas, disfarçadas nas entrelinhas do politicamente correcto.

Não vivemos tempos para disfarçes, muito menos para disfarçados discursos de conveniência, no entanto, importa medir o rumo, a melodia entrelaçada num mundo cada vez mais dividido.

Olho pela janela do meu quarto, para a rua despida de gente, no silêncio dos grilos e busco...

Vou buscando significado para a tamanha imbecilidade, para aqueles que copiam e se inspiram em Lenine, para os que recuperam Mussolini, para os que disfarçam o facto de terem se entusiasmado com Bolsonaro ou Trump.

Essa tralha de gente que insiste em caminhar pelas amargas entrelinhas da História, dela nada tendo retirado, a não ser a insistência nos seus erros...

Nem Deus ou o Diabo poderiam ter pincelado tamanha construção para o caos, tantos entrelaçamentos desenhados no desespero das gentes.

Boçais, possidónios, ressabiados, ingénuos ou simplesmente tontos, assim se constrói parte das massas que aglomeram estes que agora desfilam e que anteriormente seriam silenciados por um coro de sensatez.

Mas que nestes tempos reinam...

Por entre, Instagram. Twitter ou Facebook.

Da minha parte apenas obterão o desprezo, a gritante repugnância pelas suas ideias, pelo caminho...

Mas isso, solitariamente, chegará?

Temo que não...

Neste mundo carregado de idiotas, parece pulular a crença, daqueles que imbuídos no seu pensamento insistirão em redesenhar o comportamento Humano, por entre, os traços totalitaristas dos seus ideais.

Irá caber a todos nós, Sociedade, decidir o rumo de nossos destinos enquanto comunidade...

E como isso me deixa desconfortável?

É só revistar a, "nossa" , História...

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

 

 

23
Jun20

Amorim, Os Meninos E O Futuro Do Sporting Clube De Portugal

Filipe Vaz Correia

 

 

 

F01239C9-C6AA-4190-BE62-8F447A42EB04.jpeg

 

Há muito que não escrevo sobre o Sporting e a sua Direcção, não só quem manda mas também o rumo que nos suspende a alegria, nos inquieta, nos faz sonhar...

Desde que Frederico Varandas chegou a Alvalade, como Presidente, sempre estive do outro lado da barricada, fazendo parte daqueles que desejando o melhor foram alertando para a falta de liderança, o esbanjar de incompetência, o entrelaçado desespero por um navegar errante.

Motivos não faltaram, pedaços de aberração construída ao longo de um desgarrado mandato...

Num único momento estive ao lado deste Presidente, exceptuando os noventa minutos de cada jogo em que sofro sem hesitação pela vitória do meu Sporting, aquando da sua decisão em afastar as claques do Clube, enfrentando essas organizações criminosas, sem medo de represálias.

Varandas esteve muito bem nesse quesito, ficando um pedaço aquém do que defendo, ou seja, o completo desmembramento de toda e qualquer espécie de claque organizada, retirando qualquer apoio que estes possam receber do clube.

Por entre, tantos erros desta Administração, o rumo do SCP foi desaguar na contratação de Rúben Amorim, numa contratação dispendiosa e vista como o All-In do actual Presidente do Sporting...

Desde esse momento que calei o meu protesto, não só por gostar de Amorim e ver nele uma excelente opção, como também pelo rumo que fui percebendo quererem seguir.

Desde o tempo de Paulo Bento que não via o Sporting apostar tanto na sua formação, naqueles meninos que sentem o Clube como casa...

Desta feita olho para o relvado e para os rapazes de Verde e Branco, onde encontro Max, Rafael Camacho, Eduardo Quaresma, Nuno Mendes, Matheus Nunes, Jovane Cabral, e no banco Pedro Mendes, Francisco Geraldes, Joelson Fernandes.

Dá gosto...

Na Bancada à espera de autorização da Liga, Gonçalo Inácio ou Tiago Tomás, além de nomes como Daniel Bragança.

Tantos e tantos meninos esperando por esse futuro risonho de Leão ao peito, correndo o risco de falharem mas sem medo de vencerem o seu destino.

Isso só foi possível, com um treinador de futuro, com Rúben Amorim...

Só com este raro tipo de treinador.

Num tempo onde velhos perigos ameaçam o futuro Leonino, com a tralha Brunista à espreita, importa não deixar dúvidas que entre a fragilidade de Varandas e o regresso ao passado nunca hesitaria em apoiar o actual Presidente...

Com Rúben Amorim, ainda mais.

Assim, desejo boa sorte aos meninos da Academia que resgataram o meu encanto pelos jogos do Sporting e ao seu treinador pela ousadia de arriscar...

Só isso já me parece imenso, neste clube em constante revolução.

Para terminar, importa referir que se algum clube beneficia de ter o estádio sem público, esse clube é o SCP...

Pois, por mais que possa custar a um Sportinguista escrever tal coisa, a Massa Adepta que por regra se desloca a Alvalade, já nem falo dos holigans das claques, fomentou ao longo dos anos parte do sentimento que aborta o caminho para o sucesso.

Viva o Sporting

 

Filipe Vaz Correia

 

 

19
Jun20

Ziguezagueante...

Filipe Vaz Correia

 

 

 

6463CB33-6121-455C-BAF4-6D0D95BBA155.jpeg

 

De cada vez que olho para aquela criança perdida, com medo, seus medos, sinto que numa aguarela sentida se pincela a contradição Humana, esses receios que nos moldam, se agigantam e nos fazem caminhar por estradas diferentes.

Nesse rumo ziguezagueante, se somam as cicatrizes armazenadas na alma, aquelas secretas lágrimas que sobram, marcam, ficam...

Em silêncio, silenciosamente sussurradas nas noites frias em que a luz apagada anunciava monstros e urros, trevas e pânico.

O abrigo maior, esse abraço quieto e acolhedor, chegava, nem sempre antes do estremecer da alma, no entanto, retemperador e pacificador dessa inquietação maior.

Num olhar da janela da imberbe experiência, a correria que parecia calmaria, o serpentear de palavras e ideias confusas, complexas que amarravam a respiração, num entediante jogo de semáforos, onde se descrevia o correcto e o incorrecto.

Aprendizagens...

De cada vez que olho para aquela criança perdida, à espera do tempo, recordo o aprender constante, o moldar presente, num percorrer sem parar de uma construção imperiosa da personalidade.

Esconder medos, afastar fantasmas, tomar as rédeas de tanto sem que o tempo permitisse os tropeços num puzzle cristalino e irrequieto.

Será sempre assim?

Julgo que sim...

O medo de perder, desse perder que chega, daqueles que nos pertencem, dos que ainda não chegaram, dos que partindo se desapegaram de nós.

A criança perdida com medo de crescer, dessa pressa descrita num texto de um estimado amigo...

Olho para trás, em busca dessa criança, desse olhar pueril que outrora ambicionava querer, desejando não temer o que temendo, se guardava nas entranhas da esperança.

Olho tantas vezes para trás...

Os dias percorrem o seu destino, o nosso, nesse passo atrevido e vazio, nesse vazio a passo buscando o atrevimento solto de um tempo por resgatar.

São as palavras, nesse enredado pedaço de tela, que se atrevem a descodificar com tempero o piscar de olho, o suspiro profundo, o sorriso matreiro ou a despedida hesitante...

São elas, as palavras, que se atrevem a traduzir o que esconde o olhar, esse guardião da alma, esse bater literal do coração, esse regente secreto da memória.

De cada vez que olho para essa criança perdida, sinto as saudades de tudo, de tanto, daquilo que sonhei sonhar, das conversas e risadas pelas madrugadas, do nexo e reflexo por mais complexo que possa parecer.

Um dia...

Nas entrelinhas da memória, num encontro desconexo, talvez volte a encontrar essa criança, numa outra vida, pedaço solto de todos os pedaços de lembrança, num outro ambicionado destino.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

18
Jun20

Inconveniente Trovador...

Filipe Vaz Correia

 

 

 

61C5F44D-7D0F-4566-9ABE-FDFA325614C7.jpeg

 

Quisera a intemporal temporalidade que se contasse num conto amador, as palavras de tão inconveniente trovador, desmentido pela melodia que escondia quem sorria num castelo inventado, quase pincelado com as cores reais, fingindo a coroa doirada esperar o radioso querer transformado em espinhos, tão cravados na alma, desalmada querença que magoa e esventra tudo à sua volta.

sorriso que se perde vezes sem conta na esmerada realidade tão aconchegada ao olhar, esse que nada traduz, apenas solitária desesperança, saltitando na balança da traição esmagada que se encontra em cada soletrada incongruência de um dia.

vai caminhando ao luar, vendo o seu reflexo na calmaria das águas, na soberba da vontade, no expressado trilho dos dragões que esvoaçam a sua mente, sem parar, sempre e sempre sem parar. Volta melodia, ruído ensurdecedor de poemas condenados em quadros encantados de tempos passados em encontros desencontrados que prometeram pedaços de amarras nesse perdido destino transformado em viagem.

Cansaço desesperador que se abeira da alma e toma conta do sorriso matreiro da lágrima certeira e que se assoma de tua.

e num conto amador o inconveniente trovador recorda à saciedade a importância de não estender a mão para a ausente presença que de nada o resgata, somente ilude o olhar para esse sentir tão vago como fingidor.

e o poeta continua a escrevinhar libertando de sua alma em cada memória passada o sofredor pincelar que dá vida à emoção de outros com esse sofrimento tão particular, tão seu, tão solitariamente seu.

mais caminhos, cristalinos adivinhos nas entrelinhas da volúpia e soluçante maresia...

 

por outro tempo

noutros dias.

 

 

 

17
Jun20

Vai Voando...

Filipe Vaz Correia

 

 

 

0B0CD76B-36CF-4D07-A17C-EF5F47A29FE2.jpeg

 

Poema, poesia

contraditória superação

na inglória vontade 

deste entrelaçado coração

que sobe e desce

corre e sussurra

tropeça e cresce

sem saber

que atrás se esconde

outra vez

o mesmo abismo.

 

Um, dois, três

escrevinha o poeta

de pena ao vento

despejando a secreta

forma de tormento

que esmaga e penetra

o tortuoso sofrimento.

 

vai voando

por entre a imaginação

a doce melodia

buscando a entoação

no piano, velharia 

encostado ao canto da janela.

 

vai voando

sem parar

vai sonhando

a cantar

vai voando

mais perto do sol

dos Deuses

do nada que se transforma na imensidão de tudo.

 

vai voando

pequeno poeta

sem medo de voar

pois a queda será certa

tão certa como derradeiro esvoaçar.

 

vai voando.

 

 

 

 

Pág. 1/2

Mais sobre mim

foto do autor

Comentários recentes

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Calendário

Junho 2020

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930

Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D