Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Caneca de Letras

Caneca de Letras

A Era Da Política “Espetáculo” Ou The Show Must Go One?

Filipe Vaz Correia, 28.10.19

 

As saias do assessor deram brado nas redes sociais, o assessor da Joacine, de saia rodada esventrando o Status Quo Parlamentar, os costumes sociais que se chocam...

Saia?

Um Homem?

Uma saia rodada?

Antecipam-se terramotos políticos nesta disputa entre uma esquerda cada vez mais radical, em contraponto com uma direita cada vez mais extremada...

Não no número de deputados mas na composição do seu elenco, pois convenhamos que contar com a presença e palpite do “mui” estimado André Ventura, trará um acréscimo de salitre ao debate.

No entanto, como devem saber, o sal é desaconselhado pela Organização Mundial de Saúde...

Por aqui passaremos a discutir as saias parlamentares, mais vezes, os gostos mais rocambolescos de um ou outro deputado da Nação, percorrendo o caminho até esse encontro com as sugeridas castrações químicas do “mestre” André, numa mistura imperceptível de ignorância trauliteira.

Discutiremos lugares e cadeiras, conversas sem eira nem beira, espectáculo teatralizado em cada gesto, em cada penacho de insatisfação que possa garantir aqui ou acolá uns “conscientes” votos eleitorais.

Antevê-se assim uma agitada legislatura, carregada de soturnas imperfeições, nomes e discussões soletrados na inovadora politiquice que grassará, por entre, as paredes daquela Assembleia da República.

Todos os Partidos, estes que agora aqui chegam ou os outros que há muito por aqui andam, irão puxar para si esse espalhafato mediático da coisa, os gritos e os holofotes do povo, da nação que urge influenciar.

Veremos quem neste tempo saberá moderar a coisa, chamar a si a responsabilidade adulta num recreio carregado de irritantes excitamentos...

Deste tempo, de saia rodada ou de mão em riste, tudo se poderá esperar, como num “circo”, num palco, onde o Show Must Go One.

Até lá...

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

Desconexas Confissões...

Filipe Vaz Correia, 26.10.19

 

Não falo com certezas;

Escapadas proezas,

De imortais imperfeições,

Rotinadas paixões,

Que se perdem na fantasia,

Escondida maresia,

De uma solarenga tarde de amor...

 

Despindo o pudor;

Beijos entrelaçando o odor,

Nesse trémulo querer,

Misturada forma de Ser,

Imensamente só...

 

Um dia reescreverei;

Sem medo de gritar,

Cada parte em que pequei,

Nesse pecado chamado amar...

 

Uns dias sol;

Outros dias trevas,

Imperfeitas melodias,

De uma viagem sem retorno.

 

 

Parlamento: Filhos E Enteados...

Filipe Vaz Correia, 25.10.19

 

Estive a assistir à tomada de posse dos Deputados na Assembleia da República, assim como à eleição do Presidente da Assembleia da República...

Gabem-me a paciência, se faz favor!

No entanto, por entre, formalismos e conversa fiada, uma circunstância me chamou à atenção...

Os três novos partidos não puderam falar no hemiciclo, em contraponto com as restantes bancadas parlamentares, que usaram da palavra nesta abertura legislativa.

Um escândalo.

Dirão que faz parte do regimento, da ordem dos trabalhos, da tradição...

Mude-se!

Não faz sentido que na casa da Democracia, no dia em que tomam posse os eleitos da Nação, uns possam falar, discursar enquanto outros permanecem calados, silenciados por burocracias parlamentares.

O que mais me surpreendeu foi a aceitação deste facto por esses novos partidos que, tanto quanto pude me aperceber, nada fizeram para reclamar desta situação, desta estranha realidade.

Cadeiras?

Lugares?

Isto sim me parece uma questão pertinente para discutir, para debater.

Assim começaram os trabalhos parlamentares, por entre, filhos e enteados.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

“Ode” Aos Inesquecíveis Amores... Que Ousaram Se Eternizar.

Filipe Vaz Correia, 25.10.19

 

Tantas vezes sorri, perdidamente sorri, como se nada mais fosse importante, suficientemente importante para me esquecer desse pedaço de destino, onde timidamente me perdia em ti, por palavras, silenciosas palavras que decifravam cada entrelinha disfarçada nesse sentir que traduz o que escondido reluz, aquilo que importando se apaga, por entre, o espalhafato do quotidiano.

Foi assim...

Foram tantas vezes assim que se tornou pele e sangue, parte indisfarçável de um texto desconexamente sofrido.

Sofrimento, esse grito melodioso, que nos amarra, esmaga, que tantas vezes se agiganta como uma onda sem fim, cobrindo o horizonte e ligando o mar e o céu, num quadro poético, incapaz de ser descrito.

Tantas vezes a turbulência me tomou de assalto, me quebrou num pranto, nesse espanto que chegava e partia, desnudava e cobria, gritava mesmo que sem palavras...

Como explicar?

Como descrever o que, um dia, tão forte se fez sentir...

Esse bater do coração em tua presença, esse acelerar na tua ausência, descompasso de um compassado poema.

Pouco importará, nesse tempo futuro, se se perdeu cada toque e promessa, se desvaneceu cada eterno sentir que parecia inexpugnável...

Nada importará, nada mais do que cada memória amarrada a esse amor, tão imenso e intenso, capaz de resistir até mesmo ao seu fim.

Pois o fim, mesmo chegando, só é capaz de exterminar o que verdadeiramente se esquece...

E este amor será eternamente inesquecível.

Como sempre foi...

 

Filipe Vaz Correia

 

 

Franco: O “Despertar” Do Velho Ditador...

Filipe Vaz Correia, 24.10.19

 

Realizou-se hoje a exumação do corpo do General Franco, ditador que durante décadas dirigiu os destinos da Nação Espanhola.

Nesta espécie de ajuste de contas com a sua História, o seu passado, o “Governo” de Madrid, afinal existe Governo?, decidiu levar por diante esta vontade, este reescrever de memórias que bacocamente quiseram impor, numa confusa expressão de poder que nada mais será do que um folhetim publicitário à Extrema-Direita.

Podemos discutir os méritos ou pecados do Regime Franquista, a crueldade e brutalidade que o caracterizava ou até a transição planeada por Franco rumo ao seu legado, no entanto, num País ingovernável, carregado de contradições, envolvido num processo Catalão que ameaça desmembrar esse estatuto regionalista que compõe Espanha, usar este momento para remexer em feridas adormecidas, “desenterrar” fantasmas, talvez seja o maior erro de um frágil Primeiro-Ministro Socialista que se deparará com esses mesmos fantasmas nos próximos actos eleitorais.

Tirar o General Franco do Vale dos Caídos, poderá trazer para Pedro Sanchez uma leve satisfação de vingança perante a História mas não me parece que esse facto possa contribuir para unir os Espanhóis...

Antes pelo contrário, talvez acicate ânimos, cerre fileiras e divida ainda mais uma sociedade Espanhola, já de si submersa nessas clivagens que se fazem sentir.

O futuro o dirá...

 

 

Filipe Vaz Correia