Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Caneca de Letras

Caneca de Letras

15
Set19

Roberto Leal: “O Último A Sair”

Filipe Vaz Correia

 

Meu querido Roberto Leal que triste novidade esta, da sua morte, que nos chega desse lado do Atlântico e nos amarra nessa tristeza Luso-Brasileira.

Sou muito sincero...

Nunca tive por si uma grande admiração, antes pelo contrário, não gostava daquele lado excentricamente folclórico que o caracterizava, nessa mistura linguística entre o doce Carioca e a aridez nostálgica da alma Lusa.

No entanto, algo mudou...

Um programa de televisão, inesperadamente catalisador de um sentir diferente, marcou a minha opinião em relação a si, mudou-a, transformou esse olhar de tanto tempo.

O Último a Sair...

Um programa de humor, sátira, desnudando esse fenómeno chamado Reality-Shows, com um elenco de imensa qualidade, onde entre outros estavam Luciana Abreu, Bruno Nogueira, Débora Monteiro, Rui Unas e Roberto Leal.

Roberto Leal? Pensei...

Adorei cada instante desse Último a Sair, de cada um dos episódios, em cada um dos momentos que ficarão na memória.

Roberto Leal “venceu” esse programa, mudando a forma como muitos, incluindo eu, o haviam visto ao longo do tempo.

Meu querido Roberto Leal...

Não tenho muitas palavras para descrever essa tristeza que sinto, sabendo desta triste nova, recordando com admiração e gosto este “Roberto” que prometia ser o Último a Sair e que infelizmente foi o primeiro a partir.

Um abraço e até sempre...

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

14
Set19

Primárias Democratas: O Primeiro “Round” Das Eleições Americanas!

Filipe Vaz Correia

 

Os debates Democratas para escolher quem irá defrontar Donald Trump nas próximas eleições Norte Americanas estão agora a começar, numa disputa que se antevê dura mas com favorito anunciado...

Joe Biden, o anterior Vice-Presidente de Barack Obama, aparece em todas as sondagens como o candidato mais bem cotado para destronar Trump da “White House”.

Muitos alegam a idade de Biden como um empecilho à sua vitória, outros as gaffes, outros ainda a espiral esquerdista que invadiu o Partido Democrata, no entanto, na minha opinião, não existe ninguém com a capacidade de Joe Biden para conseguir recuperar alguma da sanidade política, perdida nos últimos anos, na Presidência Americana.

Biden representa o centro político, aquele que consegue absorver tanto o centro esquerda, como o centro direita, amarrando também, graças ao seu passado ao lado de Obama, muitos daqueles que se sentem excluídos, por entre, o discurso populista e descontrolado de Trump.

Pelo meio se encontra esse frenesim político que reina, por entre, a histeria instalada num Partido que sentindo representar o tamanho descontentamento na Sociedade Norte Americana, se perde muitas vezes em discussões fúteis, fragmentadas e que não conseguem aglutinar tantos daqueles que estão contra o actual Presidente.

Será indiscutível o cenário mais favorável para derrotar Trump, restando saber se os Democratas saberão capitalizar esse mesmo cenário, sem “fait-divers” que possam diminuir as suas possibilidades de vitória.

O facto de Joe Biden ter sido Governador em dois Estados chave na disputa eleitoral, onde Trump conseguiu, anteriormente, vencer não poderá ser considerado algo menor na equação e consequentemente factor essencial nas contas eleitorais.

Quanto a mim, mero espectador, “opinador”, não restam dúvidas ou hesitações sobre a escolha a fazer nestas primárias...

Joe Biden!

Quanto aos eleitores Democratas...

Espero que também não lhes subsista dúvida alguma.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

14
Set19

Contraditórias Palavras...

Filipe Vaz Correia

 

São contraditórias as palavras;

Meio enraizadas,

Nessa expressão maior,

Misturada dor,

Que se entrelaça na ardente expiação,

Dessa pequena emoção,

Outrora ferida,

E que agora se transformou em recordação perdida,

De uma desassossegada alma.

 

Já não grita a amargura;

Nem a desventurada desdita,

Essa amargurada aventura,

Perdidamente descrita,

Por entre letras soletradas,

Palavras inacabadas,

Momentos infinitos...

 

Um dia voarei;

De asas abertas,

Rumo a esse horizonte,

Que perpetuamente desnudado,

Se definirá como eterno,

Eternamente melodioso...

 

Melodiosamente único.

 

 

13
Set19

Os Debates Já Começaram?

Filipe Vaz Correia

 

Tenho andado distraído, em relação aos debates eleitorais, não por falta de vontade mas sim por uma sonolência irritante que se acomete da minha pessoa, sempre que insisto em ver estas pelejas políticas.

Debates serenos e mornos, enfadonhos e tristonhos, carregados de uma lentidão argumentativa nessa ausência total de argumentos.

Os sorrisos disfarçados, os programas mal elaborados, a noção de um resultado pré-determinado, neste autêntico passeio de António Costa...

Motivos para adormecer, sem voz ou determinação, entrelaçados por desvios ideológicos que confundem a mente das gentes, rasurando, vezes sem conta, a noção de Esquerda e Direita.

Encontramos Costa e o seu PS como garante das contas públicas, preocupados com o “diabo” que afinal acreditam poder chegar, enquanto encontramos o PSD e o CDS a prometer distribuir dinheiro entre impostos e incentivos, num grito desesperado por amarrar, amealhar, votos num quarto escuro.

Ligo, novamente, a televisão e ali se encontram:

Os candidatos, o moderador e a promessa de um debate...

Começa o dito e ansiado debate, a suposta troca de ideias, eu terei dito ideias?e logo se vai desvanecendo o interesse, se dilui a vontade de querer compreender o que têm a dizer.

Rio e Costa vão se encontrar, dentro de dias, para um decisivo debate...

Decisivo para Rui Rio, ou seja, para compreendermos por quanto perderá, se por uma gigantesca diferença ou apenas pela margem suficiente para atenuar a humilhação.

Triste tempo este...

Para quem como eu, que sendo de direita, se vê despojado de alternativas ideologicamente representativas deste campo político.

Vou dormir...

Se por acaso algum debate for digno desse nome, por favor, avisem.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

11
Set19

Carta Para Ti... Meu Amor!

Filipe Vaz Correia

 

Ao longe, ao ouvido de uma estrela, sussurrei o teu nome, baixinho, devagarinho, num entrelaçar de emoções, emocionada esperança que invade a minha querença...

Escasseiam as letras, mesmo numa Caneca repleta delas, para descrever como pulsa o meu coração, nesse bater sem razão, aquele sentir que não se explica, sente-se, caminhando sem medo de voar.

Tantas vezes disse que te amava, te amo, nessa misturada forma de expressar cada momento que juntos construímos, que de mãos dadas insistimos em percorrer.

Não seria a mesma pessoa se não te tivesse conhecido, nem sei se teria sobrevivido à dura pena que um dia me amarrou na velha sala da minha antiga casa...

Nessa dura despedida, enquanto caia rumo ao infinito e tenebroso vazio, senti a tua voz, a tua mão, a tua presença a amparar a queda, a segurar essa parte de mim, despedaçadamente estilhaçada.

Sempre tu...

Por entre o olhar, o teu, esse que me aponta o porto seguro, soube, sempre soube, que encontraria o destinado amor, esse amar eterno que se confunde com destino, que se transforma em felicidade.

Não sei se poderia saber, se te conseguirei descrever o que no bater da alma, no pulsar deste meu coração, se desencontra em cada lágrima tua, se descompassa em cada pedaço de tristeza que sinto em ti...

Porque és o meu mundo, tão intenso e profundo que num breve segundo se mistura na alma desarmada, na brisa desbravada, em busca de te dizer o que significas para mim.

Amo-te...

E de mãos dadas, bem velhinhos, por entre a despedida de um tempo longínquo sobrará a certa, certeza, de que valeu a pena.

Disto tenho a certeza:

Bem velhinhos...

Meu amor!

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

09
Set19

Para Sempre Amor!

Filipe Vaz Correia

 

Não tenho medo de nada;

De nada tenho medo,

E de tudo...

 

De tudo tenho receio;

Sempre que te vejo a dormir,

Que te pressinto a sorrir,

Ou ao longe te vislumbro...

 

A chegar.

 

Tenho medo de te perder;

De o vento te levar,

Tenho medo de te ver sofrer,

De algo te arrancar...

 

Não tenho medo de nada;

De nada tenho medo...

 

Desde que estejas a meu lado;

De mãos dadas,

Nessa eternidade que construímos dia a dia...

 

Para sempre...

 

Para sempre amor!

 

 

06
Set19

Dignidade Humana: Onde Se Traçam Os Limites?

Filipe Vaz Correia

 

Hesitei em escrever sobre este tema, principalmente pela repulsa que sinto ao referir o pasquim em causa e este gesto que, mais uma vez, o define.

A capa do Correio da Manhã desta Sexta-Feira, é uma das maiores barbaridades que alguma vez assisti, sinceramente é apenas mais uma neste longo reportório de “canalhice”, no entanto, não consegui conter a indignação que cresceu em mim.

Sou absolutamente contra este tipo de aproveitamento da desgraça alheia, figuras públicas ou anónimas, num frenesim constante por vender mais e mais, sem olhar a meios nem a princípios definidores da dignidade Humana.

Existirão limites?

Sei que muitos me responderão que se trata da Liberdade, essa donzela tantas vezes violentada por aqueles que supostamente a cortejam, porém não consigo compreender o que poderá ter a ver a exposição de um jovem, deitado numa maca, ligado a máquinas, num momento de absoluta fragilidade, com o direito a informar...

Esta revolta que me recuso a calar, sobra dentro de mim, por entre, os valores que me norteiam, os limites que julgo definirem a dignidade Humana.

Este pasquim expõe qualquer coisa e qualquer um em nome do que eles chamam de “jornalismo”, comportando-se como abutres atrás da carniça, esventrando a privacidade de todos os que podem servir os seus interesses...

Estão protegidos nesta sociedade, por uma justiça que muitas vezes com eles é conivente, passando informações que contribuem para a quebra do segredo de justiça, aliando este facto a um branqueamento total destas acções.

A capa que desnuda a realidade de Ângelo Rodrigues, não passa de um acto cobarde e vil destes medíocres escondidos sob o manto do “jornalismo”.

Uma vergonha!

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

06
Set19

Vou De Férias... Aqui Ao Lado!

Filipe Vaz Correia

 

Meus caros amigos “Canequianos”...

Já tenho tudo preparado, estou emocionado, nervoso.

Malas feitas, bilhete comprado, viagem preparada e aqui vou eu...

Hoje vou visitar a nossa muito querida amiga, MJP, que amavelmente me convidou para sua casa, abrindo as suas portas para dois dedos de prosa sobre essa Liberdade que tanto nos amarra e ao mesmo tempo nos faz voar.

Vão até lá...

Eu já estou a caminho.

Para a MJP...

Obrigadíssimo, uma vez mais, pelo convite e um beijo do tamanho do mundo.

 

 

 

06
Set19

As Cores...

Filipe Vaz Correia

 

As cores escaparam, fugiram, esbateram-se...

Na tela em branco nada sobrou daquelas pinceladas que amiúde foram ficando pela vida a fora, deixaram de brilhar, numa misturada interrogação que amordaça a vontade e se perpetua nessa dor que esmaga sem gritar.

Nesse vazio que se impõe, vezes sem conta, é sussurrado o nome dessa batalha que soletradamente desapareceu, dessa inquietude perdida, silenciosamente calada, por entre, a amargurada desventura que sobrevive aos dias e noites, numa repetida melodia, indiscretamente insistente.

Já perdi o hábito de expressar o teu nome, a imagem do teu rosto que se foi apagando, o bater do coração acalmando o sobressalto que outrora se agigantava.

Tudo mudou...

Mas nada morreu!

Nesse viajar, por entre, nuvens e chuva se desconstruiu aquela perfeição extinguida, aquele amarrar persistente, aquele amarar nesse mar agitado que agora se acalmou, desistiu de “bravejar”, como se desistisse de lutar contra as tristezas que se acumularam, por entre, as marés do destino...

A tela em branco...

Sempre ela.

De olhos fechados, questiono a imaginação pelas memórias desse passado, nosso, pelas saudades de um tempo onde se entrelaçavam os olhares, as mãos ou as frases desassossegadas, palavras desencontradas, numa enigmática esperança lunar.

Neste texto nada disto se encontra, nem as palavras permitem esse encontrar, com receio de que numa singela pontuação se recordem de como era o que agora desapareceu, de como foi o que desesperançadamente se perdeu.

As cores...

As tamanhas cores de outrora, aquelas que ousavam, atreviam, desafiar o entendimento, a percepção do que estava desenhado e que deram lugar a esse espaço vazio que reina, se agiganta, despedaçadamente irrompe sem esperar.

Numa última dança se escreve um texto, se desempoeiram as palavras, se despem as desapegadas letras, para nesse último passo brindar ao que existiu...

Ao que foi amor.

Ou será que ainda é?

Isso pouco importa...

Que se faça tocar a música para num instante parecer que ainda sobrevivem as cores melodiosas de um intemporal amor.

Tão intemporal que preferiu morrer do que simplesmente esse sobreviver que ameaçava o amarrar eternamente.

As cores...

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

05
Set19

A Entrevista De Frederico Varandas...

Filipe Vaz Correia

 

Mas que grande entrevista...

Frederico Varandas concedeu uma entrevista à Sporting TV, uma generosa tentativa para explicar os actos de gestão da sua direcção, tendo em conta aqueles Sportinguistas que fruto da sua ignorância não conseguiram acompanhar o “magnífico” plano de quem os lidera.

Um entrevista aguardada, esperada, carregada de momentos marcantes e inesquecíveis.

Para começar, deixar aqui o meu “mea culpa” por não conseguir acompanhar as intervenções do Presidente sem que a sonolência me envolva, o tédio me acometa, o desassombrado aborrecimento me persiga.

Mas isso é, certamente, culpa minha...

Não terá, com certeza, nada a ver com a falta de empatia ou carisma do estimado Frederico, ou seja, a ausente capacidade de comunicação que perturba o raciocínio daqueles que se esforçam por compreender a lenta dicção Presidencial.

Nesta entrevista ficamos a saber que existem esqueletos a sair do armário Sportinguista, que grassam ignorantes e desonestos intelectuais no mundo verde e branco, sempre que estes, os desonestos ou ignorantes, ousam discordar do rumo escolhido pelos líderes “iluminados”.

Passámos de Sportinguados, a ignorantes e desonestos...

 Que falta de originalidade.

Depois não posso deixar de expressar uma palavra sobre Jesé Rodriguez, essa pérola por quem Varandas jura se ter atravessado, no entanto, repleto de motivos para tamanho gesto visto ter garantido saber tudo sobre a vida do jogador Espanhol...

Dentro e fora do campo.

Uma mistura de “Scout” de Futebol e Tertuliano cor de rosa, sempre em cima do acontecimento.

Temo é que ao informado Presidente do Sporting lhe tenha escapado a profissão em que Jesé Rodriguez tem conseguido maior sucesso nos últimos anos...

Cantor!

Jesé ou Jay M é, paralelamente ao futebol, um cantor “renomado” no YouTube, com vídeos que atingem mais de 31 Milhões de visualizações, garantindo à partida a animação dos intervalos em Alvalade.

Agora digam lá que o Presidente não pensa em tudo.

Varandas garantiu ainda que não é estúpido, quem sou eu para o contradizer, aproveitando a entrevista para nos esclarecer que Jesé Rodriguez, Jay para os amigos, é um avançado centro, centro, centro, que joga no centro...

Perdoe-me a ousadia:

Não, não é!

Aliás se o senhor Presidente me permite dizer...

Isso é uma grande estupidez.

Ainda se falou de Bolasie e da sua imensa experiência na Premier League, de Fernandinho e do seu imenso potencial ou até do já desaparecido Marcel...

Coitado do Marcel.

Falou de Leonel Pontes, do prazo e da tarefa, do treinador Português que quer contratar, mesmo apostando no Leonel ou naqueles treinadores que não querem treinar o Sporting...

Tanta coisa e coisa nenhuma.

Dos sub-23 que têm vários jogadores de 18 anos e um de 16...

A sério?

Que bom...

Enfim, Varandas falou, falou e falou, por entre, aquele assombro de sapiência que parece lhe pertencer mesmo que seja inócua, despida de ligação com a realidade.

Assim, continuo desmotivado, triste e preocupado, no entanto, menos infeliz pois tenho no meu feed do YouTube a nova canção de Jay M...

O avançado centro, centro, centro, que joga no centro mas é móvel, do SCP.

Ai que bom!

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

 

 

Pág. 1/2

Mais sobre mim

foto do autor

Comentários recentes

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Calendário

Setembro 2019

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D