Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Caneca de Letras

Caneca de Letras

17
Fev19

A Remodelação Dos "Jovens Turcos"...

Filipe Vaz Correia

 

António Costa levou a cabo uma remodelação Governamental, mexendo em vários Ministérios e Secretarias de Estado...

Sinceramente, quando surgiram as primeiras noticias que davam conta de Pedro Marques como cabeça de Lista do PS ao Parlamento Europeu, não consegui acreditar, não consegui compreender o alcance de tal estratégia.

No entanto, não só vai Pedro Marques, como o acompanha Maria Manuel Leitão Marques.

Ora toma que afinal são dois...

Cada vez percebo menos disto.

A poucos meses do fim da Legislatura, acreditei que António Costa fosse preferir manter o núcleo do "seu" Governo intacto, sem grandes agitações, no entanto, parece que me enganei.

Depois desta mini revolução, soletrada na Comunicação Social, começamos a vislumbrar o esboço deste novo arranjo político.

Tenho de admitir que me parece surpreendente...

Costa libertou os "Jovens Turcos" da sua dourada gaiola, a nova geração Socialista, liderados por Pedro Nuno Santos, que há muito almejavam decifrar os enigmas, desse prometido futuro dentro do Partido .

Com a subida a Ministros de Mariana Vieira da Silva e Pedro Nuno Santos, assim como, de Duarte Cordeiro a Secretário de Estado Adjunto do Primeiro-Ministro, a ala mais à esquerda do PS sai amplamente vencedora, posicionando-se na Pole Position para os anos vindouros.

Pedro Nuno Santos será o herdeiro de Costa, não restam dúvidas, o que deverá alertar e preocupar a Direita Portuguesa, permanentemente entretida com as suas divagações.

Com este cenário, devem esmorecer as esperanças daqueles que sendo Socialistas, são moderados, identificados mais com o centro político, do que com a Esquerda Radical.

Com este novo equilíbrio de poder, resta saber...

Até onde irão os "Jovens Turcos"?

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

17
Fev19

Adeus Amor

Filipe Vaz Correia

 

Nem sempre o que grita o espelho, no reluzente reflexo do olhar, consegue convencer o coração a seguir em frente, a deixar para trás todo o carinho reservado no tamanho querer de um amor.

Mas o que fazer?

Se no fim da linha, nesse molhar os pés no mar, se apercebe o coração desse caminho sem volta, que sufoca desmedidamente.

Devagarinho...

Sem pressa, se entrelaça o querer ao desejo, se amarra todo o sentimento numa imensa tristeza, caminhando mar adentro.

Sempre mar adentro.

Num mergulho...

Num mergulho nesse mar intemporal, misturamos as nossas lágrimas nessa água salgada, somente sussurrando, discretamente, todo o ardor da intensa dor.

Mergulhamos uma e outra vez...

Uma e outra vez.

E numa esperança sem fim, deixamos para trás, esse pedaço que já não nos pertence, se algum dia pertenceu, sabendo a alma, nossa, que jamais desaparecerá a ferida, revivida em cada parte de nós.

Mas adormecerá, permitindo ao tempo, um novo tempo para amar.

E talvez um dia, longínquo, possamos olhar para trás e nesse olhar, outrora valioso, sentirmos apenas uma leve sensação de desconhecimento.

Um desconhecido sentido de indiferença.

Uma calorosa indiferença que alimentará um adeus sem fim...

Por fim.

 

 

Filipe Vaz Correia

 

 

 

17
Fev19

Moção De Censura Ou Um Jogo De Incongruências?

Filipe Vaz Correia

 

O CDS apresentou uma Moção de Censura ao Governo, baseada, entre outras coisas, no clima de crispação social existente, tendo como exemplo o imenso número de greves.

Ora...

Catarina Martins, logo se apressou a demonstrar a contradição ou hipocrisia existente nesta argumentação de Assunção Cristas e seus pares.

Como pode um Partido como o CDS, utilizar a força sindical, que aliás sempre desprezou, para justificar o seu jogo político, assim como, o seu posicionamento eleitoral.

Questionava-se a "doce" Catarina...

E com razão.

O que se esquece a "querida" Catarina, é de falar sobre a insanável contradição no seu discurso...

Atacando Assunção Cristas pelas suas incongruências, Catarina esquece o espelho político das suas, próprias, contradições.

Então não é que o Bloco passou uma Legislatura a apoiar um Governo, obcecado pelo cumprimento do Deficit Orçamental...

A apoiar um Governo que não só é o campeão do projecto Europeu, como também,  tem como Ministro das Finanças, o homem forte do Eurogrupo.

E quer a "menina" Catarina falar de contradições?

Tenham lá decoro.

De resto, é apenas a normal hipocrisia da política Nacional, rasteirinha, bacoca e fingida, sempre capaz de surpreender pela negativa.

Da esquerda à direita...

Continuamos, por entre, momentos de um reality show de fraca qualidade.

 

 

Filipe Vaz Correia